quinta-feira, 21 de maio de 2015

Bala perdida atinge jornalista durante confronto em Niterói


Um intenso confronto entre policiais e criminosos da comunidade do Viradouro, em Santa Rosa, Zona Sul de Niterói, provocou tumulto e pânico na manhã desta quinta-feira na região. Na troca de tiros o repórter fotográfico do jornal O Itaboraí, Marcos Vieira, 54 anos, foi atingido por uma bala perdida no braço direito, enquanto exercia seu trabalho. Por quase três horas a PM impediu o trânsito de veículos na Estrada da Garganta, e em boa parte da Rua Doutor Mario Vianna, na altura da comunidade.  
A operação coordenada pelo 12º BPM (Niterói), contou com o apoio do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar. O confronto começou por volta das 7h30 com a entrada dos policiais na região. Um veículo blindado (caveirão) foi usado para auxiliar no trabalho da PM nos acesso a comunidade.

Por causa tiroteio, a Polícia Militar interditou o fluxo de veículos na região, deslocando o trânsito para Ititioca e Estrada da Cachoeira, em São Francisco.

“O objetivo da operação é prender traficantes e apreender armas e drogas, além de retirar novas barricadas colocadas por criminosos. A via precisou ser interditada para evitar que inocentes sejam atingidos pelos disparos”, informou o coronel Gilson Chagas, comandante do 12º BPM. 
Por volta das 10h50 um novo confronto entre os policiais e traficantes deixou o fotógrafo Marcos Vieira ferido. Ele buscava abrigo em uma padaria na Rua Doutor Mario Viana, quando foi atingido no braço. Segundo a PM, o tiro veio da parte alta do Morro do Cruz, na subida da Garganta. A localidade é parte do Viradouro. 
“O grupo de jornalistas estava reunido na padaria quando ouviu disparos. Foi tudo muito rápido até percebermos o que realmente havia acontecido com nosso colega. É lamentável ter que falar sobre isso”, disse um colega de profissão. 
O fotógrafo foi socorrido por agentes do Bope e encaminhado para o Hospital Estadual Azevedo Lima (Heal) no Fonseca, na zona norte da cidade. Ele foi atendido e liberado ainda com a bala alojada no braço. Na parte da tarde a vítima passou por cirurgia no Hospital Estadual Alberto Torres, no Colubandê, em São Gonçalo, para retirada do projétil.

“Temos que lamentar essa situação. Nossa prioridade é preservar vidas e o socorremos o mais rápido possível”, disse o coronel Gilson Chagas. 
O presidente da Associação Profissional dos Repórteres Fotográfico e Cinematográficos do Rio de Janeiro (ARFOC-RJ), Alberto Elias Guimarães Jacob, lamentou o incidente.  
“Uma situação como esta é lamentável para nós profissionais. Sabemos dos riscos que passamos em uma operação policial e por isso adotamos uma política de segurança para quem trabalha em área de risco”, disse.

quarta-feira, 20 de maio de 2015

Policial Militar é encontrado morto em Campos


O corpo de um policial militar identificado como Manoel de Souza Ferreira, lotado no 32º Batalhão de Polícia Militar (BPM) de Macaé, foi encontrado morto na manhã desta quarta-feira (20) em Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense. Segundo a corporação, o corpo, que estava dentro de um veículo modelo Ford Fiesta de cor preta, apresentava marcas de tiros e agressão. O caso foi registrado na 134ª DP.
Ainda de acordo com a PM, no início da manhã o órgão recebeu uma denúncia anônima de que um homem estaria morto dentro de um carro na Rua Visconde de Alvarenga, no Parque Leopoldina. O comandante do 8º BPM (Campos), tenente-coronel Marcelo Freimam, revelou que Manoel era segundo sargento e morava em Campos. Ele também já atuou no 8º BPM. A Polícia Militar ainda não sabe a motivação do suposto homicídio, nem o paradeiro dos suspeitos do crime.

Policial mais estressado está mais inclinado ao uso da força, diz especialista

Uma pesquisa feita com 5 mil policiais militares (PMs), equivalente a 20% de todo o contingente da região metropolitana do Rio, mostrou que muitos PMs apresentavam sintomas de estresse, como raiva (54%) e insônia (52%), e 29% deles também alegavam estar insatisfeitos com a profissão.

Pesquisa mostra que PMs apresentavam sintomas de estresse, como raiva (54%) e insônia (52%)

"Um policial mais estressado está mais inclinado ao uso da força e isso é prejudicial tanto para ele quanto para a sociedade. Se não respeitarmos os policiais e dermos melhores condições de trabalho a eles, nunca poderemos esperar que eles respeitem os cidadãos nas ruas", disse o sociólogo Ignácio Cano, especialista em Segurança Pública e coordenador do Laboratório de Análises e Violência da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), que apresentou os dados da pesquisa.

Os números foram divulgados na última terça-feira(19) em uma audiência pública na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) e reuniu representares da Secretaria de Estado de Segurança do Rio, das polícias Militar e Civil e agentes de segurança pública para discutir as condições de trabalho dos policiais.

A pesquisa também mostrou que cerca de 7% dos policiais pensaram em cometer suicídio. Algumas das causas desse índice, de acordo com Cano, são a baixa remuneração, baixo status social, horários de trabalho muito extensos, escalas pouco funcionais, sensação de desrespeito pela corporação e pela comunidade, além da "altíssima" exposição a confrontos armados, o que leva muitos agentes a se tornarem vítimas das políticas de confronto e do modelo da "guerra às drogas".

A audiência também ouviu o sargento Lúcio Alexandre Pereira, da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Ladeira dos Tabajaras, comunidade localizada em Copacabana. Ele criticou a estrutura do local de trabalho de muitos policiais. "Nós trabalhamos dentro de contêineres, que não oferecem nenhuma segurança. A base avançada da UPP Tabajaras tem um suporte precário, não há banheiro, nem local de alimentação", relatou.

A presidente da Comissão de Segurança Pública da Alerj, deputada Marta Rocha (PSD-RJ), diz que ouvir policiais, pesquisadores e representantes da sociedade civil é um passo importante na elaboração de políticas que possam garantir melhores condições dos agentes. "A comissão segue atenta aos pedidos. O policial satisfeito com o seu trabalho oferece um serviço com mais qualidade e quem sai ganhando é a sociedade", disse, acrescentando ser necessário também investir na qualificação e na formação dos agentes.

O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Alerj, deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL-RJ), disse que a audiência será importante para entender as solicitações dos policiais e dos parentes de agentes mortos em serviço e encaminhar aos órgãos competentes.

"A comissão acompanha os familiares dos policiais assassinados dando assistência psicológica, encaminha para a assistência jurídica, fundamentalmente pela Defensoria Pública. Esse encontro também será importante para dar voz a policiais civis e militares não somente sobre questões salariais, mas tudo o que envolve o seu dia a dia. Todo mundo quer maior qualidade na segurança pública e para isso é decisivo escutar esses policiais".

Diante das demandas, o subsecretário de Educação, Valorização Profissional e Prevenção da Secretaria de Estado de Segurança, Pehkx Jones, disse que, em 15 dias, vai se reunir novamente com as comissões da Alerj. "Vamos fazer encaminhamentos para apropriar alguma coisa em leis de defesas orçamentárias para o ano que vem para mostrar à sociedade do Rio de Janeiro que existe uma confluência de esforços coletivos para melhorar a situação e valorizar o policial".

domingo, 17 de maio de 2015

Policial militar é morto a tiros na porta de casa em São Gonçalo


Um policial militar do batalhão de Niterói (12ºBPM) foi morto a tiros após sair de casa, no bairro Porto da Pedra, em São Gonçalo, região metropolitana do Rio de Janeiro, neste domingo (17). O policial foi identificado como Luis Carlos Barbosa de Lima Junior. 
 O crime aconteceu por volta das 7h, quando o PM se preparava para assumir o serviço no batalhão. De acordo com o comandante do 12º BPM, o policial chegou a ser levado para o pronto socorro de São Gonçalo, mas não resistiu aos ferimentos. 
A Divisão de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí investiga a motivação do crime.

PM acusa policiais civis de negar socorro após ser baleado em tentativa de assalto

PM acusa policiais civis de omissão de socorro, após ele ser baleado em uma tentativa de assalto no bairro de Sulacap, na quarta-feira (13). Leonardo Ferreira de Andrade estava à paisana dirigindo pelo bairro quando três bandidos chegaram em um carro preto anunciando o roubo. Em um áudio, ele pede ajuda de colegas da Polícia Militar e explica que está sendo levado para o Hospital Estadual Albert Schweitzer. O agente comenta que teve o socorro negado por policiais da delegacia de Realengo (33ª DP).


FILHOS DE TRAFICANTE PEDE INDENIZAÇÃO DO ESTADO


sábado, 16 de maio de 2015

Deputado federal Cabo Daciolo é expulso do Psol

Por 54 votos 1, o deputado federal Cabo Daciolo, do Psol-RJ, está oficialmente expulso do partido por decisão do Diretório Nacional, realizada neste sábado, que acatou o relatório unânime da Comissão de Ética.

TODO O PODER EMANA DE DEUS!
Não recebi com alegria a notícia de minha expulsão pelo Diretório Nacional do PSOL. Fui eleito com 49.831 votos, numa campanha desacreditada pela maioria dos militantes psolistas. Não tive tempo de TV e os recursos financeiros foram escassos. Mesmo assim, diante da especulação negativa de que seria derrotado nas ruas, Deus, o Todo-poderoso, honrou a nossa fé e o empenho voluntário, aguerrido, das pessoas que acreditaram genuinamente em nossa proposta.
O meu desejo é permanecer no PSOL. Sempre foi. Quando fui suspenso, apresentei minha defesa, sem abrir mão dos pontos que defendo, mas expressando a minha sincera vontade de continuar filiado. Hoje não é um dia para se comemorar. Todavia, a minha confiança está no Senhor e nos seus desígnios. A vontade de Deus é boa, agradável e perfeita (Rm 12.2). A Bíblia, o meu único manual de fé e prática, diz que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus. Nunca me envergonharei em declarar que Deus vem em primeiro lugar na minha vida. Todo o poder emana de Deus.
O PSOL me perseguiu, desrespeitou a minha liberdade religiosa e não permitiu que eu pudesse discutir as minhas propostas junto ao partido. Fui discriminado. Mesmo assim, eu os perdoo. Não levo mágoas comigo. Jesus me ensinou a perdoar.
Para encerrar, quero reiterar que em qualquer partido político irei honrar a minha fé e defender os militares. Militar também é cidadão.
Sigo em frente, de cabeça erguida, sabendo que Deus está no controle. O trabalho não vai parar. Vamos honrar cada voto. Juntos somos mais fortes.
Abraços fraternos,
Cabo Daciolo
Deputado Federal

terça-feira, 12 de maio de 2015

Alpinista é morto ao entrar por engano na favela Vai Quem Quer, em Duque de Caxias


Alpinista industrial e caldeireiro da empresa Elfe Óleo & Gás, que presta serviços para a Petrobras, Ulisses da Costa Cancela, de 36 anos, foi morto com um tiro na cabeça ao entrar de carro, por engano, na favela Vai Quem Quer, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, na noite de sábado.
Ulisses voltava de uma festa no Rio com a mulher e um casal de amigos para Petrópolis, na Região Serrana, onde morava, quando errou o caminho. Quando o Ford Ka em que viajavam entrou na comunidade, bandidos dispararam contra o veículo e um dos tiros atingiu o alpinista. Os outros ocupantes não se feriram, mas passaram momentos de pânico até serem socorridos por policiais militares do 15º BPM (Duque de Caxias).

A Favela Vai Quem Quer fica na região conhecida como Lote 15 e é considerada uma das mais perigosas do município da Baixada.

De acordo com o delegado Fábio Cardoso, titular da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), foi realizada perícia no local e no veículo onde estava a vítima. Testemunhas estão sendo ouvidas pela especializada para tentar identificar os autores dos disparos contra o grupo. A polícia acredita que os bandidos têm ligação com o tráfico local e atiraram por confundir as vítimas com criminosos rivais.

Ulisses ainda foi levado para o Hospital de Imbariê, no mesmo município, mas não resistiu aos ferimentos. O corpo do alpinista, que era casado há dez anos, foi sepultado às 16h30 de domingo no Cemitério Municipal de Petrópolis. O caso foi registrado inicialmente na 60ª DP (Campos Elíseos), ainda na noite de sábado, mas a DHBF assumiu as investigações.

segunda-feira, 11 de maio de 2015

Playboy pediu reforço de armas no confronto no morro da Coroa

Fú da Mineira está foragido desde 2013, quando recebeu autorização para visitar a família.

A Polícia Civil investiga se o traficante Ricardo Chaves de Castro Lima, conhecido como Fú da Mineira, comandou a invasão ao morro da Coroa, na região central do Rio. Ao menos seis pessoas morreram durante o fim de semana. 

Em uma suposta gravação, o traficante Celso Pimenta, o Playboy, pede aos companheiros de facção criminosa que redobrem a segurança no Morro da Coroa, para evitar a invasão de um bando rival. No áudio, ele solicita que os colegas usem pistola e granada para garantir a predominância da facção na comunidade.

— (...) a hora é essa pra fortalecer os amigos da Coroa. Uma pistola, um oitão, uma bala, uma granada... Quem puder fortalecer mano, vamos fortalecer mano, meus amigos. Não vamos deixar os caras do comando esculachar nossos amigos não, compadre.

quinta-feira, 7 de maio de 2015

TCE aponta desvio de R$ 7,9 milhões do Hospital da Polícia Militar


As compras feitas através do fundo da Polícia Militar (Funespom) para os hospitais da corporação, nos últimos cinco anos, passarão por auditoria. A meta é descobrir se há irregularidades na aquisição de material hospitalar como roupas de cama e materiais cirúrgicos.

As informações foram divulgadas nesta quinta-feira (7) pelo presidente do Tribunal de Contas do Estado do Rio (TCE-RJ), Jonas Lopes. O órgão investiga o desvio de cerca de R$ 8 milhões, de um total de R$ 13,9 milhões de compras auditadas no ano passado.

Mesmo sem haver registro de ameaça, será pedido ao secretário de Segurança Pública José Mariano Beltrame proteção aos profissionais. Hoje foi realizada uma sessão ordinária e os conselheiros aprovaram a auditoria feita em sete atas de registro de tomada de preços, que apontou essas irregularidades.

Outras auditorias em função disso vão ser feitas para tentar verificar ilegalidades, desvio de verbas e exigir dos responsáveis devolução. Além disso, cópias do relatório aprovado foram enviadas para Secretaria de Segurança e para o Procurador Geral de Justiça Marfan Martins Vieira. Os 19 citados terão 30 dias para se defender a partir do recebimento da notificação.

Procurada pelo Manchete Online, a assessoria da PM informou que o inquérito Policial Militar (IPM) que foi instaurado pelo atual comando para apurar desvios de material hospitalar da corporação, concluiu que há indícios de crime contra administração militar estadual.

Ao longo do inquérito foram identificadas irregularidades cometidas pela FUSPOM, quanto à compra, fiscalização e armazenamento de materiais hospitalares. Além de membros da comissão gestora do FUSPOM, ex-integrantes da diretora, oficiais e um suboficial do hospital da PM em Niterói (HPM/Nit) foram indiciados.

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), do Ministério Público, a partir de agora é que vai apurar a responsabilidade criminal de oficiais da corporação.

Relação dos citados no relatório:

Responsável: Décio Almeida da Silva
Cargo/Função: CEL PM – Subdiretor-Administrativo da Diretoria-Geral de Saúde no período de 20/12/13 a 06/09/2014

Responsável : Kleber dos Santos Martins
Cargo/Função: CEL PM – Diretor-geral de Administração e Finanças

Responsável : Helson Sebastião Barboza dos Prazeres
Cargo/Função: MAJ PM – Chefe do Fuspom no período de 26/12/13 a 23/09/14 e fiscal administrativo do HCPM no período de 30/04/13 a 11/12/13

Responsável: Andrea Carneiro Ramos
Cargo/Função: MAJ PM - Chefe da Central de Material Médico Hospitalar de 10/10/2013 a 26/11/2014

Responsável : Marcia Rezende Dourado Azevedo
Cargo/Função: 1º TEM PM

Responsável : Armando Porto Carreiro
Cargo/Função: CEL MÉDICO - Diretor do Hospital Central da PM no período de 27/08/13 a 28/10/14

Responsável : Alexandre Felix Barbosa
Cargo/Função: TEN CEL PM - Subdiretor administrativo do Hospital Central da Polícia Militar desde 10/12/13

Responsável : Maycon Macedo de Carvalho
Cargo/Função: MAJ PM - Fiscal administrativo do HCPM no período de 11/12/13 a 05/08/14

Responsável : Thiago Cícero Teixeira Bezerra
Cargo/Função: MAJ PM - Fiscal administrativo do HCPM a partir de 05/08/14

Responsável: Carlos Mendes Gomes de Oliveira
Cargo/Função: CEL PM - Diretor de Logística no período de 10/10/11 a 03/12/13

Responsável : Sergio Ferreira de Oliveira
Cargo/Função: MAJ PM - Chefe do Fuspom no período de 19/02/13 a 14/01/14

Responsável : João Jorge de Souza
Cargo/Função: 1º TEN PM – Responsável pelo Almoxarifado do HCPM no período de 01/01/10 a 06/11/14

Responsável : Edson da Silva
Cargo/Função: 2º TEN. PM

Responsável: Marcio da Silva Ribeiro
Cargo/Função: 1º TEN. PM

Responsável : Carlos Henrique de Araújo
Cargo/Função: 2º TEN. PM

Responsável: Sergio Sardinha
Cargo/Função: CEL MED - Diretor do Hospital da Polícia Militar em Niterói, no período de 01/01/14 a 28/10/14

Responsável : Marcelo de Almeida Carneiro
Cargo/Função: TEN CEL PM - Subdiretor administrativo do Hospital da PM em Niterói, no período de 22/02/14 a 08/10/14

Responsável : Fabiano Duarte Lopes
Cargo/Função: CAP PM - Fiscal administrativo do HPM Nit no período de 02/01/14 a 20/10/14

Responsável : João Alexandre de Rezende Assad
Cargo/Função: MAJOR PM MÉDICO - Chefe do Setor de Hemodinâmica do HCPM desde 15/10/13