segunda-feira, 21 de julho de 2014

PMs fazem rebelião no BEP

O motim começou por volta das 11h da manhã e, segundo as primeiras informações, teve como causa uma decisão judicial que determinou a transferência de presos para o Complexo Penitenciário de Gericinó. Os presos estariam reclamando ainda da qualidade das quentinhas e das constantes inspeções nas celas.

 

Houve quebra-quebra dentro do presídio. Policiais do Batalhão de Choque foram para o local para controlar a situação. Um grupo da Polícia Militar foi designado para negociar com os rebelados.
Em nota, a PM informou que "a Corregedoria Interna da Polícia Militar foi acionada para a Unidade Prisional nesta segunda-feira em função da transferência determinada pelo Poder Judiciário de um ex-policial militar para Bangu, que está sendo contestada por alguns presos. Mesmo com o movimento, o ex-PM já foi transferido. O Batalhão de Choque (BPChoque) reforçou  a segurança no local e as negociações com outros presos estão em andamento". No final da tarde desta segunda, a situação parecia controlada na unidade prisional, mas o trânsito seguia interditado na rua onde fica o BEP.

Câmera de viatura mostra PMs levando jovens para morro onde um deles foi assassinado

Um vídeo divulgado pela Polícia Militar mostra dois PMs apreendendo três jovens que foram levados para o morro do Sumaré, na zona norte, onde um foi assassinado. As imagens mostram dois jovens sendo apreendidos e em seguida os policiais colocam outro no veículo e os levam para o morro do Sumaré. No alto do morro, um dos jovens foi executado e outro se fingiu de morto para se salvar. O terceiro convence os policiais de que não tinha nenhum envolvimento com os outros adolescentes e é liberado pelos agentes. Eles ainda dão carona para o jovem e o deixam nos arcos da Lapa. O crime aconteceu em junho, e os dois PMS, Fábio Magalhães Ferreira e Vinícius Lima Vieira, estão presos no BEP (Batalhão Especial Prisional). Segundo a Polícia Civil, eles são acusados de homicídio qualificado, tentativa de homicídio e ocultação de cadáver. 

Vítima de sequestro filma bandido durante ação

Um empreiteiro mineiro de 43 anos ficou em poder de um bandido armado durante cinco horas e percorreu 26 quilômetros nas duas avenidas mais movimentadas da Barra da Tijuca, com o criminoso em seu carro. O homem — que pediu para não ser identificado — foi abordado às 9h, quando entrava em seu carro, um Honda Fit, no estacionamento do supermercado Carrefour, na Avenida das Américas.
Somente às 14h, foi liberado pelo bandido — depois de ter passado por outros nove estacionamentos à procura de outras vítimas. Os últimos momentos do sequestro-relâmpago foram filmados pela vítima, com um celular escondido entre as pernas.
Vídeo mostra bandido dentro do carro da vítima
bandido dentro do carro da vítima
Nas imagens  (ASSISTA O VÍDEO  ) é possível ver o rosto do bandido e a arma, um revólver calibre .38, que ele usava, escondida numa bolsa preta. O vídeo foi feito quando a vítima e o criminoso estavam dentro do carro, no estacionamento do Hortifruti da Avenida das Américas, pouco depois das 14h. Sem ter conseguido sacar dinheiro com o cartão do empreiteiro, o bandido afirmou que só liberaria o homem se eles encontrassem outra vítima.
— Ele levou R$ 400 da minha carteira, mas não conseguiu tirar dinheiro com meu cartão, porque minha conta estava vazia. Então, percorremos vários outros estacionamentos em busca de uma vítima que estivesse sozinha — contou o empreiteiro.


Bandido esconde a arma momentos antes de abordar nova vítima
Bandido esconde a arma momentos antes de abordar nova vítima 
As imagens mostram o momento em que o bandido sai de um carro e entra no outro, um Pajero, com uma mulher no banco da frente. “Fica na moral. Só sai com o carro, o cara está comigo ali”, diz o bandido para a nova vítima. Logo após ser liberado, o empreiteiro registrou ocorrência na 16ª DP (Barra), que teve acesso às imagens e abriu inquérito para identificar o criminoso.
O empreiteiro ainda contou que só fez a filmagem por que achava que, sem o registro, o caso ficaria impune.
— Estava com medo de ele tentar me levar para casa. Tenho quatro filhos e só pensava neles enquanto dirigia. A partir de um momento, resolvi filmar escondido porque, se não fizesse, ninguém ia acreditar e não ia dar em nada. Isso não pode ficar impune — afirmou.
‘Odeio roubar pobre’
Em depoimento na 16ª DP, o empreiteiro contou que, no estacionamento da loja Macro, o bandido “tentou fazer um casal de vítimas, mas não obteve sucesso, pois a mulher saiu correndo e gritando”. Na ocasião, o homem tentou fugir, mas, com a arma em sua direção, voltou para o carro. O empreiteiro ainda contou que o bandido só decidiu liberá-lo porque viu que não havia muitos objetos de valor no carro.
— Quando ele viu meu relógio, disse: “Bota de bater laje e relógio porcaria? Odeio roubar pobre”. Aí, decidiu procurar outras vítimas — afirmou.
A segunda vítima também foi à 16ª DP, após ser liberada pelo criminoso no fim da tarde. Em depoimento, ela disse que o bandido ainda fez um saque com seu cartão antes de liberá-la.

domingo, 20 de julho de 2014

Base da UPP é atacada e viatura é incendia por traficantes no Complexo do Alemão

JORNAL EXTRA
Policiais que estavam dentro do contêiner da rua Canitar no Complexo do Alemão, foram alvo de disparos de fuzil. Um policial, identificado como soldado Cordeiro, foi baleado no abdômen e encaminhado ao Hospital estadual Getúlio Vargas, na Penha. A viatura que estava estacionada ao lado da base da UPP foi incendiada pelos bandidos. Um caveirão do 16º BPM (Olaria) foi enviado ao local a pedido do comando da UPP.
Segundo os policiais, o ataque é uma retaliação à prisão de Diogo Wellington Costa, o “Diogo Bebezão”, 28 anos, na madrugada deste sábado. Segundo agentes da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), que fizeram a prisão, o traficante estava numa festa na comunidade e foi surpreendido pela presença da polícia quando saía do local, pela Rua Canitar.



Viatura também foi atingida por disparos

Segundo o delegado titular da especializada, Gilson Perdigão, houve troca de tiros e “Bebezão” foi ferido na barriga, mas conseguiu fugir, sendo capturado logo depois. Ele foi preso em flagrante por tentativa de homicídio
Na tarde deste domingo, Matheus Alexandre Silva dos Santos, de 18 anos, foi morto em troca de tiros com policiais. Segundo os PMs, uma equipe fazia patrulhamento pela Praça do Índio, quando foi surpreendida por um grupo de traficantes armados, por volta das 14h. Matheus foi baleado e levado para o Hospital estadual Getúlio Vargas, não resistiu ao ferimento e morreu. De acordo com a polícia, Matheus estava com uma pistola 9mm e um carregador.

Digitais sem licitação na PM

Informe do dia

Ex-comandante-geral da Polícia Militar do Rio de Janeiro, o coronel Gilson Pitta terá que pagar multa de R$6.368,25 determinada pelo Tribunal de Contas do Estado. Depois de avaliar documentos da própria PM, os conselheiros não concordaram com a dispensa de licitação que favoreceu a firma Biológica Sistemas Ltda. Em 2009, a empresa acabou contratada por R$ 445.580,36 para colher impressões digitais dos candidatos que participaram de provas para ingresso na corporação.

Soldado Bombeiro é expulso por ter expressado sua opinião no Facebook

Esta informação é uma das que tenho vergonha em vincular em nosso site. Dizem por aí que militares são cidadãos de segunda categoria, alijados de todos os direitos de um cidadão comum. Será verdade? O Soldado Mol do Corpo de Bombeiros do Estado do Espírito Santo foi expulso da corporação por ter expressado sua opinião no Facebook. Um punição pesada demais pra quem disse apenas a verdade. Como uma corporação trata o profissional que tanto ama sua profissão, dedicado com o serviço, com ficha exemplar, que o seu único "erro" foi lutar por melhores condições de trabalho, por melhores salários, por dignidade? Onde estão os sites e blogs especialistas em Segurança Pública que não fizeram nenhuma menção ao caso? Onde está a imprensa nessas horas? Onde estão os chamados representantes de classe e associações? Onde está a justiça? 

Aprovado estatuto que garante poder de polícia às guardas municipais

Polícia cancela patrulhas noturnas de UPPs para evitar confrontos

Para evitar novos confrontos em favelas cariocas, as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) Arará e Mandela receberam a ordem expressa de suspender os patrulhamentos noturnos nas comunidades. A informação consta num documento oficial, reproduzido pela revista “Veja”, que leva os timbres do governo do estado, da Secretaria de Segurança e da PM.
Assinado pelo comandante das unidades, capitão Paulo Cesar de Oliveira Ramos Filho, o memorando, datado da última quarta-feira, diz: “Este comandante informa este supervisor que determine as Guarnições para não realização de Patrulhamentos noturno no interior das comunidades Arará e Mandela”.
A prática da vista grossa é confirmada por relatos de policiais lotados em UPPs. O objetivo do recuo seria preservar a tropa e refrear os crescentes conflitos que vinham criando o medo de que a violência transbordasse para o asfalto, inclusive para as rotas turísticas.
“Policiais reclamam que esta ordem foi dada por conta de um acerto entre o tráfico e o comando da UPP”, denunciou um policial militar que preferiu não se identificar, através do WhatsApp do EXTRA.


Casos isolados de violência vêm ganhando força nas comunidades pacificadas. Desde o início de 2014, cinco PMs morreram e 44 foram feridos a bala por bandidos em favelas com UPP — um número superior à soma de todos os outros anos do programa, que até então havia registrado oito mortos e 39 feridos. Em Manguinhos, no último mês de março, um grupo de bandidos incendiou cinco bases policiais. Na Rocinha, criminosos agrediram policiais com tijolos depois da prisão de um suspeito, em dezembro. Na cracolândia colada ao Complexo de Manguinhos, centenas de viciados são vistos dia e noite em uma área cercada de UPPs e a apenas 200 metros da Cidade da Polícia Civil.

Polícia Militar apreende droga em Volta Redonda

Policiais militares apreenderam na tarde de hoje, por volta das 14h40, 347 pinos de cocaína e 16 tabletes de maconha. Os entorpecentes estavam escondidos atrás do ginásio poliesportivo do Santo Agostinho, na Avenida Jaime Martins.
Os agentes chegaram ao local através de denúncias que indicaram o esconderijo das drogas. Ninguém foi encontrado. O material foi levado para a 93ª DP, onde ficou apreendido.