quinta-feira, 31 de julho de 2014

DH prende mais um acusado de matar sargento PM em Niterói

 
Acusado de envolvimento na morte do sargento Joílson da Silva Gomes, 40 - morto com mais de 50 tiros em Niterói, em fevereiro desse ano -, Vinícius dos Santos Marins, de 26 anos, foi preso por agentes da Divisão de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí, no Complexo do Caramujo, na tarde de ontem. 
 
Segundo as investigações da DH, Vinícius teve participação efetiva no crime, atuando como um dos executores do PM. Segundo o delegado Marcus Amin, além dele, outros oito homens já foram identificados e tiveram a prisão decretada pelo homicídio. Entre os acusados estão lideranças da facção criminosa Comando Vermelho (CV), como Bruno Eduardo da Silva Procópio, o Piná, e Eduardo Fernandes de Oliveira, o 2D - chefes do tráfico no Complexo do Alemão, presos em abril. Continuam foragidos os traficantes Luiz Cláudio Gomes, o Pão com Ovo, da Favela Nova Brasília, Rodrigo da Silva Rodrigues, o Tinenem, e Edson Batista da Nóbrega, o Pará Canastra, ambos do Complexo do Caramujo.

Concurso para soldado tem 100 mil candidatos

O concurso da PM para preencher 6 mil vagas de soldados, que será realizado no próximo dia 31 de agosto, recebeu mais de 100 mil inscrições, de homens e mulheres. As inscrições terminaram no último dia 7. No total, serão 105.458 candidatos a soldado, sendo 83.892 homens e 21.566 mulheres. A relação candidato/vaga é 17,57 para cada uma das 6 mil vagas oferecidas, sendo que 20% são destinadas aos candidatos que se declararam negros ou índios. O vencimento dos aprovados, após passar pelo curso de formação, será R$2.409,06.
Os locais de provas do concurso serão divulgados dia 22 de agosto no site www.exatuspr.com.br. Os candidatos realizarão uma avaliação intelectual, com aplicação de prova objetiva e redação, de caráter eliminatório e classificatório. Depois serão submetidos à avaliação psicológica, exame antropométrico, teste de aptidão física, exame toxicológico, exames médicos e investigação social e documental.
As provas serão aplicadas em diversos municípios do Rio. Além da capital, as avaliações devem acontecer em Angra dos Reis, Arraial do Cabo, Campos dos Goytacazes, Itaperuna, Niterói, Nova Iguaçu, São Gonçalo, Teresópolis e Volta Redonda. A PM não informou onde os novos policiais irão trabalhar. A indicação acontecerá de acordo com a necessidade na época da formatura deles. Os novos concursados deverão reforçar o efetivo atual da PM, de 48 mil homens.

VAZOU NA REDE E VIROU NOTÍCIA NO JORNAL O GLOBO

ANCELMO - O GLOBO 
 
Alunos da PM brincam de imitar Adele.
No quartel Um vídeo que vazou na rede social WhatsApp mostra dois supostos alunos do Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (Cfap), da PM do Rio, brincando de fazer dublagem da cantora Adele no hit "Someone like you". Um dos homens finge tocar o piano, enquanto o outro, mais ousado, usa um turbante e a camiseta da PM enrolada como se fosse um top. A brincadeira aconteceu ao lado de um conteiner da 3ª Cia (Companhia) do Cefap. Essa unidade da Polícia Militar é responsável por fazer os cursos de formação e treinamento de praças da corporação. 

Traficante do Complexo do Alemão é preso ao tentar fugir para o interior do estado


Foto: Divulgação/Disque-Denúncia
Após dois meses de investigação, Leonardo Cavalcante Nunes Vilar, o “Leozinho Rei” ou “LZ do Visconde”, de 24 anos, foi preso, nesta quarta-feira (30), por policiais da 34ª DP (Bangu). Ele é traficante do Complexo do Alemão e foi preso na Rodoviária Novo Rio, quando tentava fugir para o interior do estado.   
De acordo com os agentes da unidade, Leonardo é um dos chefes do tráfico na região, responsável pelo abastecimento dos pontos de drogas em Macaé, Casemiro de Abreu, Rio das Ostras e Araruama. Ele usava “mulas” menores de idade que vinham do interior do estado para aprender a embalar drogas, cobrar dívidas e transportar os entorpecentes até as regiões de venda.
Ainda segundo os agentes, o traficante foi preso em uma casa no Complexo do Alemão, em 15 de novembro do ano passado. A casa funcionava como depósito de drogas e ponto onde era feita a endolação de cocaína e maconha, mas nenhum entorpecente foi encontrado no local.  
Contra “Leozinho Rei” estavam expedidos dois mandados de prisão por tráfico de drogas. Ele tem anotações criminais por homicídios tráfico de drogas e lesões corporais. 
Leonardo era foragido da Justiça e tinha sua foto e histórico de crimes no site dos procurados do Disque Denúncia, onde era oferecida uma recompensa de R$ 1 mil por informações que auxiliassem na sua captura.

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Novos salários da segurança pública


Os servidores ativos, aposentados e pensionistas da Segurança Pública no estado podem conferir as novas remunerações que vão receber a partir de janeiro de 2015 até janeiro de 2019. Ao todo, 113.557 funcionários integram os grupos da Polícia Militar, dos Bombeiros, da Polícia Civil, delegados e inspetores de segurança e Administração Penitenciária.
O impacto no orçamento do próximo ano com os aumentos da Segurança Pública será de R$ 1,5 bilhão. O valor por categoria é de R$ 1,088 bilhão para a Polícia Militar, R$ 157 milhões para o Corpo de Bombeiros, R$ 234 milhões para a Polícia Civil, R$ 4 milhões para os delegados e R$ 21 milhões para os inspetores. Os cálculos foram elaborados com exclusividade para a coluna pela Secretaria Estadual de Planejamento.
Ao comparar as remunerações atuais com as de 2019, o reajuste será de 17% para inspetores, 18% para delegados, de 45,16% para PMs e bombeiros e de 64% a 81% para policiais civis. No caso dos delegados, a remuneração é a soma dos valores do vencimento básico (VB), da representação e da Gratificação de Habilitação Profissional (GHP), que corresponde até 30% do VB.
Na Polícia Civil, o valor é o resultado do somatório do VB; do Adicional de Atividade Perigosa (AAP) de 230% sobre o vencimento; da Gratificação de Habilitação Profissional de 25% sobre o VB. E da Gratificação de Atividade Técnico Científica (100% sobre o VB). Nas tabelas da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros foram somados os valores do soldo, da Indenização de Habilitação Profissional (IHP), da Gratificação de Regime Especial de Trabalho Policial (Gret) e auxílio-moradia.

terça-feira, 29 de julho de 2014

Projeto exige curso superior para ingresso na Polícia e no Corpo de Bombeiros

Deputado quer garantir um padrão nacional também mínimo para o ingresso nas fileiras dessas instituições.
Tramita na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 6632/13, do deputado William Dib (PSDB-SP), que exige curso superior para o ingresso na Polícia e no Corpo de Bombeiros Militar. O texto exige ainda curso de Direito para entrar no quadro de oficiais dessas instituições.
Hoje as exigências previstas no projeto não constam do Decreto-Lei 667/69, que reorganiza as polícias militares (PM) e os Corpos de Bombeiros Militares dos estados e do Distrito Federal. O projeto altera esse decreto-lei.
 A proposta também padroniza os demais requisitos para o trabalho nessas corporações, pois, atualmente, cada estado tem uma legislação diferente para o ingresso na PM e no Corpo de Bombeiros.

Escolaridade
De acordo com a proposta, quanto ao grau de escolaridade, o interessado deverá comprovar a conclusão de:
- curso de bacharelado em Direito, para o ingresso na carreira de Oficial do Quadro de Oficiais Policiais Militares (QOPM);
- curso de graduação superior nas áreas de interesse (médico, enfermeiro, etc), conforme regulamentação própria de cada instituição policial militar, para os praças ingressarem na carreira de Oficial do Quadro de Oficiais Especialistas; e
- curso de graduação superior em qualquer área, para o ingresso na carreira de Praça de Polícia Militar.
O projeto prevê que as unidades da Federação que não possuírem essas exigências para o ingresso na carreira terão o prazo de três anos para se adaptarem às novas normas.

Demais condições
Segundo o texto, são condições básicas para trabalhar na PM e no Corpo de Bombeiros:
- ser brasileiro;
- estar quite com as obrigações militares e eleitorais;
- não ter antecedentes penais dolosos;
- estar no gozo dos direitos políticos;
- ser aprovado em concurso público;
- ter procedimento social irrepreensível e idoneidade moral;
- ter capacitação física e psicológica compatíveis com o cargo, verificados através de exame de aptidão; e
- ser aprovado em exame de saúde e exame toxicológico com larga janela de detecção.
Promoção
Ainda conforme a proposta, observada a legislação própria de cada unidade da Federação, o acesso na escala hierárquica tanto de oficiais quanto de praças será gradual e sucessivo, e o processo de promoção de cada posto ou graduação deverá observar os critérios de antiguidade, bravura, post mortem e ressarcimento de preterição.
Por fim, o texto estabelece que as Polícias Militares manterão cursos em estabelecimento de ensino da própria polícia militar, podendo, ainda, ser desenvolvido em outra unidade federada, ou em parceria com instituições de ensino superior, públicas ou privadas, como requisito para a promoção.
“Ao longo da sua existência, as Polícias Militares foram obtendo padronização, porém impostas pelo governo militar”, explica William Dib. Depois do processo de redemocratização, continua o parlamentar essas corporações passaram a editar, nos estados, legislações diferenciadas quanto às exigências mínimas para o ingresso nas suas carreiras.
Como consequência, acrescenta, não há um padrão nacional também mínimo para o candidato ao ingresso nas fileiras dessas instituições. “Isso traz sérios problemas, levando em conta os serviços que esses profissionais vão desempenhar junto à sociedade após integrarem o efetivo ativo das Polícias Militares.”
Tramitação
O projeto, que tramita em caráter conclusivo, será analisado pelas comissões de Trabalho, de Administração e Serviço Público; de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Íntegra da proposta:


Dois PMs baleados hoje

Um policial militar foi baleado, na tarde desta terça-feira, próximo à sede da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Alemão. O ataque aconteceu pouco depois das 15h.
Segundo a Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP), policiais estavam baseados próximo à sede da UPP, quando foram alvos de disparos vindos da comunidade Nova Brasília. O PM passa bem e o caso foi registrado na 45ª DP (Complexo do Alemão). A coordenadoria informou ainda que o policiamento nas UPPs do Complexo do Alemão segue com o reforço de 300 agentes e com o apoio do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope).
  
PM é baleado por adolescente de 15 anos durante operação   
Um subtenente do 9º BPM (Rocha Miranda) foi baleado, na tarde desta terça-feira, durante uma operação na favela Faz Quem Quer, na Zona Norte do Rio. O militar foi atingido por dois tiros, na barriga e na perna, e está sendo encaminhado para o Hospital Central da Polícia Militar, no Estácio. Ele teria sido atingido por um adolescente, de 15 anos, que foi apreendido na ação. Um homem, acusado de participar do confronto, também foi detido. Com eles, foram apreendidos duas pistolas e um rádio transmissor. A ocorrência foi registrada na 29ª DP (Madureira).

Esquema de corrupção nos contratos com ONG de Major reformado

REVISTA VEJA 

Homem forte do Prefeito Eduardo Paes opera esquema de corrupção no Rio

 Rodrigo Bethlem acusado de desviar R$ 70 mil por mês 
de convênio para tratar dependentes químicos

O convênio em questão foi fechado com uma ONG chamada Casa Espírita Tesloo. Mais conhecido pela sigla Cad Único, foi assinado em 2011 por 9,6 milhões de reais e tinha o objetivo de atualizar o cadastro feito pela prefeitura para 408.000 famílias receberem benefícios dos programas sociais do governo federal, como o Bolsa Família. Mas a ONG tem um histórico muito maior de contratos com a prefeitura – o que leva a crer que o assalto aos cofres públicos é ainda mais escandaloso. Desde 2009, a Tesloo faturou cerca de 72,8 milhões de reais do governo Paes para administrar abrigos e centros de acolhimento de dependentes químicos. Só de aditivos no período, foram 18, no total de 22,6 milhões de reais. Nos áudios, Bethlem explica para Vanessa que está com dificuldades de receber a mesada porque a ONG não estava prestando contas corretamente.
O dono da Tesloo, é o major reformado Sérgio Pereira de Magalhães Junior. O oficial criou a ONG em 2002 para atuar na área social junto com a mãe, o irmão e a esposa. A instituição começou a abocanhar contratos com o município do Rio desde a gestão Cesar Maia, mas foi com Paes e Bethlem que o faturamento da Tesloo explodiu. Além das generosas relações políticas, Magalhães Junior tem no currículo um passado truculento enquanto esteve na ativa na Polícia Militar. Há registro de 42 autos de resistência de sua autoria – ou seja, foi esta quantidade de bandidos que o major matou em confrontos. A Polícia Civil do Rio também investiga o envolvimento do dono da Tesloo com milícias na Zona Oeste.
Não é a primeira vez que o deputado Rodrigo Bethlem vê seu nome ligado a personagens de atividades nebulosas. Filho da atriz Maria Zilda Bethlem, e genro de Jorge Felipe ( Presidente da Câmara dos Vereadores do Rio) foi subsecretário de Governo de Rosinha Garotinho em 2006. Lá nomeou como seu assessor especial o bombeiro Cristiano Girão, perigoso miliciano da Zona Oeste do Rio de Janeiro, preso desde 2009. A relação de Bethlem com grupos de extermínio também foi alvo da CPI das Milícias da Assembleia Legislativa do Rio em 2008. O deputado foi arrolado como testemunha de defesa de um homicídio de que eram acusados os irmãos Jerônimo e Natalino Guimarães, ex-vereador e ex-deputado estadual líderes da Liga da Justiça, o mais perigoso grupo paramilitar do Rio.
O Tribunal de Contas do Município chegou a pedir em 2012 para a prefeitura não renovar mais qualquer convênio com a Tesloo por indícios de fraudes nos contratos, mas até este ano a ONG continuava a ter contratos ativos no governo Paes. O TCM encontrou de tudo nos contratos analisados: desde ausência de notas fiscais para determinados pagamentos até o superfaturamento na compra de alimentos. Leia a reportagem completa AQUI

Traficante “Gordinho”, segundo homem do tráfico no Morro do Alemão é preso


O traficante considerado pela Polícia Civil como o segundo homem da hierarquia do tráfico do Conjunto de Favelas do Alemão foi preso na manhã desta terça-feira (29), segundo o delegado Felipe Curi, da 45ª DP (Complexo do Alemão). Anderson dos Santos do Nascimento, conhecido como “Gordinho”, foi pego na localidade conhecida como Palmeiras, na favela Fazendinha.
Após investigações, Anderson passou a ter dois mandados de prisão pendentes. Com ele, foram apreendidos celulares e cadernos com anotações da contabilidade do tráfico de drogas. Segundo informações, Anderson era um dos alvos da operação policial realizada no Complexo do Alemão, que visava prender traficantes responsáveis pelos confrontos ocorridos na Rua 2, na comunidade Nova Brasília.
Para o titular da 45ª DP (Complexo do Alemão), delegado Felipe Curi, trata-se de uma prisão de importante para desarticular a quadrilha de traficantes que atua no Complexo do Alemão. Gordinho foi preso durante ação de agentes da delegacia, em conjunto com policiais da UPP da Fazendinha.

Pezão: 'PM não pode ser julgada pela má conduta de um grupo'

FONTE: SRZD
O governador Luiz Fernando Pezão afirmou nesta segunda-feira (28) que a Secretaria de Segurança tem como uma das prioridades o combate à má conduta dos policiais. Segundo ele, o trabalho da Polícia Militar não pode ser julgado por causa do mau comportamento de alguns agentes.

Luiz Fernando Pezão. Foto: Agência Brasil

"Se teve um governo que cortou na própria carne foi o nosso governo. Em sete anos e meio, punimos mais de 1.500 policiais militares por má conduta, com expulsão, prisão. Não compactuamos com violência, nem contra policiais militares, quando são assassinados, e da mesma forma quando praticadas por policiais, que cometem arbitrariedade, crimes", disse.
Para Pezão, julgar toda a Polícia Militar por causa da conduta de um seleto grupo é algo que não deve ser feito. "Não podemos julgar a maioria da nossa força de Segurança por alguns policiais militares, que não tem comportamento condizente com a legalidade. Não podemos julgar uma tropa de 48 mil policiais militares e 11 mil policiais civis, com base na má conduta de um grupo. Estamos fazendo um grande esforço para melhorar a formação deles", afirmou.