sábado, 11 de fevereiro de 2012

Mãe de PM preso faz vigília no 8º BPM - Campos

SITE: FOLHA DA MANHÃ
 “Só quero saber o porquê que meu filho foi preso num presídio de segurança máxima”, declarou a artesã Lídia Ribeiro Alves, mãe do cabo Nilton Alves Neto, preso ontem (10) depois de mandado expedido pelo Tribunal de Justiça do Estado (TJ-RJ). Segundo Lídia, nenhuma irregularidade foi constatada na ficha disciplinar de seu filho e ninguém informou ainda o motivo de sua prisão. De acordo com a assessoria de comunicação do Comando Geral da Polícia Militar, o TJ decretou a prisão preventiva de onze integrantes da corporação por conclamar e incitar a greve. Dez mandados foram cumpridos até ontem (10).

A mãe de Nilton relatou que no dia da prisão do militar, ele se apresentou para trabalhar normalmente e por conta de uma mensagem postada em sua página da rede social, referente a uma greve no Ceará, ele teria sido preso:“Não tem cabimentos isso. Primeiro porque a greve no outro estado aconteceu há um mês, segundo porque meu filho não tem nenhum registro de mau comportamento dentro da corporação”.

A pior injustiça, observada por Lídia, não foi a prisão de seu filho e sim para onde ele foi transferido, no complexo penitenciário de Bangu: “Meu filho não é nenhum marginal para estar preso nessas condições. Não é porque eu sou mãe, mas todo cidadão tem direito de expressar-se. Ou ainda não acabou a ditadura?”

Um comentário:

  1. contra Dilma e o exercito, rede globo e sergio cabral e o judiario movimento armado já, somos militares e não bandidos honra sempre prefiro morre como martir do como bandido

    ResponderExcluir