quinta-feira, 19 de abril de 2012

SOBRE AS EXCLUSÕES E TRANSFERÊNCIAS DOS POLICIAIS MILITARES

FONTE: JORNAL EXTRA - BERENICE SEARA


4 comentários:

  1. E os Bombeiros como ficam nessa história? Quem é que vai procurar o Simões pra conversar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AMIGO TODOS NÓS PM E BOMBEIRO ESTAMOS PERDIDOS,SÓ DEUS PRÁ NOS AJUDAR !!!

      Excluir
  2. Carta ao Sr. Wagner Montes.

    Outro dia estava assistindo o seu programa na rede Record, e o senhor disse que ninguém defendia mais o policial militar que você, por isso peço ao senhor que leia, pelo menos parte desta carta, em seu programa.
    Esta carta é um desabafo de um policial, e quem sabe de vários outros. Não irei me identificar, pois a instituição tem sido covarde ao retaliar criticas, tanto que exclui sumariamente os grevistas enquanto mantém verdadeiros criminosos em suas fileiras, mesmo após o transito das ações na justiça.
    Estou lhe escrevendo ilustre deputado e conceituado apresentador, porque acredito que o senhor realmente defenda os policiais, porém o que tenho ouvido com freqüência na caserna é que o senhor não defende PM exceto quando se trata de coronel PM.
    Gostaria que o senhor mostrasse para a tropa, o que eu já acredito, que não é um amigo de coronel e sim da instituição, por isso te envio esta carta, em que escrevo o que muitos pensam do Sr Coronel PM Costa Filho, comandante geral da PMERJ.
    Em primeiro lugar, este oficial assumiu o comando da policia após a derrubada arbitraria de seu antecessor, quando acusaram-no de ter prestigiado o coronel Claudio ao dar o comando do 22 para aquele oficial, sem levar em consideração que ainda não era acusado de nada, e se o coronel Mario Sérgio soubesse de algo estaria envolvido, e se não sabia, que mal havia em dar o comando ao oficial?
    Já o coronel Costa Filho assumiu o comando alegando que iria moralizar a PM, e tinha uma solida imagem perante a tropa, tanto que mesmo o senhor na época disse que era um coronel considerado, e todos sabemos que era em relação ao episódio com o deputado Chiquinho.
    Só que o atual comandante geral tem se mostrado um hipócrita descarado, pois alegou que iria moralizar e como sua primeira medida desenterrou a prisão disciplinar, o que só alimenta a corrupção no alto escalão, que não pode ser desafiado pelos subordinados, ou simplesmente prende-os. O comando disse que iria fazer a faxina de cima para baixo, mas só atacou os praças e os oficiais de baixa patente, dando ainda mais poder aos oficiais superiores corruptos.
    No episódio da greve, prendeu os que se levantavam em busca de melhores salários e condições, e transferiu como retaliação muitos policiais da tropa de elite (BOPE), tão prestigiada e qualificada, segundo o próprio governo e a mídia.
    Para abafar o movimento determinou a unificação das escalas, não como boas, mas como justas (24x72 e 12x48), porém após dois meses de escalas justas, decidiu trazer de voltar às escalas de escravos, para garantir aos oficiais a famosa “venda de policiamento”.
    Por fim quero comentar outros pontos do comando geral, um em relação ao batalhão de Niterói, que embora reclame de efetivo, o que também acontece em outras unidades, não tem dado conta do município. O comandante geral anterior caiu por ter dado o comando a um oficial que na época nem era suspeito do assassinato da juíza, porém o atual deu Niterói a um coronel que é suspeito no episódio do sumiço das armas no BEP e de ter descumprido as ordens do próprio comandante geral, ao transferir grande parte dos policiais do BEP para o 17 e depois para o 12. Como pode?

    ResponderExcluir
  3. Por falar em BEP, dizem ainda que o comandante do BEP divulgou que as unidades da corregedoria receberiam uma gratificação em torno de mil reais pela atividade correcional na festa de fim de ano da unidade, na frente até de parentes dos policiais do BEP, porém até agora nada, e pasmem, a corregedoria e todas DPJMs estão recebendo. Parece que o coronel Costa Filho não concorda em incluir o BEP porque considera a unidade “problemática”, descriminando aquele batalhão.
    Tem ainda o caso das UPPs que são meninas dos olhos, mas estão sendo tratadas como lixo, sem alojamento, as policiais femininas urinando na rua, e olha que a prefeitura recolhe que urina na rua durante eventos. Daqui a pouco vai ter guarda municipal levando PM de UPP para a delegacia por mijar na rua.
    Como acredito no senhor, espero que o senhor lei, pelo menos parte, do que esta escrito aqui no ar, e apure alguns fatos.
    Pretendo divulgar essa carta, mas prefiro que o senhor o faça.


    enviado para o e-mail do deputado Wagner Montes as 11 horas do dia 18/04/2012

    ResponderExcluir