sábado, 19 de maio de 2012

Operação de combate ao crack em favela do Rio entra no segundo dia

O Morro Santo Amaro, no Catete, Zona Sul do Rio, passa, neste sábado (19), pelo segundo dia de ocupação por cerca de 150 agentes da Força Nacional de Segurança Pública, que atuam no combate à cracolândia na região. Os agentes federais permanecerão por tempo indeterminado no local para que a Secretaria Municipal de Assistência Social instale na comunidade um projeto piloto de atendimento a usuários de crack, que se espalham pelas ruas do bairro, além de Glória, Flamengo e Botafogo.
Balanço do primeiro dia de operações informa que a Secretaria Municipal de Assistência Social (SMAS) acolheu 101 moradores de rua - 89 adultos e 12 crianças e adolescentes - não só no Catete, mas também na Glória, no Largo do Machado, em Laranjeiras, no Aterro do Flamengo e também no interior da comunidade. Todos foram encaminhados para abrigos e terão acesso a tratamentos contra a dependência química. Após identificação na 9ª DP (Catete), um dos adultos abordados pelas equipes do município foi detido devido a antecedentes criminais
A iniciativa é a primeira das ações previstas para a cidade pelo termo de adesão ao programa federal Crack, É Possível Vencer, assinado pelo Governo do Estado e prefeitura no dia 13 de abril, em solenidade no Palácio da Cidade, em Botafogo. Participaram da ação 50 policiais militares do 2º BPM (Botafogo), 4º BPM (São Cristóvão), 6º BPM (Tijuca), 19º BPM (Copacabana) e 23º BPM (Leblon). Policiais da FNSP passaram a semana de 14 a 18 de maio no Rio de Janeiro em capacitação e alinhamento de informações para as operações.

A escolha do Morro Santo Amaro, onde vivem 1.500 famílias (aproximadamente cinco mil pessoas), para sediar o projeto piloto foi feita com apoio da Secretaria de Segurança, com base em dados de inteligência. Há mais de um ano, o local vem sendo alvo de ações de combate ao crack feitas pela Secretaria Municipal de Assistência Social, com apoio dos órgãos de segurança pública. Um contêiner da polícia ficará na parte baixa da comunidade e dois serão instalados no alto do morro.

A comunidade do Catete é uma das duas no Rio que vai ganhar uma unidade de acolhimento adulto do programa federal – a outra será no Jacarezinho, Zona Norte. O programa federal vai repassar para o Rio de Janeiro cerca de R$ 240 milhões até 2014 para desenvolvimento de uma série de ações de combate ao crack no Rio: seis novos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS-AD) para atendimento 24 horas; extensão de atendimento 24 horas em outras oito unidades já existentes; criação de 427 novos leitos em enfermarias especializadas e qualificação de 71 leitos já existentes em hospitais gerais; e abertura de 27 novos Consultórios na Rua e qualificação de outros oito já em funcionamento.

2 comentários:

  1. Mais um espetáculo circense do "Guardanapo na Cabeça".

    ResponderExcluir
  2. E A POLICIA COMO SEMPRE, É A VARA DE CONDÃO QUE FAZ TUDO ACONTECER,NUNCA VAMOS TER DIGNIDADE ENQUANTO TIVER ESSA CORJA DE POLITICOS BANDIDOS, E O PIOR QUE NEM TEMOS AUTONOMIA PRÁ PRENDE-LOS.NÃO SOMOS NADA TENHO VERGONHA DE SER POLICIAL DO RJ !!

    ResponderExcluir