terça-feira, 18 de setembro de 2012

Troca de farpas entre dois coronéis cai na Internet

Era para ser apenas um convite de reunião para o planejamento do esquema de segurança, no Estado, do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que será realizado nos dias 3 e 4 de novembro. 
Mas a troca de e-mails entre dois coronéis da PM se transformou num "barraco" público, porque as respostas com acusações foram enviadas para uma lista de oficiais da corporação, além do secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, e o comandante-geral da PM, Erir Ribeiro. 
A confusão ocorreu no último dia 21, após o coronel Aristeu Leonardo, então superintendente de Planejamento e Operações, da Secretaria de Segurança Pública, enviar um e-mail às 17h25 para o coronel Alberto Pinheiro Neto, Chefe do Estado Maior Geral Operacional. 


No texto, Aristeu oficializa o convite a um major, subordinado a Pinheiro Neto, para a reunião “Operação Enem”. Às 22h15, Pinheiro Neto responde — com cópia para a cúpula da Segurança Pública — dizendo que o e-mail não era oficial.

“Não foi enviado para meu endereço digital da corporação, como deve ser feito para ter segurança”, argumentou o oficial ao DIA. O coronel sugere, então, que Aristeu cumpra o protocolo e trate do assunto pela “correspondência adequada”.

Indignado com a resposta pública, Aristeu diz que Pinheiro Neto foi “mal educado, antiético e desrespeitoso” e diz que não ficou surpreso com a "atitude desequilibrada" do colega.

O chefe do Estado Maior Geral Operacional não deixa por menos e manda um e-mail no qual afirma que, ao contrário de muitos oficiais, não se escondeu “debaixo das estrelas” e que seus atributos como policial deve ter algum valor, porque se quisessem um “lord inglês” não o teriam escolhido para o cargo.

Realização de reunião ainda é mistério na secretaria

Até o fim da noite desta segunda-feira, a Secretaria de Segurança Pública não sabia dizer se a reunião para a segurança do Enem — objetivo inicial do e-mail — ocorreu.

Os dois oficiais também não tinham a informação. No Rio, quase 500 mil estudantes devem fazer o exame este ano. O coronel Aristeu Leonardo deixou a secretaria logo após o episódio, para se tornar presidente da Comissão de Arbitragem da CBF.

“Isso (e-mails) ficou no passado. Espero que ele (Pinheiro Neto) seja feliz e que tenha equilíbrio para conduzir homens e mulheres que estão sob seu comando. Não o desejo nada de ruim”, afirmou Aristeu.

Pinheiro Neto confirmou que a primeira mensagem recebida de Aristeu com o convite da reunião foi enviada também para outras pessoas: “Repassei para algumas autoridades para que tomassem conhecimento de como as coisas estavam caminhando”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário