quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Corregedoria da PM encontra central de gatonet em área de milícia em Jacarepaguá


Policiais da 2ª DPJM (Delegacia de Polícia Judiciária Militar), órgão da Corregedoria da Polícia Militar, encontraram uma central clandestina de TV por assinatura que fornecia sinal clandestino para mais de mil imóveis no sub-bairro Santa Maria, em Jacarepaguá, na zona oeste do Rio. Segundo os policiais, o serviço é fornecido por uma milícia, que tem como chefe um delegado aposentado da Polícia Federal, e movimenta aproximadamente R$ 200 mil por mês.
A casa de dois andares onde funcionava a central clandestina, conhecida como gatonet, ficava na ladeira de Santa Maria. Ninguém foi preso. Segundo policiais da 2ª DPJM, as casas ficam em uma área de preservação ambiental dentro do parque da Pedra Branca. Muitos equipamentos eletrônicos foram apreendidos.
Os policiais foram até o local após receberem informações sobre a presença de policiais militares envolvidos com a milícia, que conta com a participação de um comissário da Polícia Civil, de acordo com denúncia do Ministério Público.
Em julho do ano passado, a Justiça decretou a prisão de 16 pessoas ligadas ao grupo, entre elas o delegado aposentado, o comissário de polícia e um soldado da PM. Também fazem parte da quadrilha um guarda municipal e dois militares da Aeronáutica. Pelo menos 14 pessoas foram presas.
De acordo com as investigações da Draco (Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas), o grupo criminoso atua desde 1998 nas localidades da Pedra Branca, Santa Maria, Pau da Fome, estrada dos Teixeiras, estrada do Rio Pequeno e estrada do Rio Grande.
Segundo os policiais, o grupo cobra até pelo fornecimento de água. Eles fazem manobras na rede e controlam o abastecimento.
Entre as atividades da quadrilha estão: grilagem de terras; exploração de serviços como fornecimento de gás, sinal de TV a cabo, sinal de internet e transporte alternativo; agiotagem; cobrança de taxa por segurança, além de suspeita de homicídio e extorsão.

Um comentário:

  1. I N D I G N I D A D E

    Ao analisarmos a Constituição Brasileira de 1988, percebemos que os Bombeiros e Policiais Militares do Estado do Rio de Janeiro não recebem um salário digno. No Brasil, é preciso melhorar a distribuição de renda, corrigir o histórico problema das distorções sociais.

    O Salário Mínimo Necessário, divulgado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (http://www.dieese.org.br), capaz de atender às necessidades vitais básicas (moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene e transporte), de acordo com o artigo 7º, inciso IV, da Carta Magna de 1988, em Setembro de 2012 correspondeu a R$ 2.616,41 (dois mil, seiscentos e dezesseis reais e quarenta e um centavos). O piso salarial deve ser reajustado periodicamente, de modo a preservar o poder aquisitivo dos Militares Estaduais. Portanto, o menor vencimento dos PMs e BMs (o de Sd) deveria ser de, no mínimo, R$ 2.616,41 (líquido e sem as gratificações)!

    UM ESTADO QUE PRETENDE SEDIAR MEGAEVENTOS ESPORTIVOS COMO COPA DO MUNDO E OLIMPÍADAS NÃO PODE PAGAR MENOS DO QUE O MÍNIMO NECESSÁRIO AOS SERVIDORES ESSENCIAIS.

    ResponderExcluir