segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Internação de Sérgio Côrtes ainda sem explicação

Extra 

Três dias após ser levado numa ambulância do Samu para um hospital particular, o secretário municipal de Saúde, Sérgio Côrtes, e o Corpo de Bombeiros ainda não conseguiram explicar por que a norma da corporação militar foi descumprida.
Questionadas, as assessorias não responderam à pergunta
feita pelo EXTRA — por que a ambulância do Samu não removeu o secretário, após o incêndio em seu apartamento, para um hospital público, como manda a norma. E voltaram a afirmar que Côrtes foi levado para o Hospital Samaritano porque
tem plano de saúde e, assim, não ocuparia um leito de uma unidade pública. Depois da resposta, o EXTRA voltou a questionar as assessorias, mas não recebeu uma explicação.
A assessoria dos Bombeiros disse que a resposta da corporação continuava sendo a mesma dada anteriormente. Já a de Côrtes se calou e não deu mais explicações sobre o episódio. O Corpo de Bombeiros informou ainda que os militares que fizeram a remoção de Côrtes não serão punidos.
Sérgio Côrtes teve alta do Hospital Samaritano, em Botafogo, no sábado. Ele foi levado para a unidade após um incêndio na residência dele, uma cobertura duplex, na Avenida Borges de Medeiros, na Lagoa, na madrugada de sexta-feira. O secretário, que chegou desacordado, havia inalado fumaça e tinha um
corte na perna direita.

4 comentários:

  1. Foi um desrespeito ao Artigo 5º da Constituição Federal (“TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI”). Uma norma do Corpo de Bombeiros foi descumprida sem explicação.

    Ao analisarmos o artigo 7º, inciso IV, da Carta Magna de 1988, percebemos que os Bombeiros e Policiais Militares do Estado do Rio de Janeiro não recebem um salário digno. O Salário Mínimo Necessário, divulgado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (http://www.dieese.org.br), capaz de atender às necessidades vitais básicas (moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene e transporte), em Setembro de 2012 foi estimado em R$ 2.616,41 (dois mil, seiscentos e dezesseis reais e quarenta e um centavos). O piso salarial deve ser reajustado periodicamente, de modo a preservar o poder aquisitivo dos Militares Estaduais. O valor tem que ser suficiente para a manutenção do servidor. O Governador deveria ter vergonha de pagar tão mal!

    UM ESTADO QUE PRETENDE SEDIAR MEGAEVENTOS ESPORTIVOS COMO COPA DO MUNDO E OLIMPÍADAS NÃO PODE PAGAR MENOS DO QUE O SALÁRIO MÍNIMO NECESSÁRIO AOS SERVIDORES PÚBLICOS ESSENCIAIS. PAGAR UM SALÁRIO DIGNO É IMPORTANTÍSSIMO!! O RIO DE JANEIRO, ESTADO QUE POSSUI A SEGUNDA MAIOR ARRECADAÇÃO DE IMPOSTOS, PAGA O MENOR SALÁRIO DO BRASIL.

    ResponderExcluir
  2. Pois é quando é algum praça da corporação,ou seu parente é socorrido e levado para o hospital público mais próximo da base,quando é algum oficial eles ou levam pro hospital da coporação,ou para o particular,outra coisa que me deixa triste é que médicos não atendendem mais nas ambulancias e sim oficiais enfermeiros,tudo errado a qualidade do serviço está deixando a desejar,os médicos dos hospitais públicos reclamam muito disso.

    ResponderExcluir
  3. É muito descaso com a vida humana!

    ResponderExcluir
  4. Ele não foi para um hospital público porque sabe que poderia morrer facilmente, pois além da demora em muitos casos o Médico falta ao plantão e o Paciente tem que procurar outra unidade. A saúde do Estado assim como no Brasil inteiro está falida, só não estão falidos os secretários de saúde com apartamentos luxosos em locais nobres. Brasil é o paraíso da corrupção. Cadeia neles!

    ResponderExcluir