quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Entidades de Direitos Humanos repudiam uso de armas compradas para combater crack

Entidades, órgãos de Direitos Humanos e especialistas no assunto reagiram com indignação à decisão das autoridades de dar tratamento de choque aos usuários de crack no Rio.
Através do programa ‘Crack, É Possível Vencer’, do Ministério da Justiça, já foram entregues à Secretaria de Segurança Pública 250 armas de choque elétrico, além de 750 sprays de pimenta, que serão usadas nas abordagens aos viciados da droga.
Marcelo Rocha, presidente da Associação dos Dependentes Químicos em Recuperação, classificou a ideia como "iniciativa covarde". “Incompetentes e covardes querem ‘limpar’ a cidade às vésperas de grandes eventos”, desabafou.
A Frente Estadual de Drogas e Direitos Humanos adiantou que vai entrar com várias ações judiciais contra a medida. “Fica evidente que o interesse maior é exterminar essa população”, justificou Beatriz Adura, líder do movimento.

Para o especialista em sociologia urbana da Uerj Dário Sousa, o tratamento que será dado é inconstitucional. “Qualquer arma só pode ser usada proporcionalmente à agressão sofrida. Será como usar um fuzil contra um batedor de carteira”, comparou.

“Por que não usam esse dinheiro (da compra das armas, orçada em R$ 240 milhões) para montar clínicas de ruas, de famílias, consultórios móveis, e criar mais leitos?”, questionou a psiquiatra Maria Thereza Aquino.

"Brasil precisa ter foco no crack"

A preocupação é com a possibilidade de morte de viciados pelos choques (de 5 mil volts). Estudos mostram que usuários de crack e cocaína adquirem danos cardiovasculares e têm 24 vezes mais chances de ter enfarte em relação à população em geral.

O secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, disse que “o Brasil precisa de uma política com foco no crack, que racionalize atividades policiais”. Em nota, a Secretaria Nacional de Segurança Pública informou que a orientação é ter ‘todo cuidado com os usuários’.
 

4 comentários:

  1. Entidades, órgãos de Direitos Humanos e especialistas no assunto nunca reagem com indignação quando um policial é assassinado! O tratamento que será dado está correto. Quem disse que a arma vai ser usada desproporcionalmente à agressão sofrida? É óbvio que o uso será proporcional! Por que não defendem as pessoas de bem? Só aparecem quando as pessoas do mal se machucam! São protetores do crime?

    ResponderExcluir
  2. Eu nao entendo isso...ninguem força o cara a entrar nas drogas...depois que entra, querem que tenhamos peninha? Vao defender as pessoas de bem, trabalhadores e estudantes que constroem um pais melhor. Pra mim, quem defende vagabundo, É CUMPLICE.

    ResponderExcluir
  3. Precisamos que os direitos humanos visitem a CIAMUS, pois não podemos falar nada e nossos direitos tambem não são revistos. A BANDA DE MÚSICA DA PM ESTÁ RIDICULO DE SE TRABALHAR. Em nome de DEUS nos ajudem!!!!!

    ResponderExcluir
  4. CARAMBA MUITA MALDADE NA BANDA DE MÚSICA.EU SOU SGT E PRECISO FICAR ENSAIANDO O DIA TODO, FALA SÉRIO. TUDO PARA UM EVENTO. E POLICIAIS MORRENDO NA PISTA. POR ISSO QUE NÃO GANHAMOS NADA E O CONCURSO NÃO ABRE. SÓ TEM M.... NA FRENTE DA CIAMUS.

    ResponderExcluir