quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Garota de 18 anos foi agredida por policial em Curitiba

PM´s AGRIDE uma adolecente antes da partida entre Coritiba e Vasco. Imagens que foram gravadas antes de jogo do Coritiba no sábado (17).
Ela participava da 'Caminhada da Paz' promovida por torcedores.

Uma garota de 18 anos foi agredida por policiais militares antes da partida do Coritiba contra o Vasco da Gama no último sábado (17), em Curitiba. Parte da agressão foi filmada por outra torcedora que participava da escolta realizada pela PM até o estádio Couto Pereira, e as imagens mostram um policial batendo a cabeça da vítima contra um portão de ferro.

"Foi bem constrangedor", resumiu a estudante de administração Ana Paula Lima. Ela conta que a atitude violenta dos policiais começou ainda na Praça Santos Andrade, após um evento organizado chamado de "Caminhada pela paz", e horas antes da partida de futebol. "Nós juntamos torcedores e resolvemos fazer uma caminhada pacífica em homenagem a colegas que faleceram recentemente".

7 comentários:

  1. Sinceramente, eu não vi o policial batendo a cabeça da manifestante contra o portão, ele apenas teve uma atitude enérgica, que em determinados momentos é necessária (quando há desobediência ou resistência, por exemplo).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Queria ver você falar isso se fosse com sua mãe.

      Excluir
    2. O tipo de abordagem foi agressiva. Eles nao tem direito de revistar uma mulher. Ela reclamou de dores no peito- foi o barulho que você ouviu, machão! Imagino como esses homens tratam suas mulheres!

      Excluir
    3. A revista em mulher deve ser realizada por outra mulher, se tal providência não importar retardamento ou prejuízo da diligência, nos termos do art. 249, do CPP e, pelo princípio da igualdade estabelecida entre homens e mulheres, com base no inciso I, do art. 5º, da CF, também a revista em homem deve ser realizada por outro homem, sempre que possível.

      Excluir
  2. Eles trabalham nas Rondas Ostensivas de Natureza Especial (RONE), do Batalhão de Operações Especiais (BOPE), Organização Policial Militar (OPM) subordinada diretamente ao Comando Geral da Polícia Militar do Paraná (PMPR).

    ResponderExcluir
  3. Não precisa de procedimento algum. Basta o governador agir. A questão é política. Sua atitude (deles) já provou que agiram fora da lei, intimidando a outra garota que estava filmando. Levando aquela garota para um canto para ser espancada. Quando eles (policiais) não vão com a cara de alguém, eles simplesmente fazem isso e o comando, diz que vai fazer e não faz. Então, quem tem que agir, é a pessoa que eu elegi para cuidar de mim e não a corregedoria. Governador, cadê o senhor?
    Recomendação à garota espancada, Ana Paula e a seus advogados, não procurem a justiça. Procurem um político que tenha autoridade mesmo e peçam que ele resolva, tornem isso público, levando aos jornais que a garota agredida quer falar com o governador. Assim, se resolve e esse abusadores vão para a rua e aí sim, pode entra com um processo criminal e outro civil contra eles, sem a corporação para os proteger.

    ResponderExcluir
  4. Esses policiais são uns covarde, pena que nesse pais não tem lei, eles deveriam ter pena de morte, esses políticos não querem saber de nada só de ficar roubando ah vai a merda meu criem vergonha na cara!

    ResponderExcluir