sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Justiça decide interditar Batalhão Especial Prisional da PM



A paciência acabou. Após inúmeras denúncias de irregularidades, a carceragem do Batalhão Especial Prisional (BEP) da Polícia Militar, em Benfica, será interditada. A decisão foi tomada, na tarde desta sexta-feira, após uma nova inspeção determinada pelo Tribunal de Justiça (TJ) do Rio. Oficiais da Vara de Execuções Penais (VEP) passaram o dia na unidade especial e encontraram indícios de antigos e novos privilégios desfrutados pelos policiais militares do Rio que cumprem prisão no local, enquanto aguardam decisão judicial para os crimes que cometeram.
Na vistoria que os oficiais do TJ fizeram nesta sexta, os problemas se repetiram: foram encontradas celas com divisórias de madeira que mais pareciam apartamentos de luxo e inúmeros eletrodomésticos que não deveriam estar no local. Em algumas celas, o luxo era evidente: havia televisores e microondas à disposição dos PMs. Uma fonte do TJ garantiu que todas as irregularidades vão constar de um relatório detalhado que será finalizado na próxima semana.
— Não temos mais o que fazer a não ser interditar a carceragem. Será uma interdição parcial. A partir da próxima semana, nenhum policial militar poderá ser levado para o BEP e vamos dar um prazo para o estado esvaziar a carceragem. Acredito que entre 60 a 90 dias é o ideal. A paciência acabou — afirmou um juiz pedindo para não ser identificado.
O BEP tem hoje 325 presos, dos quais 41 são ex-PMs mantidos lá por liminares da Justiça. A prisão da corporação hoje é fiscalizada pela Corregedoria Interna, pela Vara de Execuções Penais e pelo Ministério Público estadual. A PM informou que o novo presídio para policiais, prometido pelo secretário José Mariano Beltrame há mais de um ano, será construído no Complexo Penitenciário de Gericinó. A obra só vai ser licitada em fevereiro de 2013. A corporação não deu previsão da construção.

LEIA:
Relatório de inspeção daJustiça diz que batalhão prisional da PM tem apartamentos, e não celas


2 comentários:

  1. O principal objetivo da prisão é a RESSOCIALIZAÇÃO DO SENTENCIADO, ou seja, a reintegração ou reinserção social.

    O CNJ FEZ VISTORIA NO BEP, MAS NÃO FAZ VISTORIA NOS DEMAIS PRESÍDIOS DO PAÍS. SÓ NO "BEP" OS PRESOS TÊM REGALIAS??? COMO SE O FERNANDINHO BEIRA-MAR NÃO RECEBESSE REGALIAS NO PRESÍDIO ONDE ESTÁ PRESO; COMO SE O CARLINHOS CACHOEIRA, NO POUCO TEMPO EM QUE FICOU PRESO, NÃO RECEBESSE REGALIAS; ETC. SE O TRAFICANTE PRESO EM BANGU PODE, POR QUE O "PM" PRESO NO BEP NÃO PODE? POR QUE O CNJ NÃO SE PREOCUPA COM OS TRAFICANTES QUE CONTINUAM COMANDANDO SUAS QUADRILHAS DE DENTRO DOS PRESÍDIOS POR TODO O PAÍS, ATRAVÉS DE TELEFONES CELULARES QUE ENTRAM TODOS OS DIAS NOS PRESÍDIOS?

    Familiares de PMs denunciam união de facções criminosas para matar militares no Rio de Janeiro.

    Familiares de policiais militares que estão presos no BEP (Batalhão Especial Prisional da Polícia Militar do Rio de Janeiro) denunciaram na tarde deste sábado (1º Dez 12) que facções criminosas de presídios do Rio de Janeiro teriam se unido com objetivo de matar os militares que serão transferidos para unidades prisionais comuns. Um bilhete entregue a reportagem do R7 afirma que as ameaças partiram do Complexo de Gericinó, na zona oeste da cidade. De acordo com parentes dos militares, a transferência teria sido foi definida pelo Tribunal de Justiça do Rio após inspeção realizada por oficiais de justiça da Vara de Execuções Penais nas dependências da unidade prisional.

    O grande problema da Segurança Pública no Brasil é o ECA, Estatuto da Criança e do Adolescente (LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990), que gera IMPUNIDADE!!

    ResponderExcluir
  2. QUALIDADE NA SEGURANÇA PÚBLICA E NA DEFESA CIVIL

    Militares da Polícia e dos Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro devem receber melhores salários, e não promoções por tempo de serviço, pois estas deixam os inativos de fora (pessoas que dedicaram 30 anos de suas vidas à corporação). É preciso separar o joio do trigo, e a única forma de fazer isto é realizando concursos internos, observando o princípio da meritocracia. Até porque não adianta nada ser um Subtenente com salário de um Soldado!

    ResponderExcluir