terça-feira, 27 de novembro de 2012

POLICIAIS MILITARES PODERÃO ESCOLHER SERVIÇOS PARA HORA EXTRA

SITE DA ALERJ 
A partir de janeiro, estará disponível para os policiais militares que se inscreverem no Regime Adicional de Serviço (RAS) a possibilidade de escolher os locais, dias e horários que atuarão fora de suas escalas de serviço. A novidade foi anunciada pela coordenadora do Programa Estadual de Integração na Segurança (Proeis), coronel Solange Vieira, durante reunião da Comissão Especial da Assembleia Legislativa Do Rio (Alerj) para o controle do banco de horas extras dos servidores da Segurança Pública, nesta terça-feira (27/11). Presidente da comissão, o deputado Flávio Bolsonaro (PP) considerou a mudança importante. "Sem dúvida é uma melhoria, mostra que a PM está buscando dar mais transparência a estes mecanismos. A comissão vai continuar a cobrar estes avanços, que sejam efetivos, transparentes e que atendam às necessidades da população mas, principalmente, aos anseios dos policiais", ponderou.
  De acordo com a coronel Solange, para fazer parte do RAS, hoje, o policial militar precisa ter seu cadastro feito na página do programa na internet validado pelo chefe de pessoal da unidade onde ele está lotado. "O filtro para avaliar a adequação deste policial aos termos do programa era feito pelo chefe de pessoal da unidade de origem. A ideia é que este aplicativo permita ao policial se 'auto-escalar', acessando seu histórico no próprio banco de dados da corporação e aprovando ou não sua participação", explicou a oficial, antes de acrescentar que a corporação enviou para a Secretaria de Estado de Segurança Pública uma proposta para permitir que sejam feitos pagamentos diferenciados aos policiais que prestarem serviços extras nos finais de semana, feriados ou durante a noite. "Entendemos que estes são dias e horários que o policial estaria junto com a sua família, então é natural que ele seja recompensado por isso", disse.

A oficial ressaltou que no último mês de outubro a corporação pagou aproximadamente R$ 3,1 milhões, em horas-extras, para pouco mais de 7.500 policiais militares. Segundo o deputado Bolsonaro, a PM e a Polícia Civil já contam com este serviço implementado. O Corpo de Bombeiros e a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária ainda estão em fase de estudos para a implementação do serviço, instituído por decreto pelo governador Sérgio Cabral após a sanção da lei 6.162/12. De autoria do Executivo, a norma traz a instituição do banco de horas no seu artigo 6º, incluído no texto após emenda apresentada por Bolsonaro.
De acordo com o decreto, é necessário guardar um intervalo mínimo de oito horas entre a jornada normal e a extraordinária. A carga horária do serviço extra não pode ultrapassar as 96 horas mensais. Oficiais superiores, como coronéis, podem receber de R$ 187,40 a R$ 375 para cada turno trabalhado. Oficiais intermediários, como capitães, podem receber de R$ 150 a R$ 300, enquanto praças podem receber de R$ 112,50 a 225 para cada turno. Estes policiais podem atuar nas próprias unidades de Segurança e Defesa Civil ou em grandes eventos como a Rio+20, as eleições e a Copa das Confederações. Também podem atuar em entidades conveniadas com o Estado, como órgãos da administração indireta, prefeituras e concessionárias de serviço público; e em órgãos da administração direta, como secretarias. "Já atuamos em prefeituras como Niterói, Itaperuna e Macaé, além de secretarias como a de Educação", acrescentou a coronel Solange, que classificou a medida como positiva para a corporação. "Antes, estes policiais eram convocados e não recebiam um centavo a mais por isso", frisou.

16 comentários:

  1. HORAS EXTRAS

    O valor pago pelas horas extras é muito baixo, deveria ser triplicado! Do jeito que está, não compensa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, os valores deveriam ser triplicados para início de conversa!

      Oficiais superiores (coronéis, tenente-coronéis e majores) R$ 562,50 a R$ 1.125,00;
      Oficiais intermediários (capitães) R$ 450,00 a R$ 900,00;
      Praças (subtenentes, sargentos, cabos e soldados) R$ 337,50 a R$ 675,00.

      Excluir
    2. tá de sacanagem,tem que pagar salário dígno,sua anta

      Excluir
    3. hora extra porra nenhuma.salário dígno animal

      Excluir
  2. nao estou preocupado com valores de hora extra nesta escala de 24/48 nao tenho tempo nem de pensar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. estude e vá pro seap,civil ou cberj,escala 24x72,viu é fácil

      Excluir
    2. vc diz seap ou cberj né??mas lá ninguem escolhe aonde quer ir trabalhar nao,nem ficar de segurança de ninguem tb nao,só vcs que tem essa MORDOMIA,e ainda reclamam??vcs RECEBEM HORA EXTRA, e os outros??prestem atençao

      Excluir
  3. engraçado,tem dinheiro pra hora extra mas não tem pra pagar salário justo?com certeza tem gente se beneficiando do RAS e PROES,isso é brasil

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. traduzindo:botando no bolso.CPI URGENTE,socorro!!!!!!!!!!!!!!!!!

      Excluir
  4. no papel é muito bom mesmo,mas trabalhei no proeis no mês de julho,e dinheiro que é bom mesmo até agora nada ,não me inscrevo mais ,ROMEU KD O MEU ?

    ResponderExcluir
  5. Em vez dos órgãos de segurança pública discutirem o projeto de legalização do trabalho paralelo de policiais militares (jornada que deixa o profissional estressado), deveriam discutir o pagamento de salários dignos aos referidos agentes da lei. Colocar Policiais Militares para fazer "bico" joga na lata do lixo o nome da gloriosa Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro e do excelentíssimo senhor governador Sérgio Cabral Filho, a quem cabe contratar e prover o sustento dos Policiais Militares no exercício da profissão. Dada a natureza da atividade policial militar, faz-se necessário o investimento nos profissionais que a desempenham, de modo que as necessidades vitais básicas destes sejam devidamente atendidas.

    ResponderExcluir
  6. Nunca tirei um serviço destes, nem pretendo enquanto puder. Acho mais valiosa a compania de meus familiares. O valor é pequeno, nossas escalas são muito apertadas. O serviço é sugado e mais cedo ou mais tarde voces perceberão que é mais uma forma de provar que p policial aguenta trabalhar muito mais do que já trabalha aí então cortam tudo, nunca teremos escalas e salários dignos enquanto não nos dermos o valor que merecemos! Chega de extra a folga ja e muito pequena para passar trabalhando.

    ResponderExcluir
  7. Outra coisa, o dinheiro que o PM ganha ali não é incorporado, não vai para a aposentadoria!

    ResponderExcluir
  8. O policial ja trabalha 240 horas mensais, onde sobra tempo para se trabalhar tanto, pensando que: 24 horas dividido por 3 é igual a tres turnos de 8 horas e o policial que na sua maioria trabalha em uma escala de 24x48, da extamente 10 servicos por mes, cada serviço equilale a tres dias de um trabalhador comum, isso multiplicado por 10 da igual a trinta dias, quer dizer que o policial trabalha 30 dias por mes sem folga ainda vem falr em ras ta de sacanagem, primeiro a folga e salário depois rassssssssssssssss!!!!!!!!11

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Enquanto isso os inativos morrem de fome, quem irá olhar por nós?

      Excluir
  9. Tempo certo não é para inativo é só pra peixe.

    ResponderExcluir