quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Associação dos Delegados de Polícia do Rio de Janeiro entrou com representação contra o secretário de Segurança por improbidade administrativa

O presidente da Associação dos Delegados de Polícia do Rio de Janeiro, Wladimir Reale, entrou com representação junto à Comissão de Ética da Alta Administração do Governo do Estado, pedindo a exoneração do secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, por improbidade administrativa.
Segundo a representação, encaminhada no último dia 22, ao presidente da CEAA e secretário de Estado da Casa Civil, Regis Fichtner, Beltrame está incriminado em "fatos gravíssimos", por ter agido com "má-fé" perante a Justiça e ter sido nomeado, irregularmente, em passado recente, delegado federal, no concurso público promovido pela Academia Nacional de Polícia, em 1993, cujo prazo de validade já estava vencido.
"Tanto a nomeação como delegado quanto sua permanência como secretário de estado ferem a ética e a legalidade", protesta o presidente da Adepol, que, em março de 2012, moveu uma representação contra Mariano Beltrame, junto à Procuradoria da República Federal de Brasília, visando a promoção de ação civil pública.
Nessa representação, a Adepol relata a nomeação ilegal de Beltrame, que foi classificado em 896° lugar para um concurso cujo edital previa o preenchimento de apenas 200 vagas. "Ele perdeu todas as suas ações individuais que já se encontram transitadas em julgado, inclusive no STF", frisa Wladimir Reale.
O processo por improbidade administrativa continua correndo, agora no Ministério Público do Rio Grande do Sul, mas a Adepol/RJ entende que o exercício do cargo de secretário de Segurança Pública por José Mariano Beltrame viola o artigo 15 do Código de Conduta da Alta Administração do Estado. Daí, o pedido de exoneração imediata.
De acordo com o processo, Beltrame só conseguiu ser aproveitado por "apostilamento" no cargo de delegado federal, "estranhamente", graças à liminar de um desembargador federal que, aparentemente, desconhecia as suas ações individuais, já julgadas até então, e todas contrárias às pretensões do então candidato reprovado. A representação da Adepol junto à CEEA, que o presidente Regis Fichtner vai examinar, se baseia no Conduta da Alta Administração que exige das autoridades  "portar-se pelos princípios de legalidade,  impessoalidade, publicidade, eficiência, moralidade e improbidade".
O Governo do Estado informou, através de sua assessoria que o secretário José Mariano Beltrame é delegado federal desde 2004 e, sobre os questionamentos da Adepol, a justiça já se manifestou ao secretário, em última instância.


3652

7 comentários:

  1. Sera q vai aparecer na globo rsrsrs

    ResponderExcluir
  2. Talvez apareça na GLOBO , sendo comentarista de segurança,pois lá já tem o Cap mijão do BOPE , agora terá o falso delegado da PF kkkkk, é uma piada mesmo

    ResponderExcluir
  3. beltrame, beltrame. você não dançou na GLOBO, e vai dançar agora. FALSO delegado FEDERAL. chama a regina case para te ajudar. quem sabe você não pode ser uma bailarina, em seu programa.

    ResponderExcluir
  4. o cap ex bope não é mijão é CAGÃO parceiro

    ResponderExcluir
  5. País de merda é assim mesmo...os aproveitadores e oportunistas de plantão sempre se dão bem. Onde há amadorismo é assim. Já conhecia esse processo que tramita no RS, pois os candidatos desse concurso a delegado da PF onde o BELBEL ficou reprovado ,em quase 900ª colocação, haviam se mobilizados... esse BELBEL entrou pela janela,chaminé, fechadura,tomada ?????????????????? E ainda é candidato ,tá querendo passar a perna até no Pezão safado.

    ResponderExcluir
  6. Kkkkkk, depois daquele acessor de porra nenhuma, aquele falso coronel ou capitão do bope, que tinha até fuzil a vtr a sua disposição, não duvido de mais nada meus amigos. Delegado da politica foderal... Kkkkkkkk

    ResponderExcluir