sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Taser falha e policial é esfaqueado

Policiais da Brigada Militar do Rio Grande do Sul passaram por uma situação tensa, onde a pistola de descarga elétrica que usavam (segundo a reportagem, uma Taser) não funcionou como previsto e um PM sofreu golpes de faca, tendo que levar mais de trinta pontos para estancar o ferimento. Felizmente o pior não ocorreu.
Nas ruas não podemos nos garantir apenas com equipamentos, já que eventualmente eles falham. Temos que adotar sempre procedimentos de segurança quanto a abordagens.
A TASER veio para ser um facilitador no nosso serviço de rua, mas temos que nos garantir com tonfas e armas de fogo. Antes um drogado baleado do que um policial esfaqueado. Somos também cidadãos, com famílias em nossas casas.
Assista o vídeo:


4 comentários:

  1. ué! usa faca tambem! é ruim eu com essa tomadinha enfrentar esse diabo de , enfiava lhe a faca de conbate zhakarov na goela, demonio tem que ser tratado assim! daria legitima defesa na hora.

    ResponderExcluir
  2. Até um bastão policial seria útil nessa hora, para manter uma distância e evitar o golpe. Poderia também ter atirado nas pernas do agressor.

    ResponderExcluir
  3. Que bastão! Que faca! Era para dar um tiro de .40 na caixa desse vagabundo.

    ResponderExcluir
  4. O policial errou o alvo (o dardo superior passa acima do ombro esquerdo do suspeito e apenas o dardo inferior atinge o suspeito). Mas é necessário que os dois dardos atinjam o alvo para que o circuito elétrico seja "fechado". Não é preciso ter olhos de lince para analisar o vídeo, basta saber OUVIR. O som alto do Taser prova que o circuito elétrico foi "fechado" nos eletrodos frontais da arma e não em superfície condutiva (corpo do suspeito), daí o SOM ALTO do Taser. Se esses caras tivessem sido treinados, como eu fui, por uma empresa carioca que ministra treinamento do Taser bem melhor que a própria fábrica do Taser, saberiam disso tudo e não ficariam falando que o Taser falhou. Mas de qualquer maneira parabéns ao policial que após o erro de mira no disparo dos dardos, pelo menos usou o Taser como arma de contato direto no corpo do suspeito.

    ResponderExcluir