sexta-feira, 7 de junho de 2013

Secretário de Defesa Civil é processado por abuso de autoridade

ROBERTA TRINDADE

A Justiça aceitou a queixa-crime feita por oito bombeiros presos e enviados à Penitenciária Laércio da Costa Pellegrino – mais conhecida como Bangu 1 – no Complexo de Gericino, em Bangu, na Zona Oeste do Rio, em fevereiro do ano passado. Eles haviam sido presos por reivindicarem aumento de salário e melhores condições de trabalho. Com isso, o secretário de Estado de Defesa Civil e comandante geral do Corpo de Bombeiros Militar, coronel Sérgio Simões, o comandante do Grupo Especial Prisional (GEP), coronel Camilo Ribamar Santos, e o diretor de Bangu 1, Rogério Blank das Neves, serão processados por abuso de autoridade.

O coronel Simões está sendo processado porque deu a ordem e o diretor de Bangu porque aceitou receber bombeiros e policiais militares na unidade prisional. A manutenção de militares em uma cadeia para civis desobedece a legislação e estatutos, portanto, foi ilegal. Além disso, os PMs e bombeiros permaneceram durante três dias incomunicáveis, sem poder manter contato com familiares e nem mesmo com os advogados, ferindo a Constituição.

Os cinco militares – o cabo Adhemar de Queiroz Balthar Júnior, o segundo sargento Daniel Alves dos Santos e os terceiros sargento Harrua Leal Ayres, Wallace Rodrigues Chaves e Alexandre Gomes Matias – foram expulsos da corporação, em março do ano passado.
De acordo com a análise dos relatórios referentes aos Conselhos de Disciplina aos quais os bombeiros foram submetidos, eles foram considerados “culpados por articulação em manifestações de caráter político-partidário, nas quais incitaram ostensivamente a tropa à prática de ilícitos de natureza disciplinar e penal militar, além da adoção de conduta incompatível com a missão de Bombeiro-militar’.
A expulsão também atingiu outros oito bombeiros: os cabos Alexandre Salvador de Azevedo, Paulo Roberto Noronha dos Santos Júnior, Andrei Carlos Azevedo dos Santos e Benevenuto Daciolo Fonseca dos Santos, os terceiro sargentos Heraldo Correia Vieira e André Manoel Pontes Matos, o segundo sargento Paulo Edson de Campos do Nascimento e o subtenente Valdelei Duarte.

7 comentários:

  1. AGORA EU QUERO VER A PORCA TORCER O RABO...CHUPA ESSA MANGA COMANDANTE DO CORPO DE BOMBEIROS...QUEM SABE O CABRAL QUEBRA O SEU GALHO E FAZ UM PEDIDO AOS MAGISTRADOS....KKKKKKKK

    ResponderExcluir
  2. falta agora o CEL Costa Filho,CEL Pinheiro Neto da PMERJ e o CEL Baracho.

    ResponderExcluir
  3. Pois é ainda prenderam uma militar(subtenente)por ter informado aos acompanhantes de uma paciente a ser socorrida que não poderiam levar a paciente ao hospital que eles estavam solicitando,e sim ao hospital mais proximo da área onde ela trabalha(conforme orientação)do regulamento,por isso foi punida com 30 dias.

    ResponderExcluir
  4. SIMÕES, NÃO ESQUENTA. CABRAL VAI TE SOCORRER. ELE VAI CHAMAR A MERITÍSSIMA DE VANDALA. PODE CONFIAR, SEU OTÁRIO. CHUPA QUE É DE UVA.

    ResponderExcluir
  5. OS PROFISSIONAIS DE SEGURANÇA PÚBLICA PRECISAM SER MAIS VALORIZADOS.

    O Governo do Estado do Rio de Janeiro, com a segunda maior arrecadação de impostos do Brasil, poderia pagar muito melhor os Bombeiros e Policiais Militares. Não está sendo respeitado nem o artigo 7º, inciso IV, da Constituição Federal de 1988, que visa suprir as necessidades vitais básicas. Segundo o DIEESE, o Salário Mínimo Necessário referente ao mês de Abril de 2013 foi estimado em R$ 2.892,47 (dois mil, oitocentos e noventa e dois reais e quarenta e sete centavos). O vencimento bruto do Soldado PM/BM no RJ atualmente é de apenas R$ 2.077,25 (está R$ 815,22 abaixo do referido piso). É fácil dar DIGNIDADE à tropa, basta querer! A VIDA DE MILITAR ESTADUAL É COMPLICADA (o risco é grande e o salário é insuficiente). Em menos de três meses, 8 policiais foram baleados em comunidades “pacificadas”!

    http://www.dieese.org.br/analisecestabasica/salarioMinimo.html

    O Governo do Estado do Rio de Janeiro precisa conceder apenas 39,25% de reajuste salarial para a PMERJ e o CBMERJ para cumprir o artigo 7º, inciso IV, da Constituição Federal de 1988, ou seja, para suprir as necessidades vitais básicas dos Militares Estaduais (pagar o Salário Mínimo Necessário aos Soldados PM/BM). É preciso oferecer o MÍNIMO DE DIGNIDADE aos integrantes da PMERJ e do CBMERJ. Como vamos sediar a COPA DO MUNDO de 2014 e os JOGOS OLÍMPICOS de 2016 se não conseguimos nem pagar um SALÁRIO DIGNO aos funcionários públicos que prestam SERVIÇOS ESSENCIAIS à população fluminense (Bombeiros e Policiais Militares)?

    ResponderExcluir