quarta-feira, 3 de julho de 2013

Comandante do Bope diz não ter sido informado sobre operação que deixou dez mortos na Maré

O comandante do Bope, coronel Wilman René Alonso, afirmou ontem que não foi informado da operação de sua tropa que culminou com dez mortes - entre elas, a de um sargento da tropa de elite - no Complexo da Maré no último dia 24. Quando perguntado se sabia da operação antes de sua execução, o comandante respondeu:
- Não, claro que não. Mas não posso dizer quando fui informado, pois essa questão é objeto do inquérito da Polícia Civil - afirmou René, que classificou o resultado da ação como "uma tristeza".
O coronel prestou depoimento na Divisão de Homicídios na última sexta-feira. Ele foi convocado para dar sua versão dos acontecimentos no inquérito da Polícia Civil que apura os homicídios. O principal objetivo da investigação é saber de onde partiu a ordem para que o Bope entrasse na Maré.
O delegado da especializada, Rivaldo Barbosa, também quer saber o motivo de a tropa de elite ter sido chamada após o arrastão na Avenida Brasil. Para isso, também foram ouvidos PMs do Bope e agentes da Força Nacional que participaram da operação. Amanhã, o delegado vai ouvir parentes de todas as vítimas na 22 DP (Penha).
Ontem, o presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB, Wadih Damous, defendeu, numa reunião em Brasília com a ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, a convocação de peritos da Polícia Federal para apurar as mortes na Maré.
- Não faço juízo de valor sobre o comando das polícias estaduais, mas o corporativismo pode contaminar a investigação - diz Damous.
A operação do Bope na Maré começou na noite de 24 de junho, com o objetivo de buscar criminosos que fizeram um arrastão na Av. Brasil após um protesto. A ação só terminou no dia seguinte e teve saldo de dez mortos, entre eles o sargento do Bope Ednelson do Santos.
Entre os nove moradores mortos, dois não tinham antecedentes criminais: o garçom Eraldo da Silva, de 35 anos, e Jonatha Farias da Silva, de 16. Em nota, a PM informou que Jonatha estava armado e participava de um confronto. Moradores da Maré ouvidos pelo EXTRA alegaram que Jonatha não tinha ligação com o tráfico.
No dia seguinte à operação, o major do Bope, João Jacques Busnello, que comandou a operação, defendeu a ação.
- A ação criminosa era intensa, e o Bope agiu dentro dos parâmetros legais. E também teve a perda muito grande para nós, de um companheiro - disse.

10 comentários:

  1. E PRECISO A DESMILITARIZAÇAO URGENTE NAS POLICIAS UM MODELO DE POLICIA MODERNA MAIS HUMANA SEM CORPORATIVISMO SEM UMA JUSTIÇA MILITAR

    ResponderExcluir
  2. bem, sinto muito em dizer, mas.....NÃO SABIA? QUE COMANDANTE É ESSE QUE NÃO SABE QUE UM GRUPAMENTO DE SUA UNIDADE SAIU EM MISSÃO? é irmãos, como se já não bastasse o desaparecimento do nosso CMT durante os protestos , no qual a tropa inteira ficou a mercê de bombas, pedras, garrafas, tiros, porrada e sem flar do massacre pela imprensa e pela crítica. Durante todo esses protestos, eu particularmente ( se alguém ai viu, me perdoem por falar, mas pelo que acompanhei dos noticiários, nem apareceu vestido de branco), não vi o nosso CMT ir imprensa, ao menos para "botar a cara na janela" pra ao menos a tropa ver que não estava sozinha. Pelo contrário, quem botou a cara , foi o relações publicas , para ir contra A FARDA QUE ELE VESTE. O CMT GERAL DA PM DE SÃO PAULO TEVE UMA ATITUDE MAIS NOBRE DO QUE A PM DO RIO, O CARA NÃO DEIXOU A TROPA DELE APANHAR SOZINHO EM MEIO AS CRITICAS, BOTOU A CARA E AINDA EXPRESSOU A SUA OPINIÃO DIZENDO QUE SE AS MANIFESTAÇÕES FOSSEM DIRECIONADAS PARA A PRISÃO DOS MENSALEIROS, SERIA UMA ATITUDE CORRETA DO POVO BRASILEIRO.Irmãos, o único nesse momento ruim da PM que está ao nosso lado otempo inteiro e nunca , NUNCA IRÁ NOS ABANDONAR É O SENHOR JESUS CRISTO, MESMO ERRADOS, ELE AINDA PERMANECE FIEL A NÓS E DO NOSSO LADO. DEUS SALVE A NOSSA CLASSE, E MOSTRE AO MENOS UM POUCO DA JUSTIÇA DELE PARA CONOSCO, pois o vírus da amnésia e da omissão, parece que tomou conta de alguns CMTS da pm carioca.......SÓ NÃO IMAGINARIA QUE UM " CAVEIRA" TOMASSE UMA ATITUDE ASSIM..NÃO É LEMA NO BOPE..." JA QUE TÁ NO INFERNO, ABRAÇA O DIABO?" COM RESPEITO A TODOS OS IRMÃOS DE FARDA, POSTEI AQUI, UMA DAS MINHAS INDIGNAÇÕES DESTA NOSS TÃO SOFRIDA CLASSE.

    ResponderExcluir
  3. É TÃO UNIDA QUE NADA FAZ PRA MODIFICAR. A PMERJ MERECE SEUS OPRESSORES. NO DIA QUE NÓS TOMARMOS VERGONHA NA CARA E AQUARTELA GERAL, AÍ ESSA P(...) MUDA! FORA ISSO, NÃO PODEMOS RECLAMAR DE NADA.

    ResponderExcluir
  4. QUE COMANDANTE, FDP. TA EXPLICADO PORQUE, UM SOLDO DE UM TERCEIRO SGT EM MINAS É DE 3950.00 REAIS. EU DISSE O SOLDO. TUDO BEM A GENTE MERECE, POR NÃO TERMOS UNIÃO.

    ResponderExcluir
  5. Sou civil e sempre apoiei a aprovação da PEC 300. Entretanto, desde que as manifestações começaram, tenho certeza de que todo o apoio popular que vocês tinham para a aprovação da emenda supracitada caiu por terra devido à truculência do batalhão de choque. Se vocês sonhavam com PEC 300, esqueçam. Esqueçam e agradeçam ao Choque.

    ResponderExcluir
  6. O Batalhão de choque não representa a PM.
    O Governador sabe dividir,fazendo com que uns poucos com gratificações se sintam superiores aos demais.O incrível disso é que temos oficiais e graduados ganhando menos que um soldado.A população tem que saber que a tropa recebe comando de um oficial,nada acontece sem comando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, o efetivo do BPChq deveria perder a gratificação, pois é pior que o "convencional".
      Quem não sabe "separar o joio do trigo", não está preparado para atuar em grandes eventos.
      O CHOQUE ENVERGONHOU A PMERJ!

      Excluir
  7. A tropa sempre foi traída pelos seus comandantes,que se aproveitaram das manifestações para auferir vantagens.Agora terão que botar a cara e liderar qualquer movimento reivindicatório.
    A Tropa finalmente aprendeu.O Comandante Geral está certo quando diz que a PM está desmoralizada por causa da corrupção de seus Oficiais.

    ResponderExcluir
  8. A PROMOÇÃO DE PRAÇAS POR TEMPO DE SERVIÇO ("ASCENSÃO AUTOMÁTICA") TEM QUE ACABAR! OS CONCURSOS INTERNOS SERVEM PARA SEPARAR O JOIO DO TRIGO. O QUE O BOMBEIRO E O POLICIAL MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PRECISAM É DE UMA REMUNERAÇÃO DIGNA! UM DOS PRINCIPAIS FATORES DE ESTRESSE VIVENCIADOS PELOS MILITARES ESTADUAIS NO RIO DE JANEIRO É O SALÁRIO, CONSIDERADO INDIGNO E INJUSTO.

    A promoção de praças por tempo de serviço incentiva os Soldados a não se preocuparem em estudar, se aperfeiçoar e, assim, se manterem incompetentes em um debate com algum meliante de colarinho que tenham de prender. Não podemos compactuar com a preguiça, com o desinteresse pela cultura e pelo aperfeiçoamento profissional. Premiar a ignorância e o comodismo não é interessante para a PMERJ e nem para o CBMERJ, pois estas Corporações só perdem com isto. Perdem em qualidade, perdem em credibilidade e perdem em respeito! Profissionais medíocres não podem ser promovidos. A PMERJ e o CBMERJ são maiores que o interesse de alguns militares que, nos momentos de folga, preferiram trocar os bancos escolares pela cerveja e pelo churrasco, certos de que a desídia e o descompromisso consigo mesmo, com seu futuro, seriam premiados em algum momento, por leis oportunistas, independentemente das suas qualidades e habilidades. A premiação pela preguiça nivela a tropa por baixo! A desídia, a preguiça e o relaxo cultural deixam o PM e o BM desleixados, pois eles sabem que as "lagartinhas cairão do céu".

    Enquanto outras corporações lutam para que todos os seus membros tenham ou já ingressem com um curso superior completo, exatamente para poderem pleitear junto ao governo melhores salários e condições de trabalho, a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro criam mecanismos que colocam seus integrantes à margem da sociedade. Os concursos internos para o CFS e o CFC são necessários. Chega de moleza, é preciso dignificar as funções dos Sargentos e dos Cabos, ninguém deve "ganhar" as divisas. Muito me preocupa como serão os Sargentos de amanhã. A última turma que realmente fez um Curso de Formação de Sargentos foi em 2006/2007. O Sargento é o elo de ligação entre o Comando e a Tropa! Os jurunas ostentam as divisas de Cabos e Sargentos, mas continuam Soldados. Para fortalecer a Corporação, será fundamental melhorar a qualidade de seus membros, ou seja, exigir qualificação dos seus integrantes. Promover todos os Soldados à Cabos não os qualifica, não os dignifica, não os torna mais compromissados com o serviço ou mais preocupados com os rumos da corporação. Premiar o preguiçoso, o desinteressado... não! Os Militares Estaduais precisam é de DIGNIDADE SALARIAL.

    ResponderExcluir
  9. NO RIO DE JANEIRO, OS PROFISSIONAIS DE SEGURANÇA PÚBLICA NÃO SÃO TRATADOS DIGNAMENTE.

    O Governo do Estado do Rio de Janeiro, com a segunda maior arrecadação de impostos do Brasil, poderia pagar muito melhor os Bombeiros e Policiais Militares. Não está sendo respeitado nem o artigo 7º, inciso IV, da Constituição Federal de 1988, que visa suprir as necessidades vitais básicas. Segundo o DIEESE, o Salário Mínimo Necessário referente ao mês de Abril de 2013 foi estimado em R$ 2.892,47 (dois mil, oitocentos e noventa e dois reais e quarenta e sete centavos). O vencimento bruto do Soldado PM/BM no RJ atualmente é de apenas R$ 2.077,25 (está R$ 815,22 abaixo do referido piso). É fácil dar DIGNIDADE à tropa, basta querer! A VIDA DE MILITAR ESTADUAL É COMPLICADA (o risco é grande e o salário é insuficiente). Em menos de três meses, 8 policiais foram baleados em comunidades “pacificadas”!

    http://www.dieese.org.br/analisecestabasica/salarioMinimo.html

    O Governo do Estado do Rio de Janeiro precisa conceder apenas 39,25% de reajuste salarial para a PMERJ e o CBMERJ para cumprir o artigo 7º, inciso IV, da Constituição Federal de 1988, ou seja, para suprir as necessidades vitais básicas dos Militares Estaduais (pagar o Salário Mínimo Necessário aos Soldados PM/BM). É preciso oferecer o MÍNIMO DE DIGNIDADE aos integrantes da PMERJ e do CBMERJ. Como vamos sediar a COPA DO MUNDO de 2014 e os JOGOS OLÍMPICOS de 2016 se não conseguimos nem pagar um SALÁRIO DIGNO aos funcionários públicos que prestam SERVIÇOS ESSENCIAIS à população fluminense (Bombeiros e Policiais Militares)?

    OBS: DINHEIRO PARA PAGAR BEM TEM, CASO CONTRÁRIO NÃO EXISTIRIAM O PROEIS E O RAS!

    ResponderExcluir