quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Alerj vai ouvir comandante do Cfap e oficiais sobre morte de recruta da PM

A Comissão de Segurança Pública e Assuntos de Polícia da Alerj realiza nesta quinta-feira (28), às 13h, audiência extraordinária para apurar as circunstâncias que levaram à morte do recruta da PM Paulo Aparecido Santos de Lima. Ele sofreu queimaduras, insolação grave e perda dos rins após treinamento no Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (Cfap), no dia 12. Paulo foi internado no Hospital Central da Polícia Militar, onde já chegou desacordado, e morreu na última sexta-feira.
Presidente da Comissão de Segurança, o deputado Iranildo Campos (PSD) convidou para a audiência o comandante do Cfap, coronel Nélio Monteiro Campos, e os oficiais responsáveis pelo treinamento dos recrutas. O parlamentar criticou duramente a falta de assistência médica na unidade e a aplicação de exercícios físicos não previstos na programação original.
“É inadmissível que, naquele dia, o Cfap não tivesse médico, ambulância nem desfibrilador para atendimento de emergência. Como pode isso em uma unidade com 2 mil alunos? O cronograma de atividades não incluía exercícios físicos para os recrutas. Esse tipo de atividade só poderia ocorrer após a segunda semana de treinamento”, estranhou Iranildo.
O deputado disse que a audiência pública será fundamental para esclarecer os fatos e apurar as responsabilidades. “A morte desse jovem causa revolta e indignação. Vamos mostrar os erros e excessos cometidos para que nunca mais se repitam”, concluiu.  A audiência será na sala 316 do Palácio Tiradentes.

2 comentários:

  1. """NO FIM DO IPM A CULPA SERÁ DO POBRE DO RECRUTA QUE MORREU E NÃO PODERÁ NEM AO MENOS SE DEFENDER!"""

    ResponderExcluir
  2. Infelizmente, a atual política de segurança pública desenvolvida no Estado do Rio de Janeiro não tem por objetivo valorizar os Policiais Militares.

    O Governo do Estado do Rio de Janeiro, com a segunda maior arrecadação de impostos do Brasil, poderia pagar muito melhor os Bombeiros e Policiais Militares. Não está sendo respeitado nem o artigo 7º, inciso IV, da Constituição Federal de 1988, que visa suprir as NECESSIDADES VITAIS BÁSICAS. Segundo o DIEESE, o Salário Mínimo Necessário referente ao mês de Abril de 2013 foi estimado em R$ 2.892,47 (dois mil, oitocentos e noventa e dois reais e quarenta e sete centavos). O vencimento bruto do soldado PM/BM no RJ está R$ 815,22 abaixo do referido piso, é de apenas R$ 2.077,25 (dois mil e setenta e sete reais e vinte e cinco centavos). É fácil dar DIGNIDADE à tropa, basta querer!

    http://www.dieese.org.br/analisecestabasica/salarioMinimo.html

    O Governo do Estado do Rio de Janeiro precisa conceder apenas 39,25% de reajuste salarial para a PMERJ e o CBMERJ para cumprir o artigo 7º, inciso IV, da Constituição Federal de 1988, ou seja, para suprir as necessidades vitais básicas dos Militares Estaduais (pagar o Salário Mínimo Necessário aos soldados PM/BM). É preciso oferecer o MÍNIMO DE DIGNIDADE aos integrantes da PMERJ e do CBMERJ. Como vamos sediar a COPA DO MUNDO de 2014 e os JOGOS OLÍMPICOS de 2016 se não conseguimos nem pagar um SALÁRIO DIGNO aos funcionários públicos que prestam SERVIÇOS ESSENCIAIS à população fluminense (Bombeiros e Policiais Militares)? Pagar um SOLDO INFERIOR AO SALÁRIO MÍNIMO vigente aos CABOS E SOLDADOS é o fim da picada!

    OBS: DINHEIRO PARA PAGAR BEM O GOVERNO DO ESTADO TEM!

    A profissão de policial militar é uma atividade de alto risco, uma vez que esses profissionais lidam, no seu cotidiano, com a violência, a brutalidade e a morte. A literatura aponta que os policiais militares estão entre os profissionais que mais sofrem de estresse, pois estão constantemente expostos ao perigo e à agressão, devendo freqüentemente intervir em situações de problemas humanos de muito conflito e tensão. Um soldado PM já deveria estar ganhando, no mínimo, por volta de R$ 3.500,00 (três mil e quinhentos reais) mensais, pois a valorização profissional é primordial!

    ResponderExcluir