quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Policiais emagrecem com ajuda do programa alimentar


A Polícia Militar criou, há três anos, o Núcleo Central de Nutrição e, desde março de 2012, os policiais são atendidos no Ambulatório de Nutrição do Quartel General. Os resultados já são aparentes. Dos 214 PMs beneficiados pelo projeto alimentar da unidade, 80% tiveram sucesso. Juntos, eles perderam duas toneladas. Fazendo uma média, cada um perdeu 11,5 quilos.
Antes do programa nutricional, 43% dos militares eram hipertensos e 20%, diabéticos. “Os policiais queriam que eu passasse uma dieta para eles, mas não tinham noção que era necessário fazer uma avaliação. Vendo esta necessidade, criamos um ambulatório”, explicou a nutricionista, tenente Elisabeth Cardoso.
O plano alimentar para os policiais é feito de acordo com a rotina de cada paciente. Uma das principais causas da obesidade identificada é o sedentarismo. Em março de 2012, 90% dos avaliados não faziam atividade física. Já em agosto de 2013, mais de 70% se renderam à malhação.
Um dos beneficiados pelo programa foi o capitão João Fialho. O policial perdeu quase 20 quilos em três meses. Antes do tratamento, João pesava 130 quilos, com quadro de obesidade e nível de colesterol elevado. Ele passou pelo ambulatório sem acreditar muito que daria certo, mas resolveu levar a rotina saudável a sério. O exercício físico foi o grande aliado da alimentação correta.
“Hoje, pego aquelas fardas que estavam guardadas no fundo do armário e já posso vesti-las. Isto é gratificante, principalmente quando as pessoas reconhecem. Acho que tudo isto reflete no nosso serviço para a população”, afirmou o capitão.
Já o terceiro sargento Alessandro Manhães foi estimulado a fazer o tratamento após uma aposta. A meta era eliminar seis quilos em 45 dias. O policial perdeu sete quilos neste período. A brincadeira ficou séria e ele voltou ao peso de quando entrou na PM, há 12 anos. Hoje, o sargento Manhães pesa 96 quilos, 12 a menos do que no início da dieta, há três meses. Ele saiu do manequim 54 para o 46.
“A intenção é chegar aos 90 quilos e incentivar a minha família. Eu acordo às 4h30 para malhar antes de ir para o trabalho. É um esforço que vale a pena”, disse o sargento Manhães, que hoje corre sete dias por semana e matriculou a esposa e os dois filhos na academia.
No total, são 25 nutricionistas para atender aos policiais. A intenção da chefe de nutrição da Polícia Militar, tenente Andreia Matos, é ampliar o serviço para todo o estado. 

14 comentários:

  1. QUEM MORA NO INTERIOR TÁ PERDIDO, SOMOS ESQUECIDOS POR TODOS OS BONS PROGRAMAS DO GOVERNO OU NO CASO DA PM. PRÁ SERMOS ATENDIDOS TEMOS QUE VIAJAR PARA O RIO E ENCARAR O HCPM LOTADO. NO DIA QUE LEMBRAREM DA GENTE AQUI, AI VOU COMEMORAR !!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem PM, não há democracia.

      O Governo do Estado do Rio de Janeiro, com a segunda maior arrecadação de impostos do Brasil, poderia pagar muito melhor os Bombeiros e Policiais Militares. Não está sendo respeitado nem o artigo 7º, inciso IV, da Constituição Federal de 1988, que visa suprir as NECESSIDADES VITAIS BÁSICAS. Segundo o DIEESE, o Salário Mínimo Necessário referente ao mês de Abril de 2013 foi estimado em R$ 2.892,47 (dois mil, oitocentos e noventa e dois reais e quarenta e sete centavos). O vencimento bruto do soldado PM/BM no RJ está R$ 815,22 abaixo do referido piso, é de apenas R$ 2.077,25 (dois mil e setenta e sete reais e vinte e cinco centavos). É fácil dar DIGNIDADE à tropa, basta querer! A vida de Militar Estadual é complicada (o risco é grande e o salário é insuficiente).

      http://www.dieese.org.br/analisecestabasica/salarioMinimo.html

      O Governo do Estado do Rio de Janeiro precisa conceder apenas 39,25% de reajuste salarial para a PMERJ e o CBMERJ para cumprir o artigo 7º, inciso IV, da Constituição Federal de 1988, ou seja, para suprir as necessidades vitais básicas dos Militares Estaduais (pagar o Salário Mínimo Necessário aos soldados PM/BM). É preciso oferecer o MÍNIMO DE DIGNIDADE aos integrantes da PMERJ e do CBMERJ. Como vamos sediar a COPA DO MUNDO de 2014 e os JOGOS OLÍMPICOS de 2016 se não conseguimos nem pagar um SALÁRIO DIGNO aos funcionários públicos que prestam SERVIÇOS ESSENCIAIS à população fluminense (Bombeiros e Policiais Militares)? Pagar um SOLDO INFERIOR AO SALÁRIO MÍNIMO vigente aos CABOS E SOLDADOS é o fim da picada!

      OBS: DINHEIRO PARA PAGAR BEM O GOVERNO DO ESTADO TEM!

      Excluir
  2. O PM ganha mal e por conta disto come mal, o nível de estresse no trabalho é elevadíssimo (por isso o cortisol vai lá em cima e assim favorece o acúmulo de gordura na pança), trabalha como louco na folga (RAS, PROEIS ou PORTUGUÊS) e raramente tem tempo de praticar uma atividade física.
    Aí é claro, engorda, vira uma baleia e todo mundo reclama do mamute patrulhando sentado dentro da "baratinha".
    Ô vida sofrida a do centurião.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente, a atual política de segurança pública desenvolvida no Estado do Rio de Janeiro não tem por objetivo valorizar os Policiais Militares.

      Muitas profissões de risco geram estresse e, sem sombra de dúvidas, a profissão policial militar faz parte desta categoria. Diariamente o profissional é submetido a situações desgastantes que colocam em risco a própria vida, o que exige dele preparo físico e emocional, sendo indispensável para isso que a instituição promova a saúde mental dos agentes de segurança pública.

      Entre outros conceitos, ter saúde mental consiste em apreciar a vida, aprender a lidar com as adversidades, ter controle emocional. A sociedade cobra do policial conduta irrepreensível a todo tempo, esquecendo-se que por trás da farda existe um ser humano com sentimentos, angústias e passível de erros. Para ingressar na corporação o policial é submetido a um teste psicológico que avalia se ele tem pré-requisitos para assumir a função, mas após o ingresso a sua saúde mental é desvalorizada.

      Muitos fatores contribuem para que a saúde mental dos policiais fique comprometida, entre eles a distância de suas famílias, falta de condições de trabalho, falta de reconhecimento e valorização profissional por parte da sociedade e da corporação, consequentemente acabam deprimidos, ansiosos e insatisfeitos com a profissão, como demonstra reportagem de conceituada revista que aponta que um em cada três policiais não entraria na corporação se pudesse voltar no tempo.

      Para a manutenção da saúde mental de seus servidores, a instituição policial-militar deve oferecer atendimento psicológico, promover atividades físicas, valorizar os seus profissionais oferecendo melhores condições de trabalho e salários dignos, dessa forma resultará em homens e mulheres satisfeitos e motivados em promover a segurança pública que a sociedade carece.

      Excluir
  3. Achei boa e válida a iniciativa da PMERJ, porém o problema vai muito além disso, a alimentação no rancho é péssima, seria simples de resolver: VALE REFEIÇÃO (para o policial comer o que escolher para sua dieta), FOLGA 24 X 72 (para ter o descanso necessário, dar atenção à família e praticar atividades físicas) e um SALÁRIO DIGNO (para suprir suas necessidades básicas e de sua família). Pronto, resolvido o problema de 98% da corporação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Vale Refeição Sodexo resolveria o problema da má alimentação do Policial Militar do Estado do Rio de Janeiro. O oferecimento dos cartões refeição/alimentação seriam uma demonstração de que o Governo do Estado se preocupa com a saúde dos profissionais de Segurança Pública.

      Excluir
  4. A valorização profissional é primordial!

    A profissão de policial militar é uma atividade de alto risco, uma vez que esses profissionais lidam, no seu cotidiano, com a violência, a brutalidade e a morte. A literatura aponta que os policiais estão entre os profissionais que mais sofrem de estresse, pois estão constantemente expostos ao perigo e à agressão, devendo freqüentemente intervir em situações de problemas humanos de muito conflito e tensão. Um soldado PM deveria estar ganhando por volta de R$ 8.300,00 (oito mil e trezentos reais) mensais. Com baixos salários, o Centro de Recrutamento e Seleção de Praças (CRSP) da PMERJ não consegue selecionar bons candidatos, pois fica com os piores candidatos do mercado de trabalho, comprometendo a qualidade do serviço policial-militar. As pessoas mais qualificadas naturalmente procurarão profissões mais bem remuneradas, porque todos buscam receber um bom salário.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A sociedade humana sem POLÍCIA seria condenada ao caos e à anarquia.

      Excluir
    2. A sociedade brasileira, sem a POLÍCIA MILITAR, seria condenada ao caos e à anarquia.

      Excluir
  5. A Polícia Militar deveria se preocupar mais com a saúde de sua tropa, principalmente a saúde mental, pois grande parte desta apresenta problemas psicológicos!

    ResponderExcluir
  6. Realmente o nível dos comentários mostra que estamos no caminho certo, a sociedade apoia a valorização da polícia militar, a questão é exigir isso dos governantes, vamos usar as redes socias o blog para lutar por isso, vamos olhar em que vamos votar. Só senti falta nos comentários a exigência da aprovação da PEC300!!!

    ResponderExcluir
  7. Senhores, não há nenhuma outra recomendação, que seja " a priori " da desmilitarização das Forças Estaduais Militarizada, chamada pela CF/88 de " Forças Auxiliares e reserva do Exército ! Não podemos perder o foco de uma mudança mais abrangentes, sendo de obter a real necessidade de uma Polícia com maior nível de aprimoramento e satisfação de ser reconhecido como " pessoa humana e brasileira", não sendo imputado a ela, nenhuma comparação a um ser sem pensamento, com adestramento animal onde se diz _ Deita-se e deitamos...! Pula e pulamos....! e ouvimos, vocês são superiores ao tempo...(essas descrições nos Regulamentos das Corporações Militares Estaduais). Sabemos e vivemos as objetividades do Oficialato, principalmente os de altas Patentes, que são revestidos pelo poder Draconiano da " Discricionariedade " onde mantém as rédeas de uma imensa fileira de homens ao seu comando, calando e proibindo nesta atualidade, os princípios de Direitos Humanos de seus integrantes e pior ainda, sabendo estes dos reais aspectos de opressões e perseguições que sofrem no dia a dia de seu trabalho ( como se diz eles " altas patentes" - São ossos do Ofício.....! Nada fazem ou promovem, para que isto acabe ou pelo menos minimizem esse impacto na vida do seu subordinado. Sabemos que nem todos os Oficiais são assim, como na vida nem todos os homens se comportam de igual maneira de ser, mas, partindo de uma mudança isto seria corrigido - este aspecto de " Superioridade de poder Discricionário Draconiano.

    Objetivos todos nós temos, toda carreira profissional devem ter sob aspecto humano e uma real e justa necessidade de se manter suas administrações atualizadas, mas no momento, sabemos que essa matéria acima é um fato, que deva ter os mais sinceros votos de confiança e melhoramento. Porém, antes de mais nada, não mudaria a real necessidade de que temos;

    Desmilitarização das PM e BM do Brasil para ser visto como um ser " humano (pessoa, gente de carne e osso", participando de maior confiabilidade do povo pela Desmistificação pela farda que antes usava e tendo seus integrantes, direitos e prerrogativas de Cidadania de igual para com qualquer outro cidadão civil do brasileiro.

    Sendo isto, estaremos coberto de razões e direitos de podermos ser cobrado pelos nossos atos, de cobrar das autoridades, sugerir e participar do progresso do Brasil.

    ResponderExcluir
  8. o salário também imagrece no governo DITADOR CABRAL.

    ResponderExcluir
  9. É bom mesmo, esta cheio de hipopótamos fardados que mal conseguem sair da vtr

    ResponderExcluir