quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Associação quer que MP investigue circunstâncias de teste físico após morte de policial

A Associação dos Praças, Bombeiros e de seus familiares do Estado da Bahia (Aspra) anunciou que entrará nesta quarta-feira (18) com uma representação no Ministério Público da Bahia (MP-BA) para pedir que o órgão investigue as circunstâncias nas quais ocorreu o Teste de Habilidade Especifica (THE), que resultou na morte do policial Manoel dos Reis Freitas Júnior, da 4ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM). O soldado participava da seleção para fazer parte do Curso de Operações Policiais Especiais (Copes) – conhecido como o curso de “Caveiras” da Polícia Militar baiana. De acordo com a versão apresentada pela PM, Manoel passou mal em uma corrida de 10 km. “Não vamos tolerar este tipo de tratamento. Queremos saber quem estava a frente do teste, se havia profissionais de Educação Física”, disse o vereador Marco Prisco (PSDB), coordenador-geral da Aspra. Outros três policiais que participaram do teste estão internados. 

Morre mais um PM após teste físico para tropa de elite da corporação 
 Morreu na noite desta quarta-feira (18) o segundo policial militar vítima de um teste físico para a tropa de elite da corporação. Em nota, a PM afirmou que o soldado Luciano Fiuza morreu no Hospital do Aeroporto, mas não deu detalhes sobre a causa do falecimento. Na noite desta terça-feira (17), outro PM já tinha morrido, após também passar mal durante a realização de um dos testes para entrar no curso, uma prova de dez quilômetros de corrida. “O soldado Fiuza foi encaminhado para a unidade hospitalar, após apresentar quadro de mal estar durante a realização do Teste de Habilidade Especifica (THE), para ingresso no Copes. O corpo do referido policial será encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML). Informações sobre o velório e sepultamento serão divulgadas assim que definidas pelos familiares do militar”, diz a nota da Polícia Militar. Quatro PMs passaram mal durante o teste, sendo que um recebeu alta e outro segue internado em estado grave. O caso pode ser investigado pelo Ministério Público da Bahia.

4 comentários:

  1. CADE O BABACA QUE VIVIA POSTANDO QUE A PROMOÇÃO POR TEMPO DEVERIA ACABAR?COM CERTEZA JA FOI PROMOVIDO A 1 SGT,GRAÇAS AOS GREVISTAS E AOS JURUNAS,PORQUE USARAM O TAL RESARCIMENTO DE PRETERIÇÃOPARA SEREM PROMOVIDOS,PASSARAM COLANDO AGORA QUEREM TIRAR ONDA DE ANTIGAO,MEU CONSOLO E QUE ESSES SACRIPANTAS CONTINUARAO A GANHAR MENOS QUE OS JURUNAS,ANTIGUIDADE E POSTO SIM,PRINCIPALMENTE QUANDO O ASSUNTO E TEMPO DE SERVIÇO...TOLOS!!!!!ass.SGT COMBATE!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A PROMOÇÃO DE PRAÇAS POR TEMPO DE SERVIÇO DEVERIA ACABAR!!!

      Excluir
    2. DEVIDO ÀS "DOAÇÕES DE DIVISAS", A HIERAQUIA DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FICOU DEFINITIVAMENTE ENFRAQUECIDA. NINGUÉM DEVERIA SE TORNAR SARGENTO DE POLÍCIA SEM PRESTAR CONCURSO INTERNO. É FALTA DE BOM SENSO PROMOVER TODOS OS INTEGRANTES DA CORPORAÇÃO, POIS É UMA MEDIDA QUE NIVELA A TROPA POR BAIXO.

      Pelo menos 3 (três) concursos internos a Praça precisa prestar durante a carreira (CFC, CFS e CAS)!

      O soldado, com 6 (seis) anos, deveria fazer PROVA para o CFC (para poder ir a cabo);

      O cabo, com 12 (doze) anos, deveria fazer PROVA para o CFS (para poder ir a 3º sargento);

      O 2º sargento, com 20 (vinte) anos, deveria fazer PROVA para o CAS (para poder ir a 1º sargento).

      O importante é a remuneração, o salário, pois é o que sustenta a família do servidor. Não dá para profissionais que prestam serviços essenciais, como Bombeiros e Policiais Militares, receberem soldos inferiores ao salário mínimo vigente (R$ 678,00).

      AS PROMOÇÕES DE PRAÇAS POR TEMPO DE SERVIÇO DESMOTIVAM OS POLICIAIS MILITARES PARA O ESTUDO, QUE É FUNDAMENTAL! O POLICIAL MILITAR DO RIO DE JANEIRO ESTÁ ACOMODADO.

      Excluir
  2. O salário do Soldado Policial Militar deveria ser de no mínimo R$ 2.892,47 (dois mil, oitocentos e noventa e dois reais e quarenta e sete centavos), para que ele supra suas necessidades vitais básicas, segundo estudo divulgado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. Receber mensalmente uma quantia inferior ao referido valor significa passar necessidades!

    Sem Policial Militar, não há democracia.

    O Governo do Estado do Rio de Janeiro, com a segunda maior arrecadação de impostos do Brasil, poderia pagar muito melhor os Bombeiros e Policiais Militares. Não está sendo respeitado nem o artigo 7º, inciso IV, da Constituição Federal de 1988, que visa suprir as NECESSIDADES VITAIS BÁSICAS. Segundo o DIEESE, o Salário Mínimo Necessário referente ao mês de Abril de 2013 foi estimado em R$ 2.892,47 (dois mil, oitocentos e noventa e dois reais e quarenta e sete centavos). O vencimento bruto do soldado PM/BM no RJ está R$ 815,22 abaixo do referido piso, é de apenas R$ 2.077,25 (dois mil e setenta e sete reais e vinte e cinco centavos). É fácil dar DIGNIDADE à tropa, basta querer! A vida de Militar Estadual é complicada (o risco é grande e o salário é insuficiente).

    http://www.dieese.org.br/analisecestabasica/salarioMinimo.html

    O Governo do Estado do Rio de Janeiro precisa conceder apenas 39,25% de reajuste salarial para a PMERJ e o CBMERJ para cumprir o artigo 7º, inciso IV, da Constituição Federal de 1988, ou seja, para suprir as necessidades vitais básicas dos Militares Estaduais (pagar o Salário Mínimo Necessário aos soldados PM/BM). É preciso oferecer o MÍNIMO DE DIGNIDADE aos integrantes da PMERJ e do CBMERJ. Como vamos sediar a COPA DO MUNDO de 2014 e os JOGOS OLÍMPICOS de 2016 se não conseguimos nem pagar um SALÁRIO DIGNO aos funcionários públicos que prestam SERVIÇOS ESSENCIAIS à população fluminense (Bombeiros e Policiais Militares)? Pagar um SOLDO INFERIOR AO SALÁRIO MÍNIMO vigente aos CABOS E SOLDADOS é o fim da picada!

    OBS: DINHEIRO PARA PAGAR BEM O GOVERNO DO ESTADO TEM!

    ResponderExcluir