sábado, 14 de dezembro de 2013

Polícia Militar deverá acabar com escalas abusivas


Uma audiência pública realizada, na manhã desta sexta-feira, na Alerj, reuniu representantes da Polícia Militar e do Ministério Público para tratar de uma série de denúncias de PMs sobre a excessiva carga horária imposta à tropa, especialmente após a publicação da obrigatoriedade dos serviços extras. De acordo com as denúncias encaminhadas ao presidente da comissão da Alerj criada para acompanhar o tema, deputado Flávio Bolsonaro (PP), policiais estariam sendo submetidos a até 260 horas mensais de trabalho e os intervalos observados entre os serviços seriam de apenas oito horas, o que não permitiria sequer que o militar  fosse em casa antes de voltar para o batalhão.
- É ruim para o policial, que trabalha esgotado e desmotivado, e péssimo para a população, que tem a sua disposição um policial sem condições de tomar conta de si mesmo, quem dirá de terceiros. O aumento dos índices de criminalidade está aí provar o resultado disso, o efeito “polícia estática”. O Estado não pode priorizar a visibilidade em detrimento da qualidade do serviço - afirmou o deputado.
Para o promotor de justiça Bruno Guimarães, da Auditoria da Justiça Militar, é necessário chegar a um meio termo que atenda ao interesse público e observe o limite físico e mental do policial:
- Já passei pela situação de estar ouvindo um PM e ele jogar na minha mesa caixas de Rivotril, Pondera e outros antidepressivos e começar a chorar, mostrando-se completamente extenuado, sem condições mínimas de trabalhar. A comissão tem total apoio do MP para humanizar e regulamentar as escalas de serviços da PM.
Representantes da PM reconheceram a necessidade de rever alguns pontos do decreto que regulamenta o Regime Adicional de Serviço (RAS), como o fim da obrigatoriedade do serviço extra, possíveis limites semanais ou mensais de horas trabalhadas e intervalo entre os serviços, que possibilite a recuperação orgânica do policial após rotina estressante de trabalho. O promotor sugeriu que os excessos sejam solucionados no âmbito da própria PM, que teria autonomia e legitimidade para tanto. De qualquer modo, deixou o MP aberto à possibilidade de instauração de Inquérito Civil com vistas à realização de perícias nas escalas, caso isso venha a se mostrar necessário.
Como resultado, a PM comprometeu-se em apresentar, em até dez dias, medidas no sentido de que os abusos verificados não se repitam.


24 comentários:

  1. """Liberdade!, Liberdade!
    Abre as asas sobre nós
    E que a voz da igualdade
    Seja sempre a nossa voz!!!"""
    -ESSE QUE É A VERDADEIRA ""CANÇÃO DO POLICIAL MILITAR"" NOS DIAS DE HOJE, COM ESSA CORJA DE SALTEADORES QUE COMANDAM A POLITICA E A POLICIA MILITAR NOS HUMILHANDO DE TODAS AS FORMAS POSSIVEIS!
    -MAIS ASSIM COMO O FIM DA ESCRAVIDÃO FOI UM SONHO DOS NEGROS QUE VIROU REALIDADE, PORQUE NÃO SONHARMOS UM DIA EM QUE TEREMOS "ALFORRIA DOS PRAÇAS" NA PMERJ COM SALÁRIOS E ESCALAS JUSTAS?
    -OBRIGADO BOLSONARO PELO ""PRIMEIRO PASSO""PARA QUE ESSE SONHO SE REALIZE!
    -NÃO PODERIAMOS ESPERAR OUTRA ATITUDE SUA SENDO O SENHOR FILHO DE QUEM É!
    DEUS TE ABENÇOE!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns pelo texto !!!

      Excluir
    2. Venho a reforçar o elogio ao texto do nobre companheiro e acho que deveria ter uma aproximação maior entre os praças da PMERJ e o Ministério Publico, enquanto isso meus amigos vamos enviando email ao MP e assim denunciando tudo de errado.

      Excluir
  2. Em parte, o nobre promotor de justiça tem razão: "precisamos encontrar um meio termo sim que atenda ao interesse público", mas que respeite o direito de escolha do PM, pois são esses dois polos que estão em conflito. Capacidade física e estrutura psicológica diferem de um indivíduo para outro, não servem, portanto, como critério.

    ResponderExcluir
  3. Tudo campanha eleitoreira isso nunca vai acontecer quem sabe há uns dez anos. O MP conhece a PMERJ e vai deixar a cargo dos mesmo de resolverem? Simplesmente vão alegar necessidade de serviço como sempre fazem e vão convocar 50% dos que estão na segunda folga só vão limitar o quantitativo, tão pensando que somos burros tomara que um dia PMERJ acabe uma vergonha no abuso de poder 94 milhão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O excelentissimo promotor está fazendo o papel de PILATOS LAVANDO AS MÃOS !!!

      Excluir
  4. Ficam preocupados com pec 300, lutem pela desmilitarização, ai sim
    vão ser respeitados pelos superiores.

    ResponderExcluir
  5. Se não melhorar...... GREVE NA COPA!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa amigo infelizmente o policial militar não é confiavel para que se faça um movimento como uma greve, meu batalhão foi um dos prepulssores da greve, muitos foram transferidos, alguns excluidos, e o RESTO DOS POLICIAIS DO ESTADO AINDA DISSERAM BEM-FEITO

      Excluir
  6. Graças a deus apareceu alguem que valoriza o policial militar como gente, ser humano, nos inativos no passado sofremos muito com e4ssa covardia, imagine os senhores depois de rodar 23 aos meus colegas Mike de hj hrs em um velho patamo veraneio, ter que basea na frente do banco do brasil ate as 12 hrs a guarniçao cansada e com sono, acredito que hj nao aconteça mais isso , forta depois das 24 hrs de serviço saindo asw 12hrs e pegar no mesmo dia as 15 hrs para tirar extra na exposiçao agro pecuaria ate as 04 da manha, os que sobreviveram a td isso so com a misericordia de deus , agradeço tds os dias por estar vivo,

    ResponderExcluir
  7. Promotor,é tudo caozada dos poliças,eles não querem trabalhar de extra,entretanto,fazem 24 da folga na segurança do mercadinho.Ass: Bombeiro roludo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai! bombeiro roludo, se vc está satifeito com o salário que ganha, e dá para sustentar vc e sua família fica na sua > pimenta no olho dos outros e refresco,pare de criticar as pessoas simples mente se coloque no lugar delas. Tenho irmãos no bombeiro e eles quase ñ fazem extra!!!! sou esposa de policial tenho três filho só eu sei o que nós passamos no final do mês .graças a Deus que ñ amos nescecidades dói ver seus filhos precisando de alguma coisa e vc ñ ter para dar!!! pare de ficar criticando se coloque no lugar deles, Sai para trabalhar e ñ sabe se vai voltar para casa. Deus te abençoe!! PARA PENSAR!!!!!

      Excluir
  8. Os oficiais querem é vender policiamento(vulgo PO).É muita grana e aprópria corja de comerciantes é que fomenta isso tudo e quem se ferra é o praça.Que venha a tão sonhada liberdade.

    ResponderExcluir
  9. Parabens PMERDA larguei as22.30 do ras obrigatorio acabei de chegar em casa sao 23.25 vppi tomar um banho comer alguma coisa e dormir pois as 04.30 estarei acordando para as 06.00 assumir o meu servico e que se foda nossa saude que se foda nossa vida social que se foda nossa familia mais uma vez PARABENS PMERDA amanha teras mais um zumbi nas ruas da ILHA Do GOVERNADOR prestando um pessimo servico a sociedade MAIS TAMBEM QUE SE FODA A SOCIEDADE

    ResponderExcluir
  10. Bom dia.
    Seria muito bom acreditar que a escala vai mudar!
    Sei que não basta lembrar-se da greve. Escala de serviço 12/48 para todos os batalhões hehehehehe. Ops nada mudou senhores, ou melhor, só em um mês, logo veio à palavra tema da vida de uma militar necessidade de serviço (mesmo que ela aconteça pelo descaso de quem os governa) há quanto tempo sabemos que o efetivo da PM está defasado, tiraram os adidos de outras unidades com a desculpa de melhorias de escala e nada mudou. Qualquer um que tenha um pingo de intelecto (capacidade de raciocínio) vê que quem tem tempo para averbar e ir embora assim o faz e muitos do concurso de 2010 já voltaram a estudar. Ops PM mais defasada em pouco tempo. Oficiais falam (quem gosta de praça é pombo).
    Quantas perseguições...
    Quem se lembra dos impostos cobrados a Inglaterra? 27%!...
    Ai veio algo, proibição de navios negreiros!
    Analisando e tirando uma conclusão e relembrando dos 27%, vejo que apenas com interesse de fora as coisas mudam aqui!
    Talvez com intervenção da Organização Das Nações Unidas (ONU) sobre o interesse do Brasil, ou melhor, (de alguns tendo em vista que o Brasil não é dos Brasileiros).
    Talvez, talvez... O militarismo acabe no Brasil, já que sabemos que os países de primeiro mundo não se adéquam ao militarismo em suas policias.
    Talvez algum dia isso mude... Sonhar não custa nada por enquanto.


    Porque colocaram em junho de 2012 pela alerj escala 4/2 com 8 horas para Policiamento ostensivo. 40 horas pra expediente semana segunda a sexta. E para quem é de escala 144 horas em um período de 30 dias (escala 12/48). E vemos a escala 12/24 12/48 senhores estão aumentando o nível e também o intelecto. O policia que baixa. Aquele que ganha no hospital despenca domiciliar é obrigado a cumprir no quartel, e olha que 12/24 12/48 em pé é doido haja coluna o militar não pode baixar

    ResponderExcluir
  11. Com tantas ratazanas juntas acho melhor o MP já ir se preparando para intervir. Essa corja aí só pensa no próprio umbigo!

    ResponderExcluir
  12. Alguns batalhões adotam a escala de 24 x 48, o que já chega a 240 horas mensais, isso sem contar com o RAS compulsório, Amigos, varios estão trabalhando cerca de 300 horas mensais, isso é um absurdo.

    ResponderExcluir
  13. Minha escala e dos companheiros esta 48x96 so de servico da 240 horas mensais. Fora os extras. Ai o pião não aguenta. Eles nao entendem q 48h de serviço é muito desgastante o q compromete o bom serviço. E se vc errar algum procedimento por estar fadugado memtalmente e corporalmente, o juiz não vai levar em conta o seu cansaço. 86 milhas

    ResponderExcluir
  14. Promotor,é tudo caozada dos poliças,eles não querem trabalhar de extra,entretanto,fazem 24 da folga na segurança do mercadinho.Ass: Bombeiro roludo.

    ResponderExcluir
  15. POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
    GABINETE DO COMANDO GERAL
    SEÇÃO JURÍDICA
    Bol da PM n.º 027 - 08 Fev 12
    MUDANÇA DE ESCALA DE SERVIÇO NA CORPORAÇÃO -DETERMINAÇÃO
    Considerando a intenção do Senhor Comandante Geral de humanizar e padronizar as
    escalas de serviço em todas as unidades da PMERJ em face do desgaste intrínseco à
    atividade policial;
    Considerando ainda que as novas escalas devam proporcionar ao Policial Militar uma
    folga suficiente para seu descanso e a sua recuperação física e psicológica,
    proporcionando assim uma melhor qualidade de vida.
    Este Comando determina que doravante as escalas de serviço em suas diversas formas
    de policiamento sejam as elencadas abaixo, orientando ainda aos Comandantes a
    suprimirem os postos menos prioritários ou reduzirem o efetivo de equipes que forem
    possíveis:
    1 – 1º, 2º, 3º e 4º COMANDOS DE POLICIAMENTO DA ÁREA.
    Radio patrulhas, cabinas e interdições – Escala 12x48 (doze horas de serviço por
    quarenta e oito horas de folga);
    Grupo de Ações Táticas – GAT, Auto Patrulha de Trânsito – APTran, Postos de
    Policiamento – PP, Postos de Policiamento Comunitário – PPC, Destacamento de
    Policiamento Ostensivo – DPO, Guarda do Quartel, Oficial de Dia, Adjunto ao Oficial
    de Dia e Quartilheiro – Escala 24x72 (vinte e quatro horas de serviço por setenta e duas
    horas de folga) tendo a garantia de 06 horas de descanso durante o serviço;
    Policiamento Ostensivo de Trânsito – POTran e Policiamento Ostensivo Geral à Pé –
    POG à Pé – Escala 4x2 (quatro serviços de 07 horas por 02 dias de folga);
    Auto Patrulha de Trânsito – APTran (nos locais onde o comando da unidade entenda
    não haver necessidade deste serviço por 24 horas) e Patrulhamento Motorizado Especial
    – PAMESP – Escala 10x38 (dez horas de serviço por 38 horas de folga).
    2 – 5º, 6º e 7º COMANDO DE POLICIAMENTO DA ÁREA.
    As escalas deverão seguir o mesmo padrão da carga horária acima especificada,
    podendo, de acordo com a distância do local de serviço haver um aumento proporcional
    das horas de serviço e folga.
    Exemplo de Escala de Destacamento de Policiamento Ostensivo no interior – 48x144.
    3 – UNIDADES POLICIAIS ESPECIAIS.
    As unidades policiais especiais deverão utilizar uma das escalas acima elencadas, tais
    como:
    12x48 – 24x72 – 4x2 – 10x38
    É necessário que seja respeitada a carga horária mensal entre 144 e 150 horas mensais
    considerando o mês de 30 dias.
    (Nota n° 0143 - 08 Fev 2012 – GCG)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É necessário que seja respeitada a carga horária mensal entre 144 e 150 horas mensais
      considerando o mês de 30 dias.
      (Nota n° 0143 - 08 Fev 2012 – GCG)

      Excluir
  16. E incrível como não adianta de nada agente reclamar, se manifestar e os oficiais continuam a colocar a tropa sem querer em escalas extras , mesmo sendo remunerada teria para ser quem quer, cade o livre arbítrio ? e uma ordem imposta sem discordar

    ResponderExcluir