segunda-feira, 30 de setembro de 2013

PM é assassinado na zona norte do Rio

Bombeiro é morto a tiros no Complexo do Alemão

Um bombeiro foi assassinado a tiros na comunidade da fazendinha, no Complexo de Favelas do Alemão, na zona norte do Rio de Janeiro. Segundo a polícia, moradores da região acionaram agentes da Unidade de Polícia Pacificadora sobre um corpo na localidade.   
O crime aconteceu na rua Acari, perto de um CIEP. O militar foi identificado como Leandro Martins Macedo. A PM acionou agentes da divisão de homicídio para investigar o caso. O local onde o crime ocorreu está isolado.

domingo, 29 de setembro de 2013

Advogada que esfaqueou mãe e pulou de prédio já havia ameaçado taxista e agredido policial

A advogada de 40 anos que teria esfaqueado a mãe e depois se jogado do sétimo andar de um prédio na rua Pio Correa, no Humaitá, zona sul do Rio de Janeiro, na noite de sexta-feira (27), já havia sido suspeita de ameaçar um taxista com uma navalha, em agosto de 2011.
Levada à delegacia na ocasião, Liliane Andrade tentou agredir um policial com um soco. O agente que desarmou a advogada acabou sofrendo um corte na mão.
A mãe de Liliane, identificada como Norma Andrade, de 75 anos, foi levada para o Hospital Miguel Couto, na Gávea, em estado grave. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, na manhã desta sábado (28) Norma estava estável, mas inspirava cuidados. Ela aguardava uma transferência para o hospital particular Pró-Cardíaco, em Botafogo, também na zona sul.
O caso foi registrado na Delegacia do Leblon (14ª DP).

Vídeo de 2011 mostra advogada agredindo policial no Rio


sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Coronel Sérgio Simões compra cobertura de 650 mil na Barra da Tijuca

BLOG DO GAROTINHO  
O coronel Sérgio Simões comprou por R$ 650 mil (declarados), uma cobertura na Barra da Tijuca, conforme documento registrado no 9º Ofício de Registro de Imóveis da Capital. Pela escritura, no dia de 6 de março de 2012, portanto quando já era secretário estadual da Defesa Civil, o comandante do Corpo de Bombeiros adquiriu o apartamento 2204, uma cobertura do bloco 2, na Rua Coronel Paulo Malta Resende, 180. Reparem que para despistar no documento consta "freguesia de Jacarepaguá", sem citar que fica na Barra, quando na verdade a rua faz esquina com a Avenida das Américas, na Barra da Tijuca, na altura do motel Dunas.
Leia : Para pagar menos imposto na cobertura da Barra, coronel Sérgio Simões cometeu crime de falsidade ideológica
 
Algumas perguntas se fazem necessárias.

1ª Uma cobertura nesse padrão descrito na escritura, num condomínio com bosque, numa das áreas mais valorizadas do Rio de Janeiro custa só R$ 650 mil?

2ª O salário de secretário de Estado dá para adquirir um imóvel nestas dimensões ou o coronel Sérgio Simões recebeu alguma herança?
 

Policial militar é baleado durante tentativa de assalto

O sargento da PM Jorge Luíz Araújo, de 48 anos, foi baleado por um dos três homens que estavam a bordo de um veículo durante assalto na Zona Norte. Os criminosos interceptaram o homem, na manhã desta sexta-feira, quando o sargento caminhava com a mulher pela Rua Taquaruçu, em Ricardo de Albuquerque.
A vítima não reagiu, mas os bandidos viram que o policial estava armado e descobriram que ele faz parte da Polícia Militar. Os ladrões levaram a arma que a vítima portava e um cordão. Um dos bandidos deu dois tiros que atingiram o sargento no abdome e tórax. Os criminosos fugiram em seguida.
A mulher pediu socorro e a vítima levada para a Hospital Carlos Chagas. Como o estado de saúde dele é grave, o sargento foi transferido para o Hospital Getúlio Vargas, na Penha. O caso foi registrado na 31ª DP (Ricardo de Albuquerque

Polícia divulga fotos de presos que renderam enfermeira para fugir de hospital Adão Pereira Nunes

A Polícia Civil divulgou, no fim da tarde, as fotos de três presos que fugiram da ala de custódia do Hospital Adão Pereira Nunes (Hospital de Saracuruna), em Duque de Caxias, na madrugada desta sexta-feira. Os foragidos são Leonardo Pereira dos Santos, Marcos Luiz dos Santos e Maurício Junior Macedo dos Santos. Os três roubaram um carro que prestava apoio ao hospital. O veículo foi recuperado no bairro Jardim Primavera, também em Caxias.
Segundo a Polícia Militar, a fuga ocorreu depois que uma enfermeira foi rendida enquanto aplicava medicação. Onze presos estavam internados na enfermaria e quatro conseguiram fugir. Houve perseguição, e João Batista da Costa acabou recapturado e levado de volta à unidade.

Imagens mostram criminosos com armas à luz do dia e usuários comprando drogas

Imagens de um cinegrafista amador mostram a ação de traficantes na comunidade de Cidade Alta, em Cordovil, na zona norte do Rio. Os flagrantes foram feitos durante operação policial na favela.
O vídeo mostra um traficante segurando um fuzil enquanto outro dança com uma arma de grosso calibre. Em seguida, chega um usuário e compra drogas dos criminosos tranquilamente.
A cena foi gravada em uma das principais ruas da comunidade. Quando os traficantes perceberam a ação da polícia, jogaram uma cadeira em cima de uma laje e fugiram.
Na fuga, os criminosos deixaram sofás no meio da rua como barricada. Após duas horas de operação, ninguém foi preso.

Polícia encontra acampamento na mata, em São Pedro D`Aldeia .

 A Polícia Militar encontrou na tarde desta quinta-feira (26) um acampamento de traficantes no meio da mata do morro do Jardim Primavera, em São Pedro da Aldeia, Região dos Lagos do Rio. Segundo o comandante do 25º Batalhão da Polícia Militar, tenente-coronel Samir Vaz Lima, uma barraca, um facão e uma marreta foram encontrados no local. ''Nós recebemos a denúncia e fomos direto até o ponto onde estaria o acampamento. Pelo estado do local, os traficantes acabaram de fugir'', disse o tenente-coronel.Buscas foram realizadas nos bairros mais próximos, mas até as 19h desta quinta-feira, nenhum suspeito foi encontrado. A operação faz parte da ação da PM na região, que já apreendeu 400kg de drogas e sete fuzis. 
Seis homens foram presos, entre eles Maycon Luís Barbosa, o MK, apontado pela polícia como chefe do tráfico do Complexo de Lins, no Rio de Janeiro. Uma mulher também foi presa e uma adolescente apreendida. De acordo com os policiais, eles pretendiam expulsar criminosos de outra facção que atuam em Cabo Frio para controlar o tráfico de drogas. Dois carros e uma moto também foram apreendidos. 
Já na madrugada de quarta-feira (25), uma denúncia levou o serviço reservado da Polícia Militar (P/2) a localizar um depósito de drogas em São Pedro da Aldeia. O material estava dentro de uma caixa d'água que estava enterrada no quintal de uma casa de luxo, no bairro Colina. No local, foram apreendidos 207 kg de maconha. Humberto Ferreira da Silva Júnior, de 22 anos, foi preso em flagrante. De acordo com a PM, ele é um dos principais traficantes da região.Comandante reuniu efetivo e agradeceu apoio do Bope 
No fim da tarde desta quinta-feira, o comandante Samir Vaz Lima reuninu todo o efetivo que trabalhou na operação para agradecer pelo trabalho. 12 homens do Batalhão de Operações Especiais da PM (Bope) também estavam no local. ''Eu quero agradecer a todos os senhores o empenho ao longo dessa semana. Desde o dia 14 nós estamos nesta 'batida', e dando ao tráfico de entorpecentes só prejuízo. Nós tivemos apreensão de sete fuzis, tivemos apreensão de aproximadamente 400kg de entorpecentes diversos, e isso é vitória de todos nós'', declarou o comandante. Policiais continuam cumprindo mandados de prisão e de busca e apreensão contra traficantes. Dos 11 mandados expedidos, 5 foram cumpridos com a apreensão de menores envolvidos com o tráfico. Ao todo, foram 8 mandados de apreensão de menores e 3 mandados de prisão contra traficantes procurados pela polícia.

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Polícia identifica três menores de SP responsáveis por vazamento de dados de PMs

Computadores dos adolescentes foram apreendidos e acusados que estão sendo trazidos para o Rio, onde serão periciados e analisados

Três menores de 16 anos moradores do estado de São Paulo foram identificados pela Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI) como os responsáveis pela invasão ao site da Polícia Militar, roubo e divulgação de dados de policiais militares do Rio. Os agentes da DRCI estão em São Paulo, onde os jovens foram ouvidos e autuados pelo crime. 
De acordo com o delegado Gilson Perdigão, titular da especializada, os adolescentes, todos estudantes de classe média - dois deles administradores do perfil Anoncyber & Cyb3rgh0sts – são responsáveis pelo vazamento dos dados e se conheciam apenas virtualmente. Os jovens, um morador da cidade de Assis e dois da capital, sendo do bairro Grajaú, Zona Sul de São Paulo e outro do bairro Vila Aliança, na Zona Leste, alegaram ser contra a ação da Polícia Militar do Rio durante as manifestações. Eles iniciaram uma pesquisa na internet e após várias tentativas conseguiram invadir o site e vazar as informações.
Ainda segundo o delegado, o jovem morador da Vila Aliança foi responsável pela invasão ao site. Ele criou um programa, baixou os arquivos, hospedou em um site da Nova Zelândia, para dificultar a localização do IP, e depois compartilhou o link no perfil do Anoncyber & Cyb3rgh0sts. O jovem do Grajaú usou a mesma ferramenta para baixar os dados do site, mas não chegou a disponibilizar as informações. Já o morador de Assis tentou a invasão, mas não teve sucesso.
Na ação, os policiais apreenderam os computadores dos adolescentes, que estão sendo trazidos para o Rio, onde serão periciados e analisados. Os jovens foram liberados e entregues aos responsáveis. O delegado aguarda a decisão da Justiça para que eles sejam intimados a prestar depoimento.
Os jovens foram autuados por "invasão de dispositivo informático alheio, conectado ou não à rede de computadores, mediante violação indevida de mecanismo de segurança e com o fim de obter, adulterar ou destruir dados ou informações sem autorização expressa do titular do dispositivo ou instalar vulnerabilidades para obter vantagem ilícita.".
 
Divulgação de dados pessoais de policiais
No dia 14 deste mês, cerca de 50 mil policiais militares do Rio tiveram seus dados pessoais expostos na Internet com a ação de hackers, auto-intitulados ‘Anoncyber & Cyb3rgh0sts’. Os invasores acessaram o banco de dados da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro. Os dados, compilados em um arquivo de texto, foram disponibilizados para download na página dos ‘Anoncyber & Cyb3rgh0sts’, no Facebook. Nomes completos dos policiais, data de nascimento, identidade, CPF, e-mail, Sistema de Gerenciamento Militar de Armas (SIGMA) e até a data em que o militar faltou ao serviço aparecem no arquivo.
O comandante-geral da Polícia Militar, José Luís Castro Menezes, a major Pricilla de Oliveira Azevedo, que comandou a primeira Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Rio, no Morro Santa Marta, além da comandante da UPP Babilônia/Chapéu Mangueira, tenente Paula Apulchro, estavam na lista dos que tiveram as informações pessoais reveladas.

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Gravação prova que PMs não provocaram morte de motociclista em Paty do Alferes

PATY DO ALFERES - O comandante do 10º Batalhão da PM (Barra do Piraí), coronel César Augusto de Souza, disse que entregou ao Ministério Público e a Polícia Civil uma gravação que prova a inocência de dois policiais militares acusados de provocar a morte de Mara Lúcia Feijó da Silveira, após ela ter caído da moto que pilotava. Os dois PMs foram acusados pelos moradores de Paty do Alferes de baterem a viatura propositalmente na traseira da moto durante a perseguição, mas o coronel afirma que as imagens mostram claramente uma distância de cerca de 200 metros quando houve a queda da comerciante da moto.
No dia 14 de setembro, Mara Lúcia furou a blitz e foi perseguida no bairro de Arcozelo. Após a morte, mais de 800 pessoas se revoltaram contra os policiais, que tiveram de atirar para não serem linchados, e quebraram o posto da Polícia Miltar da cidade. No tumulto, o jovem Dernivan Souza, 19 anos, foi atingido no ombro e submetido a cirurgia, mas teve alta do hospital. A Polícia Civil investiga se os tiros partiram das armas dos militares atacados.
Segundo os moradores, os policiais costumavam a desmoralizar e bater no rosto, principalmente das pessoas mais humildades da cidade, como lavradores. Para evitar novos episódios de fuga de blitz, o coronel César Augusto disse que iniciou uma campanha de educação no trânsito junto aos moradores de Paty.

Policiais Federais de Niterói são alvos de emboscada

Na última terça-feira, 17, dois agentes federais da Delegacia de Niterói se deslocaram ao Presídio Juíza de Direito Patrícia Lourival Acioli, em diligência de cumprimento de um Alvará de Soltura de um preso. O presídio é novo e fica em Guaxindiba, município de São Gonçalo, localizado entre as comunidades carentes do Jardim Catarina, Complexo do Salgueiro, Guaxindiba e Trindade.
Conforme relatos dos policiais, assim que chegavam ao presídio a viatura foi alvo de inúmeros disparos e foi alvejada por um projétil de arma de fogo (à primeira vista, de calibre 9 mm). Um dos policiais relatou: “Assim que entramos com a viatura, saindo da BR-101, já tomamos o cargueiro. Muito tiro de fuzil e pistola. Por sorte, saímos ilesos! E tivemos que dormir no presídio, pois um reforço de outras equipes de colegas só criaria uma situação de possível confronto, desnecessária e de consequências previsíveis.”
Por conta de um acordo entre a Superintendência da PF no Rio e a Justiça Federal, em relação aos alvarás de soltura da Justiça Federal, seguindo uma resolução do TRF2, os oficiais de justiça estão liberados de irem até o presídio pra soltar o preso.
Eles vão à Delegacia de Niterói, entregam o Alvará para os agentes federais de sobreaviso de plantão, que vão até o presídio e deslocam o preso até a Delegacia, enquanto os oficiais de justiça aguardam o retorno dos policiais.
O mais impressionante é perceber que esses procedimentos são feitos a qualquer hora que o Alvará chegue na Delegacia. Não importa se de noite, de madrugada, etc. “Tem que cumprir na hora, pois é ordem judicial! Essa é a situação. E, ontem, quase dois colegas vão pro saco!”, relatou um dos policiais que sobreviveu ao episódio.
Já existem relatos de outras ocorrências desse tipo, ocorridos com Agentes Penitenciários de plantão, que foram recebidos a tiros por meliantes sitiados na localidade de Salgueiro/Catarina há duas semanas.
Houve uma tentativa de resgate de preso nas proximidades daquele presídio, tendo sido um Agente Penitenciário alvejado por tiros de fuzil, vindo a falecer na hora. Além disso, há uma semana, ocorreu outro incidente, envolvendo o assalto a um Oficial-de-Justiça do TJ/RJ, no mesmo local em que os agentes federais foram emboscados.
A diretoria da Fenapef já está atuando no caso, e vai buscar o apoio de todas as instituições envolvidas para sanar essa situação absurda, que coloca em risco a vida de policiais federais no exercício de funções relacionadas aos agentes penitenciários e oficiais de justiça.
O mínimo de razoabilidade já impediria missões nessas condições à noite, que exigem condições especiais de logística, quando se trata de deslocamentos entre favelas ocupadas pelo crime organizado.

Mulher é presa por tentativa de suborno

Durante um patrulhamento na Rua da Simpatia, na Favela do Inferninho, em Comendador Soares, um menor foi apreendido por envolvimento com o tráfico. A mãe do jovem de 16 anos tentou subornar os policiais ao oferecer R$2 mil para evitar a prisão do filho, e acabou sendo presa. Um homem que estava junto com o menor também foi preso. Junto com a dupla, drogas foram apreendidas.
No final da noite desta segunda-feira, policiais militares do 20ºBPM (Mesquita) prenderam três homens acusados de envolvimento com o tráfico, durante um patrulhamento no bairro Grão Pará. Junto com os suspeitos, drogas foram apreendidas. Quando os agentes foram abordar um carro, o homem que dirigia o veículo fugiu para a Favela do Pantanal, mas foi perseguido. O suspeito atirou, iniciando um tiroteio, e acabou sendo ferido. Apesar de ter sido socorrido da UPA de Cabuçu, ele morreu. No carro do homem foram encontrados uma pistola, drogas e folhas com nomes e contabilidade do tráfico. As ocorrências foram registradas na 56ª DP.


PRF prende casal estrangeiro com 12 pistolas em ônibus no Rio


O uruguaio Julio Daniel Bordon, de 53 anos, e a paraguaia Saturnina Lopez Molinas, de 43, foram presos na madrugada desta terça-feira (24) carregando 12 pistolas recém-fabricadas em um ônibus que vinha do Paraguai e chegava ao Rio de Janeiro.
Policiais Rodoviários Federais pararam o coletivo em Seropédica, na Baixada Fluminense, e começaram a revistar os passageiros. Na mochila de Julio havia três pistolas. Abaixo do banco dele, havia outra bolsa com nove pistolas. O casal foi encaminhado e os armamentos foram encaminhados para a sede da Polícia Federal na Praça Mauá, no centro do Rio. A pena para tráfico internacional de armas pode chegar a 12 anos de prisão.
Sete pistolas eram de calibre 9 mm e as outras cinco, calibre 40, avaliadas em pelo menos R$ 3 mil cada. Os suspeitos disseram que receberam R$ 1.000 pelo transporte, mas não revelaram qual seria o destino. A polícia acredita que a remessa chegaria a comunidades ainda não pacificadas do Rio.

PM AGRIDE CINEGRAFISTA OU CINEGRAFISTA AGRIDE PM ?

Você já assistiu uma transmissão AO VIVO do Mídia Ninja? É um tipo de cobertura ao vivo durante as manifestações, que vive  ânsia de satanizar  a polícia militar. Vários seguidores acompanham  ao vivo através do http://twitcasting.tv/tucaninjarj , onde fazem comentários (difamando o policial) através do facebook ou twitter. O próprio Mídia Ninja que está filmando, chega educadamente fazendo qualquer pergunta para o policial militar, e quando o policial militar vira as costa é automaticamente xingado ou criticado.
Manifestantes provocavam os policiais em todos estes eventos, afinal uma foto ou vídeo de um PM reagindo as provocações, dá mídia e vende muito jornal !

domingo, 22 de setembro de 2013

Polícia ‘caça’ bandido que expulsou sargento de casa

Policiais dos batalhões de São Gonçalo e Niterói ‘caçam’ o principal suspeito de ter expulsado um policial militar de casa, em Maria Paula, São Gonçalo. Apontado como o chefe do tráfico de drogas no Campo Novo, Alberto Pietro da Silva Baunilha, o Pietro, teria planejado matar um sargento do 12º BPM (Niterói). 
Por questões de segurança, o PM teve que se mudar de casa junto com a família, no último dia 8, após receber ameaças de criminosos que controlam a venda de drogas na região. 
Integrante do Patrulhamento Tático Móvel (Patamo) da unidade de Niterói - e conhecido por realizar diversas prisões e apreensões no município -, o sargento, cujo nome é preservado, fazia compras num supermercado de Maria Paula, quando foi reconhecido pelos traficantes. Os bandidos o seguiram e comentaram que ele era policial. Ao perceber que poderia se tornar vítima de um ataque dos criminosos, o PM se escondeu e conseguiu pedir ajuda. Com a chegada de policiais do 7ºBPM (SG), os traficantes fugiram efetuando disparos para o alto.
 
Após receber denúncia de que 20 bandidos armados planejavam invadir a casa onde morava com a família, o policial resolveu deixar o imóvel. Ele retirou seus pertences com a escolta de colegas de farda há uma semana. Na ocasião, cinco homens foram presos com drogas. “Temos realizado operações conjuntas com o coronel Sarmento nas comunidades do Campo Novo, da Linha e Novo México, que têm resultado em prisões e apreensões”, disse o comandante do 12º BPM (Niterói), tenente-coronel Gilson Chagas. 
No dia seguinte, outro PM, também do 12ºBPM, viveu uma situação semelhante. Próximo de casa, no bairro Vila Progresso, na região de Pendotiba, em Niterói, ele foi alvo de um atentado a tiros. Ocupantes de um Cross Fox vermelho efetuaram inúmeros disparos contra o PM, que conseguiu escapar sem ferimentos. 
Foragido do Instituto Penal Vicente Piragibe, no Complexo de Gericinó, em Bangu, na Zona Oeste, Pietro possui cinco mandados de prisão pendentes - um deles expedido pela 4ª Vara criminal de São Gonçalo pela morte de Allan Correa. Também suspeito da morte de Oziel Alves Teixeira, o Ziel, 43, num bar de Maria Paula, ele recebe apoio do traficante Maico dos Santos Sousa, o Gaguinho da Coruja. 
 

PM prende três suspeitos de tráfico em Campos Elíseos

 Cocaína, fuzil e outras armas são apreendidas com trio
 
Policiais do 15º BPM prenderam três homens e apreenderam dois adolescentes na manhã de sábado durante patrulhamento no bairro de Campos Elíseos, em Caxias, na Baixada Fluminense. Segundo nota da assessoria da PM divulgada neste domingo, com o grupo foram apreendidos 147 papelotes de cocaína, quatro rádios transmissores, um fuzil calibre 7.62, um revólver calibre 38 com cinco munições, uma espingarda calibre 44 com quatro munições e material de endolação. A ocorrência foi registrada na 62ª DP.

Central observa a postura dos PMs durante o policiamento

Imagens de câmeras instaladas há 10 meses, em 39 viaturas do 12º BPM, começaram a ser monitoradas há uma semana.
Instaladas em dezembro do ano passado, as câmeras que captam imagens em alta definição de 39 viaturas do 12° BPM (Niterói) não eram monitoradas. Elas só passaram a fazer parte do planejamento estratégico do batalhão, na última semana. Segundo o governo do estado, o custo para equipar 2 mil viaturas em todo o estado com kit de vídeo de monitoramento é de R$ 18 milhões.
A central de monitoramento de imagens e posicionamento do Batalhão de Niterói passou a  ser utilizada pelo comandante do batalhão, tenente-coronel Gilson Chagas, como ferramenta no combate ao crime, na última segunda-feira. Ele utiliza a central para observar a postura dos policiais militares durante o policiamento.
Após uma semana testando as câmeras e o sistema de GPS das viaturas, o comandante acredita que os equipamentos estarão funcionando com todo potencial já a partir desta semana.
“Nós tínhamos à disposição uma ferramenta importante e a partir de agora vamos utilizá-la. Nosso objetivo inicial é ajudar o policial no patrulhamento, instruindo e orientando, se for o caso, como o policial deve se posicionar. As câmeras trazem transparência e servem também de segurança para o PM. Tudo fica registrado e a qualquer momento posso verificar qualquer ação, inclusive acompanhar operações onde as viaturas são empregadas”, explica Chagas.
 Atualmente cada carro da PM possui duas câmeras instaladas que gravam até imagens noturnas, além de registrar a rota e localização das equipes da corporação. O equipamento também permite que a sala de monitoramento receba o áudio em tempo real. Além disso, as viaturas da PM já contam desde 2011 com GPS, radiocomunicador e computador de bordo, que têm acesso à internet com chip 3G. O comandante do batalhão ou o comando da Polícia Militar podem assistir às movimentações em tempo real. Todo material capturado é armazenado no sistema da corporação e fica arquivado por 60 dias.
De acordo com o Presidente do Conselho Comunitário de Segurança de Niterói, Leandro Santiago, a ferramenta utilizada será importante no patrulhamento da cidade.
“Por muitas vezes recebi reclamação de que os policiais não podiam se deslocar de determinados lugares por ordem do batalhão, agora poderemos fiscalizar isso de perto e informar ao comandante o número da viatura, possibilitando a ele checar o fato em tempo real”, argumenta.
Segundo o comandante Gilson Chagas, embora estivesse disponível, a central de monitoramento encontrava-se sem uso. A ativação dela permite que ele e outros oficiais  auxiliem os militares em abordagens.
Caveirão em breve
O Batalhão de Niterói poderá contar a partir do mês que vem com um reforço de peso no combate à criminalidade: o veículo blindado conhecido como “caveirão”. Em reforma há um mês, ele encontra-se em fase final de manutenção e deve apoiar os policiais militares em incursões programadas nas várias comunidades do município.
De acordo com comandante do Batalhão de Niterói, Gilson Chagas, o Caveirão precisou passar por vários ajustes mecânicos e estruturais.
“O veículo agora está quase pronto, faltam alguns detalhes para que possa entrar em ação. Nesta etapa da reforma estão sendo preparadas a parte de climatização do carro blindado. Os pneus do veículo precisaram ser levado para outro estado, onde é preparada a blindagem. Espero tê-lo em breve para combater o tráfico de drogas nas comunidades da cidade”, diz o comandante Gilson Chagas.
Ainda segundo o comandante Gilson Chagas, o veículo blindado chegou ao Batalhão de Niterói em abril deste ano e, desde então, foram realizados orçamentos e levantamento de recursos para que o veículo pudesse ser reparado.
"Assumi o comando do batalhão em agosto e duas semanas após conseguimos finalmente enviar o blindado para a manutenção", destaca o comandante do  quartel de Niterói.



Estados Unidos - Policial pede por favor para não ser morto, mas mesmo assim é assassinado.

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Em entrevista ao Balanço Geral, Major Ivan Blaz diz que nunca uma Ong ou Comissão de Direitos Humanos procurou a família de um policial morto !

Policial do Bope morre e outros dois ficam feridos em ação no Complexo da Covanca



Acampamento do tráfico no Complexo da Covanca
Cerca de 300 policiais fizeram incursões nas favelas que cercam a montanha (São José Operário, Bateau Mouche, Covanca e Morro do Dezoito).Um agente do Batalhão de Operações Especiais (Bope) morreu e dois ficaram feridos. Informações da PM dão conta que dois bandidos foram mortos.
No início da tarde, o Batalhão de Choque prendeu cinco bandidos e apreendeu, com eles, uma pistola e grande quantidade de drogas. Eles foram encaminhados para a 28ª DP (Campinho). A operação foi deflagrada pelo Bope e recebeu reforços do Batalhão de Operações Especiais (Bope), do Choque, do Grupamento Aero Marítimo (GAM), do 9º BPM (Rocha Miranda), 3º BPM (Méier), 18º (Jacarepaguá) e de Ações com Cães (Bac).
Um dos bandidos mortos hoje foi Claudino dos Santos Coelho, de 32 anos, conhecido como Xuxa ou Russão. Ele foi condenado pela morte do jornalista Tim Lopes e ficou preso no Instituto Penal Vicente Piragibe até fevereiro de 2012, quando fugiu e se alojou no Complexo do Lins.

sábado, 14 de setembro de 2013

Hackers divulgam lista com dados pessoais de PMs do Rio

FONTE: R7

A Polícia Militar denunciou neste sábado (14) uma página que disponibiliza um download de uma lista com cerca de 50 mil nomes e dados de policiais da corporação. O conteúdo foi divulgado pelo perfil "Anoncyber & Cyb3rgh0sts" no Facebook, na quinta-feira (12).
A lista expõe emails, telefones, endereços e CPFs dos PMs. Na página, a maioria dos usuários da rede social criticaram a ação dos hackers. 
 

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Ela não é ADVOGADA, é professora!

"Advogada" dá voz de prisão à PM por abuso de autoridade
O QUE ACONTECEU ANTES ELES OMITEM E JOGAM NA REDE O QUE INTERESSA! 

"O Manifestante está do seu lado e está te instigando o tempo todo, te xingando, te esculachando". Por vezes cospem, jogam pedras ou bolinhas de gude e até saco com mijo.O policial têm que reagir, pq não tem sangue de barata !
A  finalidade é uma só: criar confusão, filmar e postar o vídeo no YouTube

O comando da PM escalam os policiais nas folgas de forma obrigatória




Menor é apreendido com drogas e fuzil na comunidade Curral das Éguas

Policiais do Grupamento de Ações Táticas (GAT) do 14º BPM (Bangu) apreenderam um menor de idade na comunidade Curral das Éguas, em Magalhães Bastos, na Zona Oeste, com um fuzil e grande quantidade de drogas.
O menor, de 16 anos, era conhecido na localidade como Chininha, e comercializava drogas na região. Os agentes foram até a comunidade para checar uma informação que chegou pelo Disque-Denúncia. Com ele, a polícia encontrou um fuzil de fabricação norte-americana, calibre 5.56. As drogas estavam guardadas em uma mochila que também foi apreendida.

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Cabral sanciona projeto de lei que veta máscaras em protestos no Rio

O governador Sérgio Cabral sancionou, nesta quarta-feira (11), o projeto de lei 2.405/13, aprovado pela Assembleia Legislativa do do Rio, que aprova o uso de máscaras em manifestações no estado. A lei será publicada no Diário Oficial nesta quinta (12).
A lei não se aplica às manifestações culturais estabelecidas no calendário oficial do estado, como o carnaval; e que considera-se comunicada a autoridade policial quando a convocação para a manifestação ocorrer pela internet com antecedência igual ou superior a 48 horas. As manifestações quando não forem convocadas pela internet devem ser comunicadas previamente ao batalhão da área, com até 48 horas de antecedência.

MPF abre inquérito sobre prevaricação de três delegados federais

Eles foram filmados saindo de uma casa lotérica, no Centro, depois que viram um ladrão armado rendendo os funcionários do local.
O Ministério Público Federal no Rio de Janeiro anunciou a abertura de um inquérito para apurar uma suposta prevaricação de três delegados federais. Eles foram filmados saindo de uma casa lotérica, no Centro, depois que viram um ladrão armado rendendo os funcionários do local. Foi o quinto assalto contra a unidade em seis meses e todos praticados pelo mesmo ladrão. Em nota, a Superintendência da Polícia Federal informou que os delegados relataram não terem agido no momento para não colocar em risco a vida de pessoas que estavam na lotérica.

Após morte de PM, polícia faz ação em Cordovil e apreende carros falsos do Bope

Policiais militares realizam operação, na manhã desta quarta-feira, na Cidade Alta, em Cordovil, na Zona Norte, para prender bandidos que mataram um PM e balearam outro durante perseguição nesta madrugada.
Julio Cesar Raimundi, do 14º BPM (Bangu), teve o carro roubado pelos bandidos na Vila Rosali, em São João de Meriti. Houve troca de tiros e o policial foi socorrido, mas não resistiu aos ferimentos.
O bando fugiu em direção à Cidade Alta. PMs foram informados e passaram a perseguir o veículo. Na entrada da comunidade, os criminosos bateram em uma viatura e desceram do carro atirando contra os policiais.
 O sargento Michel Cândido, do 16º BPM (Olaria), foi baleado no joelho e levado para o Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha. Os bandidos escaparam ao entrar na comunidade.
Durante a operação da manhã desta quarta-feira, PMs encontraram duas caminhonetes pretas que serviriam para transportar traficantes, armas e drogas. Os veículos estavam num dos acessos à Cidade Alta, e foram adaptados para parecerem viaturas do Batalhão de Operações Especiais (Bope).
O caso foi registrado na 38ª DP (Irajá).

Policial militar é morto durante assalto na porta de casa em São João de Meriti

Um polícial militar foi morto, nesta terça-feira, durante um assalto em frente a sua casa, na Rua Maria Emília, no Centro de São João de Meriti, na Baixada Fluminense. Os criminosos fugiram com o carro do PM. Segundo a polícia, a vítima levou um tiro na cabeça e chegou a ser levada ao Posto de Atendimento Médico (PAM) de Meriti, mas não resistiu ao ferimento. Ainda de acordo com PMs, ele pertencia ao serviço reservado do 21º BPM (São João de Meriti), mas havia sido transferido para o 14º BPM (Bangu) há pouco tempo. O caso foi registrado na 64ª DP (São João de Meriti).


Sargento reformado é baleado ao tentar impedir assalto em Bonsucesso

Um sargento reformado da Polícia Militar foi baleado, na manhã desta terça-feira, ao tentar evitar um assalto na Rua Teixeira Ribeiro, em Bonsucesso, na Zona Norte do Rio. Segundo informações da PM, José Carlos Gomes Soares, de 57 anos, foi atingido na barriga e na perna direita. Ele foi levado para o Hospital Federal de Bonsucesso e passa por uma cirurgia.

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Divisão de Homicídios (DH) diz que tenente foi executado por traficantes, mas Corpo de Bombeiros o considera desertor

 
Mãe luta para limpar a memória de militar executado

Não bastasse a dor de perder o único filho de forma trágica, a dona de casa Rita de Cassia Coimbra Neves vem travando uma batalha para limpar a ficha do tenente do Corpo de Bombeiros Rodrigo José Neves Groetaers, de 22 anos. O militar desapareceu em fevereiro de 2012, em Bangu, e, segundo a Polícia Civil, foi morto por um traficante da Vila Vintém. Mas, como o cadáver jamais foi encontrado, o oficial é considerado por sua corporação um desertor.
“É muito humilhante. Meu filho fez três anos de academia para falarem que ele é desertor e fazerem isso com a memória dele. Eles (o Corpo de Bombeiros) sabem que a polícia já concluiu o inquérito que constatava a morte”, diz Rita de Cássia, chorando.
O caso foi investigado pela Divisão de Homicídios (DH). Um mês depois do desaparecimento, Dona Rita recebeu a visita de policiais e bombeiros em sua casa, em Jacarepaguá. “No dia 12 de março estiveram aqui o delegado Rivaldo (Barbosa, titular da DH) e mais algumas pessoas da polícia e dos bombeiros para me darem a notícia de que ele tinha sido morto por um traficante”, conta a mãe do militar, que espera uma posição dos Bombeiros.
“O que mais me revolta é não me darem resposta. Não precisam me pagar nada, mas não sujem a memória do meu filho como desertor. Ser bombeiro era o sonho do Rodrigo. O que me restou foi isso”.
Corporação diz não ter sido notificada sobre morte
Procurado pela reportagem, o Corpo de Bombeiros deu sua posição sobre o caso. Por meio de nota da assessoria de imprensa, a corporação afirma não ter sido notificada pela polícia da morte do tenente Rodrigo Groetaers e por isso não pode mudar a condição de desertor do militar.
“No caso do tenente citado, existe um processo de deserção na Auditoria de Justiça Militar. Sobre a informação da declaração de morte, a corporação ainda não foi notificada pela Justiça nem pela Polícia Civil”, diz a nota.
A mãe do tenente, no entanto, rebate a corporação. “Quando os policiais estiveram na minha casa para comunicar a morte havia bombeiros juntos. Oficiais, enfermeiros e até ambulância. Como então podem não ter sido notificados?”, indaga Dona Rita.
Polícia Civil à disposição
Segundo a Polícia Civil, o inquérito que apurou o desaparecimento e a morte de Rodrigo foi enviado ao Ministério Público. Sobre a posição dos Bombeiros, a assessoria da Policia Civil, em nota, informa que foi enviado à corporação relatório sobre a investigação e completa dizendo que o delegado Rivaldo Barbosa está à disposição para quaisquer esclarecimentos que sejam necessários.
Entrou em rua errada
O desaparecimento de Rodrigo aconteceu no dia 12 de fevereiro de 2012. Ao sair de uma festa em Bangu, ele tomou o caminho errado para casa, na Praça Seca, e acabou entrando na Vila Vintém. O militar foi confundido com um miliciano e morto pelo traficante conhecido pelo vulgo de ‘Piranha’. Um mês depois, o bandido foi morto pelo sogro, e sua esposa procurou a polícia e contou os detalhes da morte do militar.

O desembargador Lindolpho Morais Marinho, da 16ª Câmara Cível, determinou que o Estado do Rio pague imediatamente um salário mínimo à família de Amarildo. Decidiu também que a mulher e os filhos terão direito a tratamento psicoterápico de R$ 300 por sessão.

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

PESQUISA COM PMS PODERÁ SER BASE DE NOVO REGULAMENTO DISCIPLINAR.


Ação da Polícia Militar no Morro do Engenho

Grande quantidade de drogas foi encontrada durante ação da Polícia Militar no Morro do Engenho, na zona norte do Rio. Os policiais foram checar a denúncia de que traficantes estariam reunidos às margens da linha do trem. Um adolescente de 16 anos foi apreendido com uma arma.

Manifestação de Black Blocs tem confronto em frente ao TJ

Integrantes do Black Bloc vão ficar presos até o julgamento. A 27ª Vara Criminal de Justiça converteu prisão em preventiva, o grupo foi indiciado por crime de formação de quadrilha armada e incitação à violência

Uma manifestação de aproximadamente 100 pessoas pedindo a liberação dos três integrantes do Black Bloc presos na quarta-feira teve tentativa de invasão ao prédio do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ), no Centro, no fim da tarde desta sexta. Após a ação dos manifestantes, houve confronto com seguranças e policiais militares. O grupo tentou entrar no tribunal pelas duas portas de acesso na Avenida Presidente Antônio Carlos. Os seguranças impediram e tentaram fechar as portas. Uma delas, no entanto, ficou emperrada pela metade. Manifestantes, então, começaram a xingar os seguranças e ironizar o fechamento das portas. Eles atiraram ovos e uma lata de lixo de metal, que foi arrancada de um poste. Um jovem chegou a dar um chute no peito de um do seguranças. Um manifestante teve fratura exposta no dedo indicador da mão esquerda, deixando rastro sangue pela calçada. Ele foi levado para o Hospital Souza Aguiar. O grupo saiu da Avenida Antonio Carlos, que chegou a ser interditada, e está sentado na calçada em frente aos portões de acesso ao fórum, gritando palavras de ordem. Um cordão formado por policiais do batalhão de choque protege os portões. Policiais militares tentaram prender algumas pessoas, mas a multidão ao redor não permitiu. Há cerca de 20 PMs na manifestação. Diversas vias tiveram o trânsito interrompido devido à manifestação. O trânsito está complicado na região.

Devido a protestos, Exército e PM do Rio reduzem efetivo em desfile cívico

 Os protestos marcados na internet para 7 de setembro levaram as Forças Armadas e a Polícia Militar a reduzir seus efetivos na participação do tradicional desfile cívico em comemoração ao Dia da Indepedência no Rio de Janeiro. O Exército, que coordena o evento na cidade, confirmou  a redução de 40% no efetivo – considerando também Aeronáutica e Marinha – em razão de ameaças de ataques durante o evento.
O desfile, marcado para às 9h de sábado (7), reunirá seis mil participantes do Exército, Marinha, Aeronáutica, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Guarda Municipal, Polícia Rodoviária Federal Ex-Combatentes da Força Expedicionária Brasileira, escolas militares, além de entidades civis.

Segundo o Exército, com a diminuição do número de participantes, o tempo de evento será reduzido de três horas para, no máximo, duas. Além disso, o desfile, que terá carros de combate, viaturas militares e tropas a cavalo, ocorrerá apenas na Avenida Presidente Vargas, deixando a Avenida Rio Branco, no Centro, livre para que seja ocupada por manifestantes.
O relações-públicas do Comando Militar do Leste (CML), coronel Roberto Itamar Cardoso, admitiu que o motivo da medida são "ameaças de ações violentas" durante o desfile cívico.
"A redução do efetivo ocorreu a pedido das autoridades por conta das manifestações previstas. Não as pacíficas, que não alteram em nada o desfile, mas em razão das ameaças de ações violentas. Temos que considerar que não haverá apenas militares, mas crianças e idosos no evento. Por isso, todo o planejamento de segurança considerou a possibilidade de interferências violentas no desfile, agressões à tropa e ao patrimônio da União. Se isso ocorrer, o Exército vai atuar", explicou o coronel.
O Comando Militar do Leste informou ainda que ativará o Centro de Coordenação de Operações no Palácio Duque de Caxias, no Centro do Rio, para gerir segurança, inteligência e logística do evento.
Pela 1ª vez, PM levará apenas alunos
Tradicionalmente, policiais militares do Batalhão de Choque (BPChq), Batalhão de Operações Especiais (Bope), entre outras unidades da corporação, participam do desfile cívico anual. No entanto, pela primeira vez na história, a PM do Rio será representada no evento apenas por 200 alunos da Academia de Polícia Dom João VI. 
O objetivo é aumentar o efetivo da corporação no policiamento das ruas devido aos protestos. Policiais militares contaram à reportagem do G1 que há também um temor interno de que PMs do Batalhão de Choque – sempre presentes nos protestos – se tornem alvos de vaias e até mesmo agressões por parte dos manifestantes. Há pelo menos cinco protestos marcados para o próximo sábado em páginas do Facebook.

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Polícia faz operações nas comunidades Faz Quem Quer, São José Operário e Urubu

Polícia estoura refinaria de drogas em Bangu

Durante uma operação na comunidade Vila Aliança, em Bangu, na zona oeste do Rio, nesta quinta-feira (5), a Polícia Militar encontrou uma casa que era utilizada como refinaria de entorpecentes.

Torcida do Fla entrega flores à polícia em homenagem a sargento assassinado

 Antes da bola rolar na noite da última quarta-feira, no Maracanã, representantes de quatro torcidas organizadas do Flamengo entraram em campo e entregaram um buquê de flores a um policial. O gesto simbólico, inicialmente analisado como um gesto representando um acordo de paz, foi, na verdade, uma homenagem a um ex-membro da corporação do Gepe (Grupamento Especial de Policiamento em Estádios), assassinado na última segunda-feira.
"Não foi nenhum tipo de acordo de paz. As flores foram uma homenagem ao Sargento Roberto, do Gepe, que faleceu nesta semana. Ele tinha um ótimo relacionamento não somente com a torcida do Flamengo, mas como com a de todos os outros clubes. Era uma pessoa querida, foi assassinado na porta de casa nesta semana. O enterro dele foi na terça-feira e houve uma grande homenagem das quatro torcidas", revelou Marcos Frazão, diretor geral da torcida Raça Rubro-Negra.
 Com um bom relacionamento com as torcidas dos clubes cariocas, Roberto da Cruz Silva era querido por torcedores dos quatro clubes grandes do Rio. Assassinado na porta de casa na última segunda-feira, o militar foi enterrado na terça, onde também recebeu diversas homenagens das organizadas.
Na última quarta-feira, a torcida Força Jovem do Vasco também se manifestou pelo falecimento do sargento e divulgou uma nota oficial lamentando o ocorrido.

Lotado no Grupamento Especial de Policiamento em Estádios (GEPE), o sargento Roberto da Cruz Silva morreu após ser baleado durante assalto na porta de casa, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

Suspeitos são presos após troca de tiros com policiais em Vigário Geral

Dois suspeitos foram presos e um outro baleado durante tiroteio com policiais da Divisão de Homicídios (DH), em Vigário Geral, na Zona Norte. A equipe de policiais passava pela Rua Bulhões Marcial quando notou que os suspeitos, armados, pretendiam praticar roubos na via. Os policiais interviram e os bandidos abriram fogo. Em meio ao pânico entre pedestres e passageiros de carros e ônibus, dois suspeitos foram imobilizados e algemados. O ferido foi levado para o Hospital Getúlio Vargas, na Penha. Não há informações sobre se estado de saúde.

PM morre após ser baleado na Cidade de Deus

Um subtenente da Polícia Militar foi morto, após ser baleado por dois homens que estavam em uma moto na Cidade de Deus, Zona Oeste do Rio, na noite desta quarta-feira (4). O policial foi identificado como Dário Fernando Higino, de 50 anos, lotado no 2º BPM (Botafogo). As informações são da Divisão de Homicídios (DH) da Polícia Civil.
Agentes da especializada realizaram perícia no local e o corpo foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML). Familiares e testemunhas vão prestar depoimento para tentar identificar os autores do disparo e a motivação do crime.

PM de UPP e noiva são baleados em São Gonçalo

O soldado da Polícia Militar Marc Borges Ferreira e a noiva dele, Yasmim dos Santos Lima, foram baleados no início da madrugada desta quinta-feira no bairro Coelho, em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio. O PM é lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Vila Cruzeiro, no Complexo da Penha, Zona Norte do Rio.
De acordo com o 7º BPM (São Gonçalo), o casal estava no carro do policial, na Rua Agnaldo Saturnino Rocha, quando foi rendido por um homem armado. O bandido havia desembarcado de um Peugeot azul, onde estariam outros marginais. Ele ordenou que as vítimas saíssem do veículo. O PM reagiu e houve troca de tiros. Os criminosos fugiram sem nada levar.
Mesmo ferido de raspão no joelho esquerdo, o policial conseguiu dirigir até o Hospital Estadual Alberto Torres, no Colubandê, onde o casal foi socorrido. Yasmim foi baleada na perna e no braço esquerdo. Segundo o batalhão, eles não correm risco de vida
Em depoimento na 74ª DP (Alcântara), onde a ocorrência foi registrada, o PM não soube informar se o criminoso foi ferido no confronto.

PM encontra casas usadas por criminosos na favela do Rola

Traficantes trocam tiros com policiais na comunidade do Rola, em Santa Cruz, na zona oeste do Rio de Janeiro. Após de retirar barricadas, os policiais encontraram duas casas usadas pelos criminosos. 

PF desmonta esquema de envio de fuzis dos EUA para favelas da Zona Sul

A Polícia Federal de Minas Gerais desmontou nesta quarta-feira uma megaesquema de envio de fuzis dos Estados Unidos para o Brasil. As favelas da Rocinha e Vidigal, na Zona Sul do Rio, eram os principais destinos do armamento. Sete pessoas foram presas — cinco na região de Governador Valares (MG) e duas nos Estados Unidos. As polícias americana e federal de São Paulo apoiaram a operação. As duas favelas contam com Unidade de Polícia Pacificadora (UPP).
Foram apreendidos 22 fuzis calibre 762 e muita munição. As armas eram compradas nos Estados Unidos por 2 mil dólares (R$ 4.700,00) e revendidas aos traficantes cariocas por valores que variavam de R$ 30 a 60 mil. O armamento era enviado ao Brasil escondido em colchões transportados em contêineres que traziam a mudança de famílias brasileiras residentes nos Estados Unidos e que estavam voltando ao Brasil.
Por isso, a operação foi batizada de Bed Bugs em referência a um inseto também conhecido como "percevejo da cama”, frequentemente encontrado nos Estados Unidos e na Europa. O material chegava ao Brasil pelo Porto de Santos, em São Paulo, e de lá seguia para o Rio
Segundo as investigações, o fazendeiro Vicente de Paula Videira, 47 anos, que foi preso, é o chefe da quadrilha. O filho dele, Marco David Barbosa Vieira, 26 anos, também foi preso acusado de ser o braço direito de Vicente. Eles são fazendeiros e comerciantes na região do Vale do Rio Doce.Os presos foram indiciados por tráfico internacional de arma de fogo e formação de quadrilha. Os presos foram encaminhados à penitenciária de Governador Valadares.

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

PIVETE TENTA ROUBAR A CARTEIRA DE HOMEM ACUSADO DE ROUBO





Um homem morre e outro fica ferido em operação da PM em Bangu

Um homem morreu durante troca de tiros com policiais do 14º BPM (Bangu) na Vila Aliança, em Bangu, na Zona Oeste, nesta quarta-feira.  Outro suspeito ficou ferido e quatro pessoas foram presas.
De acordo com os PMs, era realizado um patrulhamento no local quando eles foram surpreendidos por criminosos armados e houve troca de tiros. Foram apreendidas três pistolas  - uma 9mm, uma calibre 45mm, e outra .40mm - dois tabletes de maconha e um rádio transmissor. O caso será registrado na delegacia da região.

Black Blocs presos vão responder por formação de quadrilha

A Polícia Civil deteve, na manhã desta quarta-feira, cinco integrantes do grupo Black Bloc, que, segundo as autoridades da área de segurança do estado, vem realizando atos de vandalismo nas manifestações que acontecem desde junho no Rio. Foram apreendidos dois menores e presos três maiores, que responderão pelos crimes de formação de quadrilha armada e incitação à violência. Um deles também vai responder por pedofilia, já que foram encontradas em seu computador imagens de relações sexuais entre menores.

Entre os presos, está um jovem de 21 anos que confessou ser um dos líderes do grupo. Ele foi preso em casa no Cachambi, na Zona Norte do Rio, onde foram encontrados equipamentos para furar pneus de automóveis e máscara de gás.
A chefe da Polícia Civil, delegada Martha Rocha, informou que os três jovens admitiram que eram administradores da página dos Black Blocs e que estavam construindo artefatos de ação perfurante de múltiplas pontas que seriam usados durante os protestos preparados para o 7 de setembro.
- Encontramos vários materiais, máscaras, faca, artefato de ação perfurante de múltiplas pontas conhecido como 'jacaré'. O artefato tem pregos, quando jogado pode ferir manifestantes, policiais, jornalistas. Quando analisamos a página dos Black Blocs há um comando para multiplicar esse objeto. Isto é uma ação criminosa - afirmou Martha Rocha, acrescentando que a polícia vai "continuar investigando a ação dessas pessoas".
Na página desse suposto líder do grupo no Facebook, ele ensina como fazer bombas caseiras. O irmão dele, que é menor, foi apreendido.
Em entrevista coletiva, a chefe da Polícia Civil, Marta Rocha, afirmou que as investigações vão continuar e outros integrantes do Black Bloc devem ser identificados.
A ação foi desencadeada no fim da madrugada desta quarta-feira e conta com cerca de 30 policiais, que cumpriram mandados de prisão em Niterói, São Gonçalo, Tribobó e na Zona Norte do Rio. Na ação, foram apreendidos computadores, celulares e laptops. As equipes continuam nas ruas cumprindo outros mandados de prisão e de de busca e apreensão.


PF desarticula quadrilha que fornecia fuzis para Rocinha e Vidigal

BELO HORIZONTE - A Polícia Federal desarticulou, na manhã de hoje, uma quadrilha especializada no tráfico internacional de armas. O armamento saia de Miami, nos Estados Unidos, dentro de containers com mudanças de brasileiros que estavam retornando para o Brasil, chegava ao Porto de Santos, em São Paulo, e tinha como destino final as favelas da Rocinha e do Vidigal, no Rio. Sete mandatos de prisão preventiva foram autorizados pela Justiça.
De acordo com a PF, os traficantes de armas traziam os fuzis escondidos em colchões. Ainda de acordo com os federais, a quadrilha já mandou para o Rio pelo menos 500 fuzis 762. O principal cliente dos traficantes de armas era o traficante Nem da Rocinha. Durante as investigações, 22 fuzis 726 e 12 mil munições foram apreendidos.
Até agora, cinco pessoas já foram presas, quatro em Engenheiro Caldas e uma em Governador Valadares, ambas cidades do interior de Minas. Com a ajuda da Interpol, outras duas pessoas estão sendo procuradas nos Estados Unidos.
A operação foi batizada de “Bed Bugs”, em referência a um inseto também conhecido como “percevejo da cama”, frequentemente encontrado nos Estados Unidos e na Europa. Os presos em Minas são conhecidos fazendeiros e comerciantes na região do Vale do Rio Doce.

Seis pessoas são detidas durante ação para desarticular grupo de Black Blocs

 Quatro pessoas foram presas e duas apreendidas, nesta quarta-feira, durante operação da Delegacia de Repressão a Crimes de Informática (DRCI), com apoio da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), para desarticular um grupo de Black Blocs quem vem promovendo atos de vandalismo nas manifestações populares que acontecem desde junho no Rio.
Entre os presos, está um jovem de 21 anos que confessou ser um dos líderes do bando. Ele foi preso em casa no Cachambi, na Zona Norte do Rio. Com ele foram encontrados máscara de gás, equipamentos para furar pneus de automóveis, entre outros. Na página do suposto líder do grupo no Facebook, ele ensina como fazer bombas caseiras. O irmão dele, que é menor, também foi detido.
A ação foi desencadeada no fim da madrugada desta quarta-feira e conta com cerca de 30 policiais, que cumpriram mandados de prisão em Niterói, São Gonçalo, Tribobó, no bairro do Cachambi, na Zona Norte do Rio. Na ação, foram apreendidos computadores, celulares e laptops. As equipes continuam nas ruas cumprindo outros mandados de prisão e de de busca e apreensão.


Policial que investigou o pastor Marcos é coordenador do AfroReggae

JORNAL O DIA
 

O papo é de ‘responsa’, mas os interesses, conflitantes. Uma das mais bem sucedidas parcerias do Grupo Cultural AfroReggae com o governo do estado colocou ponto de interrogação na cabeça da sociedade civil quando o delegado Márcio Mendonça foi nomeado, este ano, para comandar as investigações de relações pecaminosas do pastor Marcos Pereira com o crime organizado. 
É que um dos policiais que integra, pelo menos desde 2010, a equipe do delegado é Roberto Chaves de Almeida, o Beto Chaves, coordenador do Projeto Papo de Responsa — parceria da Polícia Civil com a ONG comandada por José Júnior, o responsável pelo pontapé nas investigações após denunciar o religioso de articular a morte dele com o traficantes.
O Papo de Responsa é uma ideia do AfroReggae de colocar uma dupla, de policial e ex-traficante, para promover palestras em escolas públicas e privadas, associação de moradores, clube e empresas, a fim de mostrar aos jovens os perigos das drogas e do crime.
Desde o lançamento, em 2009, o programa é coordenado por Beto Chaves e, até março deste ano, a sede do projeto era no próprio AfroReggae. O policial destaca em suas palestras e entrevistas que foi o próprio José Júnior, em 2007, quem o convidou a integrar a equipe do Papo, que hoje já conta com 10 duplas (policiais e ex-criminosos).
Beto Chaves já trabalhou com Márcio Mendonça na Delegacia de Roubos e Furtos de Automóveis (DRFA) e unidades distritais. Foi para a Delegacia de Combate às Drogas (Dcod) junto com o delegado. O inquérito contra o pastor foi aberto em 2012 pela ex-diretora Valéria Aragão. Mas foi com Mendonça que, em apenas dois meses, foi finalizado a toque de caixa e sem que todas as diligências tivessem sido feitas, o que gerou suspeitas do advogado Silva Neto, defensor de Marcos Pereira.
Como O DIA mostrou na edição de domingo, o inquérito apresenta pecados capitais na investigação e indícios fortes de manipulação de testemunhas — cinco trabalham no AfroReggae. Numa gravação, dois funcionários da ONG, inclusive, prometem casa e trabalho para tentar convencer um missionário da Igreja Assembleia de Deus dos Últimos Dias a depor contra Marcos Pereira. Um outro, no mesmo dia que começou a trabalhar na ONG, foi levado à Dcod e para dizer que o pastor encenava conversões de presos para se promover.
Lado a lado no Palácio
No lançamento do Papo de Responsa, em 2009, no Palácio Guanabara, uma foto ilustra bem o momento atual: a parceria do pastor Rogério Menezes (que levou todas as testemunhas contra Marcos Pereira até a Dcod) com José Júnior, autor das denúncias e chefe de Rogério no AfroReggae, ao lado do policial Beto Chaves, amigo do delegado Márcio Mendonça.
Juntos, os três vestiam a mesma camisa do programa idealizado pelo AfroReggae e confraternizavam com o então chefe de Polícia Civil Allan Turnowski. À época Júnior ainda era amigo do pastor Marcos Pereira, mas a relação começava a azedar.


terça-feira, 3 de setembro de 2013

Manifestantes mascarados serão identificados civil e criminalmente

Projeto será votado na Alerj
Um projeto que proíbe pessoas mascaradas ou com rosto coberto em manifestações públicas no estado será votado nesta semana na Assembleia Legislativa. A proposta é de autoria de dois deputados do PMDB: Paulo Melo, presidente da Alerj, e Domingos Brazão, líder do partido.
O projeto de lei estabelece que a polícia terá o direito de intervir em atos públicos para impedir o porte ou uso de armas — entre elas, “pedras, bastões, tacos e similares”.
De acordo com a proposta, as manifestações deverão ter caráter pacífico e, para ser realizadas, dependerão de aviso prévio à delegacia da área. A polícia também poderá agir para garantir a defesa “das pessoas humanas” e do patrimônio público e privado.



Os manifestantes que estiverem mascarados poderão ser abordados por policiais e levados à delegacia para identificação criminal, com imagens e impressão digital. A medida foi revelada pela Comissão Especial de Investigação de Atos de Vandalismos em Manifestações Públicas, do Ministério Público e das Polícias Civil e Militar, que obteve medida judicial, na noite desta segunda-feira.
Além disso, todo mascarado em atos e manifestações poderá ser abordado por policiais para que retire a máscara e apresente carteira de identidade com foto. A decisão abrange qualquer pessoa que esteja com o rosto coberto em manifestações, inclusive menores de idade.
O objetivo das identificações é fazer o cruzamento de dados com o “banco de provas” existente na comissão. A medida é válida a partir desta terça-feira.
Há 50 fotos apenas de rostos sem identificação cadastradas, além de 18 pessoas já identificadas com nome e rosto pela Polícia Civil. Ao confrontar a imagem dos mascarados com a do banco, a polícia poderá identificar responsáveis pelos quebra-quebras.
"Haverá abordagem dos mascarados especificamente e independentemente de estarem participando de atos de vandalismo ou não. Essas pessoas deverão ser abordadas para identificação criminal. Muitos querem usar um direito constitucional de manifestação para praticar atos ilícitos. Muitas pessoas usaram máscaras e temos identificação dos rostos, mas não há qualificação civil", disse o promotor Décio Gomes, durante entrevista coletiva nesta terça-feira.
"O uso de máscaras não foi proibido, nem é uma medida de prisão, é pra ajudar na identificação criminal e confrontar dados" completou o promotor.
Banco de provas
Os mascarados que forem levados à delegacia e não tiverem envolvimento em atos de vandalismo farão parte do que o MP chama de "banco de provas". Ou seja, até o fim das investigações aquela pessoa continuará registrada na distrital. A comissão ressalta que não se trata de cadastro ou banco de dados. O banco de provas ficará restrito a cada investigação, de acordo com a comissão. "Não é uma ditadura", ressaltou Décio.
Também participaram do encontro o chefe de gabinete da Procuradoria Geral de Justiça, Eduardo da Silva Lima Neto, o promotor Homero das Neves, o delegado da Polícia Civil Ruchester Marreiros, além do coronel da Polícia Militar Paulo Henrique de Moraes.

AS LIGAÇÕES DE JOSÉ JÚNIOR DA ONG AFROREGGAE COM TRAFICANTES DE DROGAS

O encontro dos parlamentares da bancada evangélica e dos Direitos Humanos com o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, trouxe mais constrangimento ao delegado Márcio Mendonça, da Delegacia de Combate às Drogas. O que era um bate-papo sobre como foi conduzida a polêmica investigação que levou o pastor Marcos Pereira à cadeia, deixou o policial numa saia justa. Mendonça confessou aos deputados que nunca falou com os vizinhos, com o porteiro ou foi até o “luxuoso” apartamento na Avenida Atlântica onde, como escreveu no inquérito, o pastor promovia orgias sexuais.
As falhas nas investigações, como O DIA mostrou na edição de domingo, pautaram o encontro do secretário com os parlamentares. Eles destacaram a manipulação das testemunhas como a questão mais grave encontrada no inquérito conduzido pelo delegado Márcio Mendonça. Algumas alegam que toparam acusar pastor após receber a proposta de ganhar casa e emprego no AfroReggae — coordenado por José Júnior e uma das parte no processo. 
Márcio Mendonça também foi pego de surpresa na hora que os deputados o questionaram sobre as ligações de José Júnior com traficantes de drogas — entre eles, o traficante Elias Pereira da Silva, o Elias Maluco. O delegado, responsável por investigar o crime organizado, disse que desconhecia a amizade, mas iria apurar.
De acordo com o deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ), Beltrame, ao lado da chefe de Polícia Civil, Martha Rocha, avisou que não podia fazer mais nada, uma vez que a investigação já está na Justiça. Depois do encontro com o secretário, os deputados se reuniram com o procurador de Justiça, Marfan Vieira.

Policiais militares dormem no chão em alojamento

Um alojamento que abriga policiais do Batalhão de Choque da Polícia Militar do Rio, responsáveis por controlar a recente onda de manifestações na cidade, não tem instalações adequadas para atender a todos nos plantões.
Vídeo feito por um policial militar no alojamento dos praças (aqueles que não são oficiais), ao qual a Folha teve acesso, mostra policiais dormindo no chão, em colchonetes que trazem de casa, já que não há camas.
Os policiais do Batalhão de Choque trabalham em esquema de plantão, 24 horas de prontidão e 72 horas de folga.
E a escala fica sujeita a alterações em razão das manifestações. O regime na Copa das Confederações foi de 24 horas de trabalho por 24 horas de descanso.
Além das manifestações, os policiais militares do Choque atuam também em operações de combate ao tráfico de drogas em favelas. O batalhão vem sendo alvo de reclamações por causa de supostos excessos para controlar manifestantes.
Nos últimos dias, dois policiais foram afastados por terem agredido uma jovem em um ato contrário ao governo de Sérgio Cabral (PMDB).
COLCHONETES
Na sede do batalhão, no centro da cidade, há três alojamentos para os policiais, um deles para os oficiais.
O vídeo mostra o maior dos três, com cerca de 500 metros quadrados. O local é ocupado diariamente por um efetivo de 40 a 50 homens. Não há nem sequer uma cama. Quando há manifestações na cidade, o efetivo chega a 100 homens no dormitório.
Os PMs se apresentam de manhã e ficam no quartel até a hora do protesto, geralmente no início da noite.
Apesar da qualidade baixa do vídeo, é possível observar pelo menos 13 colchonetes no chão de salas repletas de armários. Um policial de farda cinza e coturno dorme de bruços em um dos leitos improvisados. O brasão do Choque aparece pintado na parede.
O lugar é sujo, com ratos e baratas, o que faz com que muitos policiais prefiram dormir dentro dos carros da PM em vez de deitar no chão.
De acordo com o policial, em um segundo alojamento, que comporta por volta de 30 homens, há somente dez camas. Um quarto alojamento foi transformado em sala de treinamento de lutas.
De acordo com um policial ouvido pela Folha, quando há convocação extra de policiais, o banheiro, por exemplo, fica sujo em menos de três horas. Existe uma equipe de limpeza, mas que não dá conta da demanda.
O batalhão possui atualmente em torno de 1.200 policiais, entre homens da área operacional, instrutores e funcionários administrativos.
OUTRO LADO
O comandante do Batalhão de Choque da Polícia Militar do Rio, tenente-coronel Márcio Rocha, informou à Folha que está "realizando, em caráter de urgência, um diagnóstico real da situação" dos alojamentos da corporação.
A partir do diagnóstico, uma proposta de reforma das instalações que abrigam os policiais deverá ser levada ao comandante-geral da Polícia Militar, coronel Luiz Castro Menezes.
O comandante do Batalhão de Choque foi informado pela reportagem, por meio da assessoria de imprensa da corporação, sobre as denúncias a respeito das condições do alojamento.
Em resposta, Rocha, que assumiu o comando do batalhão há uma semana, afirmou que em conversa com policiais da unidade ouviu deles que "realmente há uma carência importante no que se refere às instalações no Regimento Caetano de Farias [sede do Choque], principalmente nos alojamentos".
O tenente-coronel da Polícia Militar informou ainda que o quartel, que é tombado desde 2004, completou 100 anos neste mês e " historicamente convive com este tipo de problema".

domingo, 1 de setembro de 2013

Investigação que colocou na prisão O PASTOR MARCOS PEREIRA levanta suspeitas de manipulação de testemunhas e provas ilegais

Farsa ou verdade? Os bastidores da investigação que colocou na cadeia o pastor Marcos Pereira mostram histórias de “pecados” que vão da manipulação de testemunhas ao uso de provas obtidas sem amparo legal. E escondem uma disputa ferrenha por dois territórios onde verbas públicas e privadas jorraram nos últimos anos, além de serem dois currais eleitorais de peso: os complexos do Alemão e da Penha.
A apuração policial colocou em lados opostos dois ex-amigos com vocação de resgatar traficantes do mundo do crime. De um lado, Marcos Pereira, acusado de estuprar ex-missionárias da sua igreja, a Assembleia de Deus dos Últimos Dias. De outro, o coordenador do grupo AfroReggae, José Júnior, que após denunciar o religioso por tramar a sua morte em parceria com o crime organizado, transformou assessores de seu grupo cultural em investigadores a serviço da Delegacia de Combate às Drogas (Dcod).
Um desses homens é o pastor Rogério Ribeiro Menezes. Ex-homem de confiança de Marcos Pereira, ele trocou a igreja pelo AfroReggae após ouvir os relatos da violência sexual que a mulher teria sofrido de Marcos Pereira por nove anos. Foi ele quem convenceu e levou — algumas vezes em seu próprio carro — todas as testemunhas à delegacia. Nem sempre de forma franciscana.
Numa gravação obtida pelo DIA , o religioso junto com o ex-traficante José Claudio Piuma, o Gaúcho, oferece emprego e casa para convencer uma pessoa a dizer na delegacia que o pastor estuprou a mulher e a filha, de 16 anos. E diz que tem autorização de José Júnior. “O Júnior já falou comigo novamente hoje... O que você, assim, pretender ajudar, eu assino embaixo... A gente arruma um emprego pra ele”.

EMPREGO E CASA PRÓPRIA
Em outro trecho da gravação, feita através de uma escuta ambiental, Rogério e Gaúcho conversam com a testemunha:
“(Basta você dizer...) Rogério, eu quero morar em Jacarepaguá, Rogério, quero morar em Niterói. Tu já conhece e nós vemo (sic) uma casinha pra tu lá”.
Pouco depois, Gaúcho e Rogério enfatizam a promessa de emprego:
“Você tem trabalho, tem tudo...”, diz Gaúcho.
“De repente, no AfroReggae”, comenta Rogério.
“No AfroReggae mesmo”, prossegue Gaúcho.
“Tá entendendo, de carteira assinada lá no AfroReggae”, finalizou Rogério, diante da testemunha.
José Júnior não enxerga conflito de interesses. Alega que a contratação obedeceu critérios profissionais e que é vítima de Marcos. “De todas as testemunhas, só duas ou três pessoas trabalham no AfroReggae. Elas denunciaram as violências que sofreram, os crimes que viram. Não há mentira”, sustenta.
Mas a coincidência passeou pelo caminho da investigação. Outra testemunha, no mesmo dia que começou a trabalhar no AfroReggae (6 de abril), foi levada pelo pastor Rogério à Dcod para acusar Marcos de encenar milagres e resgates de bandidos. E com um adendo: o depoimento aconteceu depois da meia-noite. Horário pouco convencional para uma delegacia especializada, com expediente reduzido e num inquérito que se arrastou por mais de um ano, mas que se repetiu. Ao todo, cinco pessoas foram ouvidas na polícia entre 22h e 1h.
OS 7 PECADOS CAPITAIS
PARCIALIDADE - Todas as testemunhas ouvidas no inquérito foram levadas por funcionários do AfroReggae, parte interessada na investigação. Algumas receberam a promessa de casa e emprego no próprio grupo cultural, onde cinco cumprem jornada regular de trabalho.
SEM APOIO LEGAL - Segundo os advogados, escutas divulgadas pela delegacia não foram autorizadas nos processos abertos por associação ao tráfico, estupro e coação de testemunhas. A acusação fala sobre interceptações, mas não há garantia de que as provas tenham sido obtidas legalmente.
CALADA DA NOITE - Cinco das principais testemunhas foram ouvidas tarde da noite e até de madrugada na Dcod. Em dois casos, depois da meia-noite. O expediente lá termina às 18h, como informam os plantonistas. Em um caso, o policial teve que ser chamado às pressas em casa.
DESCUIDO - Apesar de relatos de lavagem de dinheiro por parentes do traficante Márcio Nepomuceno e do pastor, não foram pedidas as quebras de sigilo financeiro e bancário. Testemunhas relatam contas em bancos e depósitos regulares (até R$ 50 mil). Só agora casos foram desmembrados.
PREGUIÇA - Testemunhas contaram que três pessoas foram mortas a mando do pastor e os corpos enterrados numa fazenda em Tinguá, Nova Iguaçu. Um ano depois, o local não foi vistoriado, e acusados tiveram tempo para eliminar evidências. Uma testemunha é, inclusive, ré confessa.
OLHOS FECHADOS - Um mesmo depoimento, que ganhou crédito por denunciar as farsas do pastor, foi ignorado pelos investigadores ao falar sobre ‘doações’ de dinheiro e bens públicos, feitos por três políticos importantes do estado — um deles, inclusive, é senador da República.
ESTACIONADO - Após um ano, a polícia ainda não descobriu o médico que seria responsável por fazer os abortos em vítimas de estupro que supostamente engravidaram do pastor. E isto apesar dos detalhes que as mulheres deram nos depoimentos e da facilidade de localizar o consultório.
Juíza criticou investigação
Curiosidades no inquérito foram sublinhadas pela juíza Cláudia Pomarico Ribeiro, da 43ª Vara Criminal, ao negar o pedido de interceptação telefônica feito pelo delegado Márcio Mendonça. Após criticar a investigação, destacou que entre as pessoas a serem ouvidas, uma morreu em 2008.
A decisão da juíza alertou advogados de Marcos: como o delegado ouviu, supostamente, o pastor dizer que estava com ‘saudade do rabo’ de uma missionária se a autorização de escuta foi cancelada?
O delegado, que em outra ocasião aceitou vídeo editado e colocou na cadeia o líder comunitário da Rocinha Willian de Oliveira, não quis comentar. Alegou sigilo profissional.
Inquérito se transforma em 4 processos
Aberto para investigar a ligação do pastor Marcos com o tráfico de drogas e a lavagem de dinheiro, o inquérito na Dcod acabou se transformando em quatro processos — dois por estupro e dois por coação de testemunhas, sendo um deles já arquivado e, em outro, a vítima recuou na acusação e acusou os policiais de prepararem seu depoimento.
“Falei 10 minutos e preencheram quatro páginas. Assinei porque fiquei com medo”, acusa Elisângela Cardoso de Jesus, que gravou um recado no celular deixado por funcionária no AfroReggae, o qual classifica como ameaça:
“Te cuida que o Diabo está furioso”. Para Júnior, o pastor cometeu os crimes e deve continuar preso. “Ele é a mente do crime. Assim que soube dos casos, falei com ele e ele mandou eu não me meter. Passei um tempo e denunciei”.
Ostentação dá lugar a pousada
Alvo de ataques do tráfico de drogas, que, de acordo com José Júnior, foram motivadas pelo processo e prisão do pastor Marcos, a casa onde foi erguida a Pousada do AfroReggae pertenceu ao crime organizado. Foi residência do traficante François Soares Suassuna, o Jansen, e símbolo da ostentação do tráfico: era a única casa de três andares naquele pedaço da Grota.
Após a morte de Jansen pelos colegas, em 2008, o imóvel foi repassado até ser adquirido pelo AfroReggae para ser sede do Projeto Na Favela. Para Júnior, não existe relação entre os atentados e o ex-morador. “Ele (tráfico)não quer é que lance novo projeto na comunidade. E a causa: o pastor”.
JOSÉ JÚNIOR, coordenador do AfroReggae
Criou a ONG após a Chacina de Vigário Geral para dar opção de cultura às crianças, mas ganhou destaque nos últimos oito anos, ao promover a reintegração de presos na sociedade, através do Projeto Empregabilidade.
Transformou-se em parceiro de artistas e cabo eleitoral do governo Sérgio Cabral (a quem chama pelo primeiro nome) com a pacificação. Abriu portas a bancos e empresas nos complexos do Alemão e da Penha. O AfroReggae recebe verbas da União, do Estado e do Município, além de parcerias empresarias.

 
MARCOS PEREIRA, pastor da Igreja Assembleia de Deus dos Últimos Dias
Ex-garçom que se transformou no pastor dos bandidos regenerados e policiais, Marcos ganhou musculatura financeira e política na gestão dos governos Anthony e Rosinha Garotinho. Com acesso franqueado às cadeias, converteu inúmeros líderes de facções criminosas e se notabilizou nacionalmente ao acabar com a rebelião de presos na Cadeia de Benfica — que, agora, testemunhas dizem ter sido uma farsa. Seu sucesso nas áreas carentes (já ajudou candidatos a deputado) o aproximou de políticos de vários partidos.