sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

UNIDADE DE ELITE DA PM CRIA ESCALA PARA POLICIAR GABINETE DE COMANDANTE

PAUTA DO DIA / ROBERTA TRINDADE 


Desde que um despacho foi deixado na porta de seu gabinete, o comandante do Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque), tenente-coronel Márcio Oliveira Rocha, determinou que um policial fosse designado a cada serviço para permanecer no corredor garantindo a integridade do local.
Acusado pela tropa de cometer diversos abusos de autoridade, o coronel continua sendo alvo de várias denúncias.
“Ele retirou a água gelada da tropa. Em um verão escaldante com sensação térmica de 50°C, somos obrigados a beber água quente. Sem falar que, além de passar por cima de ordens superiores para suspender o RAS compulsório, não paga o RAS desde outubro”, denunciou um PM que pediu para não ter a identidade divulgada.
“Ele ainda retirou o ar condicionado do rancho dos praças, em retaliação a denúncias que fizemos e fez várias reuniões tentando intimidar e coagir a tropa. Até policial da guarda está sendo escalado para tomar conta do gabinete dele 24 horas por dia”, ressaltou.
“Esse coronel proibiu o rancho e o despenseiro de gelar água de quaisquer formas para a tropa. Independente do calor, do sol, do dia ou do tipo de serviço, a água para abastecer os policiais na rua é oferecida quente. Os policias que estão baseados no museu do índio estão proibidos de utilizar o ar condicionado das viaturas”, afirmou outro PM.
“Só podemos usar o rancho totalmente fardados e, com a retirada do ar condicionado do espaço, comemos os alimentos com nosso suor junto”, ressaltou.
Ainda de acordo com a tropa do BPChoque, policiais de todos os setores do batalhão de elite estão sendo empenhados em um serviço extra no Museu do Índio.
“Ele está fazendo isso em represália, pois trata-se de um baseamento inútil, tendo em vista que permanecemos lá só olhando para escombros. E ainda somos proibidos de ficar dentro das viaturas para não usarmos o ar condicionado das mesmas. Costumam ficar 30 PMs em um espaço de 70 metros quadrados”, destacou.


Outra reclamação é relativa ao não acatamento de orientações médicas. Mesmo que sejam encaminhados para casa, os policiais são forçados a permanecer por todo o tempo da dispensa aquartelados.
Na última terça-feira, o PAUTA DO DIA publicou uma denúncia feita por agentes lotados no BPChoque relativa ao descumprimento da determinação que suspende a escalação de policiais para serviço extra na segunda folga.
Relembre aqui:
Comandante do BPChoque ignora suspensão do RAS compulsório e continua escalando PMs da unidade na segunda folga


10 comentários:

  1. sim pois está sobrando policiais para fazerem o policiamento na cidade né?São 90 policiais que ficam no museu do índio e agora mais 3 na porta do gabinete dele.Por isso que não se tem policiamento no resto da cidade.Ministério Público vcs nao irão fazer nada?A populaão quer a PM na rua e não em quartéis fazendo segurança contra macumba ou protegendo um prédio aos escombros...

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. O salário bruto de um Soldado da PMERJ é R$ 2.077,25 (dois mil e setenta e sete reais e vinte e cinco centavos). O salário líquido é R$ 1.909,75 (mil, novecentos e nove reais e setenta e cinco centavos).

      Incluindo os benefícios temporários (POEPP e Auxílio Transporte), o valor bruto sobe para R$ 2.527,25 e o líquido para R$ 2.334,75.

      FALTA MUITO PARA ALCANÇAR A TÃO SONHADA DIGNIDADE.

      Segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos, o artigo 7º, inciso IV, da Constituição Federal de 1988 está sendo desrespeitado no Rio de Janeiro.

      Salário Mínimo Necessário - D.I.E.E.S.E. (Abril de 2013): R$ 2.892,47 (dois mil, oitocentos e noventa e dois reais e quarenta e sete centavos).

      Defasagem do salário do SD PM ou BM: R$ 982,72 (novecentos e oitenta e dois reais e setenta e dois centavos) = 51,5%.

      Bombeiros e Policiais Militares do Estado do Rio de Janeiro não recebem uma remuneração suficiente para suprir as necessidades vitais básicas previstas no dispositivo constitucional supramencionado. Um Estado que possui a 2ª MAIOR ARRECADAÇÃO de impostos do país não pode pagar o MENOR SALÁRIO da Federação!

      Como vamos sediar a COPA DO MUNDO de 2014 e os JOGOS OLÍMPICOS de 2016 se não conseguimos nem pagar um SALÁRIO DIGNO aos funcionários públicos que prestam SERVIÇOS ESSENCIAIS à população (Bombeiros e Policiais Militares)???

      Considerando que o SOLDO é o salário do Militar, seria importante observarmos o valor pago aos Soldados da PMERJ e do CBMERJ. Atualmente, o soldo de um SD PM ou BM é R$ 512,90, R$ 211,10 abaixo do salário mínimo vigente (para equiparar os valores seria necessário conceder um reajuste mínimo de 41,16%).

      Concluindo, o Governo do Estado do Rio de Janeiro precisa conceder 51,5% de reajuste salarial para a PMERJ e o CBMERJ em 2014, para ficar em dia com suas obrigações.

      Excluir
  3. Deveria colocar no gabinete do Sr CHAGAS no 12 BPM depois da covardia que ele fez com os recrutas. Usou os caras para trabalharem durante o fim de ano e deu um bico nos 160 recrutas para o cfap, sendo que 70% dos recrutas residem em Niterói e São Gonçalo. Isso porque ele não cumpriu as normas do cfap e foi denunciado. Foi disponibilizado verbas para por bebedouro e ar-condicionado nas salas e nada disso foi feito. Agora novos recrutas chegarão enquanto os que ralaram foram chutados para o cfap ficando longe de suas famílias por incompetência do coronel. Detalhe: o mês de dezembro foi o único que o 12 bateu as metas. Com dez dias de janeiro as meta já chegou no limite. Queremos os recrutas de volta.

    ResponderExcluir
  4. Na boa, vendo todas essas sacanagens fico feliz de ter saído da PM. Melhor decisão da minha vida.

    ResponderExcluir
  5. ::::::SEUS BABA OVOS DO CABRAL NAO SE JUNTARAN COM OS BOMBAS DOS SOS >>>>>AGORA CHUPA ESSAS MANGAS PODRE DO COMANDO DO GOVERNADOR .>>>>>>>>>SO A UNIAO FAZ AFORÇA BOMBEIROS X PMERJ>>>>JA JA...

    ResponderExcluir
  6. Como se posicionar dialeticamente em relação à hierarquia e à disciplina, sem feri-las?

    Subten Jeremias

    ResponderExcluir
  7. Entupiram de tiros a casa dele... Quero ver o RDPM o salvar!

    ResponderExcluir
  8. Apesar de militares, nossos direitos devem ser equiparados aos dos trabalhadores Celetistas, naquilo que afeta a dignidade da pessoa humana.

    Em 2013, a Tim Celular, de Curitiba, foi condenada ao pagamento de R$ 5 milhões por controlar os horários de utilização do banheiro por uma funcionária. As idas ao toalete eram consideradas “pausa-descanso” e, fora dessas pausas, era necessário enviar um e-mail ao supervisor, solicitando a utilização do banheiro, o que só era autorizado caso não houvesse fila de atendimento de clientes. Ainda cabe recurso da decisão.

    O TST condenou, em 2013, a Ceva Logistics Ltda., de Louveira, SP, a indenizar em R$ 10 mil um conferente de materiais que era obrigado a solicitar, por meio de formulário escrito, sua liberação para ir ao banheiro. Além da autorização, ele era obrigado a passar por detector de metais e catraca, e todo esse processo demorava cerca de 20 minutos ou mais.

    O TST condenou a Seara Alimentos S/A a indenizar, em R$ 5mil, uma funcionária que trabalhava na desossa de frangos. Ela possuía horários pré-determinados para utilizar o banheiro, e devia fazê-lo em 14 minutos.

    ResponderExcluir
  9. Apesar de militares, nossos direitos devem ser equiparados aos dos trabalhadores celetistas naquilo que afeta a dignidade da pessoa humana.

    Em 2013, a Tim Celular, de Curitiba, foi condenada ao pagamento de R$ 5 milhões por controlar os horários de utilização do banheiro por uma funcionária. As idas ao toalete eram consideradas “pausa-descanso” e, fora dessas pausas, era necessário enviar um e-mail ao supervisor, solicitando a utilização do banheiro, o que só era autorizado caso não houvesse fila de atendimento de clientes. Ainda cabe recurso da decisão.

    O TST condenou, em 2013, a Ceva Logistics Ltda., de Louveira, SP, a indenizar em R$ 10 mil um conferente de materiais que era obrigado a solicitar, por meio de formulário escrito, sua liberação para ir ao banheiro. Além da autorização, ele era obrigado a passar por detector de metais e catraca, e todo esse processo demorava cerca de 20 minutos ou mais.

    O TST condenou a Seara Alimentos S/A a indenizar, em R$ 5mil, uma funcionária que trabalhava na desossa de frangos. Ela possuía horários pré-determinados para utilizar o banheiro, e devia fazê-lo em 14 minutos.

    ResponderExcluir