domingo, 2 de fevereiro de 2014

O Ministério Público Estadual abriu inquérito para apurar denúncias de cargas de trabalho abusivas que seriam praticadas em batalhões da Polícia Militar


11 comentários:

  1. Será que agora coisas começam a acontecer ? Não somos escravos destes sistema !

    ResponderExcluir
  2. Quando houver determinação do Comando Intermediário para escalar um efetivo de apoio, os Chefes das Primeiras Seções (P/1) dos Batalhões da Polícia Militar devem utilizar os PPMM que estiverem de serviço no dia do evento (deslocar o policiamento ostensivo ordinário). Quem estiver cadastrado no RAS voluntário também pode ser escalado. A escala compulsória do RAS tem que acabar definitivamente na PMERJ, pois fere o Estatuto do Policial Militar do Estado do Rio de Janeiro.

    A Corporação precisa, também, evitar o DESVIO DE FUNÇÃO, pois as escalas de serviço do Policial Militar devem ser compatíveis com o seu grau hierárquico. Por exemplo, os Cabos e Soldados são, essencialmente, os elementos de execução. A FUNÇÃO policial-militar é o exercício das obrigações inerentes ao cargo policial-militar. Não podem, portanto, Subtenentes e Sargentos serem empregados na EXECUÇÃO de atividades de policiamento ostensivo extraordinário. Os Subtenentes e Sargentos devem exercer a função de SUPERVISOR.

    Se a PMERJ quer investir mais nos serviços desempenhados por Cabos e Soldados, deverá acabar com a Promoção de Praças por Tempo de Serviço, que iguala toda a tropa e prejudica a distribuição de funções. A ASCENSÃO AUTOMÁTICA deixa a tropa acomodada, desinteressada pelo estudo e, consequentemente, desqualificada. O Soldado PM que cumpriu o interstício deve, portanto, prestar concurso interno para Cabo PM (CFC), para provar que tem condições de exercer a referida função, assim como o Cabo PM deve ser avaliado para ser promovido à graduação de Terceiro-Sargento PM (CFS). É preciso haver mudanças!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, a Promoção de Praças por Tempo de Serviço tem que acabar!

      A PMERJ não pode abrir mão da QUALIFICAÇÃO da tropa.



      Concursos previstos:

      * Concurso para o CFSd => Soldado

      * Concurso para o CFC => Cabo

      * Concurso para o CFS => 3º Sargento/ 2º Sargento

      * Concurso para o CAS => 1º Sargento/ Subtenente

      Excluir
  3. Constituição do Estado do RJ
    Art. 83 - Aos servidores públicos civis ficam assegurados, além de outros que a lei estabelecer, os seguintes direitos:
    VIII - duração do trabalho normal não superior a oito horas diárias e quarenta semanais, facultada a compensação de horários;
    Art. 92 - Aos servidores militares ficam assegurados os seguintes direitos:
    Parágrafo único - O disposto nos incisos V, VI, VIII, XVI, XVII e XXI do artigo 83 desta Constituição aplica-se aos servidores a que se refere este artigo, que também terão assegurado adicional de remuneração para as atividades penosas, insalubres ou perigosas, na forma da lei.
    Suspensa a eficácia deste parágrafo pelo STF, na ADIN 858-7, publicado. no DORJ I de 18.06.93 (p.12110).

    ResponderExcluir
  4. Continuem denunciando. O MP inclinou os olhos para os senhores. Mas por que? Pois eles foram chamados atenção de tanto que ligaram para o 127 ou fizeram denúncia no site.

    É isso aí. Se unam com toda a força.

    Att. Cidadão.

    ResponderExcluir
  5. Vamos ligar rapazeada!!! Para o bem do maior bem da PMERJ, os policiais!!!

    ResponderExcluir
  6. Um monte de comentário que não serve para absolutamente NADA ! O assunto é escala e não promoção por tempo de serviço ou curso, do que tem que falar não falam.

    ResponderExcluir
  7. aos colegas pessimistas, por favor, se vcs ao menos acreditarem só um pouco, ja estarão fazendo um bem para a nossa classe sofrida. como sempre, OS PRAÇAS!,. apenas creiam, se não puderem, creiam na JUSTIÇA DO SENHOR, garanto não haverá um injustiça neste mundo que passará impune por Ele. quanto a matéria desta págna. os batalhões do interiro também merecem ser assistidos pela justiça, como por exemplo , na região serrana. não aguentamos mais as covardias de certos "ADMINISTRADORES" que insistem em manter a tropa a seu bel-prazer dizendo: NO MEU TEMPO ERA ASSIM. se eles não evoluiram ou , não querem acompanhar a evolução da da PM, que vão embora! muitos deles já tem tempo pra ir pra reserva, mas insistem em ficar para fazer com que a tropa ainda sofra, ja não basta a nossa situação nesse governo atual? ainda temos que suportar esse "grupo" com pensamentos arcaicos, querendo levar a tropa no chicote. é so´.....

    ResponderExcluir
  8. O Policial Militar do Estado do Rio de Janeiro tem que se manifestar por escrito, solicitar ao seu Chefe Imediato (ou Comandante de Companhia) uma Escala de Serviço com carga horária de até 42 (quarenta e duas) horas semanais. A Escala de 24h x 48h é ilegal! Quem trabalha 24 horas, tem que folgar 72 horas. Uma Escala de Serviço policial-militar ruim é um perigo para a população, pois deixa o profissional cansado e sem os mesmos reflexos. Portanto, nesse caso é perceptível que no final a maior prejudicada é a própria sociedade.

    ResponderExcluir
  9. Os praças antigos são tudo FDP, que pensam que são melhores do que os recrutas eles só estão a mais tempo nesse sofrimento pois nem mérito tem para se tornarem sgt ou sub ten. tem uns que se enrolam para tirar uma falta pelo amor de Deus essa PMERJ nunca será uma instituição séria um monte de bobão se vendendo por pouco. Antigos sem instruções tem mais é que ficar no pog mesmo vão supervisionar o que ? pegar R$10,00 para vender policiamento

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Falou besteira e ainda generalizou!

      Os recrutas de hoje são mal formados, despreparados e a maioria não tem vocação para a carreira.

      Excluir