segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

'PM cria monstros', diz ex-policial que defende desmilitarização

FONTE: NOTÍCIAS UOL


Após ser expulso da Polícia Militar do Ceará em janeiro, acusado de distribuir seu livro intitulado "Militarismo, um sistema arcaico de segurança publica", dentro da Academia Estadual de Segurança Pública, o ex-soldado Darlan Menezes Abrantes, 39, voltou a criticar o atual modelo da PM e a militarização da corporação, da qual fazia parte há 13 anos. "Sou a prova viva de que esse sistema de segurança pública é falido" e "cria monstros", declarou, em entrevista ao UOL.
a minha esposa 'nossa, eu sou um monstro!'. O treinamento militar é opressivo, e faz com que o policial trate a população como inimigo, e não como um aliado", falou.
Para ele, a violência e os excessos cometidos pelos policiais nas ruas tem origem na opressão vivida pelos praças (PMs de patente inferior) dentro dos quartéis.
"Os oficiais têm poder total sobre os praças. Como uma polícia antidemocrática pode fazer a segurança de uma sociedade democrática? A PM tem uma estrutura medieval".
Para ele, o militarismo "serve para as Forças Armadas", e não para a segurança interna do país. "É preciso desmilitarizar a corporação e fundi-la com a polícia civil. A cada ano, a polícia perde de goleada para o crime organizado, e a solução está na modernização e desmilitarização da força".   
Procurada pela reportagem, a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Ceará afirmou que à época do ingresso de Abrantes na corporação "a formação de policiais militares se dava pelo extinto Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças da PM" e que o atual treinamento conta com um programa de formação cidadã, "trabalhando as concepções de cidadania, respeito aos Direitos Humanos e à diversidade étnica e cultural".

Expulsão
A controladoria da PM expulsou Abrantes "com base em vários artigos do Código Disciplinar e do Código Penal Militar", de acordo com o tenente-coronel Fernando Albano, porta voz da corporação. "Os atos praticados vão de encontro ao pudor e ao decoro da classe. Só isso que a PM tem a falar", disse ele.
A advogada do ex-soldado, Quércia de Andrade Silva, afirmou que já recorreu da expulsão e diz acreditar que a decisão possa ser revertida.  "Tem outro processo também na auditoria militar, mas que está ainda em fase inicial. Ele será ouvido pela primeira vez em maio. Estamos aguardando a resposta desse recurso [para possivelmente recorrer à Justiça comum]", diz Quércia.

4 comentários:

  1. Os Policiais Militares do Rio de Janeiro estão muito insatisfeitos com os seus salários.

    A maioria dos policiais militares quer trocar de emprego! O Governo do Estado pode mudar esse quadro, valorizando a tropa. Os PMs do Rio não se sentem valorizados, pelo contrário, sentem-se subempregados.

    O salário líquido de um Soldado da PMERJ é de apenas R$ 1.909,75 (mil, novecentos e nove reais e setenta e cinco centavos). Com o atual salário, as NECESSIDADES VITAIS BÁSICAS não estão sendo atendidas! Segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos, o artigo 7º, inciso IV, da Constituição Federal de 1988 está sendo desrespeitado no Rio de Janeiro. O Salário Mínimo Necessário divulgado pelo D.I.E.E.S.E. em Abril de 2013 foi estimado em R$ 2.892,47 (dois mil, oitocentos e noventa e dois reais e quarenta e sete centavos). A defasagem do salário do SD PM ou BM no RJ é de R$ 982,72 (novecentos e oitenta e dois reais e setenta e dois centavos) = 51,5%.

    Bombeiros e Policiais Militares do Estado do Rio de Janeiro não recebem uma remuneração suficiente para suprir as necessidades vitais básicas previstas no dispositivo constitucional supramencionado. Um Estado que possui a 2ª MAIOR ARRECADAÇÃO de impostos do país não pode pagar tão mal! Como vamos sediar a COPA DO MUNDO de 2014 e os JOGOS OLÍMPICOS de 2016 se não conseguimos nem pagar um SALÁRIO DIGNO aos funcionários públicos que prestam SERVIÇOS ESSENCIAIS à população (Bombeiros e Policiais Militares)??? O soldo de um terceiro-sargento PM ou BM está abaixo do salário mínimo vigente, que é de R$ 724,00.

    Concluindo, o Governo do Estado do Rio de Janeiro precisa conceder 51,5% de reajuste salarial para a PMERJ e o CBMERJ em 2014, para ficar em dia com suas obrigações.

    ResponderExcluir
  2. Senhor moderador, obrigado por postar esta reportagem. Eu tinha feito a sugestão abaixo.

    Deus abençoe a PM.

    Att. cidadão.

    ResponderExcluir
  3. aonde posso comprar este livro?

    ResponderExcluir
  4. Os maiores monstros estao sendo produzidos na 3 CIA do CFAP, alunos sem final de semana em casa devido a exploracao no servico de praia, alunos desmotivados pelo tenente Andre Aguiar, o mesmo so fala com alunos quando e para dar mijada, teve a ideia de dizer que se o aluno precisar resolver problema pessoal devera pedir para sair do curso, nao aceita parte de solicitacao que e um direito de todo militar. Nos alunos temos vontade de aprender, porem eles que deveriam nos incentivar sao os que mais nos desanimam, eles dizem que os eatudos sao prioridades, como assim com uma escala dessa e umas cobrancas absurdas desse nobre oficial. Por gentileza transfiram ele do CFAP, o mesmo nao tem perfil pro cargo que esta. Ele poderia ter exemplos de otimos gestores de tropa como o proprio cmt do cfap, os tenetes Batista, Meira e Cunha Braga sao exemplos a serem seguidos, o tenete Torres apesar de parecer gostar apenas do 8 Pel era o melhor de todos. Hoje terca, foi um dos dias mais chatos no cfap. Por favor, peca para sair tenente Andre Aguiar.

    ResponderExcluir