quarta-feira, 9 de abril de 2014

O Exército, a ocupação e o risco de uma campanha de desvalorização

O Exército brasileiro corre o risco de, num confronto em que tenha que defender a sociedade de criminosos, acabar envolvido em alguma campanha de desvalorização, como hoje acontece com a Polícia Militar.
A imagem do Exército não pode sofrer hoje a mesma campanha, correta mas forte, imposta pela sociedade aos que cumpriram ordens na ditadura.
Quem está na rua são os que cumprem ordens, e não os que dão ordens. Quem está nas ruas é o povo, que é obrigado a servir ao Exército, como manda a Constituição do País. Os outros são os profissionais das Forças Armadas. Ordens equivocadas destes profissionais podem fazer com que a imagem da soberania nacional, da qual o Exército brasileiro faz parte, seja quebrada.

2 comentários:

  1. O texto descrito acima, faz entendimento com uma pergunta e duas respostas;

    Se o devido desfecho for em armas que, por sua vez, ambas as partes envolvidas detém, qual seria a diferença entre a PMERJ e as FFAA neste cenário social ?

    1- O EB ao longo de sua história traz consigo as marcas de um passado cheio de vitórias e destacável valor moral e profissional, garantindo e promovendo com sua presença, os reais valores sociais devidos aos seres humanos, onde que nenhum outro Exército, fora capaz de demonstrar.
    A execução dos seus serviços a Pátria, nunca deixou de existir, nem mesmo nos momentos em que as suas ações, por mal compreensão do povo desta nação, que não tivera a devida análise consensual por pura desinformação ou acolhimento de ideias não comprometidas com a realidade da Democracia, instituída no Brasil após o fim da Monarquia. As FFAA, acionadas pelo Gov. Fed., imbuído em desenvolver conjuntamente com a PMERJ, em caráter de Pacificação ou (Restabelecimento da Ordem Pública), merece total apoio da Sociedade Organizada, onde a sua presença é de imensa e necessária para fiel cumprimento do dever.
    Por isso, não há que se falar ou cogitar que aspectos inoportunos possam ferir a Integridade Constitucional das FFAA, mesmo que a insatisfação provocada por algum desvio de conduta seja acontecido, pois, os mecanismos de Justiça existem em ambas as partes (Civis e Militares) e não haverá acobertamento quando a Justiça Militar for acionada !

    2- A PMERJ, enaltecida pelos seus 204 anos, sempre esteve presente em todos os momentos históricos deste País, havendo pelos seus feitos, auxiliado na formação da República Federativa do Brasil, tão sonhada e merecida por todos os brasileiros na época. Os anos se passaram e os seus valores nunca se esgotaram, vindo a ter posteriormente, aos dias atuais, devido as mudanças de regimes políticos e ao próprio desenvolvimento econômico e social da sociedade, a se desenvolver estrategicamente para a devida prestação de seus serviços ao povo do RJ e de outros Estados da Federação. Se o Estado Democrático de Direito seja restabelecido pelo Estado , devemos acionar o Poder de Polícia e o da Discricionariedade, pois, estas formam a devida execução de plenitude da Democracia exercido pelo Estado e de suas Instituições que são os mecanismos de execução. Por isso, não se deva encarar que a PMERJ esteja desvalorizada por ações irregulares e individuais, pois, a própria Sociedade Organizada, nunca a deixa de solicitar e agradecer pela ação constante da prestação de seus atendimentos, que por talvez não agrade a uma camada social, envaidecida de valores éticos, morais e humanos !

    Nesta reflexão, traduz que a falta de Moralidade e de Ética de seus coadjuvantes; Sociabilidade, Respeito, Cidadania e Trabalho, faz com que qualquer Instituição, por mais respeitada que seja, não atinja seus objetivos, quando a sua oferta de seus préstimos não lhe seja em agrado. Finalizando, concluo que a "Falta de Amor a Nação e a falta de inspiração nas ações de cada soldado, seja a verdadeira Desvalorização ante a Sociedade "

    ResponderExcluir
  2. Os Generais com status de ministro (pelo menos financeiramente), onde seus salários são absurdamente reajustados na surdina, criando um hiato abissal com a tropa, já não possuem o valor Patriótico de antigamente, e deixam o poder manipular as Forças Armadas como bem quiser, prevalecendo a política e principalmente a política do individualismo. Lamentável não termos militares como antigamente...

    ResponderExcluir