quinta-feira, 8 de maio de 2014

Policial Militar é morto ao reagir a assalto em Duque de Caxias


O tenente Anderson João de Oliveira, de 34 anos, estava dentro do veículo quando foi abordado por criminosos. Lotado no 15º BPM (Duque de Caxias), foi assassinado a tiros no início desta noite de quarta-feira, quando chegava em casa, no bairro Jardim Anhangá, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Segundo informações, ele foi atingido por tiros disparados por bandidos que tentaram roubar o seu carro, um Fiat Palio. Ele foi levado para o Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, em Saracuruna, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.

5 comentários:

  1. infelizmente mais uma nota triste nas paginas dois jornais, mais um irmao morto,e apartir de amanha nao tera mais nenhum comentario sobre a morte do colega, se fosse um bandido a imprensa toda hora ia ficar noticiando nos jornais,e os coniventes das comunidades ja teriam incendiados varios veiculos, irmaos ja passou da hora de nos unirmos contra essa bandidagem e contra esses politicos corruptos, mais a policia e igual a um monte de boi,nao sabe usar a força que tem, se a cada policial que fosse morto, a tropa se unisse ate mesmo es de folgas para caçar o vagabundo ate achar ele, os vagabundos iam pensar mil vezes ante de atirar em um policial, mais infelizmente nao e assim, muitos pensam , nao foi comigo e com ninguem da minha familia e porisso continua essa caça aos colegas de farda, e enquanto isso a justiça por sua vez fica de braços cruzados e os governantes tbm, vamos acordar irmaos de farda, acorda sociedade do bem, porque daqui a pouco pode acontecer com vcs tbm com uma bala achada e nao perdida

    ResponderExcluir
  2. Não estou aqui para defender a PMERJ, pois ela não é um exército de um soldado só, assim como acontece em qualquer outra instituição, seja militar ou civil.
    Mas é claramente alarmante o que acontece no estado do Rio de Janeiro, é ridículo, humilhante, asqueroso e repugnante.
    Não há palavras para definir esta situação. Claro que temos que tomar conhecimento de todas ocorrências policiais seja ela a favor dos mesmos ou seja ela contra os mesmos, é democracia.
    Mas como pode um estado esquecer seus mortos de maneira tão desprezível, mortos estes que deram suas vidas por este mesmo estado. São sugados, escrachados, humilhados e o que recebem em troca, somente um funeral com honras militares.
    Até quando vamos viver este genocídio, polícia e comunidade, polícia e gente de bem, até porque estou falando de polícia do bem, aquele que realmente é polícia, infelizmente não está escrito na testa. Morrem praças, graduados ou não, morrem oficiais, todos de serviço ou folga, são caçados como animais e são tratados como tais pelo estado.
    Não é normal o número de vagas que se abre para a PMERJ, assim como não é normal o número de baixas que têm acontecido.
    INFELIZMENTE há bombeiros e policiais que enaltecem nossos governadores e demais políticos que nada fazem para reverter esta situação.
    Este é o Brasil da Copa do Mundo, este é o Rio de Janeiro das Olimpíadas de 2016 e este é o povo (menos favorecidos) que temos, felizes por qualquer porcaria, coisa de porcos mesmo, são enganados hoje, amanhã estarão indo para o abatedouro sem que percebam. Acorda Brasil...

    JUNTOS SOMOS FORTES!

    Sgt BM R/R - Naféz

    ResponderExcluir
  3. Tenente Anderson, um sujeito do bem que não gostava de coisas erradas e não era leviano... se foi assalto ou não é preciso uma investigação SÉRIA, pois os policiais sérios não podem virar apenas mais um número nessa estatística macabra.

    Tenente Oliveira PMERJ e Primo do Anderson;

    ResponderExcluir
  4. Espero que o estado tenha mais respeito por aqueles que entregam suas vidas por essa corporação. O tenente João, foi e sempre será um exemplo de um homem digno, respeitoso, humilde... Mesmo não estando mais entre nós, deixou sua marca, marca de um homem honesto, e admirável. Esprero que o comando da Policia Militar, tome alguma providência, pois policiais como ele não pode fazer somente parte de uma medilcre estatística. Pareceque o estado só está preoculpado com as mortes de bandidos, quando morre um deles, é um alarme só, e quando morre um chefe de família, um homem do bem, fica somente por isso. Espero ansiomente resposta para isso tudo, para que se tenha a bendita resposta e as punições dos mesmos.

    ResponderExcluir
  5. Só para lembrar, o Tenente João jamais reagiria a algum assalto, ele nem se quer teve direito de se defender, e pelo que se sabe, nada levaram dele.

    ResponderExcluir