segunda-feira, 21 de julho de 2014

Vítima de sequestro filma bandido durante ação

Um empreiteiro mineiro de 43 anos ficou em poder de um bandido armado durante cinco horas e percorreu 26 quilômetros nas duas avenidas mais movimentadas da Barra da Tijuca, com o criminoso em seu carro. O homem — que pediu para não ser identificado — foi abordado às 9h, quando entrava em seu carro, um Honda Fit, no estacionamento do supermercado Carrefour, na Avenida das Américas.
Somente às 14h, foi liberado pelo bandido — depois de ter passado por outros nove estacionamentos à procura de outras vítimas. Os últimos momentos do sequestro-relâmpago foram filmados pela vítima, com um celular escondido entre as pernas.
Vídeo mostra bandido dentro do carro da vítima
bandido dentro do carro da vítima
Nas imagens  (ASSISTA O VÍDEO  ) é possível ver o rosto do bandido e a arma, um revólver calibre .38, que ele usava, escondida numa bolsa preta. O vídeo foi feito quando a vítima e o criminoso estavam dentro do carro, no estacionamento do Hortifruti da Avenida das Américas, pouco depois das 14h. Sem ter conseguido sacar dinheiro com o cartão do empreiteiro, o bandido afirmou que só liberaria o homem se eles encontrassem outra vítima.
— Ele levou R$ 400 da minha carteira, mas não conseguiu tirar dinheiro com meu cartão, porque minha conta estava vazia. Então, percorremos vários outros estacionamentos em busca de uma vítima que estivesse sozinha — contou o empreiteiro.


Bandido esconde a arma momentos antes de abordar nova vítima
Bandido esconde a arma momentos antes de abordar nova vítima 
As imagens mostram o momento em que o bandido sai de um carro e entra no outro, um Pajero, com uma mulher no banco da frente. “Fica na moral. Só sai com o carro, o cara está comigo ali”, diz o bandido para a nova vítima. Logo após ser liberado, o empreiteiro registrou ocorrência na 16ª DP (Barra), que teve acesso às imagens e abriu inquérito para identificar o criminoso.
O empreiteiro ainda contou que só fez a filmagem por que achava que, sem o registro, o caso ficaria impune.
— Estava com medo de ele tentar me levar para casa. Tenho quatro filhos e só pensava neles enquanto dirigia. A partir de um momento, resolvi filmar escondido porque, se não fizesse, ninguém ia acreditar e não ia dar em nada. Isso não pode ficar impune — afirmou.
‘Odeio roubar pobre’
Em depoimento na 16ª DP, o empreiteiro contou que, no estacionamento da loja Macro, o bandido “tentou fazer um casal de vítimas, mas não obteve sucesso, pois a mulher saiu correndo e gritando”. Na ocasião, o homem tentou fugir, mas, com a arma em sua direção, voltou para o carro. O empreiteiro ainda contou que o bandido só decidiu liberá-lo porque viu que não havia muitos objetos de valor no carro.
— Quando ele viu meu relógio, disse: “Bota de bater laje e relógio porcaria? Odeio roubar pobre”. Aí, decidiu procurar outras vítimas — afirmou.
A segunda vítima também foi à 16ª DP, após ser liberada pelo criminoso no fim da tarde. Em depoimento, ela disse que o bandido ainda fez um saque com seu cartão antes de liberá-la.

Nenhum comentário:

Postar um comentário