domingo, 7 de setembro de 2014

Policial Militar é morto em Mesquita ao resistir a tentativa de assalto

Um policial militar do Batalhão da Praça da Harmonia foi morto a tiros, por volta das 21h de sexta-feira, em Mesquita, na Baixada Fluminense. O sargento José Henrique França Teixeira de Araújo, de 40 anos, estava de folga e sofreu uma tentativa de assalto em frente à sua casa, no bairro Vila Emil.
Segundo o 20º BPM (Mesquita), José Henrique, que era do 5º BPM (Praça da Harmonia) estava junto com a esposa e resistiu ao assalto, sendo atingido. Ele chegou a ser socorrido e levado para o Hospital das Clínicas, no Centro, mas não resistiu.
Segundo a Polícia Civil do Rio, a Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) instaurou inquérito policial para identificar a autoria do homicídio. A perícia foi feita no local e no veículo do policial. A esposa do PM foi ouvida na especializada, e os agentes recolheram imagens de câmeras de segurança na região para análise. Outros procedimentos estão em andamento para apurar o crime.

5 comentários:

  1. Mais um que se foi...até quando isso vai? a polícia tinha que ter liberdade pra aniquilar esses vagabundos!

    ResponderExcluir
  2. “…É graças aos soldados, e não aos sacerdotes, que podemos ter a religião que desejamos. É graças aos soldados, e não aos jornalistas, que temos liberdade de imprensa. É graças aos soldados, e não aos poetas, que podemos falar em público. É graças aos soldados, e não aos professores, que existe liberdade de ensino. É graças aos soldados, e não aos advogados, que existe o direito a um julgamento justo. É graças aos soldados, e não aos políticos, que podemos votar…” BARACK OBAMA no MEMORIAL DAY (Dia do Veterano) 20 de junho de 2011

    ResponderExcluir
  3. Um Policial Militar sendo morto é um fato muito grave, algo que não pode ser tolerado pelo Governo do Estado!

    ResponderExcluir
  4. Um guarda civil de 35 anos foi morto por policiais militares que o confundiram com um assaltante na noite de sábado, 6, em Itaquaquecetuba. Roberto Carlos Ribeiro dos Santos estava sem farda quando foi baleado e morreu no Pronto Atendimento do Hospital Santa Marcelina, zona leste, para onde foi encaminhado.

    Segundo o boletim de ocorrência, Santos havia trabalhado em um evento cultural na Câmara Municipal da cidade e, ao sair para a rua, já sem a farda, percebeu um assalto a poucos metros. O guarda chamou então um colega fardado para acompanhá-lo na perseguição dos suspeitos. Na Rua Machado, Vila Virgínia, a vítima do roubo indicou a direção dos criminosos, para onde os guardas se dirigiram.

    Policiais militares da 2ª Companhia do 34° Batalhão (de SP) também foram chamados para atender à ocorrência. Ao avistarem Santos, de arma em punho, os PMs atiraram. Os bandidos fugiram. Socorrido ao hospital, Santos não resistiu.

    ResponderExcluir
  5. Policial de folga jamais deve se envolver em ocorrência que não lhe diga respeito. Não tem essa que sou policial e, portanto, tenho o dever de agir. Isso é balela, história da carochinha. Já vi várias vezes PMs serem mortos por outro, porque se envolvem em ocorrências quando estão de folga e são confundidos com marginais.
    Sabe quem vai cuidar de sua família, herói? Ninguém. Vão morrer de fome. Herói só para minha família, o resto, liga 190, se quiser, se não, problema é seu.

    ResponderExcluir