segunda-feira, 31 de março de 2014

Polícia Federal prende mulher de Nem e cinco PMs da UPP da Rocinha


Cinco policiais militares da  UPP  da Rocinha e a mulher do traficante Antonio Bonfim Lopes, o Nem, foram presos na manhã de hoje pela Polícia Federal, no Rio e em Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul. Quatro PMs faziam parte do Grupo Tático de Proximidade (GTPP) — grupo responsável por patrulhar a região em busca de armas e drogas — e o último fazia parte do Setor de Inteligência. A operação contou com apoio da Secretaria estadual de Segurança Pública.
A mulher do traficante Nem, Danúbia de Souza Rangel, foi presa em sua residência, no Mato Grosso do Sul, e sua função era repassar as orientações do chefe do bando preso para os demais membros da quadrilha na comunidade. A Delegacia de Repressão a Entorpecentes da PF (DRE), responsável pela operação, já está tomando as providências para solicitar a sua transferência para o Rio de Janeiro.
A investigação relaciona os policiais militares à organização criminosa. Eles respondem por tráfico de drogas e associação para o tráfico, e seriam responsáveis por repassar ao grupo informações sobre investigações e futuras operações. Foram realizadas buscas nos armários dos PMs na sede da UPP Rocinha.
No domingo (30), a PF prendeu  outros suspeitos de integrar a quadrilha de Menor P. Entre eles, estão a ex-namorada Daiana Rodrigues, o sargento PM Luiz Cláudio Holanda Marques Lotado no 5º Batalhão (Praça da Harmonia) e o ex-agente penitenciário Luciano Fagundes Pinheiro.

PM é ferido em tentativa de assalto


Um policial militar à paisana ficou ferido depois de sofrer uma tentativa de assalto no Centro de Itaguaí, na Baixada Fluminense, na manhã desta segunda-feira. Segundo informações do 24º BPM (Queimados), o PM, lotado no Gabinete do Comando Geral (GCG), reagiu depois de ser abordado por dois homens. No confronto, ele conseguiu balear um suspeito, que morreu no local.
O policial foi socorrido para o Hospital São Francisco Xavier. Foram apreendidos uma pistola calibre 40mm e um carro usado pelos bandidos.

PMs são baleados durante patrulha no Alemão

Um tiroteio na comunidade Nova Brasília, no Complexo do Alemão, deixou dois policiais militares feridos na madrugada desta segunda-feira, 31 de março. Os soldados feridos foram identificados como Gustavo Cordeiro, de 28 anos, que foi baleado no rosto, e Moura, atingido no braço.
Gustavo Cordeiro foi encaminhado para o Hospital Getúlio Vargas, na Penha, na Zona Norte do Rio. Os médicos informaram que a bala ficou alojada no pescoço do soldado. Moura também foi socorrido e já recebeu alta.
Os dois PMs que ficaram feridos são lotados na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Jacarezinho e tinham sido deslocados para patrulhar a região do Alemão. Era o primeiro dia em que eles trabalhavam na comunidade.

domingo, 30 de março de 2014

PMs ficaram a pé após o jogo



Recém-formados, PMs adidos ao 23ºBPM ficaram a pé após o jogo entre Flamengo e Cabofriense pela semi-final do Campeonato Carioca, realizado neste sábado, dia 29 de março, no Maracanã.

Os policiais, que trabalharam em apoio ao 4ºBPM, tiveram que pegar o metrô na volta para o batalhão pois o mesmo não tinha viaturas para buscá-los.

sábado, 29 de março de 2014

Dilma autoriza Forças Armadas a ocupar a favela da Maré

Correio do Brasil

A presidenta Dilma Rousseff divulgou, neste sábado, a assinatura de decreto que autoriza o emprego das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO) no Complexo da Maré, Zona Norte do Rio de Janeiro. Segundo o Palácio do Planalto, o decreto presidencial será publicado na edição da próxima segunda-feira do Diário Oficial da União (DOU). A GLO confere poder de polícia às Forças Armadas, isto é, autorização para patrulha, vistoria e prisões em flagrante.
Segundo o Ministério da Defesa, o período e o território de vigência da GLO, bem como o efetivo que será empregado na Maré, só serão divulgados após a publicação do decreto presidencial. Militares que participaram da preparação da ocupação, no entanto, dizem que o Exército entrará nas 16 favelas da Maré no próximo fim de semana. Na madrugada deste domingo, o complexo será ocupado por cerca de 1,2 mil homens da Polícia Militar, que terão o apoio de blindados da Marinha e de Veículos Aéreos Não Tripulados (Vants) da Força Aérea Brasileira (FAB) e da Polícia Federal.
Depois que o controle do território for retomado pelas forças de segurança, apenas a PM permanecerá na região, realizando operações de busca a traficantes, armas e drogas. No próximo fim de semana, os PMs serão substituídos pelos militares do Exército, que patrulharão as comunidades até o segundo semestre, quando serão implantadas Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) na região.
Poder de polícia
A Justiça do Rio expediu mandado de busca coletivo em duas favelas da Maré (Nova Holanda e Parque União) durante a ocupação do complexo, que terá início na madrugada deste domingo. A decisão da 39ª Vara Criminal se limitou a estas duas comunidades porque é resultado de um inquérito da Delegacia de Combate às Drogas (DCOD) da Polícia Civil que investiga, desde o início do ano, traficantes do Comando Vermelho que atuam na região.
Para evitar denúncias de abusos, a Justiça determinou que apenas delegados poderão entrar nas casas dos moradores para cumprimento do mandado de busca coletivo. Para isso, a Polícia Civil deve montar uma força-tarefa com 20 delegados, que deverão entrar nas duas favelas depois que a região for retomada pela PM e pela Marinha.
O Ministério Público Militar também planeja pedir à Justiça Militar a expedição de mandado de busca coletivo para permitir ao Exército vasculhar as residências de todas as 16 favelas da Maré, assim que o Exército entrar na região para substituir a PM. O mesmo ocorreu durante a ocupação dos complexos do Alemão e da Penha, em 2010.

sexta-feira, 28 de março de 2014

PM morre em assalto na zona norte do Rio

O sargento da Polícia Militar Mozart Soares da Cunha, de 41 anos, morreu na tarde desta sexta-feira (28) após ser baleado em um assalto em Coelho Neto, na zona norte do Rio. A suspeita é de que o PM, que estava à paisana, tenha tentado reagir à abordagem. Ele foi levado às pressas para o Hospital Carlos Chagas, mas morreu a caminho.
Cunha estava no carro dele, acompanhado por uma mulher quando sofreu o assalto. Após efetuarem o disparo, os bandidos teriam levado uma quantia em dinheiro que estava dentro do veículo. A mulher, que não teve o nome revelado, terá que prestar depoimento na Divisão de Homicídio, responsável pelas investigações.
O carro não foi roubado. Cunha trabalhava no Batalhão da Praça da Harmonia.

Vídeo mostra bando de chefão da Maré

Cerca de 25  traficantes foram flagrados circulando fortemente armados na comunidade da Serrinha,  onde há criminosos da mesma facção que comanda a venda de drogas no Complexo da Maré, também na zona norte. Segundo as investigações, o bando era chefiado pelo traficante Menor P, que não aparece nas imagens. O irmão dele, de apelido Zangado (que é mostrado em destaque na foto acima), foi apontado por militares como substituto de Menor P, que foi preso na quarta-feira (26).

JUIZ INOCENTA E ELOGIA POLICIAIS QUE MATARAM O "MATEMÁTICO"


O traficante AP foi preso por policiais da UPP do Andaraí

O traficante Fábio Oliveira da Silva, de 26 anos, conhecido como AP ou Apertadinho, foi preso na noite desta quinta-feira (27) por policiais da Unidade de Polícia Pacificadora do Andaraí.
Ao ser abordado, AP ofereceu R$10 mil aos policiais e prometeu mais R$5 mil por semana, caso eles deixassem de reprimir a venda de entorpecentes no Andaraí. Contra ele já existiam mais  de oito mandados de prisão expedidos. O caso está sendo registrado na 19º DP (Tijuca).

quinta-feira, 27 de março de 2014

Polícia combate o tráfico de drogas na Vila Vintém

POLICIAIS MILITARES SENDO HUMILHADOS



Retratação de ofensa a policial

A Editora O DIA vem por meio desta se retratar publicamente em razão da publicação de notícias jornalísticas equivocadas a respeito do policial militar Luis Carlos Melchíades, morador de Campos dos Goytacazes e então lotado no 8º Batalhão de Polícia Militar. As reportagens foram divulgadas nos dias 17 de março e 15 de abril de 1994, apontando-o como uma das pessoas supostamente envolvidas em um grupo de extermínio que agia na cidade.
A primeira reportagem foi publicada em uma quinta-feira, sob o título "Testemunha depõe e acusa exterminadores" A segunda saiu em uma terça-feira, com o título "Suspeitos de extermínio serão interrogados hoje" As duas reportagens foram contestadas judicialmente por Luis Carlos Melchíades. A Justiça deu ganho de causa a ele e condenou a ré, Editora O DIA, a fazer publicar em seu jornal, no mesmo tamanho das matérias ofensivas à honra do autor e nos mesmos dias da semana em que foram publicadas, retratação da ofensa perpetrada.
Segundo o policial, na lista dos acusados de envolvimento no grupo citada na reportagem, o seu nome apareceu ligado ao vulgo "Cacau" que seria o apelido de outro PM. Ele afirmou que devido ao noticiado foi excluído da Polícia Militar do Rio de Janeiro, ficando afastado da corporação por cinco anos, inviabilizando suas aspirações em prosseguir na carreira militar.
Luis Carlos Melquíades não chegou a ser indiciado ou denunciado pela Justiça, jamais tendo respondido por crime de formação de quadrilha ou homicídio. Ele foi reintegrado à PM por meio de processo administrativo, em decisão publicada em 28 de novembro de 2000 no Boletim da PMERJ.
1858

PM é morto em tentativa de assalto em Itaboraí

O policial militar Douglas Alves dos Santos, lotado no Batalhão de Choque, foi morto a tiros em uma suposta tentativa de assalto, no fim da noite desta quarta-feira, no bairro Ampliação, em Itaboraí.
De acordo com o 35º BPM (Itaboraí), o policial estava de folga e foi abordado por ocupantes de um Astra prata, por volta das 23h30, quando passava de moto pela Avenida Amélia Saraiva. Ele teria reagido e foi baleado. O PM morreu no local.
A Divisão de Homicídios de Niterói e São Gonçalo investiga o crime.

quarta-feira, 26 de março de 2014

Menor P foi preso em Jacarepaguá


O traficante Marcelo Santos das Dores, conhecido como Menor P, foi preso na noite desta quarta-feira (26), por agentes da Delegacia de Repressão a Entorpecentes da Polícia Federal. Ele é suspeito de chefiar o tráfico de drogas no Conjunto de Favelas da Maré, na Zona Norte do Rio, e de ter agredido o jogador Bernardo, do Vasco, por um envolvimento do meia com Daiane Rodrigues, que seria "namorada número 1" do criminoso.
A prisão foi um prédio de classe média alta de Jacarepaguá, na Zona Oeste da cidade. Não houve resistência.
Foragido da Justiça, o traficante tinha recompensa oferecida de R$ 2 mil, segundo o Disque-Denúncia. Além de tráfico de drogas e associação para o tráfico, a ficha criminal de Menor P tem na lista crimes como homicídio e torturas. Ele é suspeito também de ordenar esquartejamentos de ex-aliados e de participar da execução de um engenheiro que entrou por engano na favela.

Exército faz varredura em busca de armas e explosivos no Complexo da Maré



Homens do 1º Batalhão de Engenharia de Combate (Escola) do Exército do Rio de Janeiro, iniciaram, na manhã desta quarta-feira, uma operação de varredura da favela Nova Holanda, no Complexo da Maré. A região deve ser ocupada pelos militares já na semana que vem.
A equipe fará a detecção de objetos metálicos nas residências suspeitas de pertencer a traficantes daquela localidade. O grupo está munido de detectores de metal capazes de verificar a presença de armas e explosivos enterrados no solo a uma profundidade de até 30 centímetros.

— É possível localizar até uma agulha enterrada a esta distância — garante o capitão Rafael Machado, comandante do pelotão.

Carro sai de Manguinhos com 8 kg de maconha e é apreendido na Ponte


A Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu na madrugada desta quarta-feira um veículo de passeio, que trafegava pela Ponte Rio-Niterói, com cerca de 8 kg de maconha. De acordo com a PRF, o veículo saiu da favela de Manguinhos em direção à Região dos Lagos. A ação ocorreu por volta das 2h30, quando o carro estava na Praça do Pedágio.

Próximo passo do governo é a extinção dos serviços de saúde da Polícia Militar.

O Governo já extinguiu o Instituto de Infectologia São Sebastião, a rede Iaserj, o Hospital Anchieta e, já que o Hospital Central do Corpo de Bombeiros tem atendido muito mais a pacientes do SUS do que aos bombeiros militares, a informação que corre na Polícia Militar é de que o próximo passo é também a extinção dos serviços de saúde da Polícia Militar, a começar pelo Hospital Central, e que o Governo do Estado, assim como tem feito com os servidores civis e também com os bombeiros militares, vai promover a venda de planos de saúde.

Traficantes usam ilha em Maricá para esconder drogas

A Polícia Militar desvendou uma ilha inabitada na Lagoa do Boqueirão, em Maricá, utilizada por traficantes para esconder drogas. O local, além de servir como depósito para traficantes da comunidade Cocadinho, era utilizado para o refino de cocaína.
Em uma operação da PM, foram apreendidos dois quilos de pasta de cocaína, mil cápsulas do entorpecente e 45 quilos da maconha. O serviço reservado da Polícia Militar investiga a ligação do local com uma facção que domina parte do Complexo da Maré, na Zona Norte do Rio, que será ocupado pelo Exército.
A descoberta do uso do lugar por traficantes veio depois de denúncias anônimas de moradores e pescadores da região. Na segunda-feira, homens da 4ª Companhia de Maricá montaram uma operação de observação no local. No fim do dia, um barco foi avistado pelos policiais, que o interceptaram. Durante a ação, traficantes abandonaram a embarcação com as cápsulas de cocaína.
Depois da apreensão, os policiais foram à ilha em busca de mais drogas. Nesta terça-feira, com ajuda de cães farejadores do Batalhão de Ações com Cães (BAC) e homens do 12º BPM (Niterói), foram encontrados mais entorpecentes enterrados embaixo de bromélias.
A Polícia Militar descobriu que a droga que era refinada e endolada na Ilha do Boqueirão seria vendida em Maricá e municípios vizinhos. Um local que serviria de abrigo para traficantes foi destruído pelos policiais.

segunda-feira, 24 de março de 2014

Filho de Amarildo é detido por desacatar PMs na Rocinha

Emerson Gomes da Silva, de 21 anos, estava aparentemente ALCOOLIZADO


Viúva do Amarildo xingando PMs na Rocinha. Isso a mídia não mostra!

domingo, 23 de março de 2014

Policial reage a assalto e mata bandido

Uma tentativa de assalto terminou em troca de tiros no fim da tarde deste domingo  na Avenida dos Italianos, em Coelho Neto.. De acordo com o plantão da Polícia Militar, um policial aposentado conduzia um carro particular quando foi surpreendido por dois criminosos armados. O policial reagiu à abordagem, dando início a uma troca de tiros. Um dos suspeitos morreu, segundo a PM.
Segundo a PM, o policial, cuja identidade não foi informada, dirigia um Siena de cor branca. A dupla que o abordou anunciou assalto e o militar atirou. Na troca de tiros, um dos criminosos foi baleado e morreu antes da chegada de socorro médico. O outro conseguiu fugir levando o carro do policial. No entanto, ele perdeu o controle da direção do veículo, que caiu em um buraco aberto na via.

Sorteio de Viaturas

Bol PM nº. 052 - 21 Mar 2014
DECRETO Nº 44.678, DE 20 DE MARÇO DE 2014
REGULAMENTA A LEI Nº 6.658, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2013, DISPONDO SOBRE OS
CRITÉRIOS PARA A PARTICIPAÇÃO DE POLICIAIS MILITARES NO SORTEIO DOS BENS MÓVEIS DOADOS PELO ESTADO, MENCIONADOS NO ARTIGO 1º DA CITADA LEI, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.
O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, tendo em vista o que constado Processo nº E-09/074/16/2014,
CONSIDERANDO:
- a necessidade de regulamentar e definir critérios para a realização do sorteio previsto na Lei nº 6.658, de 26 de dezembro de 2013;
- que a política de segurança pública desenvolvida no Estado do Rio de Janeiro tem por objetivo valorizar o efetivo da PMERJ que vem continuamente trabalhando para o bem social da população; e,
- que a proposta facilitará o acesso ao veículo próprio pelos policiais militares, oferecendo-lhes um incentivo ao trabalho, devido ao cumprimento da árdua missão de combate à criminalidade e a garantia da ordem pública no Estado do Rio de Janeiro, bem como à sua permanência na instituição.
DECRETA:
Art. 1º - A participação dos policiais militares no sorteio de que trata a Lei nº 6.658, de 26 de dezembro de 2013, dependerá da atenção aos seguintes critérios:
I - ser praça da ativa;
II - estar, no mínimo, no comportamento BOM;
III - não se encontrar indiciado em inquérito policial ou policial militar, respondendo a processo judicial criminal ou respondendo a processo administrativo disciplinar;
IV - estar lotado e em efetivo serviço em organização policial militar, salvo os casos previsto nos artigos 62, 65, 67 e 133 da Lei nº 443, de 01 de julho de 1981;
V - estar lotado na organização policial militar, que terá viaturas sorteadas, por pelo menos 90 dias, a contar da data prevista para o sorteio;
VI - ostentar a condição apto sem restrição.
Art. 2º - O sorteio ocorrerá, de forma randômica e eletrônica, seguindo os seguintes critérios:
I -será realizado pela Loteria do Estado do Rio de Janeiro - LOTERJ;
II - divididos em lotes, sendo os lotes divididos por unidade;
III - os policiais militares somente concorrerão ao sorteio de acordo com os lotes de viaturas correspondentes a sua organização policial militar.
Art. 3º - O policial militar sorteado terá 10 (dez) dias úteis, após o sorteio, para confeccionar documento referente ao recebimento dobem ou sua recusa:
§ 1º - Caso o policial militar não se manifeste, no período previsto no caput deste artigo, será considerada a ocorrência de recusa tácita, sendo o bem reincorporado ao grupo de veículos, para fins de ser novamente sorteado dentre os demais policiais militares, ainda não contemplados.
§ 2º - No caso de recusa ou de recusa tácita o policial militar será considerado contemplado, para fins de participação em novo sorteio, conforme descrito no inciso I, do § 1º, do artigo 1º, da lei nº 6.658, de 26 de dezembro de 2013.
Art. 4º - Para o efetivo cumprimento das disposições deste Decreto, o Comandante Geral da PMERJ instituirá comissão que fiscalizará a fiel observância de seus dispositivos.
Parágrafo Único - Sem prejuízo da previsão do caput deste artigo, os Comandantes, Chefes e Diretores das Organizações Policiais Militares serão responsáveis pela estrita observância das normas contidas neste Decreto.
Art. 5º - O Comandante Geral da PMERJ editará os atos próprios à plena execução do presente Decreto, no âmbito de suas atribuições, no prazo de 30 (trinta) dias, contados de sua publicação.
Art. 6º - Este Decreto entrará em vigor na data de sua publicação.

Rio de Janeiro, 20 de março de 2014.

Reunião vai definir ocupação de comunidades no Rio

Agência Brasil 

 Uma reunião nesta segunda-feira (24), às 10h, no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC) definirá as ações que serão implementadas pela segurança pública do Rio no combate ao crime organizado, com a ocupação por tempo indeterminado, de várias comunidades do Rio, dominadas por facção criminosa que tem orquestrado os ataques às bases de Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs). 
No encontro, será definido o esquema de ocupação das comunidades. Vão participar da reunião o governador Sérgio Cabral; o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo; o chefe do Estado-Maior conjunto das Forças Armadas, general José Carlos de Nardi; o secretário de Segurança Pública do Rio, José Mariano Beltrame, além do comandante-geral da Polícia Militar (PM), coronel Luís Castro de Menezes, e o chefe de Polícia Civil, delegado Fernando Veloso.
Neste sábado (22), o porta-voz da PM, tenente-coronel Cláudio Costa, em vídeo, relatou as operações policiais que estão sendo feitas desde a noite da última sexta-feira (21) na capital fluminense.
Ele disse que as comunidades do Parque União e Nova Holanda, no conjunto de favelas da Maré, Complexo de Manguinhos, e os morros do Juramento e Juramentinho, em Vicente de Carvalho, Para Pedro, no bairro de Colégio, e Chapadão, em Costa Barros, ficarão ocupadas por tempo indeterminado.
Segundo o tenente-coronel Cláudio Costa, essas comunidades estão dominadas por uma determinada facção criminosa que vem atacando as Unidades de Polícia Pacificadora e que o governo não irá recuar na política de pacificação. Ele convocou a população a “ajudar no combate aos criminosos por meio de denúncias sobre localização de bandidos, armas e drogas”.



Resgate do capitão Gabriel de Toledo, comandante da UPP de Manguinhos

PM é baleado após tentativa de assalto em Barros Filho

O subtenente Gerson Figueira Bastos, de 52 anos, lotado no 4º Batalhão de Polícia Militar, em São Cristóvão, zona norte do Rio, foi baleado durante uma tentativa de assalto em Barros Filho, também na zona norte.O policial, que estava de folga, levou um tiro na barriga quando passava de carro pelo bairro acompanhado pela mulher.
Segundo informou a assessoria de imprensa da Polícia MIlitar, o estado de saúde dele é estável. Ele foi transferido para o Hospital Central da Polícia Militar.

Policial acuado no orelhão



20 DE OUTUBRO DE 2000 - Policial acuado no orelhão - Prêmio de Jornalismo Rey de España de 2001 — Fotografia

 
O sábado 20 de outubro de 2000 foi um dia de confrontos no Rio entre moradores de duas favelas e a polícia. Nos dois casos, as comunidades reagiam contra ações policiais, acusando-os de praticar arbitrariedades nas comunidades. Enquanto em Copacabana cerca de cem pessoas desciam do Morro do Cantagalo até a Avenida Atlântica, tentando linchar um motorista que havia atropelado um menino, no Centro a violência foi ainda maior.
Em protesto contra uma operação policial, moradores do Morro da Providência incendiaram um ônibus e apedrejaram outros três, além de veículos em geral que passavam pelo Viaduto São Sebastião. O fotógrafo Marcelo Sayão, na cobertura da manifestação no Centro, captou o momento em que um policial militar era acuado num orelhão por crianças, uma delas ameaçando atirar-lhe um tijolo.
A cena dramática, publicada na primeira página do dia 21 de outubro de 2000, ganhou o Prêmio Internacional de Jornalismo Rey de España do ano seguinte.

sábado, 22 de março de 2014

Motoqueiro isenta PMs e diz que viu menor abrir caçamba da viatura

Uma testemunha que prestou depoimento quinta-feira na 29ª DP (Madureira) contou que viu um adolescente abrir a fechadura da caçamba da viatura que “socorreu” a auxiliar de serviços gerais Cláudia da Silva Ferreira, de 38 anos. Vítima de um tiro que atravessou seu coração durante suposto confronto entre PMs e traficantes, no Morro da Congonha, em Madureira, a mulher caiu da caçamba do carro e foi arrastada por 350 metros.
Em depoimento, essa testemunha, um homem que mora em Itaguaí, disse que foi à comunidade sozinho no último domingo para resgatar sua moto, que fora roubada. Ele falou que chegou pouco antes do tiroteio e ficou em uma padaria. Em seguida, ele teria visto moradores seguindo a viatura que entrou na comunidade e, apesar do clima tenso e não ser morador, foi ver o que acontecia.
A testemunha afirma que viu a viatura passar com a caçamba fechada e que um grupo de menores seguiu o carro a pé, de bicicleta e de moto. Um rapaz negro, que, segundo o motoqueiro, seria menor, teria mexido na fechadura quando a viatura parou para pegar a rua principal de saída da favela.
O homem relatou ainda que, depois disso, viu a tampa da mala abrir e fechar quando o carro se movimentou, mas que o motorista não viu. A testemunha não sabia que lá dentro havia uma pessoa. Ele alega não ter nenhuma ligação ou conhecer os policiais.

Uma testemunha confirma ter visto um adolescente destrancar o porta-malas da viatura.

Policial Militar do 14º BPM é morto em perseguição a assaltantes

FONTE: Rádio Tupi

Um policial militar do14º Batalhão, em Bangu, foi baleado, durante uma perseguição a dois suspeitos, na madrugada deste sábado. Os PMs desconfiaram da dupla que passava de moto pela Rua Pinto da Fonseca, em Magalhães Bastos, Zona Oeste do Rio, próximo à Favela Curral das Éguas. Durante a perseguição, os suspeitos atiraram contra a viatura. O sargento Maurício Pedro da Silva, de 44 anos, foi atingido no tórax. O militar foi levado para o Hospital Albert Schweitzer, em Realengo, mas não resistiu aos ferimentos e morreu. A ocorrência foi registrada na 33ª delegacia, também em Realengo. Os criminosos conseguiram fugir.


sexta-feira, 21 de março de 2014

Tenente-coronel pega 36 anos de prisão por morte da juíza Patrícia Acioli

O tenente-coronel Cláudio Luiz de Oliveira foi condenado, na madrugada desta sexta-feira (21), pelo 3° Tribunal do Júri de Niterói, na Região Metropolitana do Rio, a 36 anos de prisão em regime fechado pela morte da juíza Patrícia Acioli, em agosto de 2011. Além disso, o PM perderá o cargo, de acordo com a sentença.
O julgamento durou quase 20 horas, e o júri entendeu que o militar, acusado de ser o mandante do crime, "encomendou" o assassinato da magistrada.
Segundo a sentença, Cláudio Oliveira foi responsabilizado por homicídio doloso (quando há intenção de matar) triplamente qualificado (motivo torpe, mediante emboscada e para assegurar a impunidade de outros crimes). O tenente-coronel também foi condenado por crime de quadrilha armada.

Diz a sentença: "Foi fixada a pena total de 36 (trinta e seis) anos, sendo 30 (trinta) anos em razão do homicídio triplamente qualificado, e 6 (seis) anos em razão da quadrilha armada. Foi declarada a perda do cargo público de policial militar do acusado. Fixado o regime inicialmente fechado para cumprimento de ambas as penas".


QUANTOS AINDA TERÃO QUE MORRER?


O secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, garantiu nesta quinta-feira (13), após a ocupação da Vila Kennedy, que o programa das Unidades de Polícia Pacificadoras (UPPs) não está ameaçado e garantiu que os problemas se restrigem a apenas duas comunidades, que chamou de “megalópoles do crime”. Beltrame ainda classificou de terrorismo os ataques às UPPs e afirmou que não vai admitir que policiais continuem morrendo.

Sete favelas com UPP sofreram ataques em 2014
Reforço de tropas federais
Após os ataques de quinta-feira (20), o governo anunciou que vai enviar tropas federais para ajudar na segurança pública no Rio de Janeiro. O anúncio foi feito pelo governador e pelo ministro da Justiça, , após reunião com a presidente Dilma Rousseff no Palácio do Planalto.

O governador foi a Brasília na companhia do secretário de segurança do estado, José Mariano Beltrame, para pedir auxílio ao governo federal. O ministro e o governador não informaram quais serão as tropas federais que vão para o estado nem a quantidade de homens que serão enviados. De acordo com Cardozo, as informações são mantidas em sigilo por motivo de segurança.

"Que forças vão, onde vão atuar, como vão intervir, não vou responder. Questões de segurança pública são tratadas sigilosamente", afirmou o ministro.

quinta-feira, 20 de março de 2014

Comandante da UPP Manguinhos foi atingido por um tiro na perna durante uma ação na comunidade


O comandante da UPP de Manguinhos, Gabriel de Toledo, teria sido atingido por um tiro de raspão na coxa após um tumulto entre PMs e moradores da localidade, na noite desta quinta-feira. De acordo com as primeiras informações, um soldado levou uma pedrada na cabeça. Outras duas pessoas também teriam sido baleadas pelos PMs. Uma viatura foi apedrejada no Mandela e outras três incendiadas. O container da UPP Arará/Mandela foi incendiado durante o confronto. Por conta do incêndio, a comunidade ficou às escuras.
Os feridos foram encaminhados para o Hospital Geral de Bonsucesso e o capitão Gabriel Toledo está fora de perigo. A confusão teria começado após moradores de um prédio da 'Minha Casa, Minha Vida' terem atacado os policiais. Policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope) e do Batalhão de Choque (BPChq) foram acionados.
A Rua Leopoldo Bulhões foi interditada nos dois sentidos, entre a Dom Hélder Câmara e a região da Rua Uranos. Quem segue para Benfica, deve utilizar a Avenida Brasil. Há lentidão na região. A circulação no ramal de Saracuruna foi interrompida.
Devido aos incidentes desta noite, o Comando da PM colocou todos os quartéis de prontidão.

A base da UPP do Parque Arará, Avenida Carlos Matoso Correia, em Benfica, na mesma região, também foi incendiada. E outra unidade atacada por traficantes na noite desta quinta foi a da Camarista Méier. Bandidos atiraram contra o contêiner da UPP da favela, mas não há feridos.

Advogado diz que mulher foi colocada no porta-malas porque havia armas no banco da viatura

O advogado Jorge Carneiro, que representa o subtenente da Polícia Militar Rodney Miguel Arcanjo, disse ontem que seu cliente colocou Claudia da Silva Ferreira no porta-malas do carro porque o banco traseiro estava ocupado com fuzis e coletes à prova de bala. Juntamente com o subtenente Adir Serrano Machado e o sargento Alex Sandro da Silva Alves, Arcanjo foi preso, acusado de colocar a mulher baleada no porta-malas e arrastá-la quando ele se abriu.
"Os fuzis dos PMs e os coletes de balística estavam no banco traseiro. Eles não podiam, naquela pressa, colocar a moça em cima dos fuzis. Naquela hora, fazer o transporte do fuzil para a mala era perder tempo. E é um risco ficar mexendo com fuzil no meio da comunidade, com um monte de gente em volta", disse o advogado.
Durante o trajeto para o hospital, o porta-malas se abriu e Claudia foi arrastada por mais de 350 metros, em uma via de Madureira, depois de ser baleada no Morro da Congonha, no mesmo bairro. Segundo o advogado, os policiais nao se preocuparam em verificar se a porta estava fechada, porque queriam levá-la para o hospital o mais rápido possível.
"As pessoas da comunidade ficaram forçando para entrar na viatura, a fim de ir junto com ela para o hospital. A viatura não podia carregar ninguém. Eles estavam no afã  de salvar a dona Claudia. Eles queriam sair dali o mais rápido possível para levá-la para o hospital. Eles baixaram a tampa e pensaram: 'está fechada'. Só que no meio do caminho, com a sirene ligada, não deu para perceber que a tampa abriu", disse.
De acordo com Carneiro, os três policiais militares não participaram da operação policial, que terminou com a morte de Claudia e de um homem. O advogado explicou que eles foram chamados para dentro da comunidade apenas com o objetivo de socorrer a mulher. Acrescentou que seu cliente está "muito triste" com o desfecho do socorro.

Ano de eleição: Governador Sérgio Cabral usa a desgraça alheia como palanque eleitoral

Cabral informou que ajudará a família no processo indenizatório contra o Estado. 

O governador Sérgio Cabral prometeu ajudar no processo indenizatório da família de Cláudia da Silva, que foi colocada ferida na mala de uma viatura e depois teve o corpo arrastado pelo carro. Em reunião com os familiares e amigos da vítima no Palácio da Guanabara, Cabral pediu desculpas ao viúvo, Alexandre Fernandes da Silva, pela forma com que a auxiliar de serviços gerais foi tratada. Ele também ofereceu a inclusão no Programa de Proteção à Testemunha aos que prestarem depoimento no caso.

POLICIAIS E BOMBEIROS MILITARES TERÃO NOVO REGULAMENTO DISCIPLINAR

Está nas mãos do governador Sérgio Cabral o relatório final de uma comissão presidida pelo deputado estadual Flávio Bolsonaro (PP) sobre o novo código disciplinar da PM e do Corpo de Bombeiros. O documento, aprovado ontem na Alerj, propõe a substituição da prisão pela prestação de serviços em casos administrativos e mantém os salários dos policiais que forem afastados por cometer crimes.
Policial militar há 26 anos, o relator da proposta, o deputado estadual Iranildo Campos (PSD), pretende colocar a questão em debate no poder executivo. A expectativa dele é de ver resultados antes de do recesso de julho.
"Nós chegamos a esta conclusão com bombeiros e policiais de que deveríamos fazer uma proposta de um novo código de disciplina para os militares do Estado do Rio. Os regulamentos anteriores são datados da década de 1980. Nós queremos provocar o poder executivo a tratar do tema", explicou o deputado, que negou que haja corporativismo na formulação do relatório.
A sessão foi acompanhada por PMs e bombeiros. O presidente da comissão também destacou a necessidade da reforma.
"Estamos buscando resolver situações esdrúxulas. Hoje, pelo estatuto, um militar que contrai dívida superior à sua capacidade de honrá-la pode ser preso por até 30 dias", comentou Bolsonaro.

Dois PMs baleados em tiroteio no Complexo do Alemão

Dois policiais militares da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Complexo do Alemão foram baleados durante um tiroteio na comunidade, na madrugada desta quinta-feira. O confronto teria acontecido num campo de futebol na localidade de Areal.
De acordo com a PM, durante um patrulhamento, os policiais foram surpreendidos por um grupo de cerca de 15 traficantes. Após o confronto, policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope), que estão reforçando a segurança na região desde a última semana, realizaram buscas para prender os bandidos.
Os dois policiais, que foram atingidos de raspão, foram levados para o Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), no Estácio. A ocorrência foi registrada na 22ª DP (Penha).

MP aceita pedido de liberdade de PMs presos por arrastar mulher em Madureira

O Ministério Público aceitou o pedido de liberdade feito pela defesa dos três policiais que estavam no carro que a arrastou mulher após ela ter sido  no Morro da Congonha. Os subtenentes Rodney Miguel Archanjo e Adir Serrano Machado e o sargento Alex Sandro da Silva Alves.  Nesta quarta, eles prestaram depoimento na 29ª DP (Madureira). De acordo com o promotor Paulo Roberto Mello Cunha, da Auditoria da Justiça Militar Estadual, ainda não há elementos suficientes para fazer uma denúncia que mantenha os acusados na cadeia. Caberá agora ao juízo da Auditoria Militar dar a palavra final. 


Deputado defende policiais presos no caso da mulher arrastada no Rio
Para o deputado Flávio Bolsonaro (PP), presidente da comissão que elaborou a proposta do novo código, os policiais não deveriam estar em Bangu 8, porque o “complexo de Gericinó é para criminosos”:
— Eles estão presos lá contra a legislação. Deveriam estar em uma unidade militar. Somente ontem eles foram ouvidos, e já estão presos há alguns dias. Querem exigir que esse profissional cumpra a legislação, enquanto ele é tratado de forma ilegal.

Leia a reportagem aqui

terça-feira, 18 de março de 2014

Traficantes são encontrados mortos dentro de carro em Senador Camará

Para especialista, ambulância deveria acompanhar operações policiais

 O ex-secretário nacional de Segurança Pública coronel José Vicente afirmou nesta terça-feira (18), em entrevista à rádio "CBN", que o transporte de feridos em confrontos não deveria ser feito pela Polícia Militar, e sim por ambulâncias. O especialista comentava a morte de uma mulher após ser baleada durante um tiroteio na comunidade da Congonha, na zona norte do Rio de Janeiro, e arrastada por um carro da polícia a caminho do hospital.
"O transporte tem que ser adequado, com paramédicos treinados. É um atendimento que corresponda a demandas de cidadania", disse. "Se a Polícia Militar não coloca a mão em feridos de trânsito, por que vai fazer isso em feridos a bala? (...) Ter uma ambulância nas proximidades durante uma operação é imprescindível."
O coronel lembrou a resolução estadual em São Paulo que proíbe a policiais o primeiro atendimento a vítimas de crimes ou de confrontos com a polícia. É obrigatória a preservação do local de ocorrência policial, até a chegada da perícia, ressalvada a intervenção por atendimento médico especializado ao socorro às vitimas de crimes como lesão corporal, tentativa de homicídio ou tentativa de suicídio.
"Isso acabou afetando uma queda em torno de 40% da letalidade policial no Estado de São Paulo. Foi uma medida boa pra todo mundo. Não tem sentido transportar presos nem feridos no camburão", afirmou o especialista em segurança pública.
Para José Vicente, os problemas da Polícia Militar são institucionais, e é preciso uma reformulação na estrutura da corporação. "Não se pode deixar que esses problemas vão se acumulando, e sempre culpando os policiais que erraram. É necessário ver onde estão os erros institucionais, porque a partir dali é que se sucedem os erros individuais."

O tenente-coronel Djalma Beltrami foi absolvido


 O tenente-coronel Djalma Beltrami foi absolvido, em processo na 2ª Vara Criminal de São Pedro da Aldeia, dos crimes de tráfico e associação para o tráfico. Beltrami era acusado de receber propina de traficantes do Morro da Coruja, em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio, quando era comandante do 7º BPM (Alcântara), para não reprimir o trafico de drogas na comunidade. Na sentença, o juiz Marcio da Costa Dantas afirma que não há provas suficientes para condenar o coronel.
“Até antes da prova de defesa e do interrogatório do coronel Djalma Beltrami, estava este julgador convencido da existência de fortes indícios acerca da culpabilidade do mesmo, no entanto, devo admitir que agora, em muitos pontos da imputação, a dúvida me tomou de assalto”, afirmou o magistrado em sua decisão, do último dia 11.
Na mesma sentença, foram condenados outros quatro acusados - Fábio Guilherme Macedo, Everton Barreto Guimarães, Leonardo da Costa e Felipe dos Santos - por tráfico e associação para o tráfico. Em junho do ano passado, o juiz Marcio da Costa Dantas já havia condenado, no mesmo processo, 11 PMs e outras treze pessoas ligadas ao tráfico. Beltrami foi o único absolvido na ação.
Ainda de acordo com a sentença, testemunhas de defesa do tenente-coronel, entre elas o ex-comandante geral da PM, Erir Ribeiro, disseram, em depoimento, que o oficial sempre foi severo com seus comandados, nunca tendo notícias sobre a desonestidade do mesmo.
“Todas as testemunhas de defesa demonstraram um perfil pessoal do acusado Djalma totalmente diferente daquele exteriorizado pela prova dos autos, não sendo razoável que os órgãos de inteligência, o Ministério Público e a Magistratura não tenham captado alguma menção sobre o envolvimento de um coronel da PM com atividades ilícitas nos anos anteriores a 2011”, afirmou O juiz.


segunda-feira, 17 de março de 2014

ATO PROTESTA CONTRA MORTE DE POLICIAIS



Ato público de solidariedade aos familiares dos policiais militares do Rio de Janeiro que foram assassinados em serviço, promovido pela ONG rio de Paz na Cinelândia

Uma moradora do Morro da Congonha foi baleada, ela foi socorrida pelos policiais e no caminho para o Hospital o porta-malas da viatura se abriu e o corpo da moradora foi arrastado.


Eram cerca de 9h desse domingo, quando uma viatura do 9º BPM (Rocha Miranda) descia a Estrada Intendente Magalhães, no sentido Marechal Hermes, na Zona Norte do Rio, com o porta-malas aberto. Depois de rolar lá de dentro e ficar pendurado no para-choque do veículo apenas por um pedaço de roupa, o corpo de uma mulher foi arrastado por cerca de 250 metros, batendo contra o asfalto conforme o veículo fazia ultrapassagens. Apesar de alertados por pedestres e motoristas, os PMs não pararam. Um cinegrafista amador que passava pelo local registrou a cena num vídeo.
A mulher arrastada era Claudia Silva Ferreira, de 38 anos, baleada durante uma troca de tiros entre policiais do 9º BPM e traficantes do Morro da Congonha, em Madureira. Em depoimento à Polícia Civil, os PMs disseram que a mulher foi socorrida por eles ainda com vida, e levada para o Hospital Carlos Chagas, em Marechal Hermes, mas não resistiu. Já a secretaria Estadual de Saúde informou que a paciente já chegou à unidade morta. Ela levou um tiro no pescoço e outro nas costas.

Suposto homem que matou o Subcomandante de UPP, é encontrado morto.


O Tenente Leidson Acássio Alvez de 27 anos, Subcomandante de UPP, foi morto com um tiro na testa quando fazia uma patrulha no conjunto de favelas da Penha, Subúrbio do Rio. Momentos após o crime, um homem conhecido como “Timbalzinho Da Penha”, comemorou a morte do Subcomandante Leidson publicando em uma rede social uma foto onde Leidson foi morto. 


Um homem ainda não identificado, foi encontrado morto em sua residência. Segundo relatos que circulam nas redes sociais,o homem que foi encontrado morto, seria de “Timbalzinho Da Penha”.
A Policia ainda investiga se o corpo encontrado é de “Timbalzinho Da Penha” e se teria participado da morte do Subcomandante e o motivo de sua morte.




domingo, 16 de março de 2014

Comandante do Bope deixa o cargo

O tenente-coronel Fábio Souza deixou o cargo de comandante do Batalhão de Operações Especiais (Bope), a tropa de elite da Polícia Militar do Rio. A saída foi confirmada pela PM, que atribuiu a mudança a uma "estratégia de comando da corporação" e afirmou que Souza vai ocupar outro cargo, ainda não divulgado. O nome de seu substituto também não foi anunciado ainda.
Um boato de que a mudança teria ocorrido por conta de críticas supostamente feitas por Souza por meio de redes sociais ao comandante-geral da PM, José Luis Castro Menezes, foi negado pela PM, que divulgou nota afirmando que "o comandante (...) não tem conhecimento de que o tenente-coronel Fábio Souza o teria criticado em redes sociais".

Bandidos fazem disparos contra carro de policial

O soldado Michel Robert Moss, de 32 anos, lotado no12ºBPM (Niterói), foi atacado a tiros, ontem pela manhã, no Colubandê, em São Gonçalo, depois de ter seu carro seguido por ocupantes de outro veículo na RJ-104, desde o Jardim Catarina. O policial não ficou ferido, mas conseguiu escapar dos criminosos ao fazer manobra brusca, chegando a bater em outro carro. Nesse momento, os bandidos fizeram pelo menos quatro disparos.
O PM, que é morador de Rio Bonito, seguia para o trabalho na 6ª Companhia Destacada da PM, em Pendotiba, dirigindo seu Uno. Na altura do Jardim Catarina, percebeu que estava sendo seguido. Para ter certeza do que ocorria, o PM fez diversas manobras.
O caso foi registrado na 74ªDP (Alcântara), onde o PM foi ouvido.  A ação dos criminosos pode estar ligada à alguma rixa pessoal do PM, mas também pode ter ligação com a onda de ataques a policiais das UPPs.

sábado, 15 de março de 2014

Policial é ferido durante operação na Vila Aliança


Um policial militar ficou ferido hoje (15) ao levar três tiros, durante uma operação na comunidade da Vila Aliança, na zona oeste do Rio. Segundo a assessoria de imprensa da Polícia Militar (PM), foram dois tiros de raspão, um na perna e outro no braço, e um terceiro no colete.
O sargento Pires, em uma das troca de tiros, foi atingido no braço e na cabeça, de raspão. Ele foi medicado e não corre perigo de vida. Ele foi encaminhado ao Hospital Albert Schweitzer, em Realengo, e passa bem. Segundo a PM, o tiroteio ocorreu depois que policiais do Batalhão de Bangu tentavam fazer uma incursão na comunidade da Vila Aliança. O objetivo era fazer prisões e apreensões de drogas e armas na favela, que é vizinha à Vila Kennedy, ocupada pela PM na última quinta-feira (13) para a instalação de uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP).
Desde quinta-feira, a Polícia Militar vem fazendo ações na Vila Aliança, para evitar que criminosos dessa comunidade prejudiquem o trabalho de ocupação da Vila Kennedy. Depois que o policial foi ferido, no entanto, a PM suspendeu por hoje as ações na Vila Aliança.

Dois PMs são mortos na madrugada e manhã deste sábado

Dois policiais militares foram assassinados na madrugada e manhã deste sábado (15). Em Cordovil, zona norte, o soldado Leonardo Nascimento, de 27 anos, foi morto após ser reconhecido como policial por três criminosos, na rua Tenente Palestrini. Ele era lotado na UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) da Rocinha. O crime aconteceu quando o policial voltava de uma festa com um grupo de amigos.
Na madrugada, outro policial militar foi morto após abordar um bando que tentava arrombar um caixa eletrônico, na rodovia Washington Luís, altura de Santa Cruz da Serra. O crime ocorreu por volta de 1h30.
O cabo Alexandre da Costa Pereira, de 35 anos, chegou a ser levado para o hospital das Clínicas Saracuruna, mas não resistiu.

sexta-feira, 14 de março de 2014

O tenente-coronel João Jacques Busnello é o novo comandante do BEP


Oitavo oficial a assumir a direção do BEP nos últimos cinco anos, quase sempre após denúncias de irregularidades, o tenente-coronel João Jacques Busnello terá a difícil missão de tentar, enfim, moralizar a unidade prisional da PM. O nome do novo diretor, ex-subcomandante do Bope, foi confirmado nesta quinta-feira pelo comandante-geral da corporação, coronel José Luís Castro Menezes, que definiu o “perfil firme” de Busnello como importante na hora da escolha.
O coronel Luís Castro também divulgou mudanças na rotina do presídio, numa tentativa de dar fim às constantes regalias para detentos, que vão do uso de ar-condicionado e internet à saída indiscriminada de policiais presos. A promessa é realizar uma inspeção surpresa na unidade por mês, com apoio do Batalhão de Choque e presença do Ministério Público.
Será feito ainda um rodízio entre tenentes e capitães das delegacias de Polícia Judiciária Militar (DPJM) para atuar como oficial de dia no BEP. Com isso, o posto não vai mais ser ocupado por integrantes da própria unidade prisional.
Por fim, o coronel anunciou que o ex-diretor, o tenente-coronel Ari Jorge Alves dos Santos, será transferido para a Diretoria Geral de Pessoal — a “geladeira” da corporação. Com ele, vão dois oficiais citados na denúncia que revelou regalias e motivou a inspeção do carnaval: o capitão Hudson Paulo de Melo Souza, ex-chefe da P2; e o capitão Antônio Carlos Cravo Júnior, da P4.

Policiais da UPP da Rocinha são atacados a tiros


Policiais da UPP da Rocinha, foram alvos de tiros de traficantes na localidade conhecida como Terreirão, no alto da comunidade, na manhã desta sexta-feira. A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa das UPPs, que informou não haver registro de feridos.
Segundo nota enviada pela assessoria, o confronto foi por volta das 9h. “Uma equipe policial estava em policiamento pela localidade conhecida como subida do Terreirão, quando encontrou marginais armados que atiraram contra os agentes. Os policiais revidaram e os bandidos fugiram.”

SUBCOMANDANTE DA UPP VILA CRUZEIRO É MORTO DURANTE PATRULHA


O subcomandante da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Vila Cruzeiro morreu depois de ser baleado na cabeça no Parque Proletário, no Complexo da Penha, Zona Norte, na noite desta quinta-feira. De acordo com policiais militares que faziam o patrulhamento da região, bandidos fizeram quatro ataques a PM em pontos distintos do local. Na Rua 10, o tenente Leidson Acácio Alves, de 27 anos, foi atingido na testa. Ele ainda foi levado para o Hospital estadual Getúlio Vargas, na Penha, mas não resistiu aos ferimentos e morreu, depois de passar por uma cirurgia.
Segundo os PMs, os ataques começaram por volta de 22h30m. Em um deles, Leidson e mais sete policiais participavam de uma incursão no alto da comunidade, quando foram surpreendidos por um grupo de bandidos na Rua 10. Também foram registrados ataques na Rua 12 e no container da UPP do Parque Proletário. Por conta do tiroteio, os policiais tiveram que se esconder em casas na via. Caído no chão, o subcomandante só foi socorrido depois cerca de 30 minutos, depois que outra equipe fez a escolta para a ambulância do Corpo de Bombeiros.


quinta-feira, 13 de março de 2014

DENÚNCIA : ESCALADOS NA 2ª FOLGA E SEM REMUNERAÇÃO


ONTEM NA ALERJ
Existe um decreto, que eu não pesquisei ainda qual decreto seria, mas existe, que diz que o policial militar não pode mais tirar serviços extras que não seja remunerado (RAS). Pois bem: fomos escalados no serviço de apoio ao 5ºBPM (Praça da Harmonia) na nossa segunda folga  (12/03/2014), tendo que chegar as 11:30hs no Batalhão e não tendo hora de saída, pois isso dependeria do desenrolar da manifestação, sendo que no dia seguinte (13/03/2014), teríamos que assumir os nossos respectivos serviços ordinários, uns policiais as seis e outros as sete da manhã em nossa OPM. Na escala, no mural do Batalhão, está bem explícito que o serviço não é remunerado. Policiais de outros Batalhões, que ali se encontravam em apoio ao 5ºBPM, se encontravam escalados em seus respectivos serviços ordinários, sendo respeitados por seu superiores que não os escalaram de serviço extra, ao contrário do nosso efetivo que se encontravam escalados na segunda folga. Estamos todos indignados com tamanha arbitrariedade por conta do nossos superiores, que se acham acima de qualquer decreto e não respeitam os nossos direitos. 
Não é justo servir e proteger mesmo sem receber. Alguma atitude deve tomada, pois  isso não pode se tornar uma constante na nossa corporação, e que os nossos direitos sejam respeitados, para que possamos servir a sociedade com grande satisfação e oferecer um serviço de qualidade. 
Sou o policial do 27ºBPM (Santa Cruz) 

Policia Federal pode fazer greve durante a Copa


TRAFICANTES DEIXAM MENOR FERIDO EM FRENTE À UNIVERSIDADE

Traficantes do Morro Azul, no Flamengo, Zona Sul do Rio, balearam um jovem por volta das 21h desta quarta-feira no alto da comunidade. A vítima, que seria menor de idade, foi encontrada por PMs do 2º BPM (Botafogo) na  rua  Pinheiro Machado, em frente à Universidade Santa Úrsula, em Laranjeiras.
Segundo o serviço do batalhão, ele foi levado até lá, a cerca de 200m do Palácio Guanabara, por traficantes da favela. O jovem, que tem uma anotação criminal por  roubo, foi levado para o Hospital Souza Aguiar, no Centro.


terça-feira, 11 de março de 2014

Vídeo mostra PMs sendo agredidos por criminosos na Rocinha

O flagrante foi feito no dia 25 de dezembro de 2013. Depois de uma apreensão de uma mochila, com armas e drogas, uma equipe da Polícia Militar foi cercada por vários homens. Havia muita discussão, mas os PMs não reagiram. Um homem jogou dois tijolos no carro da UPP. Em seguida, empurrou e chutou um policial. O PM tentou prendê-lo, mas foi contido por uma pessoa. Um rapaz de camisa verde escura atingiu o carro com uma pá de lixo. Foram oito golpes, que quebram os vidros traseiro e lateral. Um rapaz bateu na viatura com um cabo de vassoura e mais tijolos acertam o carro.  

Manifestantes protestam contra prisões no Alemão

.

Moradores da Favela da Grota fizeram, na noite desta terça-feira, protesto contra prisões que ocorreram na Favela Nova Brasilía, ambas no Complexo do Alemão, ontem  (segunda-feira). Segundo eles, as ações dos policiais foram injustas e inocentes teriam sido capturados. Policiais militares acompanham o ato, que fecha a Estrada do Itararé.
Agentes cumprem mandados na Nova Brasília
Policiais da 45ª DP (Complexo do Alemão), com o apoio de agentes da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), realizam na manhã de ontem (segunda-feira) uma operação na Nova Brasília, no Complexo do Alemão. O objetivo da ação era cumprir 14 mandados de prisão. Seis suspeitos já foram presos e um menor apreendido.
Entre os suspeitos presos está Marcondes Gomes de Oliveira, morador da Nova Brasília, que trabalhava como segurança do Teleférico do Alemão e que, ao mesmo tempo, atuava como olheiro do tráfico. Segundo informações da polícia, no telefone celular do suspeito havia mensagens de traficantes.

Policiais federais fazem protesto na Praça Mauá

Agentes, escrivães e papiloscopistas da Polícia Federal em vários estados do país, incluindo o Rio de Janeiro, fazem paralisação a partir desta terça até quinta (13), de acordo com a Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef).
As datas seguem o Calendário de Mobilização da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), tendo como tema "Segurança Pública Padrão FIFA". No Rio, policiais têm realizado apitaços, algemaços e distribuído "cartões vermelhos" no atos. A ideia é chamar a atenção da população para os protestos que buscam melhores condições de trabalho.
"A principal preocupação do movimento é com as nossas condições de trabalho, pois falta efetivo, e as funções que deveriam ser exercidas pela Polícia Federal passam a ser delegadas a terceirizados. Precisamos chamar a atenção do governo para a nossa atual situação e melhorar o desempenho da PF", diz o presidente do Sindicato dos Servidores do Departamento de Polícia Federal no Estado do Rio de Janeiro (SSDPF/RJ), André Vaz de Mello.
Entenda as reivindicações
Segundo os manifestantes, a Polícia Federal vive uma crise histórica. Entre os problemas apontados, estão, de acordo com o sindicato: "diminuição dos investimentos na instituição; perda do poder investigatório, com pesquisas revelando que 75% dos policiais já presenciaram interferências políticas nas investigações; o não reconhecimento das funções complexas de inteligência que exercem há décadas; baixa anual de efetivo (só no ano passado, 230 PFs deixaram a instituição); congelamento de salários há sete anos; falta de valorização das atividades; insatisfação total, com pesquisa nacional constatando que 86,53% dos policiais se sentem infelizes, e 90,76% subaproveitados quanto às suas funções; situação de verdadeiro apagão, o que tem gerado doenças psíquicas em, pelo menos, 30% do efetivo, e altos índices de suicídios".

Traficantes do Complexo do Alemão usam WhatsApp para monitorar movimentação de policiais

 Traficantes do Complexo do Alemão usam o WhatsApp, um aplicativo de mensagens gratuito, como canal de comunicação. A descoberta foi feita por agentes da 45ª DP (Alemão) durante operação para cumprir mandados de prisão da investigação sobre o ataque à delegacia, em 28 de janeiro. Um dos presos é Marcondes Gomes de Oliveira, que trabalha como segurança na estação Nova Brasília do teleférico do Alemão. Pouco antes de ser preso, Marcondes enviou, pelo aplicativo, a seguinte mensagem a um traficante: “Koé, fiel operação mano no morro todo”. O aparelho foi apreendido pelos policiais.

Denúncia por quadro no TJ é arquivada


A falência do modelo de Segurança Pública



Quero me dirigir especialmente aos policiais militares que estão no serviço ativo. Afinal de contas, o hino da Polícia Militar diz: “Ser policial é simplesmente uma razão de ser, é enfrentar a morte, mostrar-se forte no que acontecer”. Ainda diz mais: “Em cada soldado tombado, mais um sol que nasce no céu do Brasil”. Se esta assertiva for verdadeira, não sei quantos sóis já temos no nosso firmamento, porque o número de policiais militares mortos é muito grande a cada ano.
Agora, eles querem dizer que em janeiro, fevereiro e início de março, somente neste período, o número de policiais militares mortos se aproxima do número de mortos em todo o ano de 2013, o que é uma inverdade. O número de policiais militares mortos em 2013 é muito maior. Não são 18 policiais militares mortos no ano de 2013, em ato de serviço ou pela simples condição de ser policial militar. São muitos! Não sei por que essa tentativa de ocultação.
Os policiais militares são empurrados para ações policiais de alto risco e, obviamente, no sentido também da auto proteção, vão praticando barbaridades e arbitrariedades. Deveriam ser controlados? Deveriam, mas a política de segurança pública prega o confronto; é a visão militar da eliminação de um inimigo. Se existe uma guerra permanente contra, entre aspas, a tal da bandidagem, a consequência da guerra são baixas de ambos os lados, e os policiais militares vão sendo mortos.
Policiais militares são mal remunerados, têm escalas de serviço escorchantes, um assédio moral insuportável, e vêm sendo igualmente vítimas, como os moradores das comunidades que eles são levados a reprimir. Os policiais sofrem com doenças de fundo nervoso, decorrentes do estresse profissional – não existe ser humano que suporte esse tipo de realidade –, e passam a responder a processos criminais. São muitos os policiais militares sub judice, como dizem. Ou seja, ou matam, ou morrem; ou ferem, ou ficam feridos; ou adoecem, ou ficam sub judice. Esta é a realidade desse modelo que desgraça não só a vida dos profissionais da Segurança Pública, mas também de muitas comunidades.
O Governo, contudo, proclama o sucesso. Não sei onde pode estar o sucesso em uma política de Segurança Pública que vitima tanta gente, sejam agentes públicos ou pessoas das comunidades, sem falar nas constantes balas perdidas. Aí, as comunidades se revoltam e manifestam sua revolta através de atos públicos, incendiando ônibus – isto é o desgoverno, a falência completa da autoridade. Com isso, temos uma situação decorrente do equívoco, ou da farsa: a Polícia Militar não pode mais fazer o policiamento ostensivo normal. Não encontramos mais patrulhas pelas ruas; as chamadas ‘cabines’ estão todas desocupadas, pois os próprios policiais militares estão submetidos a riscos; quando agem isoladamente ou em pequenos grupos, passam a ser alvejados.
E os policiais civis? Onde está a investigação criminal? Em operações de grande vulto. E sabem qual é a alegação? O cumprimento de mandados de prisão como justificativa das operações de grande vulto, fazendo com que a Polícia Judiciária ou a polícia de investigação abandone sua verdadeira destinação; confundiram controle da criminalidade e passaram a apostar na eliminação de um criminoso adredemente selecionado. Aí não tem solução, a população vive essa tragédia.
Agora, depois de muito tempo, estão demonstrando algum clamor, algum sentimento ou algum ressentimento, em face da morte de policiais, principalmente policiais militares; tivemos anos a fio em que eram mortos por ferimentos de armas de fogo aproximadamente 150 policiais por ano. E vêm agora com mentiras, dizendo que em 2003 morreram apenas 18 ou 19 policiais militares. Isto não é verdade! Então, estou entrando com um requerimento de informações e quero saber, pelo menos a partir de 1º de janeiro de 2007, primeiro dia de governo do Sr. Sérgio Cabral, quantos policiais militares morreram a cada mês, inclusive a relação nominal, com posto, graduação e a unidade onde estavam classificados. Vamos pegar a relação nominal dos policiais militares do serviço ativo que foram mortos em ato de serviço ou pela simples condição de policial militar – foi identificado como policial militar em um assalto e foi assassinado. Será que isso também não é desculpa para demonstrar claramente que os policiais militares estão sendo perseguidos e estão sendo mortos?
A falência do modelo de Segurança Pública dessa política desumana é que tem que ser debatida pelo Estado do Rio de Janeiro. O sofrimento da população, especialmente da população das favelas, é muito grande, que só é acompanhado pelo sofrimento da família do policial militar.

segunda-feira, 10 de março de 2014

Autor do disparo que matou o soldado Rodrigo Paes Leme

Foi identificado como Igor Cristiano Santos de Freitas, o Salgadinho, o autor do disparo que matou o soldado Rodrigo Paes Leme, 33 anos, lotado na UPP Nova Brasília, na última quinta-feira, dia 6 de março. Contra ele já foi expedido pela Justiça um mandado de prisão. Apontado como um dos criminosos envolvidos no ataque a um helicóptero da Polícia Civil, no Morro do Adeus, em 2007 - que resultou na morte do policial Eduardo Henrique de Matos, que participava de ação para resgatar policiais da 22ªDP e um oficial de Justiça que tinham ficado encurralados -, ele ficou preso até agosto de 2011, quando foi inocentado pelo homicídio do agente e por quatro tentativas de homicídio pelo 1º Tribunal do Júri. Quem tiver qualquer informação que auxilie a Polícia na localização e prisão do foragido pode ligar para o Disque-Denúncia, através do número 2253-1177. Não é preciso se identificar e o anonimato é garantido. 


PM é assassinado em Duque de Caxias


A cada quatro dias, um policial foi morto no Rio de Janeiro em 2014. O alvo mais recente da guerra foi o soldado Titus Lucius Bessa de Farias, de 31 anos, reconhecido por assaltantes que faziam um arrastão em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, neste domingo. Lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Caju, Titus estava há pouco mais de dois anos na corporação e é o 17º policial morto este ano no Rio.
O militar era morador de Caxias e foi abordado pelo bando que assaltava vários veículos na Rua Silva Fernandes, no bairro Parque Duque. Titus ainda tentou esconder pistola que carregava, mas os ladrões a encontraram e atiraram duas vezes na cabeça dele. O corpo do PM será enterrado nesta segunda-feira, às 15h30, no Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap.

domingo, 9 de março de 2014

Policial militar é baleado em São Gonçalo

Lotado no 7º BPM (Alcântara), um policial militar foi baleado no abdômen, por volta das 10 da manhã deste domingo. Ele foi atingido ao atender uma ocorrência para verificação de um carro abandonado, na Favela da Linha, no Jockey, em São Gonçalo. De acordo com a assessoria da Polícia Militar, bandidos atiraram contra os policiais, que revidaram.
O PM foi socorrido pelos colegas, que o levaram para o Hospital Geral de São Gonçalo, onde permanece internado. Um dos marginais também foi ferido (nas nádegas) e socorrido. No local, foram apreendidas drogas e uma pistola 9 mm, com a numeração raspada. A ocorrência foi registrada na 74 ªDP.

sábado, 8 de março de 2014

Médico tenta subornar PMs por causa de sexo e droga

O conceituado médico urologista Clóvis Jacinto da Silva, de 48 anos - que atua em Brasília e é sócio de uma clínica que já prestou serviços para o Senado Federal - foi preso em flagrante por ato obsceno, porte e uso de cocaína e corrupção ativa na madrugada de ontem.
Ele fazia sexo com o taxista José Evaldo de Oliveira, de 43 anos, dentro do carro na Avenida Beira-Mar, próximo ao Aeroporto Santos Dumont, no Centro. Surpreendido por policiais militares do 5º BPM (Praça da Harmonia), que o submeteram à revista e encontraram dois papelotes da droga, Jacinto tentou subornar o sargento Augusto, que comandava a guarnição, e este lhe deu voz de prisão.
Os militares contaram que o urologista estava muito alterado, chegou a discutir com os policiais, sacou uma maço de notas de R$ 50, contou o valor de R$ 300 e ofereceu ao PM para que não fosse registrada a ocorrência. "Pega aí e deixa isso para lá", disse o médico.
A dupla foi levada para a 5ª DP (Mem de Sá), onde o delegado Antônio Bonfim autuou o médico. Durante o dia de ontem, advogados dele conseguiram convencer o juiz responsável por analisar o pedido de prisão que Jacinto poderia responder em liberdade e ele foi solto. O taxista foi indiciado por ato obsceno, prestou depoimento e foi liberado ainda de madrugada.

Polícia estoura refinaria instalada em chalé de hotel de Itatiaia



Após dois meses de investigações, agentes do Serviço Reservado do 37º BPM (Batalhão de Polícia Militar), de Resende, estouraram em Itatiaia uma grande refinaria de drogas que funcionava num chalé alugado de um hotel no km 6,5 da Estrada do Parque Nacional. No local foram apreendidos 8,3 quilos de cocaína e 10,4 quilos de maconha. Foram presos dois suspeitos: Marcelo Rodrigues de Paula, o "Marcelinho", de 32 anos, e José Bezerra de Souza, de 30. Os dois foram conduzidos para a delegacia de Itatiaia, onde foram indiciados por tráfico e associação para o tráfico de drogas.
A ação foi desencadeada no fim da tarde da quinta-feira, quando os agentes receberam a informação de que os acusados estariam com todo carregamento de drogas e, inclusive, preparando os entorpecentes para serem distribuídos. Foram encontrados, prontos para venda, 220 pedras de crack; três sacolés de cocaína; nove tabletes de cocaína com a marca de um escorpião; seis tabletes de crack; 11 tabletes de maconha e cinco sacos de cafeína para ser misturado às drogas.
De acordo com a PM, os dois presos são os homens de ligação entre as facções criminosas Comando Vermelho, do Rio, e Primeiro Comando da Capital (PCC), de São Paulo, com traficantes na região. Eles não reagiram à prisão. Ainda segundo a PM, Marcelinho é substituto de um traficante conhecido como Naldinho, preso por tráfico de drogas e porte ilegal de arma de fogo de uso restrito, assumindo o cargo de gerente do Comando Vermelho na região. O suspeito, que mora no bairro Cidade Alegria, em Resende, tem passagem na polícia por tráfico e porte ilegal de arma. José Bezerra seria o elo entre as facções. Morador do Parque Brasília, em Guarulhos (SP), ele tem passagem por assalto (foi preso por, armado de um revólver, roubar um carro).
Além das drogas, os agentes apreenderam o Gol placa LNF-1321 e frascos de produtos químicos usados no refino de drogas, como ácido sulfúrico, acetona, ácido clorítrico, éter etílico, álcool, "cheirinho da Loló". Foram recolhidos ainda liquidificadores industriais também usados para misturar drogas, um copo para medir porções dos entorpecentes, três balanças de precisão; 10 baldes usados para realizar mistura de drogas, uma prensa industrial e um molde para realizar a prensa no formato desejado pelos traficantes, além de um caderno contendo anotações do tráfico entre as duas facções e R$ 731 em dinheiro.
Em três celulares recolhidos pelos policiais, havia diversas mensagens SMS contendo informações do tráfico. Todo o material foi apresentado na delegacia de Resende. Ação dos agentes teve o apoio da Patamo da 2ª Companhia, composta pelo primeiro-tenente Paúra, cabo Ribeiro e soldados Couto e PM Blaz.

SD PM WAGNER VIEIRA DA CRUZ MORREU DEPOIS DE UMA SEMANA INTERNADO

Ele não tinha nem desfrutado de seu primeiro salário como policial militar. havia acabado de se formar contou um amigo

O soldado Wagner Vieira da Cruz, lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Vila Cruzeiro, no Complexo da Penha, morreu uma semana após ser baleado no rosto durante confronto com bandidos na favela. Ele fazia patrulhamento na localidade conhecida como Esquina do Pecado, por volta de 1h da madrugada, quando tornou-se alvo de disparos de traficantes. O PM foi levado para o Hospital Getúlio Vargas, na Penha, onde permaneceu por uma semana. Wagner havia se formado há menos de um mês no curso de formação de soldados da PM.

QUEM TEM PADRINHO NA PMERJ NÃO MORRE PAGÃO


Polícia rastreia GPS de celular e prende quatro homens que roubaram carros importados na Barra

Policiais da Delegacia da Barra da Tijuca (16ª DP), em conjunto com PMs do Batalhão da Barra da Tijuca (31ª BPM), prenderam em flagrante quatro suspeitos de pertencer a uma quadrilha especializada em roubo de carros importados.
Uma vítima procurou a delegacia e informou que o veículo dela havia sido levado com o celular dentro. Os policiais, então, monitoraram o GPS do aparelho telefônico e localizaram o carro no estacionamento de um supermercado na Avenida das Américas, na Barra, na zona oeste do Rio.
Ivonaldo Gomes de Lima Filho, conhecido como “Esmeralda”, 20 anos, Aílton Lima Tomé, o “Concha”, 20 anos, Pedro Lima do Espírito Santo Silva, 18 anos, e Denizar Rodrigues Monteiro, 23 anos, informaram que roubavam por encomenda e que ganhavam R$ 5 mil para cada dois carros importados que conseguissem.
A polícia orienta outras vítimas que tiveram seus veículos roubados na Barra da Tijuca e no Recreio dos Bandeirantes a comparecer à 16ª DP para reconhecer os suspeitos.


quinta-feira, 6 de março de 2014

Policial militar morre em confronto com criminosos na Nova Brasília


O soldado Rodrigo Paes Leme, de 34 anos, da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Nova Brasília, no Complexo do Alemão, na zona norte do Rio, morreu na noite desta quinta-feira (6) após ser atingido por tiros no peito durante um confronto com criminosos.
O tiroteio ocorreu na Rua 2, próximo ao Largo da Alvorada, durante um patrulhamento de rotina. A vítima chegou a ser encaminhada para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Complexo do Alemão, mas não resistiu aos ferimentos.
De acordo com testemunhas, os militares da UPP foram encurralados pelos marginais e tiveram dificuldades para socorrer as vítimas. Para tentar resgatar os PMs, agentes do 16º BPM (Olaria) foram acionados.
As UPPs do Complexo do Alemão e da Penha estão reforçando o policiamento no local e o Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) foi para a comunidade para fazer buscas aos criminosos.
O soldado Rodrigo estava há quatro meses na UPP e atuava desde 2011 na Polícia Militar. Ele, que tinha uma tatuagem no braço em homenagem à PM, deixa duas filhas.