segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Coordenador do AfroReggae negocia rendição do traficante Playboy

José Júnior, se encontrou com traficante mais procurado do país e confirmou neste domingo a participação nas negociações para uma possível rendição do traficante Celso Pinheiro Pimenta, o 'Playboy', no Morro da Pedreira, em Costa Barros. Em sua página no Facebook, José Júnior postou uma foto com 'Playboy' e admitiu que intermediou a entrevista que o bandido mais procurado do país concedeu ao jornalista Leslie Leitão, da revista ‘Veja’.


O Ministério Público negou as declarações do coordenador do AfroReggae de que tinha conhecimento do encontro dele com o traficante Playboy.

Leia a reportagem >>>> JORNAL O DIA

5 comentários:

  1. Quem dá crédito para esse cara?

    ResponderExcluir
  2. Prisão de Lula? “Impeachment” de Dilma? Novas bombas: Detoná-las ou desarmá-las?

    Denúncias feitas por ex-sócios da Petrobras ao Ministério Público e veiculadas pelo Jornal da Band, da TV Bandeirantes, apontam que Lula e Dilma teriam conhecimento a respeito da compra de uma petroquímica pelo triplo do preço, quase R$ 3 bilhões de reais além do correspondente na Bolsa de Valores. Segundo o empresário que protagoniza a denúncia, Paulo Roberto Costa estaria sob o comando de Lula, sendo o seu “operador”, assim como Dilma Rousseff. Lula teria, ainda, debochado da Justiça, afirmando que “Poder Judiciário não vale nada. O que vale são as relações entre as pessoas”. Lula, em verdade, parece sentir-se agasalhado por uma blindagem que o transformaria em um Super-Homem e nestes termos estaria acima da justiça dos homens.

    Nesta senda, a depender das provas carreadas ao Ministério Público, temos mais uma causa suficiente para o pedido do impeachment de Dilma Rousseff e para o pedido de prisão de Luiz Inácio Lula da Silva. Está na hora do Ministério Público demonstrar que sua independência insculpida nos lindes da Carta republicana de 1988 não encontra barreiras implícitas de ordem política, mas sim que o Ministério Público é um fiel efetivados das normas constitucionais e não prevarica em suas funções ministeriais quando sofre pressões.

    Lula, conforme dispusemos em artigo precedente, nega-se a depor junto à Polícia Federal à respeito de outros inquéritos abertos e mantidos sob sigilo, que sob o controle do Governo Federal, sem a independência funcional que conta o MP, recalcitra usar da coerção no objetivo de ouvi-lo.

    Novamente, conforme já interpretamos também em artigo anterior, novamente integralmente aplicável a Teoria do Domínio do fato, tanto em relação ao ex-presidente como em relação a atual mandatária para que respondam na esfera penal.

    Já existem inúmeros pedidos de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, com fundamentos robustos para que o Congresso aprecie, mas como já salientamos que o Governo (PT e aliados, como o PMDB, que ocupam as presidências da Câmara e do Senado) refletem a maioria apta a engavetar cada pedido que não atenda aos interesses do Governo. Finalizamos dizendo de Fernando Collor de Mello teve seu mandato cassado pelo Congresso Nacional a partir de material comprobatório de muito menor densidade, que capitulava desvios de conduta indubitavelmente de menor gravidade que os apresentados pelo Governo de Dilma Rousseff e seu antecessor Luiz Inácio Lula da Silva.

    E o que fez o processo de impeachment de Collor não ser arquivado, mas ao contrário, cassarem seu mandato e os de Lula e Dilma restarem sumariamente arquivados, esquecidos? Collor sofria de crise de representatividade, pertencia a um partido nanico, sem força para lhe oportunizar governabilidade. A mídia insuflou e o povo saiu às ruas. Assim que já dissemos e reforçamos: a sociedade cumpre papel fundamental nos rumos futuros deste país. Contra Collor à época havia muito menos do que já houve contra Lula e há contra Dilma enquanto Presidentes da Republica, e à época, não se falava em “golpe” como os partidários do Governo bradam hoje, ainda que o impeachment se proponha em respeito aos termos da Constituição. Collor, aos desavisados, sofre processo de “impeachment”, e assim que soube que seu mandato seria cassado renunciou,. Mas como o processo já estava aberto teve seus direitos políticos cassados por 8 anos (mantendo-se os efeitos do impeachment).

    ResponderExcluir
  3. PORTA ÚNICA de ingresso na PMERJ já!

    Os competentes chegarão ao Oficialato com a experiência que os atuais Oficiais PM não têm. Não há porque alguém ingressar na PMERJ para exercer cargos de Comando sem antes adquirir experiência na base da pirâmide, exercendo as funções de Soldado, Cabo, Sargento e Subtenente.

    Nos concursos da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ), poderiam ser exigidos o Bacharelado em Ciências Jurídicas (Direito) para o CFO (Curso de Formação de Oficiais) e qualquer diploma de Curso Superior para o CFSd (Curso de Formação de Soldados).

    O piso salarial da categoria (Militares Estaduais) deveria ser de, no mínimo, R$ 6.000,00 (seis mil reais) mensais, pois pagar bem é fundamental para que tenhamos, na área de segurança pública, profissionais qualificados.

    ResponderExcluir
  4. Ele é parte deste governo enganador que nós da Segurança Pública e todo povo ainda temos que nos sujeitar.
    Um absurdo o momento que vivemos.
    Este cara não engana ninguém, mas temos que digerir goela abaixo.
    Otoridades da SP do RJ.

    ResponderExcluir
  5. Não demora vai virar filme ou modelo.
    Que país maravilhoso! Afroreggae... Dilma... PT... Operação lava a jato... Políticos com salários astronômico e corruptos, STF não menos... Petrobras... Direitos humanos...Apelos por libertação de traficantes condenados a pena de morte...
    Isso é um paraíso!
    Ainda bem que está chegando o carnaval!

    ResponderExcluir