segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Polícias Militar e Civil poderão deixar de receber R$ 1,37 bilhão, a maior redução no estado


O cenário de incertezas na economia atingiu em cheio o orçamento da Segurança. Segundo um decreto do governador Luiz Fernando Pezão que, publicado nesta segunda-feira no Diário Oficial, estabelece limites para os gastos públicos, as polícias Militar e Civil tiveram R$ 1,37 bilhão de seus orçamentos congelados. Dos R$ 4,5 bilhões que eram previstos para a PM, R$ 1,2 bilhão está com repasse suspenso. O corte equivale a 26% dos investimentos que seriam destinados à corporação, que, agora, deverá receber R$ 3,3 bilhões este ano. A liberação de mais verbas dependerá da disponibilidade de recursos. Continue lendo O GLOBO

3 comentários:

  1. Desatualizadasso ...
    Pezão já falou q não cortará.
    Matéria do mês passado é osso.

    ResponderExcluir
  2. Essa é uma situação realmente complicada, mas eu acho que para acertar as contas do estado, terá que descontar de algumas áreas.

    ResponderExcluir
  3. Menor salário da PMERJ e do CBMERJ deveria ser de R$ 3.118,62, afirma DIEESE. O salário do Soldado está em torno de R$ 2.382,00. A defasagem salarial é de R$ 736,62!

    O piso salarial da categoria (Militares Estaduais), em janeiro de 2015, deveria ter sido de R$ 3.118,62 (três mil, cento e dezoito reais e sessenta e dois centavos), de acordo com o DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos). No entanto, o valor continua insuficiente para suprir as necessidades vitais básicas de um Soldado da Polícia Militar ou do Corpo de Bombeiros. Todos os meses, o DIEESE calcula qual seria o salário mínimo necessário com base nos preços da cesta básica.

    O recruta (Aluno do CFSd) já deveria ingressar nos quadros da PMERJ ou do CBMERJ recebendo o referido valor (R$ 3.118,62).

    A Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada em 5 de outubro de 1988, define o salário mínimo como aquele fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender às suas necessidades vitais básicas (do trabalhador) e às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo, ...¨(Constituição Federal, art. 7o - IV). Para calcular o Salário Mínimo Necessário, o DIEESE considera o preceito constitucional de que o salário mínimo deve atender às necessidades básicas do trabalhador e de sua família e que é único para todo o país. Usa como base também o Decreto lei 399, que estabelece que o gasto com alimentação de um trabalhador adulto não pode ser inferior ao custo da Cesta Básica Nacional.

    O Salário Mínimo Necessário, calculado mensalmente como uma estimativa do que deveria ser o salário mínimo vigente é, também, um instrumento utilizado pelos sindicatos de trabalhadores para denunciar o descumprimento do preceito constitucional que estabelece as bases para a determinação da menor remuneração que vigora no país. O valor atual do Salário Mínimo Necessário é R$ 3.118,62 (três mil, cento e dezoito reais e sessenta e dois centavos).

    ResponderExcluir