quinta-feira, 26 de março de 2015

Agente do Degase sofre tortura de traficantes

Um agente do Educandário Santo Expedito, do Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Degase), em Bangu, foi sequestrado e torturado por traficantes do Morro do 48, também na região, ligados ao Comando Vermelho (CV), horas depois de presenciar a rebelião ocorrida na unidade. 
Ele só foi solto porque os bandidos perceberam a movimentação de agentes do 14º BPM (Bangu), que montou uma operação para resgatá-lo, na tarde de ontem, mas mandaram um recado pelo agente: todos os que trabalham lá estão no alvo, pois entre os traficantes, há muitos ex-internos do Degase. Identificado como Israel Nunes, o agente passou pelo menos cinco horas sob tortura em uma região disputada pelo CV e pela facção rival Amigos dos Amigos (ADA). O alerta sobre o sequestro foi dado pela Polícia Civil, que monitora ligações telefônicas e mensagens de rádio dos traficantes locais. No Santo Expedito, a situação ainda era preocupante ontem. “O clima ainda é tenso e agentes trabalham com medo. Estão assustados e apreensivos, pois sabem que a bomba podem explodir novamente e a qualquer momento”, relatou o presidente do sindicato da categoria, João Luiz Pereira Rodrigues. “A unidade já era superlotada, agora a situação se agravou, pois incendiaram seis alojamentos. Em cada um deles deveria ter três internos, mas havia mais de 20”, avaliou o sindicalista. Ainda de acordo com ele, mais de 50 internos teriam se envolvido com o tumulto. “Esse grupo é formado pelos líderes dentro da unidade.”

Vídeo: Menores fazem rebelião em unidade do Degase em Bangu
video

 

3 comentários:

  1. A única solução para esse problema é acabar com a maioridade penal e julgar todos como adultos. O NARCOTRÁFICO TEM QUE TER PENA DE MORTE, como na Indonésia.

    ResponderExcluir
  2. Jair Messias Bolsonaro
    Hoje, a Câmara dos Deputados aprovou projeto que agrava a pena e considera hediondos os crimes praticados contra agentes de segurança em decorrência de sua atividade profissional.

    Caso dependesse de mim, as penalidades compreendidas no projeto seriam extensivas àquelas cometidas contra qualquer cidadão de bem e não apenas policiais.

    Partidos como PT, PCdoB, PPS e PSOL prometeram empenho para colocar em pauta, com urgência, o projeto de lei que revoga o auto de resistência, o que trará proteção para bandidos.

    A Frente Parlamentar de Segurança fará todo esforço possível para manter o instituto do auto de resistência como garantia do exercício da atividade policial.

    ResponderExcluir
  3. A maioridade penal aos 18 anos é um dogma que precisa ser derrubado. Não vejo diferença entre um menor e um maior de idade com relação à capacidade de discernir entre o certo e o errado.

    "Essa limitação da idade de 18 anos foi estabelecida no Código Penal de 1940. Nós vivíamos em um outro mundo, com outros estímulos. Não se pode dizer que um jovem de 18 anos daquela época é o mesmo do de hoje. O acesso à informação e à tecnologia favorece o desenvolvimento desse cérebro mais precocemente", Kátia Mecler, psiquiatra forense da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP)

    A maioridade penal pelo mundo

    Muitos países tratam como criminosos comuns adolescentes que cometem delitos
    1.Estados Unidos (Oklahoma): 7 anos
    Em muitos estados, não há lei específica sobre idade mínima para a responsabilização penal. Até 2005, a pena de morte podia ser aplicada também aos menores de 18 anos. Mas a Suprema Corte derrubou a medida

    2.Irlanda: 10 anos
    Vale para casos de crimes graves. Acima dos 12 anos, os adolescentes podem ser penalmente acusados por qualquer delito. Até 2006, o mínimo legal era de 7 anos

    3.Japão: 14 anos
    O Código Penal está em vigor há 113 anos. Mas o rigor com jovens infratores foi elevado depois de crimes bárbaros praticados por adolescentes

    4.Suécia: 15 anos
    A regra vale desde 1902. A partir desta idade, os adolescentes podem ser presos - embora o estado priorize medidas de reinserção social

    5.Argentina: 16 anos
    Até 1983, o limite era de 14 anos de idade. Recentemente, o Congresso tem discutido a volta da norma anterior.

    ResponderExcluir