quinta-feira, 12 de março de 2015

Assembleia terá comissão para acompanhar carga horária de policiais


A pedido do deputado Flávio Bolsonaro (PP), a Assembleia do Rio criou uma comissão de representação para acompanhar os regimes de trabalho de policiais civis e militares. O projeto foi aprovado em plenário nesta quarta-feira (11).

Sempre defensor da categoria, o moço afirmou que tem recebido reclamações sobre atrasos em pagamentos de horas extras do Regime Adicional de Serviços (RAS) e do Programa Estadual de Integração na Segurança (Proeis).

"Vamos cobrar respostas das autoridades sobre atrasos para que possamos dar uma resposta em tempo hábil aos profissionais da segurança", explicou Bolsonaro. 

10 comentários:

  1. O COMPANHEIROS VAMOS COMENTAR AS COISAS BOAS DESTE DEPUTADO,TEMOS QUE LEVAR A SOSO PMERJ MAIS A SERIO,DIVULGUE FALE PARA AMIGOS EU FAÇO MINHA PARTE,SOS PMERJ DIVULGANO.MAS A MAIORIA FICA NO FACE BOOK E DEPOIS QUER QUE AS COISAS ANDE BEM PELO AMOR DE DEUS AJUDEMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMM.

    ResponderExcluir
  2. Anarquista Revoltado13 de março de 2015 08:21

    Países desenvolvidos, não existe Polícia e Bombeiro Militar, são servvidores públicos civis que prestam serviço a população. Militares existem para defender a soberania Nacional, não para se envolver em conflitos urbanos, e submetidos a escalas degradantes e desumanas.

    ResponderExcluir
  3. Assembleia, comissão, participação de MP, etc, etc, etc e nada mudou. Perdi as esperanças de melhoras de carga horária para os policiais, só resta reuniões, serviços extras, prontidões, sobre aviso, etc, etc e etc.

    ResponderExcluir
  4. Carga horária de serviço, insalubridade, aumento salarial, discussão na alerj, comissão, bla bla bla...
    Sabe qual é a melhor coisa que devemos fazer? resignação.
    Vamos viver nossas vidas, procurando errar o menos possível, pautando nossas condutas em conformidade com a lei, fazendo o necessário, sem inventar, sem acharmos que somos o último biscoito do pacote, sem bancarmos o super herói, o xerife de onde moramos ou trabalhamos. Vivamos nossas vidas como se fossemos um servidor como outro qualquer, desses que faz restritamente só o que lhe diz respeito ou até menos. É dessa forma que devemos ser e agir.

    ResponderExcluir
  5. A única coisa importante para falar é: A CARGA HORÁRIA DO POLICIAL MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO NÃO ESTÁ SENDO RESPEITADA! O descanso de um profissional de segurança tem que ser respeitado, caso contrário são colocadas várias vidas em risco.

    ResponderExcluir
  6. Olha que absurdo, precisamos que a ALERJ faça uma CPI para simplesmente cobrar da PMERJ que a carga horária seja cumprida conforme o que determina a Constituição Federal, é uma vergonha, sera que a ALERJ, com aquele monte de deputados, não tem autoridade para determinar que o CMT GERAL cumpra o que diz a constituição, sera que o Ministério Público. Não poderia dar voz de prisão para aqueles que não cumprem tal determinação, pois a Lei é clara ou os Promotores vão continuar prevaricando.

    ResponderExcluir
  7. Lamentavel o desrespeito com a carga horaria na pmerj!
    Parabens Deputado Flavio!! Sempre brigando por nossa classe!!

    ResponderExcluir
  8. A Constituição Federal de 1988 (Inciso XIII do Artigo 7º) determina carga horária máxima de 44 (quarenta e quatro) horas semanais (vide Decreto-Lei nº 5.452, de 1943)!

    ResponderExcluir
  9. A CARGA HORÁRIA DO POLICIAL MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO NÃO ESTÁ SENDO RESPEITADA (A ESCALA DE 24H X 48H É CONTRA A LEI!).

    O descanso de um profissional de segurança tem que ser respeitado, caso contrário são colocadas várias vidas em risco.

    A Constituição Federal de 1988 (Inciso XIII do Artigo 7º) determina carga horária máxima de 44 (quarenta e quatro) horas semanais (vide Decreto-Lei nº 5.452, de 1943)!

    Cumpra-se o que diz o Bol da PM nº 046 - 11 Março 2002, que publicou a Resolução da Secretaria de Estado de Segurança Pública nº 510, de 26 de Fevereiro de 2002.
    Art. 1º - ...
    I - ... a carga horária mínima semanal de trinta horas e máxima semanal de quarenta e quatro horas.

    ResponderExcluir