terça-feira, 3 de março de 2015

Juiz suspende o inquérito que investigava a Máfia da Saúde da PM


Um dos 11 oficiais acusados em Inquérito Policial-Militar (IPM) de envolvimento com a Máfia da Saúde, o ex-chefe da Diretoria-Geral de Administração e Finanças, coronel Kleber dos Santos Martins, conseguiu jogar por terra o procedimento na Justiça. A decisão é do juiz Flávio Pimentel Lemos Filho, da 2ª Vara Cível de Volta Redonda. Para o magistrado, a PM não respeitou, por exemplo, o direito à ampla defesa de Kleber. 
Alegou ainda Lemos Filho que nas investigações há fundamentações contraditórias sobre o oficial, que teria sugerido a instauração do inquérito e depois foi acusado de não respeitar as normas de responsabilidade da PM. Então, todo o procedimento foi considerado nulo. A notícia caiu como uma bomba tanto na instituição quanto no Ministério Público, que atua junto à Auditoria de Justiça Militar. 
IRREGULARIDADES 
No inquérito suspenso foram identificadas irregularidades na compra de itens para o Hospital da PM de Niterói. Dos 13.720 lençóis adquiridos, foi constatado o desaparecimento de 9.620 peças. Do investimento de mais de R$ 2 milhões, o prejuízo foi de R$ 1,6 milhão.



8 comentários:

  1. Essa justiça é uma vergonha...até os juízes???
    Sem palavras!

    ResponderExcluir
  2. kkkkkkkk alguém acreditou que ia dar em algo ?

    mas se fosse praça.......ai o papo seria outro !

    ResponderExcluir
  3. Os praças da enfermaria, do laboratório, do RX fazem milagres para atender os pacientes. Hj, o rg da pm chega a 104 mil e cada pm que entra, entra com ele no mínimo 3 dependentes para usar o hospital. E o efetivo do hospital é o mesmo de 10 anos atrás. Se nem o espaço físico do hospital aguenta o aumento quanto mais os praças que levam o hospital nas costas, pois a maioria dos médicos oficiais minizam o atendimento no hcpm para maximizar o tempo em suas clinicas particulares,

    ResponderExcluir
  4. Foi tudo feito com esse intuito, não adianta o corporativismo fala mais alto, como um amigo vai investigar e apurar os desvios de conduta do outro. Esse IPM ja foi feito com esse "pulo do gato", o que serve como tese de defesa para um, serve como base para todos. Isso é muito comum na Administração Pública, na Educação se apropriam do dinheiro da merenda, na Saúde os materiais e insumos hospitalares somem, Segurança Pública dispensa comentários. Enfim a impunidade é um câncer no serviço público, temos como exemplo o desgovernador Pezão, envolvido na Operação lava Jato da PF, ninguém da imprensa carioca comenta o assunto.

    ResponderExcluir
  5. DOIS PESOS E DUAS MEDIDAS!!!4 de março de 2015 13:54

    ENQUANTO ISSO O BELTRAME JÁ DISSE NA IMPRENSA, QUE OS PMs ENVOLVIDOS NA OCORRÊNCIA QUE CULMINOU NA MORTE DO "RAPAZ" LÁ NA PALMEIRINHA, SERÂO EXPULSOS DA PMERJ.
    E QUANTO OS OFICIAIS QUE ROUBARAM O HCPM . . .

    ResponderExcluir
  6. Ver o enriquecimento ilícito dessas feras,e quebra o sigilo bancário e veja a compatibilidade e salários e bens que eles possuem.

    ResponderExcluir
  7. O COMPANHEIRO O DESCONTO DO FUNDO DE SAUDE,QUE SAIBA E ILEGAL NA EPOCA ASSINAMOS PARA FAZER O PREDIO NOVO E ATE HOJE E DESCONTADO,PODE VER SE NA DECLARAÇAO DE RENDIMENTOS APARECE A IMPORTACIA E VALOR DESCONTADO BOM EU TACO NO IMPOSTO DE RENA NAO TO MEN AHE. E PRA TIRA SO NA JUSTIÇA E DEPOIS VOCE E SEUS DEPENDENTE SAO PROIBIDO DE UASR O HCPM-RIO OU OUTRAS PPMS.

    ResponderExcluir
  8. QUERIDOS COMPANHEIROS,DESDE QUE PEDIRAM PARA DESCONTAR DO MEU CONTRA-CHEQUE O HCPM-RIO,E VEIO DESCONTANDO SEM AUTORIZAÇAO,PARA FAZER O PREDIO NOVO,ESTE DESCONTO NUNCA MAIS SAIU,E NA DECLARAÇAO DO IMPOSTO DE RENDIMENTOS DA PMERJ,NAO APARECE O DESCONTO.ENTRE NO PRODERJ,ENTRE COM O ID SENHA E DEPOIS CONTRA-CHEQUE E PROCURE RENDIMENTO,NAO APARECE O DESCONTO PARA FZER ATE O IMPOSTO DE RENDA.

    ResponderExcluir