segunda-feira, 25 de maio de 2015

Uma policial militar é baleada durante perseguição em Realengo

Uma policial militar foi baleada no rosto durante uma perseguição a um carro na Estrada da Água Branca, em Realengo, na Zona Oeste do Rio. A soldado Drielle Lasnor, do 14º BPM (Bangu), foi levada para o Hospital estadual Albert Schweitzer e em seguida transferida de helicóptero para o Hospital estadual Alberto Torres, em São Gonçalo, na Região Metropolitana. Seu estado de saúde é grave.

Segundo informações da Polícia Militar, a equipe da soldado desconfiou de um Gol verde. Quando os PMs se aproximaram, o motorista acelerou para fugir e os cúmplices atiraram contra a viatura. Um dos disparos atingiu a policial. Outros agentes prenderam dois ocupantes do carro, que bateu no muro de uma igreja. Com eles foram apreendidos duas pistolas, dois carregadores, um radiotransmissor, um caderno com anotações sobre tráfico de drogas e munição.


Os presos, Gustavo Marques de Assunção, de 26 anos, e Rafael Paiva de Oliveira, de 22, foram levados para a 34ª DP (Bangu).


21 comentários:

  1. UMA VERGONHA, UM VERDADEIRO DESCASO !!
    Ela foi levada para o Hospital Estadual Albert Schweitzer e depois transferida com auxílio do helicóptero para o Hospital Estadual Alberto Torres, no bairro Colubandê, em São Gonçalo.
    O Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), no Estácio, não tinha neurologista e estava com o tomógrafo quebrado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nos Estados Unidos da América (EUA) eles seriam condenados à morte (Pena de Morte) ou pegariam Prisão Perpétua, pelo simples fato de terem atirado em um(a) Policial, pois lá os agentes da lei são valorizados e as penas pelos crimes cometidos contra os mesmos são agravadas. Infelizmente estamos no Brasil, o país que só protege os bandidos!

      Excluir
  2. O salário mínimo necessário foi calculado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) em R$ 3.251,61 (três mil, duzentos e cinquenta e um reais e sessenta e um centavos) no mês de Abril de 2015, de acordo com o inciso IV do artigo 7º da Constituição Federal de 1988 ("salário mínimo, fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender a suas necessidades vitais básicas e às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo").

    A Polícia Militar tem que acabar com as escalas abusivas. Segundo o artigo 7º, inciso XIII, da Constituição Federal, a jornada de trabalho terá a duração de no máximo 08 horas diárias, com o limite de 44 horas semanais, esclarecendo que jornadas menores podem ser fixadas pela Lei, convenções coletivas ou regulamento de empresas. A CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL TEM QUE SER RESPEITADA! É necessário que seja respeitada a carga horária mensal entre 144 e 150 horas mensais, considerando o mês de 30 dias.

    ResponderExcluir
  3. AQUI VAI A MINHA OPNIÃO E AO MESMO TEMPO UM APELO AO COMANDANTE GERAL DA PMERJ, ACREDITO EU QUE SEJA A OPINIÃO DE TODA A CORPORAÇÃO, DE ESCALAREM SÓ AS PMS FEMININAS PARA TRABALHAREM SÓ NO EXPEDIENTE DAS UNIDADES. EVITARIA MUITO ACONECIMENTO DESAGRADÁVEIS COMO ESTE.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. SEU COMENTÁRIO É SEM NOÇÃO.FEZ PROVA PARA A PMERJ,TEM QUE TRABALHAR NA RUA E NÃO FICAR SERVINDO DE COMIDA E CAFEZINHO PARA OFICIAIS.

      Excluir
    2. DISCORDO, O QUE TEM QUE SER FEITO É REDUZIR A ENTRADA DE FEM NA PM, POIS COM ESSE CONTIGENTE FEMININO QUE EXITE HOJE, SERIA MUITO INJUSTO COM O RESTANTE DA TROPA. OU CRIAR UM CONCURSO SOMENTE PARA ÁREA ADMINISTRATIVA.

      Excluir
    3. Deve ser comentário de FEM que tem medo da pista.
      Se fez o concurso para ganhar igual e gozar dos mesmos direitos, tem que desempenhar os mesmos papéis. Não se deve ter diferenciações.
      Para a área administrativa deveriam fazer concurso próprio, e esses servidores seriam civis. Como tem quadro assim nas forças armadas.

      Excluir
    4. constituiçao federal ,direitos iguais,pista a elas tambem,lamentamos mas pm e pm fem ou nao.

      Excluir
  4. Estou orando e pedindo a deus pela recuperação desta jovem guerreira,maisw não posso de maneira alguma compactuar com o comentário anterior,que pode não ter sido narrado por PM e sim por outra pessoa que não seja na caserna,quando entramos para a corporação seja PM masculino ou feminino sabemos o risco que a própria oferece, a mulher e sempre frágil e sempre sera,mais foi guerreira e torço pela sua recuperação,merecendo inclusive ser promovida por ato de bravura,quando entramos para a corporação,existe a escala de serviço,e a mesma estava escalada devidamente pelo BPM,cabia ate ela dentro das normas solicitar um tipo de serviço que não lhe oferecesse p tanto perigo,mais a nossa vida e isso e servir e proteger,enquanto esta moca estava na pista tem muito PM que quer trabalhar dentro da OPM no serviço burocrático,na minha época eu nunca gostei de ficar dentro do BPM,sempre gostei da pista,nasci em comunidade,na rua jupará no morro de mangueira,não de para vagabundo,fui bem criado,fui bem informado,e sempre respeitei a corporação,tirei 27 anos mais 3 anos averbado,nunca respondi a nada que viesse desviar a minha conduta não sai oficial por que não quis,tive oportunidade,mais preferi ir para reserva,mais PM que e PM ele vai para a pista,esse negocio de PM ficar dentro de BPM,uma firma terceirizada deveria fazer o serviço burocrático e todos incluindo oficiais,todos na pista,hoje uma patrulha roda com2 homens e muito perigoso vagabundo não tem medo de PM eles tem medo e do aparelho radio da patrulha esse sim que e poderoso,patrulha tem que rodar com4 homens,se bater de frente e 4 homens atirando e muito melhor,na pista sr e tiro,porrada e bomba neles vocês estão vendo o que esta acontecendo,vagabundo não tem pudor,se PM da mole eles matam o PM,PM tem que disputar pista com eles,e se vocês com o caveirao melhor ainda,outra o PM que está pista deixar para durmir quando chegar em casa a pista e um caso serio,se vagabundo tem fuzil,a PM também,sabendo usar com técnica vagabundo não se cria,fiquem com deus a todos,cuidado com a rua,a rua esta muito perigosa,e que deus salve essa moca e colega nossa que foi baleada em realengo estou torcendo pela sua recuperação um abraço a todos do 2 sgt Washington rr

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. SE FOR DAR BRAVURA A ELA, TAMBÉM TEM QUE PROMOVER TODOS QUE JÁ PARTICIPARAM DE OCORRÊNCIAS DO TIPO, E NÃO SÓ PORQUE É MULHER, POIS TODOS SOMOS IGUAIS.

      Excluir
  5. Em relação ao colega do 19;14, vai uma outra opinião, prova para combatente é para combater,não é para ficar em expediente. se não tem capacidade não faça o concurso , pois está tirando a oportunidade de outros. por outro lado , a culpa por essa situação é a própria PMERJ, que é arcaica e não evolui, temos exemplos como a PRF, que deveria ser seguido pela instituição, quer ser POLÍCIA e não trabalhar na rua, faz concurso para área administrativa(ganhando menos), fazendo concurso para patrulheiro rodoviário (ganhando um salário melhor),irá trabalhar na área operacional.
    Nada contra os colegas do expediente , pois a instituição permite essas situações ,aonde poucos se empenham, e muitos se escondem. enquanto quem trabalha na rua "HONESTAMENTE", é diariamente cobrado e responsabilizado por tudo que acontece na cidade, além da escala apertada, sem poder ter uma vida social, e inúmeras reuniões, depoimentos e ras obrigatório na folga , tudo isso sem nenhum reconhecimento e $$$$$$ a mais, isso mesmo dizem que pagam ,mas na minha conta não vejo um centavo, e não adianta participar. É por essa e muitas outras que todos querem se "esconder " na pmerj arrumando "padrinhos" para ganhar sem se expor, tudo isso e muitas outras coisas que todos "SABEM" é que nossa instituição tão importante para nossa sociedade, e para ´nós policiais militares está nessa situação, pois o que importa é a política, esquecendo os princípios fundamentais.

    ResponderExcluir
  6. Eu vejo assim, se for para colocar todos do expediente da rua e terceiriza o serviço tudo bem, mais acho uma sacanagem vc chega no bpm, aquele monte de policial masculino novo tirando expediente e fem tirando serviço de rua.

    ResponderExcluir
  7. Sou policial militar feminina.
    E banquei uma etapa de favela, fui da Rocinha.
    E hoje sou ADM e pego extras, baixada, maracanã, enfim... Extras na rua no geral.
    Eu sou ADM por que trabalho bem para isso e tenho vários masc que trabalham comigo e tbm merecem estar lá dentro.
    Eu não penso que as Fem's devam ficar só no administrativo, nós fizemos a prova sabendo os riscos que correriamos.
    E sabíamos que nossa formação seria pra cobrir contigente das upp's.
    Eu penso apenas, que o governo não deveria nos largar de mão como tem feito, que o governo deveria nos dar apoio e isso não difere se somos fem ou masc.
    Somos Humanos, somos cidadãos e somos Policiais militares.
    E isso é muito mais que gênero, ou numero de RG.
    Nós merecemos mais atenção e mais respeito do governo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. TAÍ UMA OPINIÃO COERENTE.

      Excluir
    2. FEM sempre acaba da administração de um jeito ou de outro só quando é muito feia aí deixam mofar na rua...desculpem-me se parecer sem nexo, mas é o que observo.

      Excluir
  8. Anônimo 26 de maio de 2015 07:21

    VAMOS COMUNICAR ISSO AOS OFICIAIS,ELES TEM QUE VIR PRA RUA,FIZERAM CONCURSO PARA A PMERJ,NÃO PARA FICAR ESQUENTANDO ALMOFADA NO BATALHÃO.

    ResponderExcluir
  9. Lugar de polícia é na rua independente se for homem ou mulher...deveriam colocar os reformados expediente...muitos precisam uma vez perdem muito quando vão para reserva...acredito que muitos aceitariam.

    ResponderExcluir
  10. O COMANDANTE GERAL TEM QUE FAZER UMA VISITA NOS BATALHÕES DO INTERIOR,POIS EXISTEM DIVERSOS SUBTENENTES QUE NUNCA TRABALHARAM NA RUA, OS MESMO DEVERIAM SER USADOS NO COMBATE A CRIMINALIDADE NAS UPPs, POIS SÃO EXPERIENTES E POSSUI CURSOS DIVERSOS ,POIS OS RECRUTAS SÃO INEXPERIENTES !!!

    ResponderExcluir
  11. A PMERJ possui vários problemas de gestão. Mas não é o efetivo do administrativo o maior deles. Vocês estão se atendo a uma discussão sem pé e sem cabeça, que não chegará a lugar nenhum, sem utilidade, mesmo porque o efetivo da atividade meio é, via de regra, utilizado no serviço ordinário da OPMs, eles, os policiais do expediente, não são mais nem menos policiais em comparação aos que trabalham nas ruas. Trabalhar no expediente ou nas ruas é uma simples questão administrativa da instituição, que não influencia em seu funcionamento.
    Muito mais sério que isso é o fato de vários policiais militares estarem empenhados em diversos órgãos do executivo legislativo e judiciário, quer sejam órgãos Municipais, Estaduais ou Federais - já ouvi dizer que existem Coronéis PM a disposição lá em Brasília. Essa sim é uma questão para ser revista na PMERJ, policiais militares à disposição de pessoas ou órgãos que não possuem ligação alguma com a segurança pública e que por conta disso, tiram das ruas vários profissionais que deveriam estar somando para a redução da criminalidade do Estado.
    E os policias que trabalham nos fóruns, MP, defensorias, Proerd, colégio da PMERJ, dentre outros, que se quer tiram serviço, que não somam em nada? Alguém já ouviu ou viu alguma pesquisa sobre a redução do índice de usuários de drogas em nosso Estado por conta do trabalho realizado pelo PROERD? Eu nunca ouvi. Policial do Proerd, com exceção do das eleições, não tira serviço nas ruas, portanto , não contribui para a redução da criminalidade.
    Essa é uma discussão a qual se deveria dar enfase, no entanto, não vejo ninguém levantar essa questão.

    ResponderExcluir
  12. E sou reformado,jamais,jamais pediria para retornar a um quartel para trabalhar novamente,a pm já sugou minha saúde e juventude,quer me matar dentro de um quartel? Esse castigo eu já cumpri.

    ResponderExcluir