segunda-feira, 8 de junho de 2015

Concurso para sargento da PM é cancelado

A Polícia Militar decidiu cancelar o concurso interno para a formação de sargentos realizado neste domingo (07), no estádio Nilton Santos, o Engenhão, na Zona Norte do Rio, depois que candidatos reclamaram das condições e do local onde a prova foi realizada.

De acordo com uma nota, divulgada pela assessoria de imprensa da corporação, a decisão foi tomada pelo Comando da PM, em razão de irregularidades apontadas pelo Centro de Recrutamento e Seleção de Praças (CRSP).

Segundo o relatório preliminar da chefia do CRSP, houve falhas na fiscalização durante a aplicação da prova, além da inadequada exposição ao sol de alguns candidatos que estavam no setor sul do Engenhão. Pela importância do concurso, o comando informou ainda, que planeja realizar nova prova em breve, para cumprir o cronograma, que prevê o início do curso para agosto deste ano.


Imagens divulgadas nas redes sociais mostram que muitos candidatos chegaram a passar mal pois foram obrigados a ficar durante horas debaixo do sol forte.

Em um áudio, uma das fiscais alerta sobre a situação: “Coronel, olha só, não há como a gente deslocar o pessoal que esta na ala sul para as áreas que estão cobertas? Ta havendo muita manifestação, tá tendo problema aqui”, explica ela.

Em outra mensagem, um coronel se nega a atender o pedido: “É direito do candidato desistir da prova, é direito do candidato. Não vai trocar ninguém. Se quiser desistir é só entregar a prova e ir embora. Ninguém sai antes de uma hora”, diz ele na gravação. 

20 comentários:

  1. Repito tudo de novo.

    Ai ai - Só Deus nessa PM. Custava colocar os candidatos numa universidade ou escola?

    Eu tenho muita pena, sabe! É muita humildade, falta de letra e informação. É muita submissão, humilhação, etc...

    O que me entristece também é que a corporação viras as costas para os senhores, o governo vira as costas para os senhores, e quando tem uma manifestação dos bombeiros, dos professores, dos alunos, dos universitários querendo melhores condições trabalhistas, lutando por um mundo melhor, muitos PMs ainda descem o sarrafo, o spray de pimenta, a mentira, etc...Olha, eu sei a diferença de bons manifestantes e baderneiros.

    Tem muito policial inocente e de bem, mas outros só estão colhendo o que estão plantando.
    Espero que nosso governo, a nossa policia e a sociedade evolua um dia.

    ResponderExcluir
  2. Todo mundo quer maior qualidade na segurança pública, mas para melhorar a qualidade será imprescindível melhorar a questão salarial, ou seja, valorizar o policial militar.

    O salário mínimo necessário foi calculado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) em R$ 3.251,61 (três mil, duzentos e cinquenta e um reais e sessenta e um centavos) no mês de Abril de 2015, de acordo com o inciso IV do artigo 7º da Constituição Federal de 1988 ("salário mínimo, fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender a suas necessidades vitais básicas e às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo").

    A Polícia Militar tem que acabar com as escalas abusivas. Segundo o artigo 7º, inciso XIII, da Constituição Federal, a jornada de trabalho terá a duração de no máximo 08 horas diárias, com o limite de 44 horas semanais, esclarecendo que jornadas menores podem ser fixadas pela Lei, convenções coletivas ou regulamento de empresas. A CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL TEM QUE SER RESPEITADA! É necessário que seja respeitada a carga horária mensal entre 144 e 150 horas, considerando o mês de 30 dias.

    "Um policial mais estressado está mais inclinado ao uso da força e isso é prejudicial tanto para ele quanto para a sociedade. Se não respeitarmos os policiais e dermos melhores condições de trabalho a eles, nunca poderemos esperar que eles respeitem os cidadãos nas ruas", disse o sociólogo Ignácio Cano, especialista em Segurança Pública e coordenador do Laboratório de Análises e Violência da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).

    Aproximadamente 7% dos policiais pensaram em cometer suicídio. Algumas das causas desse índice, de acordo com Cano, são a baixa remuneração, baixo status social, horários de trabalho muito extensos, escalas pouco funcionais, sensação de desrespeito pela corporação e pela comunidade, além da "altíssima" exposição a confrontos armados, o que leva muitos agentes a se tornarem vítimas das políticas de confronto e do modelo da "guerra às drogas".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querido, pode até ser que um bom salário AJUDE a qualidade da PM.

      Se fosse assim, a PM de Brasília estaria com muita qualidade, mas deixa desejar também. Então questão salarial não é tudo.

      Excluir
  3. A Promoção de Praças por Tempo de Serviço tem que acabar! A PMERJ não pode abrir mão da QUALIFICAÇÃO da tropa.

    A PMERJ deve acabar com a Promoção de Praças por Tempo de Serviço, que nivela a tropa por baixo e prejudica a distribuição de funções. A ASCENSÃO AUTOMÁTICA deixa a tropa acomodada, desinteressada pelo estudo e, consequentemente, desqualificada. O Soldado PM que cumpriu o interstício deve, portanto, prestar concurso interno para Cabo PM (CFC), para provar que tem condições de exercer a referida função, assim como o Cabo PM deve ser avaliado para ser promovido à graduação de Terceiro-Sargento PM (CFS). O Segundo-Sargento PM, por sua vez, deve fazer prova para o CAS, para posteriormente estar apto às promoções às graduações de Primeiro-Sargento PM e Subtenente PM. É preciso haver mudanças, pois não pode um PM que nunca estudou exercer funções para as quais não está preparado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Discordo!! Engraçado que este critério, prova para ascensão, não ocorre na PRF, PF, ABIN, PCDF, PMDF e outras tantas corporações pelo BRASIL, pois, são TODAS POR TEMPO DE SERVIÇO!!!, Inclusive, não ocorre nem pela carreira via CFO, então porque tem que ser assim entre praças? Amigo, carreira é um dos atrativos da função, é um direito. Ausência de carreira é submeter a maioria dos profissionais ao desestimulo profissional, já que estarão sempre na mesma graduação (por trinta anos), afinal concurso é funil: uns serão e outros não.

      Excluir
    2. Concordo, deveria fazer o mesmo com os oficiais.

      Excluir
    3. anonimo 8 de junho de 2015 18;59, vc deve ser um desses oficiais que so tem disposiçao para ficar aqui escrevendo besteira, vai subir uma favela e trocar tiros com os marginais, ou ajude a lutar para a instituiçao melhorar, vc deve ser um desses filhos de papaizinho que entrou na policia pelas portas do fundo, sem fazer provas, ou e um desses sub.ten dessa prava com o gabarito na mao, ai e mole, se colocar vc para fazer prova a vera, deve errar ate teu nome. para de ficar fazendo futriquinhas, isso e coisa de maricas, acho que se te colocar em uma favela com troca de tiros, vc senta no meio da rua e chama mamae, fala serio, usa o espaço para cobrar melhorias para a familia pmerj.

      Excluir
  4. Considerando o limite de 144 (cento e quarenta e quatro) horas mensais efetivas de turnos regulares para a atividade-fim (serviço de rua dos Policiais Militares), previsto no Decreto Estadual 43.538, de 03 de Abril de 2012, quem trabalha 15 (quinze) dias deve ter um turno de aproximadamente 9 (nove) horas e meia.

    A RESOLUÇÃO SESEG Nº 555 DE 28 DE MAIO DE 2012 REGULAMENTOU O SUPRACITADO DECRETO.

    Antes da supracitada Resolução, a própria PMERJ publicou em Boletim uma mudança que também não foi cumprida! As escalas 10x38, 12x48 e 24x72 estão previstas no Bol da PM n.º 027 - 08 Fev 12, páginas 82 e 83. É necessário que o Estado forneça o mínimo de condições para que nossos policiais militares prestem um serviço de qualidade.

    POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
    GABINETE DO COMANDO GERAL
    SEÇÃO JURÍDICA
    Bol da PM n.º 027 - 08 Fev 12
    MUDANÇA DE ESCALA DE SERVIÇO NA CORPORAÇÃO -DETERMINAÇÃO
    Considerando a intenção do Senhor Comandante Geral de humanizar e padronizar as
    escalas de serviço em todas as unidades da PMERJ em face do desgaste intrínseco à
    atividade policial;
    Considerando ainda que as novas escalas devam proporcionar ao Policial Militar uma
    folga suficiente para seu descanso e a sua recuperação física e psicológica,
    proporcionando assim uma melhor qualidade de vida.
    Este Comando determina que doravante as escalas de serviço em suas diversas formas
    de policiamento sejam as elencadas abaixo, orientando ainda aos Comandantes a
    suprimirem os postos menos prioritários ou reduzirem o efetivo de equipes que forem
    possíveis:
    1 – 1º, 2º, 3º e 4º COMANDOS DE POLICIAMENTO DA ÁREA.
    Radio patrulhas, cabinas e interdições – Escala 12x48 (doze horas de serviço por
    quarenta e oito horas de folga);
    Grupo de Ações Táticas – GAT, Auto Patrulha de Trânsito – APTran, Postos de
    Policiamento – PP, Postos de Policiamento Comunitário – PPC, Destacamento de
    Policiamento Ostensivo – DPO, Guarda do Quartel, Oficial de Dia, Adjunto ao Oficial
    de Dia e Quartilheiro – Escala 24x72 (vinte e quatro horas de serviço por setenta e duas
    horas de folga) tendo a garantia de 06 horas de descanso durante o serviço;
    Policiamento Ostensivo de Trânsito – POTran e Policiamento Ostensivo Geral à Pé –
    POG à Pé – Escala 4x2 (quatro serviços de 07 horas por 02 dias de folga);
    Auto Patrulha de Trânsito – APTran (nos locais onde o comando da unidade entenda
    não haver necessidade deste serviço por 24 horas) e Patrulhamento Motorizado Especial
    – PAMESP – Escala 10x38 (dez horas de serviço por 38 horas de folga).
    2 – 5º, 6º e 7º COMANDO DE POLICIAMENTO DA ÁREA.
    As escalas deverão seguir o mesmo padrão da carga horária acima especificada,
    podendo, de acordo com a distância do local de serviço haver um aumento proporcional
    das horas de serviço e folga.
    Exemplo de Escala de Destacamento de Policiamento Ostensivo no interior – 48x144.
    3 – UNIDADES POLICIAIS ESPECIAIS.
    As unidades policiais especiais deverão utilizar uma das escalas acima elencadas, tais
    como:
    12x48 – 24x72 – 4x2 – 10x38
    É necessário que seja respeitada a carga horária mensal entre 144 e 150 horas mensais
    considerando o mês de 30 dias.
    (Nota n° 0143 - 08 Fev 2012 – GCG)

    ResponderExcluir
  5. Ao final de 2016, um Soldado da PMDF receberá R$ 7.190,98 (sete mil, cento e noventa reais e noventa e oito centavos) mensais, e esse valor não inclui nenhum anuênio. É um absurdo a diferença de salário de dois orgãos públicos que fazem os mesmos serviços (PMDF e PMERJ)!

    A promoção de praças por tempo de serviço tem que acabar! O PM não pode ser promovido automaticamente, sem prestar concursos internos para o CFC, o CFS e o CAS. A PMERJ tem que mudar isso... É preciso implantar a CARREIRA ÚNICA e a exigência do NÍVEL SUPERIOR COMPLETO para ingresso na Corporação (com todos os candidatos iniciando a carreira como Soldados). O interesse público está em primeiro lugar! As promoções devem ser conquistadas, a PMERJ não pode distribuir divisas... A promoção por tempo de serviço tem que acabar definitivamente! É muito melhor ser um Soldado ganhando R$ 7.190,98 do que ser um Subtenente recebendo em torno de R$ 6.500,00.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mais um que não sabe o que pede, ao invés de se preocupar com quem recebe promoção por tempo de casa, algo que ocorre em qualquer instituição, deveria se preocupar com a escala de serviço, essa não é levada a serio e só prejudica a todos, mas você deve ser só mais um sub de ego inflamado...

      Excluir
    2. Amigo, lá na PMDF a carreira por tempo de serviço que você tanto critica é PADRÃO. Lá existe o CFP e CFO, a promoção é por tempo de serviço e não concurso, pois, assim como tantas outras instituições (COMO A PCDF, PRF e PF) é necessário promoção automática para estimular o policial a continuar na carreira. Pasme, pelo último projeto da PMDF, a promoção seria AUTOMÁTICA sem CONCURSO no interstício de 4 em 4 anos até subtenente!

      Excluir
    3. Concordo plenamente com o amigo acima, mais me explica uma coisa: se terminarmos com as promoções por tempo de serviço e passarmos à promoções por "meritocracia", os próximos concursos internos também teriam turmas de A a Z como foi o último CFS/2006?

      Excluir
    4. AMIGO, VOCE ACABOU DE ASSISTIR A VERGONHA DO CONCURSO!! CONCORDO COM VOCE SIM, MAS TEM QUE UMA INSTITUIÇÃO FAZER E APLICAR A PROVA , SENÃO IRÁ TER FRAUDES!!!
      OUTRA, TEM QUE TER PROVAS DIFERENCIADAS PARA QUEM TRABALHA INTERNO E QUEM TRABALHA NA RUA, POIS SÃO ESCALAS DIFERENTES E O COMBATENTE LEVA A PIOR SEMPRE(COLOCA A CARA PARA TOMAR TIRO E NÃO CONSEGUE ESTUDAR IGUAL AO QUE TRABALHA I9NTERNO) ABS

      Excluir
  6. Gozação à parte, já que muitos estão dizendo que só fem fez esse concurso. O CEL encarregado de coordenar a aplicação da prova perdeu a oportunidade de tomar uma medida coerente de interromper o concurso, decisão esta que demonstraria conhecimento e habilidade para lidar com situações que mereçam tomadas de decisões em momentos críticos. Mas não, diante de uma situação que requeria inteligencia e bom senso, utilizou, como de costume de boa parte deles oficiais, da arrogância e do militarismo para tentar dar solução para o caso.
    Um verdadeiro "CARROÇA VAZIA" que só faz barulho, um desprovido de inteligência e bom senso.
    Lamentável!!!

    ResponderExcluir
  7. é. 01 esse pessoal de 2010 vai destruir a PM... não tiveram recrutamento. .. e talvez não vai dar pra disciplina-los... só vamos ter dor de cabeça...

    ResponderExcluir
  8. Esse é o destino de quem não quer estudar e da farda se livrar! Enquanto tiver cavalo, São Jorge não anda a pé, kkkkkkk. Não basta ser PM, tem que pagar mico e fazer os outros rirem, kkkkkkk.

    ResponderExcluir
  9. A ESFO é uma fabrica de incompetentes, que transforma filhos de incompetentes em oficiais. O comando não cabe ao mais preparado mas sim ao mais amamaezado. Se tirar o Regulamento ' CHICOTE" os incompetentes não conseguirão comandar. O Estado faria uma grande economia se acabasse com os postos de Major,Tenente Coronel e Coronel, são iguais a agua de salsicha,só ocupam espaço e não servem para nada. Vejo Delegado subindo morro e até participando de investigações e operações, porem oficiais superiores só aparecem depois que tudo está dominado pelos praças e oficiais subalternos.

    ResponderExcluir
  10. O Comandante Geral da PMERJ, DEVERIA COLOCAR ESSES BRAVOS SUBTENENTES,NAS UPPs, pois são treinados e capacitados para combate em favelas, nos batalhões do interior os subtenentes estão tirando POO,como os recrutas, mas os recrutas ganham R$5.000,00 .... Os senhores só escutam a população comentarem que a Pmerj abriu concursos para idosos!

    ResponderExcluir
  11. O direito de representação e o processo de responsabilidade administrativa civil e penal, contra as autoridades que, no exercício de suas funções, cometerem abusos, são regulados pela Lei nº 4.898, de 9 de Dezembro de 1965, devendo ser exercido por meio de petição dirigida à autoridade superior que tiver competência legal para aplicar, à autoridade militar culpada, a respectiva sanção ou ao órgão do Ministério Público que tiver competência para iniciar processo-crime contra a referida autoridade. A representação será feita em duas vias e conterá a exposição do fato constitutivo do abuso de autoridade, com todas as suas circunstâncias, a qualificação do acusado e o rol de testemunhas, no máximo de três, se as houver. Conforme a alínea "a" do Art. 3º, constitui abuso de autoridade qualquer atentado à liberdade de locomoção. De acordo com a alínea "i" do mesmo dospositivo, constitui abuso de autoridade qualquer atentado à incolumidade física do indivíduo.

    ResponderExcluir
  12. Independente de tudo que escreveram aqui, deveriam valorizar sim, tais profissionais da PMERJ que colocam suas vidas em risco em prol de toda a sociedade.

    ResponderExcluir