quinta-feira, 16 de julho de 2015

Cumpri minha obrigação de cidadão, diz coronel que denunciou o irmão,

O suspeito de ter atirado e matado um homem em uma estação do metrô do Rio de Janeiro na sexta-feira passada foi denunciado pelo próprio irmão à Divisão de Homicídios. Coronel da Polícia Militar, Camelo, 53 anos, reconheceu o irmão, Edvardo Camelo da Costa, 46, nas imagens das câmeras de segurança divulgadas pela polícia. A vítima do crime foi o auxiliar de serviços gerais Alexandre de Oliveira, 47 anos, assassinado pelo irmão do oficial da Polícia Militar.
Preso em 2006, o autor do crime não via o irmão policial há 20 anos. O reencontro aconteceu quando ele deixou o presídio, em março deste ano, beneficiado pela progressão de sua pena para o regime aberto. Sem emprego e sem-teto, o coronel Camelo foi resgatar o irmão na favela barreira do Vasco e lhe ofereceu trabalho.

"Ele começou a trabalhar na minha empresa de embalagens em Niterói. Dei casa mobiliada, roupa e comida. Na sexta-feira, ele saiu de manhã dizendo que ia procurar outro emprego, Chegou a me ligar às 16h, dizendo que não retornaria, porque ia trabalhar como entregador de pizza, pilotando uma moto. Mas, àquela altura, já tinha matado um inocente", desabafou o coronel em entrevista ao jornal O Globo. 

No depoimento que deu à Divisão de Homicídios, o coronel Camelo revelou detalhes das dez passagens pela polícia do irmão. Agora, o ladrão acusado de matar o auxiliar de serviços gerais está foragido. A prisão temporária de Edvardo foi expedida pela juíza Maria Izabel Pena Pieranti, da 16ª Vara Criminal do Rio.

"Dizer que ele não teve oportunidade é mentira. Eu o ajudei. Somos irmãos do mesmo pai e da mesma mãe. É lamentável que ele tenha tirado a vida de uma pessoa de bem de uma forma tão estúpida", desabafou. Segundo ele, o desejo agora é ver o irmão preso "porque ele é um mal pra sociedade".

3 comentários:

  1. PARABÉNS CORONEL, ATITUDE CORRETÍSSIMA!!!

    Todo mundo quer maior qualidade na segurança pública, mas para melhorar a qualidade será imprescindível melhorar a questão salarial, ou seja, valorizar o Policial Militar com uma remuneração digna. Os Policiais Militares do Rio de Janeiro morrem por um vencimento inferior ao Salário Mínimo Necessário!

    O Salário Mínimo Necessário foi calculado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) em R$ 3.377,62 (três mil, trezentos e setenta e sete reais e sessenta e dois centavos) no mês de Maio de 2015, de acordo com o inciso IV do artigo 7º da Constituição Federal de 1988 ("salário mínimo, fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender a suas necessidades vitais básicas e às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo").

    http://www.dieese.org.br/analisecestabasica/salarioMinimo.html

    O adicional de periculosidade para profissionais de segurança pública foi aprovado!

    A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 193/15, que garante aos integrantes do sistema de segurança pública de todo o País o adicional de periculosidade. Pelo texto, cada estado vai estabelecer o valor do adicional, desde que observado um percentual mínimo de 30% sobre a remuneração total. Acrescido dos 30% de Adicional de Periculosidade (R$ 1.013,28), o valor do Piso Salarial da categoria deveria ser fixado em R$ 4.390,90 (quatro mil, trezentos e noventa reais e noventa centavos). O menor vencimento deve ser igual ou superior ao referido valor.

    "QUEM VIVE PARA PROTEGER, MERECE RESPEITO PARA VIVER." NÃO HÁ JUSTIFICATIVA PARA OS BAIXOS SALÁRIOS DOS SERVIDORES MILITARES NO RIO DE JANEIRO! POLICIAL MILITAR DESMOTIVADO SIGNIFICA SEGURANÇA PÚBLICA AMEAÇADA.

    Subten PM, 1º Sgt PM, 2º Sgt PM, 3º Sgt PM, Cb PM e Sd PM morrem por um soldo abaixo do Salário Mínimo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E os da Reserva e os Reformados??????

      Excluir
  2. Temos que fazer pressão pela aprovação da PEC 300, o presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha rompeu com o governo federal e pode querer colocar a PEC 300 em votação de segundo turno. A hora é agora. Mandem email para o Eduardo Cunha pelo site da Câmara Federal.

    ResponderExcluir