domingo, 25 de outubro de 2015

Acusado de tráfico é preso fingindo ser PM


O comando do 41º BPM (Irajá) abriu um procedimento para apurar o possível envolvimento de um policial militar lotado na unidade com um homem preso acusado de tráfico de drogas e que se passava por PM. Ao ser levado para a 56ª DP (Comendador Soares), João Marcelo da Silva Meireles contou que as fardas, as armas e até a viatura que ostentava em fotos nas redes sociais eram de uso do tal militar.
De acordo com o registro de ocorrência do caso, João Marcelo foi preso na noite do dia 31 de agosto, no sentido Nova Iguaçu da Via Light, na Baixada Fluminense. Na ocasião, dois PMs da Corregedoria da corporação passaram pelo local e viram o rapaz em luta corporal com Anderson Melo da Silva, próximo a um Space Fox. Eles abordaram a dupla e Marcelo se identificou como policial, embora não tenha mostrado sua identidade funcional.
Com ele, foram encontrados uma réplica de pistola, maconha, cocaína, loló, além de R$ 1.195. Ele contou que todo o material foram apreendido por ele com um traficante no Complexo do Chapadão, na Zona Norte do Rio. Na delegacia, uma taxista contou, em depoimento, que João Marcelo se identificou como policial militar, lhe pediu para parar o veículo às margens da Via Light, entrou na comunidade e voltou com Anderson, dizendo que o homem fazia parte do “tráfico de drogas” da região.

João Marcelo foi indiciado por tráfico de drogas e sua prisão em flagrante foi convertida em preventiva pelo juiz da Vara Criminal de Mesquita. Ele havia passado no concurso para ingressar na PM, no entanto, ainda estava na fase de testes físicos.

7 comentários:

  1. Todo mundo quer maior qualidade na segurança pública, mas para melhorar a qualidade será imprescindível melhorar a questão salarial, ou seja, valorizar o Policial Militar com uma remuneração digna.

    O salário do Policial Militar é incapaz de atender às suas necessidades vitais básicas (previstas no inciso IV do artigo 7º da Constituição Federal de 1988).

    "QUEM VIVE PARA PROTEGER, MERECE RESPEITO PARA VIVER." NÃO HÁ JUSTIFICATIVA PARA OS BAIXOS SALÁRIOS DOS SERVIDORES MILITARES NO RIO DE JANEIRO! POLICIAL MILITAR DESMOTIVADO SIGNIFICA SEGURANÇA PÚBLICA AMEAÇADA.

    Pelo serviço que presta, um Soldado da PMERJ deveria ter Ensino Superior (3º Grau) completo e receber um salário de R$ 7.514,33 (sete mil, quinhentos e quatorze reais e trinta e três centavos), para uma jornada de trabalho de até 144 horas mensais.

    ResponderExcluir
  2. A Pesquisa Social e Documental realizada pela Segunda Seção (P/2) do CRSP tem que ser mais rigorosa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, esse ano fizeram a minha, vieram aqui e perguntaram pra dois vizinhos meus só, eles tinham que rodar o bairro, pergunta tar de mim sem se identificar como PMs, depois vinham na minha rua...

      Excluir
  3. Não é qualquer pessoa que pode se tornar Policial Militar!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah meu querido, quem dera se fosse verdade. Nem vou entrar no mérito.

      Excluir
  4. Todo mundo quer maior qualidade na segurança pública, mas para melhorar a qualidade será imprescindível melhorar a questão salarial, ou seja, valorizar o Policial Militar com uma remuneração digna.

    O salário do Policial Militar é incapaz de atender às suas necessidades vitais básicas (previstas no inciso IV do artigo 7º da Constituição Federal de 1988).

    "QUEM VIVE PARA PROTEGER, MERECE RESPEITO PARA VIVER." NÃO HÁ JUSTIFICATIVA PARA OS BAIXOS SALÁRIOS DOS SERVIDORES MILITARES NO RIO DE JANEIRO! POLICIAL MILITAR DESMOTIVADO SIGNIFICA SEGURANÇA PÚBLICA AMEAÇADA.

    Pelo serviço que presta, um Soldado da PMERJ deveria ter ensino superior (3º Grau) completo e receber um salário de R$ 7.514,33 (sete mil, quinhentos e quatorze reais e trinta e três centavos), para uma jornada de trabalho de até 144 horas mensais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em lugar nenhum no mundo se pede nível superior para polícia ostensiva, em MG estão fazendo isso, mas não vejo com bons olhos, uma simples melhora nas pesquisas sociais mudaria muita coisa!

      Excluir