domingo, 4 de outubro de 2015

Mulher morre baleada ao entrar por engano na em favela


Uma mulher morreu baleada na noite do último sábado (3), na comunidade do Caramujo, na Zona Norte de Niterói. De acordo com o comandante do 12º BPM (Niterói), coronel Fernando Salema, a empresária Regina Múrmura estava com o marido, Francisco Múrmura, quando aconteceu o crime. Eles seguiam de carro da Zona Sul do Rio para São Francisco, na Zona Sul de Niterói, mas erraram o caminho e entraram acidentalmente na comunidade, onde foram recebidos a tiros. 

Segundo o comandante, o casal seguia do Rio para Niterói e teriam usado o GPS para encontrar a Avenida Quintino Bocaiúva, em São Francisco. Segundo Salema, o aparelho indicou a Rua Quintino Bocaiúva que fica dentro da Comunidade do Caramujo. Em depoimento à polícia, Francisco contou que acelerou o carro e tentou fugir, mas entrou em uma rua sem saída. 

Depois do crime, Francisco dirigiu o carro com a mulher ferida até ao Hospital Estadual Azevedo Lima (Heal), no Fonseca, mas ela não resistiu aos ferimentos e morreu no hospital. Em nota, a direção do hospital afirma que ela já chegou com uma parada cardiorespiratória e não resistiu aos ferimentos. 

6 comentários:

  1. INFELIZMENTE, É MAIS UMA VITIMA, MAS FELIZMENTE NÃO É OUTRO POLICIAL, POIS A MORTE DE POLICIAIS JÁ NÃO COMOVE NINGUÉM.

    ResponderExcluir
  2. Isto é coisa de marginal que age convicto da impunidade, porque o judiciário é leniente e extremamente corrupto. Estes facínoras ainda tem o total apoio dos moradores das favelas, que os ajudam quando a polícia age. Morte à todos os favelados. Que todos sejam castrados quimicamente para que não se proliferem mais como bactérias.

    ResponderExcluir
  3. Niterói virou território de bandidos?

    ResponderExcluir
  4. Policiais Militares do Rio de Janeiro morrem por um vencimento inferior ao Salário Mínimo Necessário!

    Todo mundo quer maior qualidade na segurança pública, mas para melhorar a qualidade será imprescindível melhorar a questão salarial, ou seja, valorizar o Policial Militar com uma remuneração digna.

    O Salário Mínimo Necessário foi calculado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) em R$ 3.377,62 (três mil, trezentos e setenta e sete reais e sessenta e dois centavos) no mês de Maio de 2015, de acordo com o inciso IV do artigo 7º da Constituição Federal de 1988 ("salário mínimo, fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender a suas necessidades vitais básicas e às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo").

    http://www.dieese.org.br/analisecestabasica/salarioMinimo.html

    O adicional de periculosidade para profissionais de segurança pública foi aprovado!

    A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 193/15, que garante aos integrantes do sistema de segurança pública de todo o País o adicional de periculosidade. Pelo texto, cada estado vai estabelecer o valor do adicional, desde que observado um percentual mínimo de 30% sobre a remuneração total.

    Acrescido dos 30% de Adicional de Periculosidade (R$ 1.013,28), o valor do Piso Salarial da categoria deveria ser fixado em R$ 4.390,90 (quatro mil, trezentos e noventa reais e noventa centavos). O menor vencimento deve ser igual ou superior ao referido valor.

    "QUEM VIVE PARA PROTEGER, MERECE RESPEITO PARA VIVER." NÃO HÁ JUSTIFICATIVA PARA OS BAIXOS SALÁRIOS DOS SERVIDORES MILITARES NO RIO DE JANEIRO! POLICIAL MILITAR DESMOTIVADO SIGNIFICA SEGURANÇA PÚBLICA AMEAÇADA.

    ResponderExcluir
  5. Pelo serviço que presta, um Soldado da PMERJ deveria ter ensino superior completo e receber um salário de R$ 7.514,33 (sete mil, quinhentos e quatorze reais e trinta e três centavos), para uma jornada de trabalho de até 144 horas mensais.

    ResponderExcluir
  6. No Rio de Janeiro, você não pode errar o caminho... Se errar, corre o risco de ser assassinado!

    ResponderExcluir