terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Operação Black Evil: PMs do Bope presos acusados de ligação com o tráfico


Policiais militares do Batalhão de Operações Especiais (Bope) QUE foram presos, após investigações feitas pelo comando do Bope e pela Corregedoria da Polícia Militar (CI/PMERJ). Maicon Ricardo Alves da Costa, conhecido como o “Preto 1″; André Silva de Oliveira, o “Preto 2″; Raphael Canthé dos Santos, o “Preto 3″ e Rodrigo Meleipe Vermelho Reis, além de Silvestre André da Silva Felizardo, o “Corinthians”, lotado atualmente no 15ºBPM (Duque de Caxias), eles são acusados de passar para traficantes informações sobre operações do batalhão.

A ação, denominada “Operação Black Evil”, contou com o apoio do Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado (GAECO) do Ministério Público e a Subsecretaria de Inteligência (SSINTE).

De acordo com as investigações, entre os meses de agosto e dezembro deste ano, os cinco policiais semanalmente recebiam propinas de traficantes em trocas de informações sobre operações do Bope nas comunidades Faz quem Quer, em Rocha Miranda; Covanca, Jordão e Barão, em Jacarepaguá; Antares, em Santa Cruz; Vila Ideal e Lixão, em Duque de Caxias; Complexo do Lins, no Méier e Complexo do Chapadão, em Costa Barros. Os valores recebidos pelos PMs variavam entre R$ 2 mil e R$ 10 mil por comunidade. As investigações também apontam que os policiais negociavam com traficantes armas apreendidas durante as operações.

Exoneração a jato na Alerj

Três dias antes de ser preso, acusado de integrar quadrilha de militares que ‘vendia’ ações do Batalhão de Operações Especiais (Bope) para traficantes, o terceiro-sargento André Silva de Oliveira, o Preto 2, foi nomeado pelo presidente da Assembleia Legislativa, Jorge Picciani (PMDB), para a Superintendência Militar da Alerj. O cargo durou pouco. Ele nem tomou posse, já que estava atrás das grades e foi exonerado na sexta-feira mesmo. A proximidade com os criminosos era tanta que ele e outros cinco policiais ligavam até para dizer só ‘bom-dia’ ou ‘boa-noite’. O policial preso gostava do PMDB. Ele fazia a segurança do prefeito de Nova Iguaçu, Nelson Bornier. 

5 comentários:

  1. GOVERNADOR DESGRAÇADO , DEPUTADOS COMPRADOS QUE NÃO LUTAM PELO POVO.
    PODEM NÃO PAGAR AQUI NA TERRA , MAS VÃO PAGAR NO INFERNO , VENDO SEUS FAMILIARES QUE SE APROVEITAM DA CORRUPÇÃO SOFRENDO DE DOENÇAS E OUTROS MALES QUE O DINHEIRO ROUBADO NÃO VÃO AJUDAR.
    DURMAM TRANQUILOS , QUE QUALQUER DIA A POLÍCIA FEDERAL VAI BATER NAS SUAS PORTAS.

    ResponderExcluir
  2. Vergonha, ganham uma boa gratificação e ainda se corrompem! Não existe "tropa de elite"!

    ResponderExcluir
  3. NÃO FOI NUM DESSES MORROS DA PÇA SECA QUE MORREU UM ANTIGAO DO BOBE? TRAÍRA FILHOS DA PUTA .......

    ResponderExcluir
  4. Para muitos Policiais Militares, o BOPE não é uma tropa de elite, é uma tropa de combate. Eles só são bons no combate! Em outras áreas de atuação, outras Unidades da Corporação fazem o trabalho melhor do que os integrantes do BOPE. Se o BOPE fosse uma tropa de elite, todas as Unidades Especializadas, subordinadas ao CPE, seriam tropas de elite também!

    ResponderExcluir
  5. Esqueceram dos estrelas, pois praça não tem acesso as informações principais.

    ResponderExcluir