sexta-feira, 4 de março de 2016

Liminar ordena que governo do estado não desconte 10% dos soldos de PMs e bombeiros


12 comentários:

  1. Só duas perguntas: O fim da contribuição é para todos, ou somente para quem ingressou na justiça? E está valendo, será cumprido a partir de quando?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem fez requerimento de sustação do desconto para o Fundo de Saúde já conseguiu retirar o referido débito do contracheque (FUSPOM). Não foi necessário ingressar na Justiça. O fim da contribuição é para todos!

      Excluir
  2. Agora tinham que devolver o que já foi pago...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você ingressar na Justiça, conseguirá a restituição dos 5 últimos anos...

      Excluir
  3. POLICIAIS MILITARES DO RIO DE JANEIRO ARRISCAM A PRÓPRIA VIDA POR MUITO POUCO!

    A Polícia Militar precisa ser valorizada e fortalecida, pois POLICIAIS MILITARES DESMOTIVADOS significa SEGURANÇA PÚBLICA AMEAÇADA. Vale lembrar que o Rio de Janeiro sediará os Jogos Olímpicos de 2016, sendo o reconhecimento pecuniário indispensável, imprescindível para melhorar a qualidade do serviço policial-militar.

    Nas sociedades capitalistas é comum que o valor de um indivíduo seja aferido através do seu poder de compra, e isso tem muito a ver com seus rendimentos – a quantidade de dinheiro que ele consegue adquirir em determinado espaço de tempo. O salário do Policial Militar do Rio de Janeiro é incapaz de atender às suas necessidades vitais básicas (previstas no inciso IV do artigo 7º da Constituição Federal de 1988).

    Não é à toa que, falando de valorização dos policiais brasileiros, sempre se remete à questão salarial como um problema sério, pois além de garantir elementos essenciais para a sobrevivência, “ganhar bem” concede ao profissional um posicionamento social de relevância. Todo mundo quer maior qualidade na segurança pública, mas para melhorar a qualidade será imprescindível melhorar a questão salarial, ou seja, valorizar o Policial Militar com uma remuneração digna.

    A PMERJ pode reclamar bastante dos seus vencimentos, pois são inadequados para as funções exercidas. Os baixos salários desmotivam a tropa e criam desinteresse pela profissão. Um Soldado de Polícia Militar em início de carreira deveria receber vencimentos iniciais de no mínimo R$ 7.190,98 (sete mil, cento e noventa reais e noventa e oito centavos) mensais, para uma jornada de trabalho de até 144 horas mensais. A questão salarial impacta diretamente na autoestima dos Policiais e na valorização das Polícias.

    Os baixos salários fazem a PMERJ perder oficiais e praças. O idealismo vai esmorecendo, pois já não encontra-se mais comandantes com "C" maiúsculo, dignos de orgulho de seus comandados e os vencimentos não são suficientes para dar uma vida digna à família. A tropa da PMERJ está desmotivada, insatisfeita e tem VERGONHA DO SALÁRIO! Não há justificativa para os BAIXOS SALÁRIOS.

    "QUEM VIVE PARA PROTEGER, MERECE RESPEITO PARA VIVER." O Policial Militar precisa ser valorizado como herói! Em contrapartida, a Polícia Militar deveria acabar definitivamente com a Promoção de Praças por Tempo de Serviço! As Promoções devem ser conquistadas mediante aprovação em concursos internos para o CFC, o CFS e o CAS, bem como a conclusão de um Curso de Ensino Superior. Os Policiais Militares que já concluíram o 3º Grau deveriam receber um acréscimo no salário, como é feito na Guarda Municipal do Rio de Janeiro. Quem se qualificou tem que ser premiado. É a única forma de incentivar o estudo, a qualificação.

    “POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA SÓ É FEITA COM POLICIAIS BEM PAGOS” foi o que disse o então candidato ao Governo do Rio, Sérgio Cabral Filho.

    “O GOVERNANTE QUE DIZ QUE O ESTADO DO RIO NÃO TEM DINHEIRO PARA PAGAR MELHOR SEUS POLICIAIS ESTÁ MENTINDO!” (palavras de Sérgio Cabral em 2006).

    "Somos um dos piores SALÁRIOS do Brasil, mas temos um coração ENORME."

    O Soldado da PMERJ tem um Vencimento abaixo do Salário Mínimo Necessário, que foi estimado pelo DIEESE no valor de R$ 3.795,24 (três mil, setecentos e noventa e cinco reais e vinte e quatro centavos), ou seja, 4,31 vezes o valor do salário mínimo vigente que é de R$ 880,00 (oitocentos e oitenta reais). O Soldado da PMERJ tem um Soldo abaixo deste valor!

    http://www.dieese.org.br/analisecestabasica/salarioMinimo.html

    DIGNIDADE JÁ! Os direitos constitucionais dos Policiais Militares do Rio de Janeiro estão sendo desrespeitados, pois a remuneração dos Soldados está em desacordo com o Inciso IV do Artigo 7º da Constituição Federal de 1988.

    ResponderExcluir
  4. Os policiais que pararam de descontar para receber os últimos cinco anos e acham que estão fazendo um bom negócio vão acordar quando pararem na fila do SUS ou forem baleados em serviço e estiverem sendo internados ao lado do vagabundo com quem ele acabou de trocar tiros.Ou vcs acham que os hospitais irão continuar funcionando? Ou mesmo que o Estado vai bancar tudo? Vcs sabem quanto custa um plano de saúde com tudo o que temos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. VC gosta de ser roubado então. Continue pagando.

      Excluir
  5. "A pedido do Ministério Público Federal, este juiz autorizou a realização de buscas e apreensões e condução coercitiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para prestar depoimento. Como consignado na decisão, essas medidas investigatórias visam apenas o esclarecimento da verdade e não significam antecipação de culpa do ex-presidente. Cuidados foram tomados para preservar, durante a diligência, a imagem do ex-presidente. Lamenta-se que as diligências tenham levado a pontuais confrontos em manifestação políticas inflamadas, com agressões a inocentes, exatamente o que se pretendia evitar. Repudia este julgador, sem prejuízo da liberdade de expressão e de manifestação política, atos de violência de qualquer natureza, origem e direcionamento, bem como a incitação à prática de violência, ofensas ou ameaças a quem quer que seja, a investigados, a partidos políticos, a instituições constituídas ou a qualquer pessoa. A democracia em uma sociedade livre reclama tolerância em relação a opiniões divergentes, respeito à lei e às instituições constituídas e compreensão em relação ao outro." (Sergio Fernando Moro - 05 de março de 2016)

    ResponderExcluir
  6. ��������������������RJ������������

    Não deixe de compartilhar, e mais importante que compartilhar; será você comparecer a essa audiência pública lá na ALERJ no dia 09/03/16 a partir das 09h.

    Att: Subtenente BM RR Valdelei Duarte.
    JUNTOS SOMOS FORTES.
    ����������

    ResponderExcluir
  7. Hoje é dia 07 de MARÇO de 2016!
    Daqui a SEIS DIAS onde você vai estar?

    Vai deixar que CANALHAS, VELHACOS, BANDIDOS, INÚTEIS, APROVEITADORES, VIGARISTAS, CRIMINOSOS, decidam o futuro dos seus filhos e filhas?

    Vai continuar a TRABALHAR, a pagar IMPOSTOS ESCORCHANTES para sustentar uma CORJA DE PARASITAS?

    Dia 13 de MARÇO de 2016 precisa entrar para a história como o dia em que os BRASILEIROS recuperaram o controle das suas vidas, do seu destino e do seu PAÍS!
    Este é o NOSSO PAÍS!

    Chega de vermos irmãos BRASILEIROS morrendo nas filas dos HOSPITAIS!
    Chega de vermos nossos FILHOS e FILHAS padecendo em escolas públicas de baixa qualidade!
    Chega de vermos APANIGUADOS, INFILTRADOS, INDICADOS recebendo salários astronômicos em cargos de confiança, sem possuírem qualificação para tal, enquanto MÉDICOS, PROFESSORES e POLICIAIS são manietados e humilhados com vencimentos famélicos, parcelados, atrasados e adiados!

    CHEGA!

    Eu estarei nas ruas no dia 13 de MARÇO!
    E você?

    ResponderExcluir
  8. Audiência pública sobre o "pacote de maldades" contra os servidores públicos, apresentado pelo Governador

    O Projeto de Lei Complementar (PLC) 18/16 prevê, entre outras medidas, o aumento da contribuição previdenciária dos servidores de 11% para 14% e a contribuição patronal de 22% para 28%. A proposta também vincula o reajuste de salários ao crescimento da arrecadação estadual. E muda o calendário de pagamento para o 7º dia útil.

    9 de Março de 2016 (Quarta-feira), das 10h00min às 12h00min e das 14h00min às 18h00min, no Plenário Barbosa Lima Sobrinho (ALERJ – Palácio Tiradentes), Rua 1° de Março, s/n° - Praça XV – Centro.

    ResponderExcluir
  9. NÃO PRECISA SER GÊNIO PARA VER QUE NÃO DÁ PARA AUMENTAR A CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA DOS POLICIAIS MILITARES, POIS OS SALÁRIOS ESTÃO MUITO BAIXOS!

    Os direitos constitucionais dos Policiais Militares do Rio de Janeiro estão sendo desrespeitados, pois a remuneração dos Soldados está em desacordo com o Inciso IV do Artigo 7º da Constituição Federal de 1988. O Soldado da PMERJ tem um Vencimento abaixo do Salário Mínimo Necessário, que foi estimado pelo DIEESE no valor de R$ 3.795,24 (três mil, setecentos e noventa e cinco reais e vinte e quatro centavos), ou seja, tem uma remuneração incapaz de atender às suas necessidades vitais básicas. A questão salarial impacta diretamente na autoestima dos Policiais e na valorização das Polícias. POLICIAIS MILITARES DESMOTIVADOS SIGNIFICA SEGURANÇA PÚBLICA AMEAÇADA.

    Nas sociedades capitalistas é comum que o valor de um indivíduo seja aferido através do seu poder de compra, e isso tem muito a ver com seus rendimentos – a quantidade de dinheiro que ele consegue adquirir em determinado espaço de tempo. Não é à toa que, falando de valorização dos policiais brasileiros, sempre se remete à questão salarial como um problema sério, pois além de garantir elementos essenciais para a sobrevivência, “ganhar bem” concede ao profissional um posicionamento social de relevância. Todo mundo quer maior qualidade na segurança pública, mas para melhorar a qualidade será imprescindível melhorar a questão salarial, ou seja, valorizar o Policial Militar. QUEM VIVE PARA PROTEGER, MERECE RESPEITO PARA VIVER.

    A PMERJ pode reclamar bastante dos seus vencimentos, pois são inadequados para as funções exercidas. Os baixos salários desmotivam a tropa e criam desinteresse pela profissão. Um Soldado de Polícia Militar em início de carreira deveria receber vencimentos iniciais de no mínimo R$ 7.190,98 (sete mil, cento e noventa reais e noventa e oito centavos) mensais, para uma jornada de trabalho de até 144 horas mensais. A tropa da PMERJ está desmotivada, insatisfeita e tem VERGONHA DO SALÁRIO!

    ResponderExcluir