domingo, 13 de março de 2016

Policiais civis fazem paralisação no Rio

Rio e Sul Fluminense – Policiais civis de todo o estado do Rio realizam até o meio-dia desta segunda-feira (14) uma paralisação dos serviços. A medida é uma reivindicação ao não pagamento integral do décimo terceiro salário e aos atrasos salariais que vem afetando a categoria, segundo o Sindicato dos Delegados de Polícia (Sindelpol-RJ). Chamada de “Operação Basta”, o movimento teve início ao meio-dia de sexta-feira (11).
A paralisação afetou o funcionamento de algumas delegacias do Sul Fluminense, como Barra Mansa (90ª DP), Barra do Piraí (88ª DP), Itatiaia (99ª DP) e Angra dos Reis (166ª DP).
Durante o final de semana, só foram realizados os seguintes procedimentos: como prisões em flagrante, remoção de cadáveres e apreensão de drogas, por exemplo. lavratura de apreensões em flagrante, medidas protetivas, apreensão de drogas, remoção de cadáveres e cumprimento de mandados. As confecções de Registro de Ocorrência (RO) só estão permitidas em casos de violência (com exceção dos Jecrim’s –Juizados Especiais Criminais), homicídio, estupro, latrocínio, roubo e furto de veículos.

6 comentários:

  1. O Governo do Estado do Rio de janeiro precisa fazer algumas mudanças na Polícia Militar

    É necessário por fim ao perigoso projeto de inchar a tropa da PMERJ (policiais militares sendo contratados em grande quantidade e em curto espaço de tempo), pois trata-se de um grave erro político-estratégico. Na Polícia das sociedades modernas, cada vez mais complexas e exigentes, não há mais espaço para policiais militares de baixa qualidade, o que acaba ocorrendo sempre que há pressa na contratação e formação desses profissionais, é o chamado "comprometimento de qualidade".

    Prudentemente, a PMESP (Polícia Militar paulista) passou a formar seus soldados (policiais de base) em dois anos numa academia com certificação ISO 9001. Um psiquiatra norte-americano, ao estudar o fenômeno da socialização organizacional do novo policial, concluiu que a intensidade e profundidade da formação é fundamental para gerar padrões de comprometimento ético e social necessários à essa dificílima função pública.

    No Rio de Janeiro, há um verdadeiro festival de promoções de praças por tempo de serviço, que chegou ao exagero inconseqüente, com a incrível promoção além da previsão de vagas (não podem haver promoções sem a devida previsão de vagas). Os graduados (subtenentes, 1º, 2º e 3º sargentos) precisam ser concursados. A PMERJ tem o péssimo sistema de promover automaticamente o soldado a sargento, sem fazer concurso e seleção dos mais aptos para esse importantíssimo cargo de supervisão do policiamento.

    Após os Jogos Olímpicos, a segurança do Rio de Janeiro acentuará a crise, com essa balofa estrutura policial criada entre tantas insanidades. Será fundamental reintroduzir a exigência de seleção para formar 3º sargentos, introduzir exigências de cursos para as promoções a 2º e a 1º sargentos e a subtenente, permitindo a promoção exclusivamente pelo critério de existência de vagas (QAA e QAM), como ocorre em praticamente todas as demais Polícias (atualmente, mesmo sem existência de vagas para a função, o soldado é promovido automaticamente a sargento). Seria melhor dar melhores condições de trabalho e salário aos policias militares do que promover toda a tropa, inchando a pirâmide hierárquica. SERÁ NECESSÁRIO ACABAR COM A PROMOÇÃO DE PRAÇAS POR TEMPO DE SERVIÇO NA PMERJ!

    É uma pena que uma profissão tão digna e essencial para a população seja tratada com tanto descaso por nossos governantes. Já passou do tempo do governo valorizar os policiais e bombeiros, afinal a população precisa muito deles. Eles precisam ter um salário digno, que, de acordo com o D.I.E.E.S.E., não pode ser inferior a R$ 3.795,24 (três mil, setecentos e noventa e cinco reais e vinte e quatro centavos), conforme determina o inciso IV do artigo 7º da Constituição Federal. A questão salarial impacta diretamente na autoestima dos Policiais e na valorização das Polícias.

    "UMA POLÍCIA BOA E BARATA, NÃO EXISTE!" (frase dita por Monique Vidal, Delegada do RJ). O Policial Militar é o operador do direito mais importante. Ele é quem faz a triagem do fato e leva ao conhecimento de outras autoridades. ara termos uma boa segurança, devemos primeiramente valorizar o Policial Militar.

    A PROFISSÃO PRECISA SER VALORIZADA! Quanto mais desvalorizada a Polícia, mais insegurança nós teremos! Quem zela pela segurança do cidadão precisa ser muito bem remunerado, para que sua renda seja suficiente para pagar o sustento da família e o mesmo possa trabalhar tranquilo com relação ao bem estar de seus dependentes.

    ResponderExcluir
  2. NÃO PRECISA SER GÊNIO PARA VER QUE NÃO DÁ PARA AUMENTAR A CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA DOS POLICIAIS MILITARES, POIS OS SALÁRIOS ESTÃO MUITO BAIXOS!

    Os direitos constitucionais dos Policiais Militares do Rio de Janeiro estão sendo desrespeitados, pois a remuneração dos Soldados está em desacordo com o Inciso IV do Artigo 7º da Constituição Federal de 1988. O Soldado da PMERJ tem um Vencimento abaixo do Salário Mínimo Necessário, que foi estimado pelo DIEESE no valor de R$ 3.795,24 (três mil, setecentos e noventa e cinco reais e vinte e quatro centavos), ou seja, tem uma remuneração incapaz de atender às suas necessidades vitais básicas. A questão salarial impacta diretamente na autoestima dos Policiais e na valorização das Polícias. POLICIAIS MILITARES DESMOTIVADOS SIGNIFICA SEGURANÇA PÚBLICA AMEAÇADA.

    Nas sociedades capitalistas é comum que o valor de um indivíduo seja aferido através do seu poder de compra, e isso tem muito a ver com seus rendimentos – a quantidade de dinheiro que ele consegue adquirir em determinado espaço de tempo. Não é à toa que, falando de valorização dos policiais brasileiros, sempre se remete à questão salarial como um problema sério, pois além de garantir elementos essenciais para a sobrevivência, “ganhar bem” concede ao profissional um posicionamento social de relevância. Todo mundo quer maior qualidade na segurança pública, mas para melhorar a qualidade será imprescindível melhorar a questão salarial, ou seja, valorizar o Policial Militar. QUEM VIVE PARA PROTEGER, MERECE RESPEITO PARA VIVER.

    A PMERJ pode reclamar bastante dos seus vencimentos, pois são inadequados para as funções exercidas. Os baixos salários desmotivam a tropa e criam desinteresse pela profissão. Um Soldado de Polícia Militar em início de carreira deveria receber vencimentos iniciais de no mínimo R$ 7.190,98 (sete mil, cento e noventa reais e noventa e oito centavos) mensais, para uma jornada de trabalho de até 144 horas mensais. A tropa da PMERJ está desmotivada, insatisfeita e tem VERGONHA DO SALÁRIO!

    O Governo do Estado do Rio de Janeiro está sendo perverso com os SERVIDORES públicos! Em contrapartida, oferece isenções fiscais de R$ 138 bilhões, segundo relatório do TCE! Benefícios têm relação com crise fiscal. O governador Luiz Fernando Pezão precisa urgentemente avaliar a pertinência da continuidade dessa política, pois mergulhou numa crise fiscal que já afeta a prestação de serviços básicos nas áreas da saúde, educação e segurança pública.

    ResponderExcluir
  3. "Não se faz política de segurança pública apenas com tecnologia, com armas e com automóveis. Se faz política de segurança pública com servidor público estimulado, bem pago, bem treinado e desejoso, cada vez mais, de combater a criminalidade. Não se faz apenas com frota, com tecnologia e com armamento. Isso é importante! Nós temos que ter o servidor público comprometido com essa luta." (Sérgio Cabral Filho).

    “POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA SÓ É FEITA COM POLICIAIS BEM PAGOS.” foi o que disse o então candidato ao Governo do Rio, Sérgio Cabral.

    “O GOVERNANTE QUE DIZ QUE O ESTADO DO RIO NÃO TEM DINHEIRO PARA PAGAR MELHOR SEUS POLICIAIS ESTÁ MENTINDO!” (palavras de Sérgio Cabral Filho em 2006).

    ResponderExcluir
  4. Ué então funcionou normalmente. CONVERSA FIADA MATOU O CARAMBOLA.

    ResponderExcluir
  5. Dilma nomeia Lula como Ministro. Isso, sim, é golpe! Lula está fugindo do Moro.
    Nomear um investigado como superministro é um tapa na cara do Ministério Público Federal!
    Além de um descalabro, uma imoralidade sem tamanho, Dilma rasga a Constituição ao nomear Lula, mesmo 'sob judice', em vias de ser preso para o cargo de Ministro.

    ResponderExcluir
  6. A nomeação de Lula como Ministro no momento em que está 'sob judice' confirma que Dilma e Lula cometeram todos os crimes denunciados na delação de Delcídio, contra o Brasil.

    Delcídio detona: 'fui escalado pela Dilma e pelo Lula para barrar a Lava Jato'

    ResponderExcluir