quarta-feira, 20 de abril de 2016

Sem receber, militares reformados almoçam em batalhão

Alerj vai doar R$ 4 milhões para PM
A Alerj vai doar R$ 4 milhões à Polícia Militar a pedido do Ministério Público Estadual. A verba vai custear a alimentação de alunos e professores do Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças, que teve sua carga horária reduzida em 50% devido à redução na alimentação, o que poderia atrasar a formação de novos policiais. 
Vai ajudar no cumprimento de um Termo de Ajustamento de Conduta firmado entre Governo do Estado e Ministério Público, em que o Executivo se comprometeu a melhorar as condições de trabalho dos agentes.


6 comentários:

  1. O GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TEM DINHEIRO PARA PAGAR TODOS OS SERVIDORES PÚBLICOS.

    O ÚNICO JEITO É CANCELAR AS ISENÇÕES FISCAIS QUE O GOVERNO DO ESTADO DO RJ CONCEDEU ÀS EMPRESAS!

    As isenções fiscais de R$ 138 bilhões fariam a diferença, pois representa mais que o orçamento do Estado para este ano (R$ 80 bilhões).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estado nomeia 153 cargos comissionados

      Em meio à crise financeira do Governo Estadual, 153 cargos comissionados foram nomeados, entre os dias 1º de abril e 14 de abril.

      Os cargos oferecidos foram para quase todas as pastas estaduais, como mostrado no Jornal do Rio, na sexta-feira (15).

      Entre as nomeações, foram oferecidos cargos para assessoria de pastas administrativas. Parte dos cargos é ocupada por servidores concursados que agora aumentam os salários. Mas outros foram indicados por confiança. A remuneração dos cargos varia entre R$ 3.221,95 e R$ 25.061,99.

      Procurado pela Band News FM para comentar os gastos com os comissionados, o Governo do Estado ainda não se pronunciou.

      Excluir
  2. O Governo do Estado do Rio de Janeiro está sendo perverso com os SERVIDORES públicos! Em contrapartida, oferece isenções fiscais de R$ 138 bilhões, segundo relatório do TCE! Benefícios têm relação com crise fiscal. O governador Luiz Fernando Pezão precisa urgentemente avaliar a pertinência da continuidade dessa política, pois mergulhou numa crise fiscal que já afeta a prestação de serviços básicos nas áreas da saúde, educação e segurança pública.

    Benefícios têm relação com crise fiscal, pois, no que diz respeito à arrecadação, o Estado perdeu tributos. Sobre a relação das isenções e a situação da crise fiscal do Estado, existe associação entre esses dois dados. As isenções criaram essa crise, ou seja, há relação direta entre essa crise e a concessão de benefícios fiscais.

    ResponderExcluir
  3. Uma única palavra define a situação dos servidores do Estado do Rio de Janeiro: D E S R E S P E I T O .

    ResponderExcluir
  4. ué alguém ficou sem comida, a grade do rancho foi suplementada havia previsão? pode levar a familia? de que adianta comer e deixar nossos ente queridos com fome. não precisamos disso trabalhamos 30 anos entramos e saimos pela porta da frente. dignidade já!

    ResponderExcluir
  5. A CULPA DISSO TAMBÉM É DESSES "COMANDANTES????????"QUÉ NÃO LUTAM PELO SUBORDINADOS , SÓ FALEM EM PUNIR , NÃO QUEREM PERDER A BOQUINHA, SÃO COVARDES.
    SE FOSSEM COMANDANTES DE VERDADES, COM ESSA SITUAÇÃO PARAVAM ATÉ TODO MUNDO RECEBER.
    MAS SÃO COVARDES SÓ PENSAM NELES ,ESQUECEM QUE TALVEZ UM DIA VÃO SER APOSENTADOS TAMBÉM, OU NÃO VÃO PRECISAR DE RECEBER SALÁRIOS??
    QUANTO A NÃO DEIXAR AS ESPOSAS DOS POLICIAIS ALMOÇAREM POR SER O RANCHO DE MILITARES ,ELE SE ESQUECE QUE OFICIAL CANSA DE LEVAR MULHERES E VITAS PARA ALMOÇOS.
    PURA DEMAGOGIA.

    ResponderExcluir