sábado, 30 de julho de 2016

Justiça proíbe transferência de PMs de Petrópolis para Jogos Olímpicos no Rio

O juiz Jorge Luiz Martins Alves, da 4ª Vara Cível de Petrópolis, na Região Serrana do Rio, expediu ordem judicial proibindo que o 26º BPM (Petrópolis) diminua o efetivo da cidade e transfira policiais e viaturas, durante os Jogos Olímpicos, para reforçar o policiamento do município do Rio de Janeiro.
A liminar foi expedida a pedido da 2ª Promotoria de Tutela Coletiva de Petrópolis, que entrou com uma ação na Justiça, ao tomar conhecimento de que o batalhão responsável pelo policiamento da cidade teria de ceder pelo menos dois carros da PM e 40 policiais para reforçar a segurança da Rio 2016.
Em seu despacho, o juiz diz que a retirada de policiais deixaria a cidade em estado vulnerável. "...A redução de equipamento (viaturas) e tropa, quiçá armamento e munição, não apenas viola perversamente o dever constitucional ..., mas, também, e isso é de excepcional relevância, transtorna os cidadãos, suas famílias e, mais ainda, fragiliza os operosos policiais militares que permanecerão em operação, com redução de parceiros e falta de equipamentos (viaturas) para os deslocamentos necessários ao atendimento das demandas", escreveu o juiz em um trecho da decisão..
No documento, ele determinou ainda que o 26º BPM se abstenha da retirada e equipamentos como viaturas, munição e armamento e ainda que comprove, em 24 horas,a devolução de duas viaturas já transferidas para o Rio de janeiro.
O juízo da 4ª vara Cível também estabeleceu multa de R$ 3 milhões, caso a ordem judicial não seja cumprida pelo governo estadual.

3 comentários:

  1. Já era ora do judiciário começar a se manifestar contras os abusos praticados contra os policiais pelo governo...

    ResponderExcluir
  2. Vocês sabem porque o Comandante Geral ia retirar os policiais do 26° BPM para reforçar a capital? Porque ele esta há quase 30 anos na PM e não aprendeu nada. Salário inútil. Não tem um projeto de segurança para os subordinados, a não ser o de usar cobertura, foi a unica coisa que aprendeu na PM, como um sujeito desse vai pensar em projeto de segurança. Aliás a sociedade nem o conhece, pois nem aparece para dar entrevista quando morre um PM. Ele não deveria de responder por estelionato? Recebe um salário alto e ninguém vê trabalhando! Ninguém conhece!

    ResponderExcluir
  3. Será que a PM vai cumprir a decisão?

    ResponderExcluir